Fake News sobre o Passe Único na Área Metropolitana do Porto

Registo áudio de chamada telefónica efectuada para a Linha Andante (226 158 151 – Porto), onde se questionam as informações fornecidas pelo programa do Dr. Marques Mendes, na SIC Notícias, sobre o Passe Único na Área Metropolitana do Porto:

A implementação do Passe Único na Área Metropolitana do Porto tem sido um processo pouco transparente onde tem abundado a desinformação e até as notícias falsas.

Ao contrário do que tem sido afirmado, a redução de preços dos passes, para 30€ e 40€, nos transportes colectivos da Área Metropolitana do Porto, só poderá ser aproveitada por quem já é servido pelo sistema Andante, o que deixa fora destes descontos milhares de utentes que residem na Área Metropolitana do Porto, principalmente nas zonas mais periféricas.

[Read more…]

E de nós, quem cuida?

Carla Catarina Neves

Comecei a pensar neste texto, a 26 de Fevereiro. E comecei a traçar umas linhas “orientadoras”, precisamente nesse dia. Mas… tal como expliquei a quem me desafiou, o mais provável é que isto demorasse a sair. Nessa semana, estava ainda mais sobrecarregada. Aos meus dependentes habituais (tia e avó), juntava-se mãe (recentemente operada a uma catarata e a exigir acompanhamento) e pai (com conjuntivite infecciosa). Ou seja: o trabalho que era dividido habitualmente por 3, passou a ser desempenhado por um.

Diariamente, subo/desço 920 degraus. Nessa semana, contabilizei 16 kms diários (entre as 8h30 e as 2h da manhã). Banhos, refeições, tratamento de roupas, compras SOS, farmácia, consultas, etc. Conseguem ter uma ideia do que isto é? Se calhar, por muito boa vontade que tenham, não conseguem.

Quando foi a última vez que foram ao café, ao cinema, jantar fora ou dar um passeio sem terem de olhar para o relógio ou para o telemóvel (para saber se alguém tinha ligado a pedir ajuda)? O Cuidador já nem se lembra do que é ir comprar pão sem ser à pressa. Multipliquem isto 24h/dia, 365 dias/ano.

Mas o que é, afinal, um Cuidador Informal? Cuidadores informais são todos aqueles que prestam cuidados aos outros, de forma continuada e sem qualquer remuneração.
Normalmente, são familiares mas – e ao contrário do que saiu da proposta do Governo – , também são frequentemente assumidos por vizinhos e amigos. É também graças a eles, que não se ouvem mais notícias trágicas sobre pessoas encontradas mortas, nas suas casas, ao fim de dias. [Read more…]

Passe Único: o Conselho Metropolitano do Porto deve explicações ao país

Segundo a informação prestada pelo Conselho Metropolitano do Porto, o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) nos transportes públicos é um “programa estratégico ao qual a AMP aderiu através da aprovação pelo Conselho Metropolitano [do Porto] de um Memorando denominado “Passe Único”, o que exige a realização de um estudo para a sua implementação”.

É compreensível – para não dizer que é óbvio – que uma medida da importância e da complexidade do “Passe Único”, que foi apresentada como uma grande revolução nos transportes colectivos da Área Metropolitana do Porto, seja implementada após terem sido realizados os estudos relativos a essa mesma implementação. Como se sabe, por ter sido profusamente publicitado pela AMP através da comunicação social, o Passe Único da Área Metropolitana do Porto entrará em vigor no próximo dia 1 de Abril, mas em condições totalmente diferentes daquelas que foram inicialmente anunciadas.

Contudo, há várias perplexidades suscitadas pelo modo como este processo está a ser conduzido, uma das quais já aqui manifestada e que se prende com o facto de a contratação do dito “estudo” ter sido decidida há apenas dois meses. Acontece que as surpresas não ficam por aqui.

