Viagem ortográfica à Idade Média

Nas escolas, está afixado o documento que podeis ver na fotografia, com a tripla chancela da República Portuguesa, do Serviço Nacional de Saúde e da Direcção-Geral de Saúde.

Nesse mesmo documento, ao alcance de milhares de alunos, podemos ver que a mesma palavra, ao que tudo indica, surge grafada de duas maneiras diferentes: “antissética” e “anti-séptica”.

Nos documentos emanados das chancelarias medievais, também era possível assistir a este fenómeno das duplas grafias, numa época em que a ortografia era, tal como hoje, uma utopia, ou seja, um não-lugar, uma inexistência. [Read more…]

Factura rima com

contractura. Contratura rima com magistratura.

A dúvida

A leitura de uma entrevista ao historiador escocês Neill Lochery a propósito do seu novo livro “Porto, a entrada para o Mundo”, provocou-me uma enorme dúvida, daquelas que ficarão eternas porque assentam no pressuposto “e se…”.

[Read more…]

Feminismo vs Liberdade Individual 2.0

Uma cambada de fanáticos pela igualdade, em detrimento da liberdade individual, lembrou-se de querer tornar as mulheres em algo que não querem, em nome de uma luta identitária. Eis os resultados.

Assim vai o país…

Foi possível assistir a espectáculos ao vivo na praça de toiros do Campo Pequeno, mas até ao momento não foi autorizado um único evento tauromáquico. Ao que parece e cedendo à pressão do sector, passará a ser possível a realização de corridas de toiros, desde que os promotores garantam que a lotação das praças não exceda os 50 por cento. Já o futebol, cujos estádios também são ao livre, continua a ter os jogos disputados sem público. Isto nas competições que interessam, as que envolvem muito dinheiro em contratos televisivos e patrocínios, porque os amadores, esses nem podem treinar. Para não causar mais falências permitiu-se a abertura de ginásios, mas os atletas das modalidades amadoras continuam impedidos de entrar em competição. [Read more…]

Pornografia industrial

Embalar abóboras, bananas, curgete e outros legumes que têm eles mesmos a sua “embalagem” natural. Ou uma caixa destas para um peixe.

O custo monetário do plástico é tão baixo que permite esta omnipresença. E o custo ambiental parece não importar ninguém.

O que me impressiona neste cenário é absoluta irracionalidade do acto. Para quê embalar uma abóbora em plástico? Qual é o valor acrescentado disso?

(Fotos feitas antes do covid.)

Auto-mutilação

Actualmente, ser de esquerda implica mutilar a sua própria liberdade. Principalmente, a liberdade de pensar.

[Read more…]

A bandalheira na Casa Branca

O grande presidente da Law and Order comutou ontem a sentença de prisão de seu amigo e ex-conselheiro político, Roger Stone, dias antes de Stone ter que se apresentar numa prisão federal na Geórgia.

Eis a palhaçada a que chegou a América de hoje.

Adenda: Desmascarando 12 mentiras e falsidades na declaração da Casa Branca sobre a comutação da sentença de Roger Stone

O Conselho Geral e de Supervisão da EDP é inútil e a culpa é do socialismo

EDP

Foto: Bruno Colaço/Jornal de Negócios

De um momento para o outro, o ex-ministro do PSD, António Mexia, passou de gestor premiado a socialista. Bastou para isso ser cozinhado em lume brando pelo justiceiro Alexandre, acrescentando-se 200 gramas de José Sócrates em pó e meio quilo de Manuel Pinho à receita, antes de ir ao forno do populismo chegófilo e liberacho. Admira-me como é que Durão Barroso ainda não foi grelhado, à conta do “porreiro, pá!”.

