Crime e Castigo

A condenação em juízo de um cidadão é o resultado da aplicação do Direito à sua conduta e da decisão ponderada, presume-se, de um Tribunal, ao qual caiba o seu julgamento. A mais grave punição a que esse cidadão está sujeito é a privação da Liberdade, suplício através do qual a sociedade pretende que ele expie o seu crime e o resto da comunidade se sinta dissuadida de o replicar.

[Read more…]

A vida de um sapador-bombeiro vale 700 euros

Num mundo cujos mandantes odeiam o dia 1 de Maio de 1886 e todas as datas daí decorrentes, é natural que se queira pagar uma ninharia (738 euros de salário-base, o que inclui 120 euros de subsídio de risco e 140 de disponibilidade permanente) a quem corre riscos de vida para salvar a dos outros.

Num mundo em que o défice de um país é mais importante do que os cidadãos ou em que o Estado entrega dinheiros públicos a parasitas como as PPP ou os bancos, é absolutamente previsível que se queira passar para os 60 anos a idade de reforma de profissionais que têm de carregar com equipamento que pesa 30 quilos.

Entretanto, o portuguesinho, enganado por governantes e crescentemente explorado por patrões sem rédea, dedica-se à maledicência das profissões alheias e a defender, também votando, quem o suga. Tenho, ainda assim, alguma curiosidade em saber se aparecerá por aqui algum daqueles comentadores que poderá dizer que até conhece um sapador que não faz nenhum ou que os sapadores até têm sorte em ganhar mais do que o salário mínimo.

O Diabo faz selfies

©Víctor Sainz / El País

A história conta-se em poucas linhas: um escultor decidiu oferecer a Segóvia, sua cidade adoptiva, uma estátua que representa uma lenda centenária, a de que o famoso aqueduto da cidade não foi erguido pelos romanos, mas sim pelo Diabo, numa única noite, a pedido de uma jovem, que conseguiu enganá-lo e salvar a sua alma. A autarquia aceitou a oferta com entusiasmo mas, quando a estátua ia ser colocada no lugar que lhe fora destinado, uma associação de católicos apresentou queixa, alegando que a obra ofende os seus sentimentos religiosos. O caso está em tribunal e a estátua mantém-se na oficina do seu criador.

As fundadoras da associação criada para apresentar esta queixa alegam que a estátua é uma exaltação do mal e que este Diabo, ao nem sequer estar próximo de uma igreja, é representado sem nenhum elemento que o repudie, o que o converte num chamariz irresistível para satânicos de outras paragens. [Read more…]

Os europeus fogem da Europa sem saber para onde

Abandonados pelo poder na União Europeia, os cidadãos compreenderam que a sua voz e vontade deixaram de encontrar nos partidos dominantes do sistema qualquer eco ou respaldo na tomada de decisões para a sua construção, sentindo-se defraudados nos nobilíssimos ideais que lhes venderam sobre uma “Europa dos Cidadãos”. De costas voltadas para os cidadãos, os políticos do Partido Popular e do Partido Socialista Europeus, aplicam há quase duas décadas os ditames da alta-finança internacional sem nome nem rosto, impondo políticas de empobrecimento da classe média e dos mais desprotegidos, seja em nome da manutenção de uma moeda forte, seja em nome da dívida soberana, seja em nome do que entenderem dizer.

orban

A verdade é que a Europa deixou de interessar aos investimentos da alta-finança desde que escancararam as portas à livre circulação global do capital, [Read more…]

Dial C for Cristina

Um caso de James Marlowe, Chico Nelo para os inimigos.

O telefone tocou. Suspirei. Um caso, finalmente, o primeiro desde Fátima. Uma voz rouca, sensual, lenta perguntou-me se já tinha almoçado. Respondi, irritado:

– Mãe, já lhe disse que não me ligasse para o emprego!

A voz rouca, sensual insistia na necessidade de que me alimentasse convenientemente, acrescentando que eu não tinha propriamente emprego. Despedi-me o menos educadamente possível, tendo chegado a deitar a língua de fora ao bucal, de modo a que não se ouvisse.

Alguém mais atento poderia notar a inverosimilhança da ausência de um telemóvel, como se fosse possível um detective anacrónico usar objectos crónicos.

O telefone voltou a tocar:

– Mãe, outra vez?!

Claro que não era a minha mãe e não vale a pena insistirem no telemóvel que me permitiria saber quem me estava a ligar.