Na verdade, o contrato para a realização do “estudo para a implementação do “Passe Único”, no âmbito do Programa de Apoio à Redução Tarifária [PART] nos transportes públicos” da Área Metropolitana do Porto, foi assinado no passado dia 1 de Março de 2019, ou seja, cerca de 30 dias antes de o tal “Passe Único” entrar em vigor, a 1 de Abril de 2019. Acresce que esse contrato prevê um prazo de quatro (4) meses para a entrega do referido estudo. Ou seja, o “estudo de implementação do Passe Único” será entregue à AMP três (3) meses depois de o referido “passe” estar em utilização, lá para o próximo mês de Junho.

É notório que o presidente do Conselho Metropolitano do Porto terá muito que explicar na audição parlamentar para que foi convocado.

Ligação para o contrato assinado a 1 de Março de 2019

 

AMP: Estudo de implementação do Passe Único feito em menos de 2 meses

Acta da reunião de 24 de janeiro de 2019

Há apenas dois meses atrás, precisamente a 24 de Janeiro de 2019, o Conselho Metropolitano do Porto não fazia, aparentemente, a mínima ideia sobre como iria implementar o Passe Único na Área Metropolitana. É isso que se pode concluir da leitura da Acta da 25ª Reunião Ordinária da Comissão Executiva Metropolitana do Porto, realizada nesse dia do passado mês de Janeiro. Há menos de sessenta dias atrás, portanto.

O ponto 8 da Ordem de Trabalhos consistiu na “Proposta de Adjudicação, por Ajuste Directo, da aquisição de serviços para a realização de um Estudo para a implementação de um Passe Único, nos transportes na AMP”.

[Read more…]

Rui Pinto está preso, mas os criminosos continuam em liberdade

Uma Justiça corrupta, num país corrupto, prende aquele que denúncia os crimes dos poderosos.
Mas aos poderosos, deixa-os em liberdade e não demonstra grande interesse em deitar-lhes a mão.
Não são as denúncias dos crimes dos poderosos que põem em causa o Estado de Direito. O que põe em causa o Estado de Direito é essa criminalidade, essa corrupção aceite e perdoada.
Rui Pinto não tem hipóteses. A Justiça corrupta vai condená-lo e vai conseguir que, no remanso da prisão, alguém lhe trate da saúde.
Rui Pinto morreu hoje e a Justiça portuguesa tem as mãos cheias de sangue.
Entretanto, os criminosos que Rui Pinto denunciou continuarão à solta. Já lá está dentro o único que tinha de estar. Para a Justiça portuguesa, foi apenas mais um dia no escritório.

Parque Biológico de Gaia completou 36 anos de existência

Primavera de 2014

 

O Parque Biológico de Gaia completou ontem, 21 de Março, 36 anos anos de existência. Segundo o seu criador, o biólogo Nuno Gomes Oliveira, “foi a 21 de Março de 1983 – Dia da Árvore e Dia Mundial da Poesia – que se realizou a primeira visita de estudo de uma escola ao Parque Biológico de Gaia; foi a Escola Preparatória Augusto Pires de Lima”.

Nuno Oliveira lembra que “uma das primeiras individualidades a reconhecer o valor do Parque Biológico, ainda em projecto, em 1982, foi o Arq. Gonçalo Ribeiro Teles, então Ministro de Estado e da Qualidade de Vida”. De facto, o Parque Biológico de Gaia foi, durante muitos anos, um dos bons exemplos, em toda a Europa, daquilo que é possível fazer-se em benefício de uma educação para a Ecologia, para a defesa do Ambiente e de novos valores de cidadania. O biólogo foi afastado do Parque em 2016, no fim de um lamentável processo ao longo do qual eu próprio testemunhei episódios impróprios de aqui serem relatados.

[Read more…]

Passe Único: Bloco de Esquerda chama presidente da AMP ao Parlamento

A redução do preço e a melhoria do serviço dos Transportes Públicos Colectivos são medidas fundamentais ao desenvolvimento, à coesão territorial e à justiça social. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E se há coisa que deveria ser imperdoável em política, essa coisa é a demagogia e a propaganda feitas à custa dos de sempre, dos que não têm voz para reclamar, nem força para fazer valer os seus direitos de cidadania.

