A culpa é da guerra …

Nunca desiludem

O Ventura e o seu Chega já se revoltou e exigiu aos seus deputados não aceitarem receber tanto? O Bloco e a Catarina já iniciaram os preparativos para a marcha da revolta?

Flat tax, baixos salários e outras falácias

Sempre que vem a baila alguma discussão sobre flat tax, aqui d’el rey que perigosos Liberais ou neoliberais, estão a cumprir a agenda escondida de defender capitalistas, investidores financeiros ou cidadãos ricos.
Neste post, ver quadro acima, irel apenas abordar salários brutos inferiores
a mil Euros, normalmente aplicáveis a empregados por conta de outrem, com baixas qualificações, os tais
que os bonzinhos de Esquerda defendem e que os malditos Liberais como eu, querem
prejudicar com alteracões à política fiscal. nomeadamente a tal flat tax, para que fiquem a pagar mais… [Read more…]

If you’re pre-born you’re fine, if you’re pre-school you’re fucked

O melhor resumo sobre o retrocesso a que os conservadores trumpistas estão a condenar as mulheres norte-americanas é de… 1996.

O grande George Carlin explica melhor, no vídeo.

Refrão escrito pelo Carlos Tê para o Rui Veloso

Não quero ficar impune
E dizer-te cara a cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa


O Supremo Tribunal dos EUA reunido. A cores. Circa 2022.

Horta pára o estágio? Porquê?

Já somos dois

«Costa rejeita “ceticismo”».

Adesão à UE: a mentira que estamos a vender à Ucrânia

Andamos a vender uma mentira aos ucranianos. A mentira de um sonho europeu que está a anos, décadas de distância, isto se algum dia a Ucrânia reunir as condições necessárias para conseguir a adesão. A menos que a União decida ignorar as regras, o que não é bem o seu estilo. Isto se não considerarmos os resgates da economia italiana, que não se chamam bem resgates. Resgates é para PIGS como Portugal ou Grécia. Para cães grandes do G8 usa-se um eufemismo qualquer que agora não me ocorre.

O processo de adesão, que é longo, tem várias etapas e exige uma série de garantias, não será acelerado, por dramática que seja a situação na Ucrânia. Não será nem pode ser. Porque é contrário às regras europeias, porque abre um precedente perigoso e porque a Ucrânia não está perto de cumprir os necessários requisitos. E ao contrário daquilo que alguns defendem, creio que não teria qualquer impacto prático na invasão em curso. Quanto muito aumentaria a probabilidade de alargar as fronteiras da invasão e transformá-la numa guerra a sério. E aí é que iríamos ver o que é inflação.

[Read more…]

O Harrison Ford sabia-a toda

David Letterman: How do things seem to be 40 years from now?

Harrison Ford: It’s no musical comedy, David.

(Nova Iorque, 22 de Junho de 1982)

 

As fragilidades do SNS e outras áreas menos frágeis do sector público

Faltam médicos, enfermeiros e técnicos auxiliares em praticamente todas as unidades de saúde do SNS. Não há dinheiro para mais contratações, alega o governo, mas depois vão contratar tarefeiros pelo triplo ou pelo quádruplo do valor pago aos profissionais com vínculo contratual. E depois queixam-se que os portugueses não acreditam na gestão pública. Pudera…

Num outro Portugal, numa galáxia far far away, vive-se uma realidade totalmente diferente, das autarquias ao Parlamento, onde não falta nem nunca faltou um euro que fosse para contratar assessores, adjuntos, chefes disto e daquilo e mais uns quantos profissionais do tacho político-partidário. Uma casta sobretudo proveniente do Largo do Rato e da São Caetano à Lapa, mas que vai hoje muito para lá do centrão das negociatas e dos escândalos de corrupção, fraudes variadas e tráfico de influências.

[Read more…]

É ou não é: gozar connosco?

Ligo a televisão na RTP e, sentados a uma mesa, num painel sobre o mundo laboral em Portugal, estão Carlos Oliveira, director executivo da Fundação José Neves, ligada à Farfetch (que tem estado nas parangonas por denúncias de abusos e assédios laborais e sexuais dentro da empresa), Estela Barbot, cujo apelido explica de onde vem e é presença assídua, desde 2019, no Bilderberg e, por último, Vieira da Silva, profícuo (só que não) antigo ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, antigo ministro da Economia, Inovação e Desenvolvimento e antigo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Durante os cerca de dez minutos em que me mantive ligado, ouvi “menos Estado”, “baixar os impostos” e “privatizar”. Bastou-me para perceber qual a intenção do programa, como se o painel presente não tivesse sido, já, escolhido a dedo. Um pau-mandado do CEO da Farfetch, uma Barbot Bilderberg confidente de alguns chernes e um fracassado ex-ministro dos governos que mais liberalizaram a economia em Portugal. Para falar do mundo laboral, dois neo-liberais de berço e um neo-liberal adoptado por vias terceiras. Um espectáculo!