Do outro lado, estava uma voz tão inconfundível como a da minha mãe, ainda que menos sensual: era aquele que, doravante, por razões de segurança, passaremos a designar pelo nome de código “Presidente da República”.

– Estou a ligar-lhe confidencialmente para lhe pedir que, de modo discreto, me arranje o número de telefone do novo programa da senhora Cristina Ferreira, aquela da SIC. É para um amigo. [Read more…]

Por falar em Marcelo Rebelo de Sousa,

depois de interromper, acabar e recomeçar, que tal, finalmente e como prometido, (re)abrir?

Dia de Reis

Foto de Josep Lluis Sellart

Há poucos meses, no Verão, o líbio Betcha Honorée esteve prestes a morrer. Ele e mais umas dezenas de pessoas que tentavam atravessar o Mediterrâneo para começar uma nova vida na Europa. O barco em que seguiam naufragou, mas foram resgatados pelo navio da ONG «Open Arms» e recebidos em Espanha.

Foto de Olmo Calvo

[Read more…]

Os patrulheiros do pensamento voltam à carga…

Não vejo TVI, tal como não vejo SIC ou RTP, à excepção dos noticiários às 20h e mesmo esses não é com regularidade diária, pelo que chego tarde à polémica do momento. Ao que parece um apresentador da TVI, entretido numa guerra de audiências, terá convidado Mário Machado, muito provavelmente na expectativa que este dissesse umas alarvidades. Nada de novo no formato, o que não falta são imbecilidades na televisão portuguesa, particularmente nos canais generalistas. [Read more…]

Em Portugal, é «possível estabelecer contato imediato»

It’s hard to get the students who read a lot of Foucault, for example, to worry about anything as simple as national health insurance, or the minimum wage, or immigration policy, or NAFTA, or something like that.

Richard Rorty

É como chegar, não chegar

Pára, enfim, a relação

GNR

***

Efectivamente, no sítio do costume, a possibilidade de estabelecer contato imediato existe há 7 anos.

Sim, eis o ‘eminente’ tão associado ao ‘perigo’ no Diário da República, em vez do esperado ‘perigo iminente’ (recordo indicações dadas em Dezembro de 2015, Janeiro de 2016 e Novembro de 2016), mas não nos dispersemos.

Porque os primeiros dias úteis de 2019 estão a ser bastante excitantes e extremamente auspiciosos. Ontem, também houve contato.

E hoje? [Read more…]

Supremacia da mediocridade

 

Desde já, e para que se compreenda, não tenho qualquer constrangimento em acusar quer as autoridades policiais quer o governo quer as instituições para a segurança rodoviária quer os infinitos grupos de cidadãos “motorizados” (?) de cumplicidade na matança que diariamente acontece nas estradas portuguesas.

[Read more…]

O homem branco nunca é terrorista: sofre de perturbações mentais

UPNRS

Imagem via Uma Página Numa Rede Social

Em Bottrop, na Alemanha, um homem tentou atropelar várias pessoas na noite de 31 de Dezembro. Segundo o jornal digital Notícias ao Minuto, que cita “as instituições judiciais e policiais de Essen”, tratou-se de “um ataque dirigido, motivado pela hostilidade do condutor contra estrangeiros”. Terrorismo, portanto.

Felizmente – para o agressor, claro – o criminoso sofrerá de problemas mentais. Talvez por isso o termo “terrorismo” não seja referido uma única vez na peça jornalística, nem como hipótese. Porque tudo fica sempre mais simples quando o delinquente é branco e não um perigoso emigrante do Magrebe, do Médio Oriente ou do Corno de África. Esses nunca sofrem de problemas mentais, são sempre terroristas. Já um homem branco, naturalmente bom e inofensivo, só por perturbação mental poderia levar a cabo tamanha barbaridade. E quem discordar é um perigoso esquerdalho, empenhado na instauração de uma ditadura Estalinista.

 

Da subserviência ao Brasil

Ao arrepio da tradição, Marcelo Rebelo de Sousa esteve presente na tomada de posse de Jair Bolsonaro, o que já é mau sinal, independentemente de quem chegou à presidência do Brasil. Sinal de subserviência, que é uma maneira de encolher um país.

As declarações do presidente português confirmaram o provincianismo de um país que vive de joelhos: ao falar com o repórter, abrasileirou a pronúncia; diante do desprestígio que foi o pouco tempo de audiência com Bolsonaro, inventou a história de que os irmãos precisam de pouco tempo para comunicar; não perdeu a oportunidade para falar da importância do Brasil nessa central de maus negócios que é a CPLP.