Conforme foi aqui devidamente esclarecido,a introdução do Passe Único na Área Metropolitana do Porto está muito longe daquilo que foi anunciado e que vem sendo vendido à população como uma espécie de milagre de Fátima. Daí que apenas se possa aplaudir a iniciativa do Bloco de Esquerda, que decidiu chamar ao Parlamento, para dar explicações, o presidente da Área Metropolitana do Porto. Diz o Bloco de Esquerda, e muito bem, que é inaceitável e incompreensível que a AMP continue sem prever uma data para a entrada em vigor do passe família (todos os elementos de um agregado familiar que vivam na mesma casa tem acesso ao passe único por um preço fixo total de 80 euros para toda a família).

Uma gigantesca prova de corta-mato nacional

[Pata Negra]

Bush filho, quase tão inteligente como Trump, apresentou um dia como solução para os incêndios na terra dos índios o corte das árvores da floresta. É assim a América do nosso contentamento: se aumenta a insegurança, há que munir os cidadãos de mais armas; se há fogo, corte-se o mal pela raiz, faça-se da floresta deserto.

No Portugal do nosso entretenimento, do fazer de conta que se faz, os fogos seguem o modo de pensar inteligente do amigo americano. Não chegam os carros de bombeiros, compram-se mais carros de bombeiros, não chegam mais carros de bombeiros, chamam-se helicópteros e aviões, não chegam os meios? ah! então vamos pensar…

Não pensando na destruição da agricultura e da pastorícia, não pensando nos fatores económicos que ditaram o abandono da floresta, não pensando nas medidas de encerramentos de serviços e na inevitabilidade de concentração da atividade económica e do emprego nos grandes centros, os corredores do Grande Centro pensaram então:
– Fazer pagar, aos que por lá resistem, os males das políticas que lhes têm sido infligidas. Punam-se esses malandros! Multas pesadas para cima deles! Não têm dinheiro? Então o que é que fazem às reformas que lhes damos?
Conclusão, pensam que podem acabar com os incêndios com a desertificação humana total. Não pensam, os imbecis, que o valor das propriedades, ou do rendimento que delas se tira, não chega para a despesa duma única limpeza anual, nem tão pouco para os custos cobrados pela sua eventual venda.

[Read more…]

Revoluções inevitáveis

Raquel Varela*

Este ano celebram-se os 100 anos da revolução alemã, os 100 anos da revolução húngara, os 70 da revolução chinesa, os 60 da revolução cubana, os 40 da revolução iraniana, os 40 da revolução na Nicarágua, e para quem, como eu, considera a queda do Muro e Tiananmen dois movimentos revolucionários (porque em história não se confundem processos com resultados), celebram-se os 30 anos do começo do fim da URSS e das esperanças numa China com menos opressão política. Todas estas datas têm vários factos em comum, mas dois deles são fulcrais: a força das massas contra o Estado, criando uma esperança única ao nível das mudanças no século XX,  e a derrota destas forças em regimes políticos que se consolidaram contra elas. Negar o papel das revoluções no século XX é negar que a par do lucro, força motriz das nossas sociedades capitalistas, há uma outra força que determinou os nossos destinos como a lei da gravidade: a ideia de que podemos viver num mundo mais livre e igualitário.

[Read more…]

A nova roda dos expostos

Acta Pública de Reunião Pública da Câmara Municipal de Gaia

 

Uns vão administrar a Galp, outros levam a família para o Governo. Outros ainda vão à Câmara  Municipal pedir esmola. Por que raio hão-de chapar na praça pública o nome completo destes últimos, como se não fosse já suficiente humilhação ter que pedir? Onde está a Comissão de Protecção de Dados? Onde está o respeito pelo mínimo de dignidade a que tem direito quem está aflito?