Depois de quase 3 décadas de privatizações em que o Estado rompeu com as suas responsabilidades e de borlas fiscais às empresas do PSI-20 que operam no país (as mesmas que distribuem milhões por accionistas, mas que colocam o dinheiro na Holanda), estas almas iluminadas de presunção acham que a melhor estratégia é fazer com que todos os portugueses comam ainda mais gelados com a testa. E, como se não bastasse, ainda conseguem dizer tudo isto sem se rirem, com uma lata descomunal de quem viveu, sempre, com o cu virado para o sistema solar inteiro.

O programa chama-se “É ou Não É?” e eu digo já que é. É, de facto, de uma falta de noção risível pôr os lobbies privados a render no canal público. Eu rio… e desligo a televisão.

Greve geral ao arrepio dos ensinamentos (neo)liberais

Há dias li por aí que o problema com as greves da CP residia no facto de se tratar de um monopólio estatal. Que, privatizando a empresa e liberalizando o mercado, o problema resolver-se-ia. Strawberry neoliberal fields forever.

A mesma pessoa que brindou o Twitter com o brilhante raciocínio acima, aproveitou para acrescentar que, se fosse num país como o UK, onde o mercado é liberalizado e existem alternativas, tal nunca poderia acontecer.

Entretanto, no mundo real, a propaganda bateu na trave, com estrondo, e saiu do estádio. A culpa, em princípio, terá sido do socialismo.

Chora, bebé!

Porque há ajudas que podem valer uma vida

 

 

 

 

 

 

Ainda a propósito do meu último post, agradecimento eterno à Bárbara Bandeira. Poucos fariam o que ela fez a troco de nada. Obrigado, Bárbara.

Projecto de Resolução do Bloco de Esquerda plagiado pelo Chega

A extrema-direita tem muito que fazer. Produzir e disseminar o ódio dá muito trabalho e nem todos os Putins têm dinheiro para contratar Bannons e Cambridge Analyticas.

Na falta de melhor plagia-se o Bloco, que fazer projectos de resolução dá muito mais trabalho que gerir grupos no WhatsApp e trolls no Twitter. Também podiam ir mas é trabalhar, mas viver à custa dos outros é mais fácil. E todos sabemos que se há coisa que a extrema-direita aprecia, são facilitismos. E “mamar” no Estado sem fazer nenhum.

A Leonor, a Bárbara Bandeira e uma história de amor

Há momentos que dificilmente se esquecem, Leonor.
Enquanto eras informada pelos médicos do Hospital de S. João de que terias de ficar internada, enquanto eras picada para te colherem sangue, choravas por não poderes ir ao concerto da Bárbara Bandeira em Junqueira. «Ó pai, se voltar a comer bem, posso ir ao concerto de Felgueiras no dia 27?» – perguntavas-me já mais calma meia hora depois.
Compreende-se. És uma menina que viu os primeiros sinais de doença aparecerem há dois anos e que, a partir daí, perdeu amigos e praticamente todos os interesses na vida, a não ser a Bárbara.
Desde então, e apesar de todas as tentativas, é praticamente a única coisa que te interessa: os concertos, as fotografias com ela no final (já tens tantas!), as entrevistas, os clubes de fãs, as páginas dedicadas.
Desta vez, a doença veio com uma força inacreditável. Começou com a recusa do pequeno-almoço e progrediu rapidamente. Sem o sabermos, terá sido na mesma altura que deixaste de almoçar na escola. Daí até pulares o jantar e passares 24 horas sem comer, foi um pequeno passo. 24 horas… 48… 72. [Read more…]

Mente!

Data:

28.02.2014

«O Turismo de Portugal está a implementar um plano de crescimento do fluxo de turistas do mercado russo, estando neste momento a trabalhar em articulação com o operador turístico líder na Rússia, o Natalie Tours. (…) Até 4 de março, as 250 principais agências de viagens da Natalie Tours estão no Algarve a participar no 1.º congresso geral organizado no nosso País, onde vão conhecer as potencialidades turísticas da região, mas também de Lisboa. (…) Para o presidente do Turismo de Portugal, João Cotrim de Figueiredo, este evento, ”para além de constituir em si mesmo uma ação relevante e de interesse para o Turismo, dada a sua dimensão e força de venda dos participantes, irá originar um forte impacto positivo nos fluxos turísticos da Rússia para Portugal.” Recentemente, o Governo reforçou e alocou mais meios aos serviços de emissão de vistos de turismo e dos vistos gold, que dão termo de residência em Portugal, de forma a atrair mais turistas, sobretudo de mercados como a Rússia. Este reforço consiste numa partilha de meios técnicos e humanos do Turismo de Portugal, sendo os encargos financeiros suportados pelo Instituto. (…) A Rússia é um mercado emergente estratégico para o turismo nacional, dado o seu elevado poder de compra (…)»

Não fui eu que o disse, foi o próprio Turismo de Portugal há oito anos. A realidade, ao que parece, não se apaga.