E enquanto ultraconservadores e neofascistas se entretêm a tratar as suas ovelhas como um rebanho de otários, o Conselho Geral e de Supervisão da EDP esteve estes anos todos sem ver a ponta de um corno à sua frente. Entre CAEs, criados por Cavaco Silva, e CMECs, criados por Santana Lopes, durante o tal governo socialista que teve Mexia como ministro, a EDP é o melhor espelho possível para o capitalismo rentista que parasita este país há décadas.

[Read more…]

Fim da linha para João Rendeiro

BPP

Foto: Nuno Fox@Expresso

João Rendeiro, antigo presidente do BPP, outrora elogiadíssimo génio do private banking, foi hoje condenado a 5 anos e 8 meses de prisão efectiva pelo Tribunal da Relação de Lisboa, por crimes de falsidade informática e falsificação de documento, confirmando assim a condenação em primeira instância. Para a história fica mais um episódio de terrorismo financeiro, que vitimou contribuintes, depositantes e investidores, e um buraco que andará na ordem dos 900 milhões de euros. Acompanha-o Paulo Guichard, ex-administrador do banco, condenado a 4 anos e 8 meses. [Read more…]

Não é possível explicar mais “devagar”

Via Twitter @Salsaparrilha4

Decorem este nome: Volt!

Na semana passada, tivemos a entrada de mais um partido para o jogo democrático português: o Volt. Sou honesto, apenas conheço o Volt há umas semanas e interessei-me bastante pelo projeto. O Volt apoia a ideia de uma Europa federal e é bastante progressista. [Read more…]

O fundamental e o acessório

Tempos estranhos que a pandemia exponenciou. A seriedade tornou-se mansa e a falsidade, assanhada. E o método não varia. O desprezo pelo essencial e a supervalorizaçâo do acidental ou secundário.

[Read more…]

Liberdades? Sim, claro, quando me dá jeito.

Na Assembleia, o deputado único do CHEGA teve uma declaração em que disse que lá por ser do Benfica, não tinha o direito de acabar com alguns adversários. Claro que a frase dele teve bastante impacto por se referir a clubes de futebol, mas nem é isso o que me impressiona na frase. André Ventura defende, e bem, que cada pessoa tenha a liberdade de ser do clube que quer e que essa liberdade acaba quando interfere na do outro.
Onde está André Ventura, o grande defensor das liberdades, quando defende que não deve ser ensinada a ideologia de género, tirando assim uma opção às escolas e aos pais? Onde está o sentimento de liberdade, quando defende um isolamento especial para uma etnia? Onde está o respeito pelas opiniões dos outros, quando se  promete acabar com a bandalheira que vai para o Twitter?

Ignorando o assunto que estava em questão na Assembleia, André Ventura percebeu, que para defender uma ideia, é preciso pensar como podemos tornar as pessoas mais livres. Mas tal como outros de direita e a maioria de esquerda, apenas proclama liberdade quando dá para defender os dele e aquilo que os dele gostam.

O problema é que André Ventura ainda não entendeu que não podemos defender apenas a liberdade quando é algo que nos toca. Temos defendê-la sempre. Alguém que lute verdadeiramente por pessoas livres, luta até por aqueles que não gosta.

Uma questão de imagem

Tens 550 mil euros para gastar com a tua cidade. Podes investir em educação, saúde, alimentação, etc. Mas não, a Câmara do Porto optou por investir num projeto para pessoas consumirem drogas. Isto apenas contribui para a marginalização dos próprios.

Ennio Morricone

1928 – 2020

O que significa ser comunista?

Isto dava um livro, pelo que a sua redução a um texto obriga à (grosseira) preferência pelas conclusões e ao (ético) consentimento comum sobre os factos que as sustentam.

[Read more…]

A dimensão do contato

This is not a playable instrument.
Flea

***

Efectivamente, o Acordo Ortográfico de 1990 não funciona. Se ainda houver dúvidas, o Diário da República esclarece-as. Para uma visão pormenorizada do assunto, podeis recorrer à etiqueta sítio do costume.