O logro do Passe Único na Área Metropolitana do Porto

A promessa do Passe Único na Área Metropolitana do Porto ameaça ser um verdadeiro logro eleitoralista e uma gritante injustiça face ao que se encontra previsto para a Área Metropolitana de Lisboa. Estranho é não se ouvirem as vozes regionalistas do costume, clamando pela coesão territorial. Ou talvez não seja estranho, uma vez que não parece haver “verbas” para distribuir pela clientela. Apenas povo a pagar.

[Read more…]

Os tempos e a percepção

Um dos mais dramáticos equívocos que circulam sobre alguns dos temas mais delicados que apelam, actualmente, à sensibilidade dos cidadãos, é o da convicção, que parece frequente, de “dantes é que era bom”, “noutros tempos não havia nada disto”. É, geralmente, falso e, muitas vezes, é criminosa e perversamente aproveitada essa falsidade. O problema da violência doméstica é um desses temas. Como se pode ser tão ignorante que se pense que há 20, 30, 40 anos ou mais tudo era melhor? Que raio de cegueira é esta? A quem aproveita? Na verdade, apesar da visibilidade mediática dos casos dos últimos anos, o que há de novo é a informação e, desde há pouco mais de dez anos, estatísticas razoavelmente fiáveis. [Read more…]

A pegada ecológica do Presidente da República

Montagem a partir de fotografia de António Pedro santos/LUSA e imagem recolhida da internet.

 

A “Greve do Clima” foi gira. Temos que fazer mais.

Captura do Jardim da Glória

Mais um, de tantos casos em que o poder do dinheiro agiliza, atropela e cria factos consumados. Numa petição, os moradores do bairro reivindicam que sejam, ao menos, cumpridos os devidos procedimentos.

O QUE ACONTECEU?  Quarta feira, 20 de fevereiro, máquinas de obras destruíram quase 5ha de árvores e mato, de um imenso logradouro muito antigo, de um “pulmão verde” entre 4 ruas e 4 eixos de prédios, um elemento vital para o equilíbrio ambiental da zona e da cidade de Lisboa. Um “logradouro verde permeável a preservar (espaço consolidado)” segundo o PDM – Plano Diretor Municipal em vigor.
 Sem aviso prévio. Sem a presença de técnicos. Sem a existência de estudos fitossanitários como o Regulamento Municipal do Arvoredo determina. E, como o imenso terreno fica ao lado da Capela Senhora da Glória, sem a respectiva avaliação arqueológica. Os serviços da CML aprovaram este LOTEAMENTO como se não o fosse, ou seja, sem cumprirem o que a Lei determina para os loteamentos: discussão pública, que compreende aviso público, fase de recolha de contributos dos interessados, relatório de ponderação, reformulação (ou não) da proposta e aprovação da mesma em reuniões de CML e de AML. [Read more…]

As ameaças ao Estado de Direito Democrático

Talvez já poucos se recordem – a memória é, segundo alguns estudos, afectada pelas redes wi-fi – do verdadeiro assalto que o governo do Dr. Passos Coelho tentou fazer ao Tribunal Constitucional, exercendo sobre ele uma tremenda e inédita chantagem que, a dada altura, ameaçou colocar em causa não apenas o princípio da separação de poderes e da independência dos tribunais, mas o próprio regular funcionamento das instituições. Apesar de tudo, apesar de em alguns momentos ter cedido à enorme pressão sobre ele exercida, o Tribunal Constitucional acabou por funcionar como um escudo que protegeu a Constituição e o país de um dos mais violentos ataques que ambos sofreram em Democracia. 

[Read more…]

Redes

José Meireles Graça

Os senadores da opinião, com banca montada há décadas na sala-de-estar do cidadão distraído, não gostam das redes sociais.

Não foi sempre assim: Pacheco Pereira, por exemplo, alimentou durante anos o Abrupto, até 2016. E não deve ter sido apenas a decadência da blogosfera (que não medi; é uma observação impressionista) a afastá-lo, mas antes a constatação de que todo o cão e gato pode fazer, e faz, blogues.

