O Jogo das Contas de Vidro

 

Este livro resultou na atribuição do Prémio Nobel da Literatura a Herman Hesse, em 1946. Abre com uma citação de Albertus Secundus, presumivelmente uma personagem criada pelo próprio Herman Hesse. E diz assim:

“…pois de certo modo é mais fácil e irresponsável à gente frívola descrever por meio de palavras as coisas não existentes do que as existentes, mas para o historiador piedoso e consciencioso é completamente diferente: nada se furta tanto à descrição por meio de palavras e nada é tão necessário pôr à frente dos olhos dos homens do que certas coisas cuja existência nem se pode provar nem demonstrar, mas que, justamente porque os homens piedosos e conscienciosos as tratam como existentes, dão mais um passo para o ser e a possibilidade de nascer.”

O livro de Herman Hesse, O Jogo das Contas de Vidro, editado em Portugal pela Dom Quixote, parece não ser fácil de encontrar. A citação feita acima foi retirada da 7ª edição, que já é de Outubro de 2008 e repousava num armazém.

Mas a leitura vale a pena.