Com votos de um óptimo fim-de-semana, eis o pano de fundo musical dos últimos dias, distinguindo-se um toque de deliciosa assimilação progressiva no primeiro verso:

A ajuda do Estado à TAP é negociada em dias.

A ajuda do Estado a crianças com cancro no Hosp. S. João no Porto é adiada durante uma década.
Um país de prioridades bem definidas.

Imbecil Mor

Pedro Nuno Santos recordou que 90% dos turistas que chegam a Portugal vêm por via aérea e que, destes, cerca de METADE são trazidos pela TAP, sublinhando que a companhia aérea nacional é a maior exportadora nacional” e que “A TAP é demasiado importante para a deixarmos cair”

Primeiro, este imbecil que tem a mania que tem mau feitio e que é um “durão” nem se apercebe que o registo crispado a que, artificialmente, recorre não convence ninguém. Pelo contrário só o transforma num enorme pateta que ninguém respeita. E num tempo em que abundam os patetas, conseguir fazer-se notado pela patetice, é obra.

Segundo, este imbecil já nem disfarça e assume, expressamente, que para esta corja, Portugal se reduz à capital do império. O interesse nacional é o interesse de Lisboa. As necessidades nacionais são as necessidades de Lisboa. O resto do País quase exclusivamente composto por parolos inconvenientes, é-lhes tão próximo quanto a Nova Zelândia.

Terceiro, este imbecil como bom trafulha que é, mente com quantos dentes. No último ranking conhecido (2019), a TAP (na prática, a TAL, transportes aéreos de lisboa) nem aparece nas 10 maiores exportadoras nacionais. Mas, provavelmente, por circunstancias transitórias (aquisição de aviões), é a 2ª maior importadora (cfr https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/as-10-maiores-exportadoras-e-as-10-maiores-importadoras-de-2019).

Quarto, este imbecil acha que se repetir muitas vezes o que lhe interessa, a ilusão passa a ser real. A TAP (TAL) só é demasiado importante para ele e para a corja de que faz parte. Não compreendo e estou certo que pouca gente compreende, essa necessidade quase física de não abdicarmos de uma companhia de bandeira. Não tenho qualquer orgulho especial em ver o nome de Portugal pintado numa data de aviões. Principalmente quando o custo é o que tem sido e, pior, o que se prevê. Para que se perceba, esta injecção de 1.200 milhões de euros corresponde a um esforço de 120€ por cada Português. Por exemplo, numa Família típica, Pai, Mãe e 2 Filhos, traduz-se num custo de 480€. Perguntem-lhes o que preferem: um alívio fiscal de quase 500€ ou a sobrevivência da TAP (TAL). E atenção que essa sobrevivência vai ser nível “zombie”, nivel “morto-vivo” porque nos próximos tempos, muitas e muitas vezes lá terão de voltar a pagar mais 480€ para que os aviõezinhos continuem com a cauda pintada de verde e vermelho.

O envelhecimento da classe docente

 

Vídeo encontrado no ComRegras

Prosperidade socialista II

A austeridade que por acaso nem foi contratada pelo Sócrates no Memorando de Entendimento que negociou em 2011, acabou quando caiu o governo “antipatriótico” de Passos Coelho. Desde esse momento, pagamos menos impostos, o País deve muito menos, a prosperidade não está só no discurso e nas cabeças dos governantes,etc.

[Read more…]

Prosperidade socialista

Se o PS e a extrema-esquerda governassem o Saara, estávamos agora a discutir uma injecção de capital para o deserto poder importar areia.

Em qualquer País decente em que a comunicação social não estivesse arregimentada e os Tribunais funcionassem com plena isenção, a recompra da TAP e a venda do Novo Banco já tinha enviado alguns dirigentes socialistas, PM incluído, e os seus dilectos amigos, por exemplo o Lamerda Machado, perdão, Lacerda Machado, para os calabouços. E o PR que aparenta estar confortável numa posição que, com boa vontade, parece ser a de “primeiro corno”, já tinha sido, no minimo, repreendido pela sua passividade e pelo seu colaboracionismo ou cumplicidade.