Nisto das associações aos vistos gold, afinal, quem mente?

Fotografia: Bruno Simão/Negócios

Uma pergunta….

Nesta fase de falta de médicos: os alunos que finalizam o secundário com média de 15, 16, 17 ou 18 não servem para entrar em medicina porquê???
Era só isto.

Ideias, Interesses, Instituições

Os vistos gold, criados em 2012 para “captar investimento estrangeiro”, foram, desde então, um sorvedouro de corrupção, borlas fiscais e lavagem de dinheiro de bons rapazes vindos dos bons regimes russo, angolano ou turco.

Argumenta a direita que os mesmos capacitaram Portugal com mais 6,3 mil milhões de euros. Mas onde estão esses milhões? Ao que parece ninguém sabe, ninguém responde.

Ontem, BE e PCP propuseram acabar com este regime de borlas a uma elite específica que usa Portugal para lavar cifrões; todo o Parlamento chumbou a proposta. Curioso? Nem por isso.

Quando neo-liberais e proto-fascistas insistem em cortar subsídios a pobres, conseguem, por contrário, defender os subsídios dados a ricos e a muito ricos. Nunca esconderam para que servem e por que é que cá estão. Não será agora que o farão, com esta nova direita (que não é nova) radical e extremista.

A curiosidade fica por aqui, se atentarmos no facto de que BE e PCP são capazes de ser os únicos partidos com assento parlamentar que não recebem um cêntimo dos Mellos, das Sonaes ou das Motas Engis. Por isso, quando PS, PSD, IL, CH ou CDS te disserem que defendem os teus interesses, lembra-te disto.

E, assim, faz tudo muito mais sentido.

Parasitas

O problema dos parasitas que vivem acima das suas possibilidades é que forrobodós como este tendem a terminar sempre da mesma maneira: com o Estado a enfiar lá o nosso dinheiro e uns quantos destes parasitas a acusar-nos a nós de viver acima das nossas possibilidades. Porque de facto vivemos? Não. Porque acabamos sempre a pagar a factura do parasitas, bem acima das possibilidades deles. Ainda bem que as taxas de juro estão a aumentar. A bolha que vai rebentar não se vai pagar sozinha.

Professores: O regresso dos mortos-vivos

Estão doentes durante o ano lectivo inteiro, mas ė vê-los a regressar todos ao serviço na última semana de aulas.
Parecem os mortos-vivos.
Nada de grave. Em Setembro, voltarão a cair de cama gravemente enfermos.
É uma minoria, eu sei. Mas uma minoria extremamente ruidosa. Fazem tanto pela má imagem pública dos professores como fez a escumalha de Maria de Jesus Rodrigues há uns anos.
Como é que eu explico isto a quem se queixa da escola?
O ensino público resistirá. Porque, apesar deles, continua a ser o único sistema justo, democrático e inclusivo.
Lições de moral não recebo. Sou de Esquerda, sou professor e nunca renunciei a alunos nem mandei outros colegas para o desemprego só porque as aulas tinham acabado.
Ao pessoal de Direita que pensa poder usar isto como guerra ideológica, pode dar meia volta.

Lisboa antiga, Lisboa moderna

Na Lisboa antiga, quem lá trabalha sabe que não pode lá viver, pois para quem trabalha não é suportável pagar rendas excessivas ou andar de airbnb em airbnb.

Na Lisboa moderna, tudo é diferente. Há rooftops, sunsets, beers em pubs e chefs com Michelin, onde só os que usam anel no mindinho são livres de circular.

Duas Lisboas, na mesma Lisboa. Obrigado, neo-liberalismo.

Porque é que o Chega odeia a dona Rosa?

Eis Rosa Pinto, uma mulher que trabalha desde os 11 anos, que comeu o pão que diabo amassou e que recebe 189 miseráveis euros de RSI. Ou, nas palavras da extrema-direita muito católica e pela família, uma parasita subsídio-dependente.

Porque é que o CH e o exército de André Ventura odeiam a dona Rosa?

Liberdade para matar crianças

Esta era a Makeena.

A Makeena tinha 10 anos, andava na quarta classe e foi uma das 19 crianças assassinadas pelo terrorista americano de 18 anos, que há duas semanas fuzilou 21 pessoas na Robb Elementary School, no Texas.

