Pobre país, pobre Porto

Um país mais pobre, uma cidade mais desigual.

Dedicado

A 29 de setembro de 2013 entrei, pela via do voto, numa aventura absolutamente singular. Depois da intervenção cívica que havia concretizado num conjunto amplo de áreas, surgiu naturalmente a via autárquica. Havia, em Vila Nova de Gaia uma convicção que passava por afastar do poder a gente do Luís Filipe Menezes e para isso a derrota do Carlos Abreu Amorim era fundamental. No contexto de então, ir a jogo era o mínimo que qualquer cidadão de Gaia poderia fazer. E fui.

Permitam-me pois, leitores do Aventar, que partilhe uma espécie de texto pessoal e, claro, parcial, sobre o que tem sido a minha percepção do trabalho autárquico. Se, em tempo de campanha, estive no Aventar de forma clara e aberta, creio que não levarão a mal que, três anos depois, volte a escrever sobre a realidade autárquica de Gaia.

Não fui a votos apenas para impedir a continuação da desgraça Menezista. Fui por convicção. Em torno de um conjunto de gente nova e com vontade de mexer foi possível apresentar uma candidatura que o Eduardo Vítor Rodrigues personificou. E, quanto menos fé havia, mais aliciante se tornava o jogo e o dia 29 chegou e, com ele, os votos das pessoas de Gaia.

Três anos depois creio poder dizer que valeu a pena a nossa dedicação, o tempo investido na nossa terra e nas pessoas que cá vivem.

O trabalho feito para resolver os problemas financeiros é tão evidente que qualquer prosa poderá ser curta para explicar o milagre alcançado. Há fragilidades e erros? Certamente, só a inércia total é ausente de lapsos. Mas, procuro olhar para a vida com um olhar positivo e tento retirar das experiências que vou tendo as lições de vida que nos fazem crescer.

E, se não houvesse outra razão, o trabalho feito na área da educação justificaria a minha alegria três anos depois. A aposta é de tal forma estrutural que servirá, estou certo, de exemplo a muitas outras autarquias. O que foi um sonho, ganhou forma e hoje as nossas crianças têm uma realidade que nos parecia impossível. Temos, em muitos aspectos a Escola Pública mais capacitada para responder aos desafios do nosso tempo.

Três anos depois, valeu a pena ser narrador participante e, também por isso, parcial, desta história. E a Dedicação vai continuar porque o trabalho está longe de estar concluído. Voltarei para prestar contas, mas por agora era mesmo só para lembrar o aniversário.

Tempo de antena do Comité Central da PàF

Depois do sucesso que foram as declarações do camarada Passos, recuperadas pelo totalitário Luís Vargas, recordemos o camarada Núncio, imortalizado por lutas famosas como a Lista VIP e os Vistos Gold.

Morte ao capitalismo!

Fonte: Geringonça

Angustiante

siria

Esta imagem, de um dos dois maiores hospitais em Alepo ainda em funcionamento, que foi ontem atingido e destruído por um novo bombardeamento do regime sírio, é o reflexo de um país transformado numa pilha de cacos e cadáveres, onde diferentes poderes se entretêm a arrasar tudo à sua volta, para gáudio de fabricantes de armas e outros terroristas que fazem fortuna com a devastação no Médio Oriente. É angustiante, um autêntico nó na garganta, visualizar imagens como esta. Não quero nem consigo sequer imaginar o que será viver ali. Não admira que milhões prefiram enfrentar o Mediterrâneo ou regime fascista de Viktor Orbán.

Foto: Taher Mohammed@Expresso

Pelo fim da subsídio-dependência

Pais assumem custos de funcionamento de 70 turmas em colégios privados que perderam contrato de associação. Mais vale tarde do que nunca.

Ora aqui está uma profecia da desgraça à qual vale a pena dar atenção

vem aí a super-bolha imobiliária chinesa. Bancos do mundo, preparai-vos para ser resgatados.

Queixa-crime contra o presidente da Câmara de Gaia

Entregarei amanhã, dia 30 de Setembro de 2016, nos órgãos judiciais competentes, uma queixa-crime contra Eduardo Vítor Rodrigues, actual presidente da Câmara Municipal de Gaia, professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e membro do Secretariado Nacional do Partido Socialista.

A 28 de Agosto de 2016, o presidente da Câmara de Gaia publicou nas redes sociais um texto da sua autoria com o título “Gollum ou o culambismo”, documento que ficará seguramente a marcar o seu percurso enquanto homem e cidadão mas, mais do que isso, a figurar entre as maiores abjecções morais produzidas por um alto responsável político em exercício de cargo público.

Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara de Gaia, não só atacou publicamente, de modo ignóbil e criminoso, o destinatário do seu escrito e a respectiva família, como rebaixou ao nível do grotesco a dignidade exigida à actividade cívica e política, a respeitabilidade do municipalismo português, da democracia representativa e dos órgãos de poder do Estado, aviltando pelo caminho a honorabilidade do próprio Partido Socialista, de que é um destacado dirigente nacional.

O dano causado pelo actual presidente da Câmara de Gaia será objecto de competente avaliação criminal, ficando, de todo o modo, evidente que Eduardo Vítor Rodrigues não possui os atributos políticos, éticos e humanos, indispensáveis à liderança de uma das mais importantes autarquias do país e a sua presença em orgãos dirigentes do PS é uma mancha na história deste importante partido da democracia portuguesa.