Se a nossa perspectiva económica já é negra (não sei se ainda posso usar esta expressão), ser governados por estes trafulhas ineptos, é condenar este País à eterna indigência. A do País. Não a deles e a dos amigos.

Confesso que estou a ser injusto. Afinal sempre vamos ter as finais da Liga dos Campeões na capital do império.

Rebardamerda para quem vota nestes cabrões.

A alt-right tuga, de lápis azul na mão

d

A mesma direita que se insurge contra todos os protestos anti-racistas, que proclama o regresso do totalitarismo a cada estátua vandalizada, que exige a normalização e a aceitação do discurso de ódio, como se de liberdade de expressão se tratasse, que rasga as vestes porque a escola foi tomada de assalto por uma ideologia que não a sua, a única que pode aceitar e que inclui mulheres na cozinha e crucifixos na parede, e que arranca cabelos porque politicamente correcto e tal, mobilizou-se para cancelar uma série na RTP2 – Destemidas – porque, pelos vistos, é inaceitável que duas mulheres se beijem na televisão pública. Toureiros a torturar animais sim, guerras e mortos em directo também, mas ai de nós que duas mulheres se beijem! A menos que seja numa telenovela brasileira, na Anatomia de Grey ou num filme qualquer. [Read more…]

Coronabus-19

cobus

Não estamos todos no mesmo barco. Nunca estivemos. Alguns de nós estão no autocarro, à pinha, e não têm alternativa. Outros, os tais que escreveram uma carta a “pedir” ao governo para acelerar o processo de desconfinamento, à qual Costa acedeu caninanente, não precisam de transportes públicos.

Ainda há (pelo menos) seis dúvidas no Orçamento Suplementar

Efectivamente, há (pelo menos) seis (cinco mais uma) e não (pelo menos) cinco.

Ao meu aluno que passou hoje

Meu querido aluno,
Sei bem o que representa o ensino básico, objectivos gerais e não sei quê, mas queria dizer-te isto porque acho que há limites…
País e professores passam o ano inteiro a dizer-te, a ti que frequentas o ensino básico, que deves estudar muito se queres passar. Se não estudares, reprovas.
Olha que não é verdade. Em termos de avaliação, todo o ano lectivo é a maior mise-en-scéne que algum dia conhecerás.
Fica a saber que, estudes muito, pouco ou nada, o resultado será o mesmo. Mais uns níveis 4 ou 5, talvez, mas se te contentares com um 3, basta fazeres figura de corpo presente. Ou nem isso…
Não é o que te dizem, claro. “Estuda, vais ter negativa. Vais reprovar”.
Tretas. Os teus pais sabem que não é verdade. A menos que sejam burros.
Sabes, querido aluno, em algumas escolas os professores têm de fazer uma justificaçāo oficial quando dão menos de 96% de positivas. Numa turma de 20 alunos… é fazer as contas. [Read more…]

Lisboa a ser vítima de Lisboa

Lisboa continua a ter imensos casos de Covid-19, enquanto o Porto, por exemplo, não tem casos há mais de 20 dias. Julgo que pela primeira vez na História, Lisboa foi vítima daqueles que fazem da capital algo superior, como se fossem diferentes dos comuns mortais.