O massacre de Uvalde foi o 30 tiroteio ocorrido em solo americano, ao longo de 2022. Só em escolas do ensino básico e secundário. Se incluirmos universidades, o número sobe para 39 casos. 39 tiroteios em instituições de ensino, em menos de cinco meses. E o massacre de 24 de Maio foi o mais violento e mortal dos últimos 10 anos. Teríamos que regressar a Sandy Hook, 2012, para encontrar um número de vítimas mortais mais elevado.

[Read more…]

O ódio mata

Bruno Pereira, activista brasileiro pelos direitos das comunidades indígenas, e Dom Philips, jornalista britânico ligado a várias publicações de renome, como o Guardian, estão desaparecidos há vários dias.

Os dois encontravam-se na Amazónia, a trabalhar numa investigação que apontava para graves ilegalidades cometidas por madeireiros, garimpeiros e caçadores. Foram ameaçados, continuaram, desapareceram. O mais certo é estarem ambos mortos.

Questionado sobre o sucedido, Jair Bolsonaro apressou-se a colocar em cima da mesa as duas opções que lhe ocorreram: “acidente” ou homicídio. É natural que assim seja. Poucos, como ele, têm sido tão eficazes a promover e propagar o ódio contra qualquer activista que denuncie a sua negligência e os crimes cometidos contra a floresta amazónica. E menos ainda, principalmente na sua posição, têm incentivado à violência contra a comunicação social.

[Read more…]

My body, my rules

A propósito da aprovação da Lei que despenaliza a morte medicamente assistida, decidi apropriar-me desta expressão que costuma ser utilizada para outras lutas. Porque também é isso que está aqui em causa, o direito a decidirmos parar de viver, se colocados perante um sofrimento atroz, causado por doença incurável. E ninguém melhor que cada um de nós, para decidir quais os limites que suporta, aceitando como é óbvio o direito à objecção de consciência pelos profissionais médicos, que na condição de pessoas, também têm as suas próprias convicções, naturalmente merecedoras de total respeito, como qualquer outra, mas não mais que isso, se um médico não estiver disponível para praticar determinado acto médico, deve informar o paciente, que poderá recorrer a outro clínico. [Read more…]

E que tal um artigo sobre a máfia do BPN, professor Cavaco?

Cavaco Silva voltou a sair para o recreio, rancoroso como sempre, para bater nos meninos mais pequenos e recordar ao país a sua espectacularidade. Bateu em Costa, bateu em Rio e fez o número habitual que sempre faz quando tem oportunidade: auto-elogiou-se, com o pretenciosismo arrogante que há muito lhe conhecemos. Cavaco será sempre o maior da aldeia, pelo menos na perspectiva de Cavaco.

Pena nunca o ouvirmos sobre outros temas, mais caros a todos os portugueses. Nomeadamente sobre o saque que a sua antiga eutourage provocou com o BPN. Sobre a permuta com Fernando Fantasia na Herdade da Coelha. Sobre a compra e venda de acções da SLN. Sobre a coragem que não teve de abordar o assunto com a frontalidade que diz ter, ele que se acha o mais honesto dos homens.

Cavaco poderá ter sido um grande estadista para alguns, mas o final da sua carreira política é um completo desastre. Para a sua imagem, para o legado que afirma ter deixado e para o seu partido, que contínua refém da sua existência auto-centrada, qual Salazar deitado na cama após cair da cadeira, cuidando ainda governar o país. E a reverência da direita, para com este sombrio personagem, ilustra bem a sua incapacidade de voltar ao poder.

O caminho para o OE2023 pode estar

apenas a começar“, mas o resultado será certamente o do costume.

Portugal, baby sitter da corrupção

Portugal aplicou totalmente apenas três das 15 recomendações do Grupo de Estados contra a Corrupção (GRECO), tendo sete recomendações sido parcialmente aplicadas e cinco ficado por aplicar, segundo o relatório anual daquele órgão do Conselho da Europa.

Mais uma vez ficamos a saber que em Portugal se acarinha a corrupção no sistema, tão propícia ao negócio de poucos, em detrimento de muitos. E acarinha-se desde cima, para dar o exemplo.

Não há vez nenhuma que em conversa não fale contra a corrupção, arranjinhos, conflitos de interesse a todos os níveis, que não me respondam exactamente isso: se isso vem desde cima, porque havemos nós de estar com pruridos? E aí acabam-se-me os argumentos. Pois é, têm razão. E cá ficamos todos no mesmo mar de conivência, a tolerar e legitimar este cancro da sociedade.

Sois nojentos, senhores governantes. Há corrupção? A culpa é vossa.

O futuro que se lixe

Portugal é o quarto país da União Europeia que mais aumentaram as emissões de gases que provocam efeito de estufa desde 1990. Pior só mesmo o Chipre, a Irlanda e Espanha.

Isto interessa a quem? Em Portugal só interessa o crescimento económico e o lucro, senhores!