O princípio do fim de Sérgio Conceição

Durante duas épocas, Sérgio Conceição inventou uma roda no fim de cada jogo em frente aos Super Dragões, como que agradecendo à claque pelo apoio dado.
Hoje, como resultado do empate da última jornada e respectiva contestação, Sérgio Conceição decidiu fazer a roda no centro do relvado. De forma ostensiva, agradeceu com aplausos a todas as bancadas menos à dos Super Dragões.
Estes recusaram-se a sair do estádio.
Meia hora depois do fim do jogo, os jogadores e o treinador voltaram ao relvado e dirigiram-se à claque, num estádio quase completamente vazio.
Não sei de quem partiu a ordem, mas bastava ver a azia de Sérgio Conceição para perceber que não foi dele.
O ex-treinador do Nantes, aquele que veio para ensinar e não para aprender, assinou hoje a sua sentença. O estado de graça já se foi. Se não for antes, na próxima época bastará que as coisas comecem a correr mal.
Culpa própria mas, acima de tudo, do octogenário que há 37 anos iniciou a construção de um FC Porto que hoje se empenha diariamente em destruir.
Com Jorge Nuno Pinto da Costa, vai ser isto até ao fim. Com o apoio de 79 por cento dos sócios, a patrocinarem o desvario constante, o FC Porto terá de esperar por melhores dias. A Justiça divina não falha.