Atualmente, Lisboa tem a larga maioria dos novos casos. Esta é a mesma cidade na qual a classe política achou boa ideia fazer celebrações do 25 de Abril, celebrações do Dia do Trabalhador, manifestações da esquerda à direita e, pasme-se, celebrou-se o facto de Portugal receber a Liga dos Campeões. Os populistas da esquerda à direita e os que usam Lisboa para centralizar os seus poderes foram os culpados desta situação. Talvez tenham confiado demasiado na sua população que não é menos educada, nem mais pobre, nem mais velha. [Read more…]

Nuno Santos tentou fazer uma recepção

Levantávamos a cabeça e tínhamos jogadores a voar por todo o lado
Aimar, o Poeta

Eddie, I spilled some coffee in the kitchen. I’m sorry. I’m apologizing now.
Chris Cornell

***

Ao contrário do que se depreende das deturpações feitas pelo jornal A Bola, o futebolista Nuno Santos não se referiu nem a receção, nem a janeiro. Aquilo que este magnífico jogador, campeão pelo FC Porto e pelo maravilhoso Benfica, escreveu há dias na sua conta do Instagram foi o seguinte:

Grafias impecáveis: não há reparos a fazer. Nuno Santos, segundo sei, não pratica profissionalmente o acto de escrever. Nuno Santos ganha a vida a dar pontapés e cabeçadas numa bola. Mesmo assim, como se viu, escreve bem.

Todavia, ao lerem estes disparates, escritos por quem é pago para escrever e transcrever,

os leitores do jornal A Bola ficarão a julgar que o jogador Nuno Santos trata o portuguez lingua escripta como ele é tratado no jornal A Bola: ao pontapé e à cabeçada (o Estebes diria “à cabeçada e ao pontapé”). Já sabemos que A Bola preferiu comer e calar, em vez de colaborar no desenvolvimento de uma sociedade livre e moderna. Mas nós não temos culpa das altamente duvidosas opções cívicas da direcção do jornal A Bola. Além disso, esta mania de andarem por aí a deturpar a óptima grafia dos outros, francamente, é inadmissível. Obviamente, Nuno Santos está à espera de um pedido formal de desculpas do jornal A Bola.

Nótula: Um grande abraço ao excelente leitor do costume.

***

Fascistas, mas pouco

Uma das inovações “covid” da esquerda, tem sido a facilidade com que apelidam quem se lhes opõe com epítetos como “fascistas”, “extrema-direita”, “racistas”, etc.

Pior que a prontidão no insulto, é nem perceberem que essa estratégia diz muito mais acerca deles próprios que, propriamente, acerca dos visados até porque, normalmente, essas acusações carecem de fundamento.

E o que diz acerca da esquerda? Desde logo, e numa perspectiva puramente espacial, o epíteto “extrema-direita” tem mais a ver com a distância a que se encontram. Ou seja, estão tão polarizados na esquerda, melhor na extrema-esquerda que esse afastamento leva-os a considerar que a partir do centro político, é tudo “far right”. Mais ou menos como aquele indivíduo que estando no Pólo Norte acha que o Porto fica mesmo no Sul. Muito, muito a Sul.

Segundo, e muito mais grave, é a desonestidade que esse argumento vazio representa. O agitar do fantasma fascista, do perigo do crescimento da direita radical, só visa angariar simpatias pelo medo. Assustar para conquistar. E mais desonesto se torna quando verificamos que a nivel global, as piores ditaduras, os sistemas que maior desgraça causam às suas populações e menos liberdade lhes concedem, são todos comunistas. Ou seja, se há perigo palpável para o qual devemos alertar a cidadania, é para o perigo vermelho.

Mas a desonestidade não fica por aí. Aliás como é timbre da esquerda que por força do demonstrado insucesso (eufemismo, a expressão adequada seria “naufrágio trágico”) das suas ideias, só pode fazer prova de vida se recorrer a truques de comunicação e a argumentos trapaceiros. Quando apelidam algo ou alguém de “fascista”, a acusação vem sempre, repito, sempre desacompanhada de qualquer facto ou razão que a sustente. O objectivo é criar uma incriminação que não precise de ser verificada. Acusação e sentença sem julgamento nem contraditório. Um estigma absoluto que evita que quem o afirma, precise sequer de o comprovar. Mais ou menos como isto: quando estiveres a perder uma discussão e não tiveres mais argumentos, chama fascista ao outro e já está.