Fake News sobre o Passe Único na Área Metropolitana do Porto

Registo áudio de chamada telefónica efectuada para a Linha Andante (226 158 151 – Porto), onde se questionam as informações fornecidas pelo programa do Dr. Marques Mendes, na SIC Notícias, sobre o Passe Único na Área Metropolitana do Porto:

A implementação do Passe Único na Área Metropolitana do Porto tem sido um processo pouco transparente onde tem abundado a desinformação e até as notícias falsas.

Ao contrário do que tem sido afirmado, a redução de preços dos passes, para 30€ e 40€, nos transportes colectivos da Área Metropolitana do Porto, só poderá ser aproveitada por quem já é servido pelo sistema Andante, o que deixa fora destes descontos milhares de utentes que residem na Área Metropolitana do Porto, principalmente nas zonas mais periféricas.

[Read more…]

Passe Único: o Conselho Metropolitano do Porto deve explicações ao país

Segundo a informação prestada pelo Conselho Metropolitano do Porto, o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) nos transportes públicos é um “programa estratégico ao qual a AMP aderiu através da aprovação pelo Conselho Metropolitano [do Porto] de um Memorando denominado “Passe Único”, o que exige a realização de um estudo para a sua implementação”.

É compreensível – para não dizer que é óbvio – que uma medida da importância e da complexidade do “Passe Único”, que foi apresentada como uma grande revolução nos transportes colectivos da Área Metropolitana do Porto, seja implementada após terem sido realizados os estudos relativos a essa mesma implementação. Como se sabe, por ter sido profusamente publicitado pela AMP através da comunicação social, o Passe Único da Área Metropolitana do Porto entrará em vigor no próximo dia 1 de Abril, mas em condições totalmente diferentes daquelas que foram inicialmente anunciadas.

Contudo, há várias perplexidades suscitadas pelo modo como este processo está a ser conduzido, uma das quais já aqui manifestada e que se prende com o facto de a contratação do dito “estudo” ter sido decidida há apenas dois meses. Acontece que as surpresas não ficam por aqui.

Na verdade, o contrato para a realização do “estudo para a implementação do “Passe Único”, no âmbito do Programa de Apoio à Redução Tarifária [PART] nos transportes públicos” da Área Metropolitana do Porto, foi assinado no passado dia 1 de Março de 2019, ou seja, cerca de 30 dias antes de o tal “Passe Único” entrar em vigor, a 1 de Abril de 2019. Acresce que esse contrato prevê um prazo de quatro (4) meses para a entrega do referido estudo. Ou seja, o “estudo de implementação do Passe Único” será entregue à AMP três (3) meses depois de o referido “passe” estar em utilização, lá para o próximo mês de Junho.

É notório que o presidente do Conselho Metropolitano do Porto terá muito que explicar na audição parlamentar para que foi convocado.

Ligação para o contrato assinado a 1 de Março de 2019

 

AMP: Estudo de implementação do Passe Único feito em menos de 2 meses

Acta da reunião de 24 de janeiro de 2019

Há apenas dois meses atrás, precisamente a 24 de Janeiro de 2019, o Conselho Metropolitano do Porto não fazia, aparentemente, a mínima ideia sobre como iria implementar o Passe Único na Área Metropolitana. É isso que se pode concluir da leitura da Acta da 25ª Reunião Ordinária da Comissão Executiva Metropolitana do Porto, realizada nesse dia do passado mês de Janeiro. Há menos de sessenta dias atrás, portanto.

O ponto 8 da Ordem de Trabalhos consistiu na “Proposta de Adjudicação, por Ajuste Directo, da aquisição de serviços para a realização de um Estudo para a implementação de um Passe Único, nos transportes na AMP”.

[Read more…]

Passe Único: Bloco de Esquerda chama presidente da AMP ao Parlamento

A redução do preço e a melhoria do serviço dos Transportes Públicos Colectivos são medidas fundamentais ao desenvolvimento, à coesão territorial e à justiça social. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E se há coisa que deveria ser imperdoável em política, essa coisa é a demagogia e a propaganda feitas à custa dos de sempre, dos que não têm voz para reclamar, nem força para fazer valer os seus direitos de cidadania.

Conforme foi aqui devidamente esclarecido,a introdução do Passe Único na Área Metropolitana do Porto está muito longe daquilo que foi anunciado e que vem sendo vendido à população como uma espécie de milagre de Fátima. Daí que apenas se possa aplaudir a iniciativa do Bloco de Esquerda, que decidiu chamar ao Parlamento, para dar explicações, o presidente da Área Metropolitana do Porto. Diz o Bloco de Esquerda, e muito bem, que é inaceitável e incompreensível que a AMP continue sem prever uma data para a entrada em vigor do passe família (todos os elementos de um agregado familiar que vivam na mesma casa tem acesso ao passe único por um preço fixo total de 80 euros para toda a família).

O logro do Passe Único na Área Metropolitana do Porto

A promessa do Passe Único na Área Metropolitana do Porto ameaça ser um verdadeiro logro eleitoralista e uma gritante injustiça face ao que se encontra previsto para a Área Metropolitana de Lisboa. Estranho é não se ouvirem as vozes regionalistas do costume, clamando pela coesão territorial. Ou talvez não seja estranho, uma vez que não parece haver “verbas” para distribuir pela clientela. Apenas povo a pagar.

[Read more…]

Passe Único na Área Metropolitana do Porto: mais uma manobra de propaganda

 

No passado mês de Outubro de 2018, o jornal Expresso anunciava em grandes parangonas uma verdadeira revolução nos transportes públicos da Área Metropolitana do Porto. O Passe Único, dizia o presidente da AMP, entraria em vigor, naturalmente no dia 1 de Abril, e nas seguintes condições:

  • Abrangeria todos os 17 Concelhos da Área Metropolitana do Porto
  • Nas viagens entre Concelhos teria um custo máximo de 40,00€ e seria utilizável no Metro, nos STCP, na CP e nas empresas privadas de transportes.
  • Uma família, independentemente do seu número de membros utilizadores do Passe Único, pagaria, no máximo, 80,00 €.
  • O Passe Único seria gratuito para crianças até aos 12 anos de idade.

Para surpresa de alguns – cada vez menos -, o Passe Único, afinal, não vai abranger todos os Concelhos da Área Metropolitana. Uma grande parte ficará excluída desta medida. A CP, afinal, não fará parte do plano, nem a medida referente às famílias, que garantia um gasto máximo de 80,00€, será implementada. A gratuitidade para crianças até aos 12 anos também não, tendo que esperar até Setembro. Pelo menos.