Miguel de Sousa Tavares espumava há tempos de raiva contra o Facebook. E não é possível ler as caixas de comentários dos jornais on-line sem um sobressalto, tal o primarismo das opiniões, a violência das soluções defendidas para problemas reais ou imaginários, a ausência de gramática ou um módico de cultura geral, e o intenso ódio que se manifesta a propósito da indignação da semana.

Depois, Trump foi eleito com o subsídio do Twitter (uma rede especializada em espirros opinativos) e Bolsonaro do WhatsApp (semelhante grosso modo ao  Facebook, com grande difusão no Brasil). E estes dois, Trump e Bolsonaro, carregam o ferrete ignominioso de não serem de esquerda, nem da direita que a esquerda tolera por não ser de direita – navegamos em pleno escândalo.

(Nota: Antes destes dois já Obama tinha sido eleito com grande campanha no Facebook; a esquerda, na altura, orgulhou-se, achou muito “moderno” e “despojado” e “popular”, mas agora está com amnésia). [Read more…]

10 Anos a Aventar: Tão Longe, Tão Perto

Paulo Guinote

2009 é um ano que me parece tão distante quanto próximo. Era um tempo já não de pioneirismo blogosférico, num espaço comunicacional que ainda não se designava como de “redes sociais”, mas em que os blogues funcionavam como campo de combate político que escapava aos limites da comunicação social tradicional. As “redes sociais” ainda não o eram verdadeiramente: o hi5 já tinha quase desaparecido, substituído pelo ainda graficamente incipiente facebook que então parecia um twitter em nascimento. Sim, já lá tínhamos muitos conta, mas aquilo não era bem um espaço de debate. Existia youtube, mas os youtubers ainda andavam a aprender a ler e a escrever mal, culpa dos professores na altura momentaneamente descongelados de uma (falhada) forma eleitoralista.

Os blogues, sim, estavam talvez no seu período áureo em Portugal, nos anos de chumbo do socratismo, directos antecessores dos anos de aço do costismo da geringonça, por isso 2009 acaba por não parecer assim tão longe.

A blogosfera, que em Portugal teve a paternidade reclamada quase em exclusivo por Pacheco Pereira, já tinha sido dividida na altura entre “boa” blogosfera (o seu Abrupto) e “má” blogosfera (o resto todo, salvo adequadas excepções que não me ocorrem). Na má blogosfera, à qual se atribuíam pecados do pior, avultava no início de 2009 um conjunto de blogues colectivos com posicionamentos políticos razoavelmente claros. Existiam mais, mas a meia dúzia que fazia escola dividia-se pelos “radicais de esquerda” (5dias, Arrastão), os situacionistas do socratismo (Jugular, Câmara Corporativa, uma das incubadoras dos “factos alternativos” entre nós) e os betos de direita (31 da Armada, Insurgente). Quase todos desapareceram, à medida que os seus colaboradores mais destacados arranjaram lugar num gabinete governamental ou foram cooptados pela comunicação social mainstream. [Read more…]

Crónicas do Rochedo XXIX – Península Ibérica 2483 d.C.

ronaldo jornal da Madeira

“Em 2485 vamos celebrar os 500 anos do nascimento de Cristiano Ronaldo e por esse motivo, os responsáveis das cidades do Funchal, Lisboa, Manchester, Madrid, Turim e Miami aqui reunidos, decidiram criar a ACRM (Associação das Cidades Ronaldianas no Mundo) que terão como responsabilidade criar o programa das festividades em todo o ano de 2485 ficando a sede desta associação aqui, na cidade de Madrid” – anunciou em conferência de imprensa a governadora da província de Madrid.

[Read more…]

Ferraz da Costa com a barriga encostada ao balcão

Nos cafés e nas tascas, os amigos reúnem-se, bebem uns copos e, de uma penada, resolvem todos os problemas do mundo com base em nada. É a informação que não passa cá para fora, mas eu tenho um primo que, é o eu sei que os funcionários públicos são quase todos tarados sexuais porque conheço um que, é um estudo publicado no facebook que diz que, é o a mim não me enganam que eu não ando aqui a ver passar os navios.

