Demissão na Câmara de Gaia

camara-municipal-de-gaia-1

 

No dia 20 de Dezembro de 2013 fui nomeado Adjunto do gabinete de apoio à Presidência da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. Não é este o momento nem o lugar para falar sobre o trabalho que tentei desenvolver ao longo dos últimos dois anos e meio, em áreas como a Cultura, as Relações Internacionais, a Educação, o Ambiente, a Comunicação ou a Economia.

Contudo, os últimos dias deste mês quente de Julho foram férteis em acontecimentos de natureza variada. Uns, triviais e mesmo insignificantes, outros, de vigoroso significado político, social e até humano.

Note-se que entre os acontecimentos cuja cronologia a seguir descrevo não estabeleço nenhuma relação de causa e efeito, antes deixando essa tarefa à livre consideração do leitor.

[Read more…]

Avô

Adélia Pires

O meu avô João era o ídolo dos meus quatro anos.
Fazia magia com um relógio de bolso e com ramos de oliveira. Com essa magia encontrava água e nasciam poços.
Como era cantoneiro, plantava árvores ao longo das estradas e muitos anos depois da sua partida elas ainda lá estão.
Monumentos à sua memória.
Pedaços do tempo da sua vida.
Pedaços de mim porque as amo em memória dele.
Quando tinha tempo, amanhava um Chão, onde uma macieira esperava pacientemente até Setembro para dar à luz umas maçãs rosadas, que o meu avô guardava numa cesta e ficavam libertar perfume na frescura silenciosa da loja.
No quintal da casa fez um jardim de canteiros, onde antes da Primavera se anunciar, combatia os trevos de jardim, plantava bolbos de narcisos e túlipas, ajeitava os arbustos dos jasmins, aparava as “rapaziadas”, arranjava sombra para as hortenses, semeava amores-perfeitos e plantava açucenas.  [Read more…]

Ao cuidado dos fanáticos da Heritage Foundation

Alterações climáticas põem em risco 18 bases militares dos EUA“. Eat this Koch suckers!

Bruxelas e as sanções: governo de Costa safa Passos Coelho

Há tempos, um dos argumentos da oposição era que Costa não tinha defendido o anterior governo com suficiente veemência e, portanto, essa era a causa das eventuais sanções. Foi um tiro de quem disparava para todo o lado, desde se pretender que essas sanções não eram devidas à governação da PAF, até esta tese sobre uma suposta deslealdade entre governantes.

Agora que a Comissão Europeia desfez o , para continuar a apertar o garrote da pressão política sobre o governo não desejado, pode-se afirmar que, afinal, Costa defendeu o legado de Passos, seja lá o que isso for, e que, portanto, o  safou do ónus de uma multa por não ter atingido a meta com que se comprometera.

Uma nota também para a Direcção Editorial do PÚBLICO. Na passada segunda-feira, esta escrevia que a “Espanha estará, assim, a salvo [das sanções] ou quase. Portugal, por sua vez, arriscou argumentar. ” Afinal, quem arriscou foi o PÚBLICO, o qual apostou que haveria sanções, nem se dando ao trabalho de publicar um desmentido sobre uma notícia, falsa, como se constata, que as dava como certas. Ter opinião parcial é legítimo, mas não pretendam que não tomam posição.

Por fim, estou curioso para ver como é que a oposição vai transformar uma notícia assim-assim, com potencial para ser até uma boa notícia, numa má notícia. Vá, vocês conseguem. Mas parece que não vos melhorará as intenções de voto. Afinal de contas, os portugueses querem soluções, em vez de carpideiras ressabiadas.

Máscaras de hipocrisia

Santana Castilho *

Os professores são uma comunidade objectivamente esmagada por políticas e acordos, uns expressos, outros implícitos, entre PS e PSD. Vítimas de mitos sobre a qualidade da Educação, alvos de mentiras cuidadosamente fabricadas pelo politicamente correcto, a maioria trabalha no duro e não tem voz. Os problemas que encaram há mais de uma década não se resolverão com os mesmos que sempre os apontaram como a causa de todos os males. Assim fez o PS de Sócrates, assim continuou o PSD de Passos, assim, disfarçadamente, retoma o PS de Costa.
Nascem constantemente estudos, baterias selectivas de dados estatísticos e observatórios para os interpretar segundo os interesses dos donos. No início deste mês, disseram-nos que em 2014/2015 reprovaram menos 37.000 alunos que no ano passado. E que em 2013/2014 já tinham reprovado menos que em 2012/2013. Mas, e isto é a estatística, as melhorias, aparentemente favoráveis a Nuno Crato, têm por referência os números de 2012/2013 (o segundo ano do seu ministério), que foram os piores da década anterior. Assim, os valores de hoje (9,7% de retenções), que Crato implicitamente aplaudiu como fruto das suas políticas (longa entrevista ao DN de 17/7/16), são piores que os 7,5% que recebeu, no fim de 2010/2011, quando entrou. Como diria o inefável comentador Marcelo, uma coisa é a melhoria da subida das retenções, outra, bem diferente, é a melhoria da descida das retenções. [Read more…]

Bilhete do Canadá – Que pena, Madeira!


Há dias houve o comício anual do PSD-Madeira, no Chão da Lagoa, durante o qual, por muitos anos, Alberto João Jardim abria a torneira dos disparates e das ameaças para dali a pouco tempo, quando precisava de dinheiro do “Contenente”, dizer o contrário diante daqueles que tinha insultado. Sem vergonha nenhuma.

Este ano, Passos Coelho esteve presente. Em mangas de camisa, com aquele ar amarrotado e desfeito que resolveu arvorar depois de ter deixado o governo e as suas mordomias. Disse as alarvidades a que nos vem habituando e que, vistas as sondagens, não o beneficiam. Nem ao partido que diz servir.  Pois, desta vez, Miguel Albuquerque, o actual presidente do Governo Regional, saiu-se a dizer que “Passos Coelho salvou Portugal da bancarrota” e por ali fora, visivelmente ansioso de ver regressar a São Bento o Soba de Massamá.
[Read more…]

O Verão Inglês

english_summer_brightonpassa-se com os olhos na Europa.