O exame de Português de 9.º ano (código 91)

O exame de Português de 9.º ano começava com um texto de Gonçalo M. Tavares, publicado na «Visão» em 22 de Setembro de 2001, sobre os Dicionários e as palavras que não são usadas normalmente nas «conversas de café». Seguiam-se 6 perguntas de resposta múltipla sobre o texto.
Um segundo texto, extraído da obra «A Casa do Pó», de Fernando Campos, remetia para o universo dos Descobrimentos e em particular para os estaleiros navais na zona de Belém. A narrativa decorre poucos anos depois da viagem de Vasco da Gama para a India. Seguiam-se 5 perguntas de interpretação sobre o texto.
O Grupo I terminava com Gil Vicente. Os alunos tinham de redigir um texto sobre o «Auto da Barca do Inferno» ou, em alternativa, sobre o «Auto da Barca da India», sendo que eram apresentados excertos das duas obras.
No Grupo II, 6 perguntas de Gramática e, no último Grupo, uma composição sobre a importância do vocabulário na comunicação oral e escrita.
Mesmo não sendo profesor de Língua Portuguesa, pareceu-me um exame acessível, embora, comparando com a vergonha que era nos tempos da Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues, quase se pudesse classificar como sendo de dificuldade média. Definitivamente, atendendo ao universo dos nossos alunos, não era um exame que se fizesse de caras.
Também me pareceu um exame grande. A amostra vale o que vale, mas a verdade é que dos 13 alunos que «vigilei», só 4 não precisaram de utilizar os 30 minutos de tolerância.
Quanto ao resto, bem-vindos ao trabalho mais chato do mundo

Qual é a diferença entre Ditadura e Democracia?

Para os meus alunos do 9.º ano (15 anos de idade), nenhuma. Ou melhor, nem sabem do que estou a falar. Crise política em Portugal, demissão do primeiro-ministro, eleições em Junho? Não, nunca ouvimos falar.

Por vezes, questiono-me sobre o que ando aqui a fazer…

A «Guernica» aplicada ao ensino da História


Desde sempre que procurei inovar nos métodos de ensino e no tipo de recursos apresentados aos alunos, mas agora que estou numa escola com computador ligado à internet em todas as salas de aula, a minha tarefa é muito mais fácil e aliciante. Vem isto a propósito da «Guernica», o famoso quadro de Picasso, que costumo utilizar quando abordo os antecedentes da II Guerra Mundial. Uma fotógrafa inglesa, Lena Gieseke, pegou no quadro e exporou-o minuciosamente em 3 D. Em menos de três minutos, qualquer aluno fica a perceber o mais pequeno pormenor. Palavras para quê?