Daqui virá pouco mal ao mundo, porque os disparates que dizemos entre amigos morrem no café ou na tasca e esfumam-se mal desencostamos a barriga do balcão, ficando a camisa cheia de nódoas e de falsos argumentos. Um pouco de alienação, no entanto, não faz mal a ninguém.

Ferraz da Costa deu uma entrevista. Mesmo perfumado e sentado num sofá dos mais caros, debitou um discurso tão vácuo como o dos nossos amigos ébrios que explicam tudo, que isto é muito simples.

Diz o alegre conviva o seguinte:

Não estou a dizer que os salários devem ser altos ou baixos. Acho que para muitas pessoas até são mais altos do que deviam, pois não deviam ser tão altos para os que apresentam maior absentismo ou para os que não se importam com o que se passa ou para os que ficaram em casa.

[Read more…]

Todos os dias

Neste dia internacional da mulher (e sempre!), uma saudação solidária a todas as mulheres e homens conscientes de que só juntos em igualdade de oportunidades e direitos a plenitude é possível. Bem hajam todos os que, nessa consciência, ainda que nunca tenham sentido na pele a discriminação, actuam no dia-a-dia sabendo que ela é um facto sociológico real.

Da desigualdade, há manifestações óbvias e brutais (como a violência doméstica), outras frias e objectivas (como as diferenças salariais ou as percentagens em posições de poder), e muitas outras subtis e costumeiras (como a carga dos trabalhos domésticos). Outras ainda são imperceptíveis, como o “recato” e “encanto” que se espera de uma mulher, preconceitos enraizados que não são questionados e que são constantemente alimentados em publicidades e filmes. Os mesmos que, do outro lado da medalha, impõem aos homens estereótipos absurdos, como “um homem não chora”.

E sabendo que o caminho é longo, avancemos alegremente de mãos dadas e alerta.

(quem não goste do chavão, faça a sua sugestão :-))

Dia Internacional da Mulher (das que vão sobrevivendo, vá lá)

VD

Cartoon via TVI24

Há dois dias, em Vieira do Minho, mais uma mulher foi assassinada pelo marido, elevando para 12 o número de vítimas mortais relacionadas com casos de violência doméstica em 2019.

No mesmo dia, uma mulher de 47 foi encontrada morta, no Seixal, e a cabeça de uma outra encontrada no interior de um contentor do lixo, em Leça da Palmeira.

Ainda bem que temos o juiz Neto de Moura, e todos os outros Netos de Moura que assinam e redigem acórdãos com o juiz Neto de Moura (alguns deles mulheres), para zelar por todos nós e por uma sociedade onde cada um sabe qual é o seu lugar. Estivesse a mulher no seu, a cozinha, e estaria tudo na paz do Senhor. Mas elas querem direitos, igualdade salarial e de oportunidades, entre outras coisas, tipo respeito, e depois dá nisto. Deus tenha compaixão delas, que muito provavelmente eram todas umas grandessíssimas adúlteras.

A Bíblia e a violência contra as mulheres

Clique para ver bem.

 

O gráfico que aqui se apresenta resulta de um inquérito da FRA – European Union Agency for Fundamental Rights, realizado à escala europeia, sobre “Violência contra as mulheres”. A figura mostra a incidência, por país da União Europeia, de violência física e/ou sexual contra mulheres desde os 15 anos de idade.

Conforme se pode observar, há três grupos, divididos pela percentagem de mulheres vítimas de violência.

O grupo dos países mais violentos inclui a Finlândia, a Dinamarca e a Letónia.

Logo a seguir, no grau de violência, um grupo constituído por países como a Alemanha, a França, o Reino Unido, a Suécia, entre outros.

O último grupo, aquele que apresenta os resultados menos maus nesta estatística da violência sobre as mulheres na Europa, inclui a Polónia, a Itália, a Grécia, a Irlanda, a Espanha e Portugal. Todos abaixo da média europeia. 

Neste último grupo, todos os países são de maioria Católica, com excepção da Grécia, que é Ortodoxa.

Together

Um filme sobre o Amor paternal.