Já Eça fazia referência ao provincianismo de um país que importava tudo, até vocabulário, de França. Mais recentemente, vamos engolindo neoliberalismos vários porque vêm de Bruxelas e palavreado economês em inglês americano, cheio de timings e de feedbacks. O Brasil, eterna potencial potência, é o deslumbramento de políticos sempre ansiosos por transformar Portugal na rémora do tubarão, porque os negócios e as empresas e as oportunidades, num desfile de inanidades que afectam inclusivamente o supremo magistrado da nação, com representantes prontos a vender até a ortografia, em nome de uma falsa união que é só parolice.

Note-se que a cultura de muitos portugueses, incluindo este vosso criado, é devedora de muito Brasil, da literatura à música, passando pela televisão e pelo cinema, mas não se confunda admiração com genuflexão. O problema, nesta e em muitas histórias com políticos portugueses, é que a vergonha não é alheia.

A vitória da tronchuda

Tronchuda

Há dias ouvia um Ancião, bem curtido pelas vicissitudes do tempo, apontar uma única crítica a Oliveira Salazar. A de não ter posto termo à injustiça que existia na relação entre o caseiro e o patrão (o proprietário). O caseiro trabalhava as terras que não eram suas e, do que colhia, entregava a maior parte ao patrão. Era frequente ter que comprar pão para lhe dar. Para si e para a sua família ficava, a maior parte das vezes, a fome e a miséria, num tempo em que se chamava “vitela” às tronchudas (couves).

[Read more…]

Bom 2019

Para todos os que fazem o Aventar, autores, convidados e leitores, votos de um bom 2019.

Imagem: Paresh Nath, politicalcartoons.com

A escravatura e o Dr. Chef Avillez

Obrigado, Dr. Jovem, por continuar a iluminar o nosso caminho, obscurecido pelos esquerdalhos totalitários.

O pecado do capitalismo selvagem, segundo Francisco

PapaF.jpg

Belém: o nome significa casa do pão. Hoje, nesta «casa», o Senhor marca encontro com a Humanidade. Sabe que precisamos de alimento para viver. Mas sabe também que os alimentos do mundo não saciam o coração. Na Sagrada Escritura, o pecado original da humanidade aparece associado precisamente com o ato de tomar alimento: «…agarrou do fruto, comeu» – diz o livro do Génesis (3, 6). Agarrou e comeu. O homem tornou-se ávido e voraz. Para muitos, o sentido da vida parece ser possuir, estar cheio de coisas. Uma ganância insaciável atravessa a história humana, chegando ao paradoxo de hoje em que alguns se banqueteiam lautamente enquanto muitos não têm pão para viver.

Adoro quando o Papa Francisco usa o seu poder mediático para nos lembrar que o capitalismo selvagem e as suas elites opulentas e corruptas são um nojo. Nunca é demais recordar.

No país do “rir é o melhor remédio”

“Portugal não é um país para gente séria. Quem é sério está tramado.” “Detesto viver neste país faz de conta, de tansos, cobardes, ladrões, corruptos e sem lei. Portugal mais parece o Far West. Não sei se dá para rir ou chorar!? Somos um país de paródia, sem direito, sem razão, sem uniformidade, sem equidade, sem rigor, sem dignidade, sem imparcialidade”, frisa Joaquim Jorge.

Todos sabemos que rir é das coisas melhores da vida. De preferência à gargalhada, até às lágrimas.

Mas rir da tristeza

– das leis que não são para cumprir (ou só para alguns cumprirem) e dos alçapões das leis; da sangria aos cidadãos para assegurar lucros privados; da corrupção pequena e grande e da impunidade; da subserviência aos chefes e da prepotência dos chefes; da arrogância de funcionários que nos deveriam servir dignamente; do empurra-empurra de competências entre instituições, para se pouparem ao trabalho; das cunhas imprescindíveis para resolver o que deveriam ser direitos; da desorganização que nos faz perder tempo de vida; do sebo das amigalhices e negociatas por baixo dos panos (ou até por cima); do poder opaco de certas Ordens empresariais, profissionais, clubistas ou secretas; do “se não aproveitas és burro”; da comentadoria emproada e produtora de nevoeiros; da generalizada desresponsabilização pelo bem comum e pelo planeta; da sobranceria perante o empenhamento cívico em prol de causas públicas, onde ele existe, e da falta do mesmo; do desistir “porque não adianta nada”, do enfiar a cabeça na sua própria vidinha e interesses –

rir de tudo isto, não é mais do que cinismo. Cinismo e canalhice.

