A pedra preciosa

LACINIUS, Pretiosa margarita novella (1546)

O facto de as técnicas de persuasão se exercerem através de instrumentos comunicacionais tecnologicamente evoluídos, como a internet ou a televisão, não significa que não se dirijam a receptores primitivos da psicologia humana. Aliás, o recente episódio telefónico envolvendo um órgão de soberania e uma estrela de televisão demonstra precisamente que a tecnologia comunicacional está a ser usada para influenciar estruturas psicológicas que habitam as profundezas mais áridas do Inconsciente.

Esta aparente contradição, entre a sofisticação dos meios utilizados e o arcaísmo das estruturas psicológicas a que se dirigem, é o sintoma de uma radicalização do esforço persuasivo e manipulador da psicopolítica, que talvez só tenha paralelo nos regimes fascistas.

É aqui que tem cabimento aquela imagem do dedo que aponta o outro enquanto três apontam o próprio. É o limite do espelho, que representa também a fronteira da civilização. Pois que a civilização não é de pedras, mas de ideias antes das pedras. E quando as ideias chegam ao grau de abandono que nos é dado contemplar, o que verdadeiramente olhamos chama-se abismo. E o que nos olha, também.