 

Lambedoras de quê, Dr. Renato Serrano Vieira?

ADC.jpg

“Woman performing cunnilingus on another woman”, de Achille Devéria

Não admira que os humoristas não “deslarguem” o juiz Neto de Moura. E, há que dizê-lo com frontalidade, como dizia o pai deles todos, que tanto Ricardo Araújo Pereira, como a dupla Quadros/Nogueira, foram exímios na mais recente sentença que aplicaram ao juiz do momento.

E se não fosse já suficientemente cómico, ver um juiz que considera que ofensas verbais e ameaças “não revelam uma carga de ilicitude particularmente acentuada”, surgir agora no papel de virgem ofendida, por não conseguir encaixar meia-dúzia de crónicas ou sketches humorísticos, preparado para processar meio mundo, eis que descobri outra pérola, digna de registo: então não é que a escolha de Neto de Moura para defender a sua honra é o advogado Renato Serrano Vieira? [Read more…]

Quererão os juízes transformar-se na classe mais odiada em Portugal?

juiz.jpg

Quero começar por dizer que tenho máximo respeito pelo princípio de separação de poderes, que entendo ser condição sine qua non para a existência de uma verdadeira democracia, e que respeito (quase todos) os juízes portugueses que, acredito, não conseguem mais resultados por vivermos num país onde praticamente toda a coisa pública está viciada.

Posto isto, e sem mais demoras, o assunto do momento: Neto de Moura. Não vou perder grande tempo com uma cronologia que todos conhecemos, ou não estivesse ela em todo o lado. Conhecemos os polémicos acórdãos, as considerações bíblicas que não têm lugar no ordenamento jurídico de uma democracia liberal e a forma como o juiz desvalorizou actos de violência atroz. E, estou disso convencido, existe unanimidade entre a sociedade portuguesa, no que à condenação da conduta de Neto de Moura diz respeito. [Read more…]

Essa coisa da “honra”…

Poderá ser especificidade conotativa minha, mas ouvir falar em “honra” provoca no meu córtex cerebral a desbobinagem de um filme antigo e mau: vejo homens violentos a matarem ou “castigarem” a mulher, filhas ou irmãs “desonradas” (e/ou eventualmente os supostos rivais) para “lavarem” com sangue a “honra” da família…

Sou tresladada por via de maior incidência para a Índia, Turquia, Bangladesh ou Egipto, assisto mentalmente ao enterro de mulheres vivas ou ao seu apedrejamento pela vergonha que trouxeram à “honra” da família…

Sinto espetar-se-me na nuca a ponta aguçada da dupla moral.

“Honra”, na minha idiossincrasia, está nos antípodas de “dignidade”, que associo aos direitos humanos e ao Artigo 1 das constituições portuguesa e alemã.

Fui verificar; o dicionário diz que o significado é o mesmo; pois será, mas não sinto assim.

Aliás, “honra” também é: Virgindade ou castidade sexual, em geral nas mulheres (ex.: perder a honra)

Vem isto ao caso de um certo juiz ter declarado que vai processar quem o criticou no contexto de decisões em casos de violência doméstica por sentir ofendida a sua “honra pessoal e profissional”. Logo a “honra” sr. Juiz? ??? Isto será puro acaso??? Não estou a reconhecer aí o exacerbado ego machista a abespinhar-se?

Acalme-se, olhe que até Vital Moreira comenta que “não lembrava ao diabo a ideia de o Juiz-Desembargador Neto de Moura de acionar judicialmente, para efeitos de reparação de danos, por alegado atentado à sua honra, todos os que (políticos, comentadores e, mesmo humoristas!) comentaram com maior ou menor severidade, aliás merecida, as suas bizarras conceções acerca das mulheres quando vítimas de violência doméstica”, começa por escrever, considerando que, com esta decisão, o juiz arrisca a “tornar-se no bombo da festa de todos os humoristas deste País”.

Essa coisa da “honra” dá sempre para o torto.