Sejamos melhores em 2019, se possível, sem deixarmos de rir. Chin chin.

Feliz Natal


Este ano regresso a Fairytale of New York, porque alguns talibãs, doutrinadores do pensamento único, consideram ofensiva, logo passível de censura a letra desta bela canção.
Tempos perigosos para a Liberdade quando patrulheiros do politicamente correcto pretendem reescrever a História, mudar estátuas, nomes de ruas, culpar povos pelo passado, proibir ou impor comportamentos, incluindo a linguagem, entre outras barbaridades, na busca pelo homem novo, com que tantos tiranos sonharam…
A todos desejo um feliz Natal.

Catalina Pestana (1946-2018)

Em Memória.

Catalina Pestana

Quem são os Coletes Amarelos em Portugal

No que respeita movimentações colectivas, sendo importante conhecer quais são os objectivos declarados, perceber quem as está a promover pode ajudar a avaliar a autenticidade das posições defendidas. Uma forma de o fazer consiste em procurar saber quem tem sido os promotores dos protestos dos Coletes Amarelos Portugal e que dimensão têm estes movimentos. [Read more…]

As críticas às greves ou a distracção dos democratas

Entre os professores, há um ou vários cismas que não nasceram ontem e que se vão prolongando na paz podre em que aceitam viver há vários anos, acatando tudo aquilo que, desde 2005, é atirado para cima das escolas.

O episódio mais recente correspondeu à greve às avaliações, em que pudemos verificar a existência de, no mínimo, três trincheiras. Numa, esteve (e está) um governo irredutível que rejeita repor o tempo de serviço a que os professores têm direito. Numa outra, estiveram a maioria dos sindicatos e muitos professores que, reivindicando a dita reposição, acabaram por, conscientemente ou não, terminar uma luta que decorria serenamente, inventando várias desculpas esfarrapadas. Finalmente, um sindicato jovem e uma quantidade apreciável de professores que estiveram dispostos a prosseguir uma luta que, ainda assim, continua aquém do fundamental. Pelo meio, a oposição fingiu estar ao lado dos professores.

Acrescente-se que a greve às avaliações foi feita rotativamente, através da criação de fundos de greve, porque – deixemo-nos de lirismos – não é possível um profissional por conta de outrem fazer uma greve prolongada de outra maneira.

Fiz parte do último grupo, sem heroísmos nem arroubos épicos, apenas porque sou incapaz de ambos e porque, de qualquer maneira, as palavras de ordem me parecem, cada vez mais, ruído vazio. [Read more…]

Pedofilia, mas da menos chocante

O bispo do Porto, D. Manuel Linda, afirma, em entrevista ao Público (edição de hoje), quando questionado sobre os casos de pedofilia na Igreja e, em concreto, da Igreja portuguesa, o seguinte:

Aqueles dois casos – o da Madeira, com o célebre padre Frederico, e, recentemente, o caso da Guarda -, tudo leva a crer que não tenham tido aquela dimensão de gravidade de que estamos habituados a ouvir falar quando falamos de pedofilia. Talvez tenha havido alguma intimidade, mas não uma intimidade daquelas mais chocantes.

[sublinhado meu]

[Read more…]

Águas de Gaia, 46.125 euros de “rebranding”

A arte do Plágio parece estar muito em voga nas teses de doutoramento, mas é preciso não cometer exageros de análise, sempre subjectiva, e oferecer ao criativo o benefício da dúvida, cujo direito conquistou ao longo de muitos anos de trabalho árduo.

[Read more…]

Acusações gratuitas de plágio

Do lado esquerdo: Melbourne e Google. Do lado direito: Gaia

O presidente da Câmara de Gaia queixou-se, recentemente, de ter sido injustamente acusado de plagiar a cidade australiana de Melbourne, quando decidiu mandar criar a nova identidade visual, vulgo City Branding, do município de Vila Nova de Gaia. O edil gaiense parece ter toda a razão. Como pode verificar-se pela imagem anexa, a nova identidade visual da cidade de Gaia – todo um mundo, sublinhe-se -, pela qual os munícipes pagaram a Vítor Tito a módica quantia de 46.125,00 euros, tem um aspecto indiscutivelmente original. Mesmo a comparação com a Google se afigura abusiva, uma vez que, embora a marca Gaia utilize exactamente as mesmas cores e os mesmos princípios gráficos, os tons são diferentes e a letra G só é a mesma por coincidência irreprimível da toponímia local. Tito chegou a ser acusado de usar falsos desempregados em cartazes. Uma ofensa, evidentemente.

