Remember

Enganar-se-ão os que pensem que a vertigem fascista e totalitária que vivemos se há-de manifestar através dos mesmos mecanismos que durante quase 50 anos de ditadura nos habituámos a reconhecer. Enganar-se-ão, porque aquilo que durante o Estado Novo foi uma política opressiva, censória e persecutória com origem na estrutura panóptica e fascista do poder do Estado, é nos nossos dias isso mesmo, a mesmíssima coisa, mas com origem determinável no interior do próprio indivíduo.

O totalitarismo hoje instalado em Portugal recorre aos mesmos instrumentos de opressão, censura e perseguição da ditadura salazarista, mas fá-lo com a sofisticação suficiente para que não seja já o Estado a necessitar de usá-los, projectando no próprio indivíduo, acossado pelo pavor e pela angústia, a pulsão inconsciente de se oprimir, de se censurar e de se perseguir.

Bruno Santos
5 de Novembro de 2013