Alessandra Strutzel, a merda que resulta do politicamente incorrecto

Merda1

Este monstro cruel e hediondo, que dá pelo nome de Alessandra Strutzel, está longe de ser um caso isolado. A blogger brasileira é até bastante representativa daquilo que é parte muito significativa do eleitorado de Jair Bolsonaro, repleto de defensores da violência indiscriminada, que sonham com o regresso da tortura e com fuzilamentos à moda antiga, que querem ser livres para espancar homossexuais, e quem diz homossexuais diz a própria mulher, ou outra mulher qualquer, e que desejam armas, muitas armas na rua. Gente que celebra o torturador Ustra ou a morte de Marielle Franco. É deste tipo de “gente” que estamos a falar. [Read more…]

A violência do Populismo

Toda a violência é reprovável, sendo que a que é exercida sobre os mais fracos, ou que dela se não podem defender, não apenas é reprovável como é execrável e sobre ela deve o Direito buscar a justa punição. Um ser humano que exerça sobre outros violência física ou psicológica, aproveitando-se para tal de uma posição de força, infligindo sofrimento, por vezes irreparável, às vítimas do seu ódio, é coisa animalesca e não humana, merecendo da sociedade a punição adequada à culpa, punição essa que se quer célere, pedagógica e exemplar.

Posto isto, é desde há meses a fio que o país vem assistindo, aparentemente divertido, à lapidação pública de um Juiz, cujo pecado foi o de ter sido um dos subscritores – repita-se, um dos subscritores – de dois acórdãos sobre crimes de violência doméstica, sendo que pelo menos um desses acórdãos foi igualmente subscrito por uma magistrada.

[Read more…]

Crónicas do Rochedo XXVIII – Justiça Perdida

Quando uma sociedade deixa de acreditar na justiça é o princípio do fim.

As decisões do juiz Neto de Moura e dos seus pares – sim, como bem lembrou o Professor Aguiar Conraria no último programa “Governo Sombra” da TVI 24 as decisões deste juiz não foram tomadas apenas por ele – são uma machadada na credibilidade da justiça em Portugal. A ameaça de processar todos aqueles que o criticam e a posição tomada pela Associação de Juízes é a cereja no topo do bolo.

Tempos perigosos estes…

 

Entre a censura e o negócio – Objectivo: O controlo total

1- “O problema é que é esse mesmo mecanismo que está a matar a privacidade, a minar a democracia, a aumentar a crise da imprensa livre e a promover genocídios.

Esta semana a plataforma (FB) bloqueou o acesso à ProPublica, um serviço noticioso de investigação que se especializa na investigação da qualidade cívica e que já ganhou um Pulitzer de Serviço Público. O que a Propublica fazia era um ato de transparência: expunha aos utilizadores a forma como os seus perfis eram utilizados no Facebook e que anúncios chegavam a quem, permitindo o escrutínio e forçando a transparência que são essenciais nas sociedades liberais.”

2- “A privacidade está a ser substituída pela tecnovigilância e a transparência dos algoritmos é impossível de conseguir. Em causa fica o livre arbítrio e toda a ideia da sociedade aberta.

O modelo de negócio das grandes empresas digitais assenta na recolha e utilização da maior quantidade possível de dados pessoais, frequentemente de forma ilegal e certamente anti-ética. E depois usa esses dados com um determinismo sócio-tecnológico que nega o reconhecimento do indivíduo.

A Amazon, que alberga a grande maioria da internet no seu negócio de servidores, tem contratos de milhares de milhões com os serviços militares e de segurança do governo americano; a Google, que domina o negócio das nossas personagens digitais (desde as pesquisas na internet ao conteúdo dos emails) faz o mesmo e negoceia individualmente com governos vários o acesso a informações sensíveis.

A vigilância transforma-se rapidamente em controlo de formas que são cada vez mais cinzentas, como já acontece em França numa parceria entre o Eliseu e o Facebook para policiar o discurso de ódio. Some-se a isto as tecnologias de reconhecimento facial e de voz e temos todas as características de um estado policial em formação.” [Read more…]