Caça ilegal na Serra da Estrela – carta aberta

“Muitas vezes a forma como se tratam os “pequenos assuntos” indicia a maneira como são tratados os “grandes assuntos”

Mário Martins

Exmºs. Srs.:

Presidente da República;
Primeiro Ministro,
Ministro da Agricultura,
Ministro da Administração Interna,
Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana,
Comando Operacional do SEPNA,
Comandante da Guarda Nacional Republicana-Guarda,

Assunto:Exposição/requerimento

No dia 03 de Fevereiro de 2013, pelas 07h20,encontravam-se vários indivíduos a caçar irregularmente nas zonas de protecção de Aldeia Viçosa, Lar, praia fluvial, Colégio do Mondego, Centro de Formação de Relvas, etc, etc, etc…
Comunicado à linha SOS Ambiente, deslocou-se aqui ao Vale do Mondego uma equipa de fiscalização. Parecia não conhecer a zona pois, em vez de se dirigir aos infractores, dirigiu-se para as imediações de minha casa. Por aqui foi andando.
Não presenciámos qualquer acção tendente a acabar com as irregularidades.
Os senhores caçadores foram-se espalhando pelas zonas de protecção de várias unidades hoteleiras, instalações de criação animal, instalações fabris,etc, etc, etc… por onde quiseram.
É recorrente haver situações de infracção mesmo com a presença da fiscalização. Poderia apontar muitas; cito três a título de exemplo:
Numa das batidas aqui levadas a efeito, e quando tentávamos explicar as situações de irregularidade, um indivíduo, de arma na mão,esgueirava-se de um local – integrado em Zona de Intervenção Específica -, zona de protecção de instalações de criação animal e sítio de caça proibida por portaria, em virtude de não estar integrado em nenhuma das zonas de caça. Alertados para a situação ali mesmo junto não só não houve qualquer tentativa de intervir como justificaram a situação dizendo: esse não fazia parte da batida, estava às sobras.
E pronto, as tais sobras justificaram as infracções.
Num dos dias em que havia vários caçadores aqui em frente à habitação, perante a denúncia, deslocou-se uma patrulha que, na minha presença, parecendo estar a confirmar a veracidade dos factos, informou ouvirem-se vários disparos, foi mandada regressar. Um dos elementos,perante o caricato da situação, ainda me disse,agora o resto não é connosco, já vêm aí outros.
Também já houve situações de não fiscalização por falta de fita para medir.
Como tive de aprender a usar a carta militar e até a traçar azimutes, de cujo rigor e exactidão dependiam vidas, estou disponível, caso alguém do Comando Operacional queira verificar o acerto e veracidade das denúncias feitas.

Não há muito tempo, quando decorria um concerto de música erudita, devidamente autorizado, aqui na quinta a que assistiam mais de 150 pessoas, um costumeiro arruaceiro, também presidente de junta de freguesia agora dissolvida pelo Tribunal Administrativo e Fiscal,insultou, provocou, ameaçou, instigou à violência e tentou impedir a audição “vuvuzelando”, na presença de uma patrulha. Tudo lhe foi permitido porque,ao que um dos elementos alegou,não traziam ordens para o prender.
Será que a fiscalização dos senhores da caça também não traz ordens para actuar?
Envio, para não ser alegado desconhecimento, para as várias entidades,e divulgo.
Pode parecer um assunto menor: não o é. Mesmo que fosse, como diziam os romanos, aquele que só trata dos grandes assuntos é apenas meio homem, aquele que trata dos grandes e dos pequenos, esse sim, é homem inteiro.
Muitas vezes a forma como se tratam os “pequenos assuntos” indicia a maneira como são tratados os “grandes assuntos”.
Não só não é possível fazer qualquer trabalho, mesmo agrícola, pois a falta de recursos obriga a trabalhar aos fins de semana com a ajuda de familiares e amigos que têm outras ocupações, como nem sequer é seguro fazer um simples passeio a pé.

Ainda há pouco soube, pela boca do proprietário, haver sido chumbado o cunhado, dentro das próprias instalações hoteleiras.

Num Parque Natural e Rede Natura 2000.

Dado o surrealismo da situação, a degradação do meio ambiente, da REDE NATURA 2000, do Parque Natural da Serra da Estrela, da imagem das instituições, mais uma vez requeiro, tão só, o cumprimento da Lei.

Parque Natural da Serra da Estrela/REDE NATURA 2000,Vale do Mondego,Guarda,05 de Fevereiro de 2013.

Comments

  1. Konigvs says:

    Pagar para andar aos tiros em pleno século XXI é uma aberração ao nível das touradas. Caça só é boa quando sai a notícia que mais um caçador morreu fruto de engano, mais ou menos como quando um toureiro é colhido pelo touro e vai parar ao hospital. Então esta recente legislação para caçar melros – a ave mais comum dos nossos jardins – é absolutamente patética, sim porque o melro deve dar imenso para comer. Vergonha de país.


  2. ao defender os “sagrados direitos” muitos nao veem que o nao haver avaliacao e escrutinio permanente tras estas consequencias e outras piores =nao e necessario ser eficiente ou fazer nada, basta andar a passear a farda desde que se arranje multas para entrar verba -e claro os mais faceis de apanhar sao os lentos cidadaos honestos, porque os malandros correm muito para as gordas barrigas do poder.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.