 

Antero de Quental

Há uma Alma em tudo. Nas pedras, nas plantas, nos animais, nos seres humanos. Há uma Alma no vento e nas estrelas, no mais longínquo ponto de luz deste Universo. De qualquer Universo. Quando o legislador conferiu ao animal (Anima, Alma) um estatuto jurídico superior ao de “coisa”, mais não fez do que iniciar o caminho que leva ao reconhecimento social e normativo da Alma de todas as coisas, da rocha aos anjos e mais além. E mais aquém.

[Read more…]

Plasma, o quarto Estado

Diz a comunicação social que os CDOS (Centros Distritais de Operações de Socorro) do Porto, Braga e Vila Real não atenderam as chamadas de alerta sobre o desaparecimento do helicóptero do INEM que se despenhou em Valongo. Parece que a primeira chamada foi efectuada às 19h20. Estariam a jantar. Não importa.

O que importa realmente, num Estado que se projecta na pós-modernidade através da convergência acelerada com os padrões europeus de qualidade de vida e salubridade republicana passando da matéria gasosa ao plasma, é que o congresso da JS decorra sem percalços. Afinal, são esse jovens promissores, de curricula enciclopédicos, que amanhã representarão democraticamente o seu povo, abocanhando o que ainda houver, chupando-lhe os ossos, repartindo entre si cadeiras e passwords e colocando em prática governativa a sua sólida formação social-democrata, de princípios e valores de esquerda – não esquecer esta parte -, bem como a sua irreprimível vocação de matilha. Entre as claques de futebol e essa tropa aprendiz da gatunagem, mil vezes os Super Dragões.

Coletes amarelos: o povo saiu à rua

A.jpg

A batalha de Paris, que ontem levou a cena o seu quinto acto, não é uma versão moderna da tomada da Bastilha. É a entrada em cena, no núcleo duro da velha Europa ocidental, de uma forma muito particular de terrorismo, que há meses se manifesta ideologicamente em blogues e redes sociais, onde se formou um pequeno exército de indignados que, a meu ver inadvertidamente, serviu de cobertura para que um grupo de profissionais do distúrbio pusessem em marcha uma agenda de destabilização, focada no objectivo final de abater a Democracia como a conhecemos. E de colocar Marine Le Pen no poder.

Mas esse pequeno exército, que nem é tão pequeno como parece, nem se resume aos revolucionários gauleses que tomaram as ruas da capital e das grandes cidades francesas, é muito mais do que um grupo de delinquentes que professa ideologias extremistas. É a manifestação de um povo, cada vez mais consciente da sua condição de financiador das mais fabulosas fortunas do planeta, que assiste, indignado, à galopante precarização das suas condições de vida, perante a indiferença e escárnio da elite que os comanda. [Read more…]

Afinal, quanto custou o Red Bull Air Race?

Uma notícia do dia 8 de Março de 2017 reproduzia declarações do presidente do Turismo Porto e Norte de Portugal (TPNP), Melchior Moreira, recentemente detido por suspeitas de corrupção, segundo as quais a prova Red Bull Air Race, realizada nas cidades do Porto e Vila Nova de Gaia a 2 e 3 de Setembro desse mesmo ano, iria ter um custo de 6 milhões de euros. Segundo Melchior Moreira afirmou na altura, “metade do investimento fica a cargo da Red Bull Internacional e os restantes 50% [3 milhões de euros] serão “comparticipados pelas câmaras do Porto e Gaia e do Turismo do Porto e Norte”, com o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e do Turismo de Portugal (TP), no âmbito de uma candidatura a fundos comunitários.”

[Read more…]

A Turismo Porto e Norte e a Maçonaria

O grão mestre da Grande Loja Legal de Portugal é candidato, segundo as notícias, à presidência da Turismo Porto e Norte de Portugal, essa escola de virtudes.

Não devia.

Os maçons devem, nesta altura, afastar-se dos cargos de poder público, ou, então, afastar-se da Maçonaria.

Uma nota ao Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, que veio dar prova de vida aos jornais: quem fala não sabe. Quem sabe não fala. Se quer falar, ao menos chegue à Pedra.

Marta Soares

O senhor Marta Soares já foi uma excelente pessoa, cheia de predicados cívicos e leoninos, quando se tratava de escorraçar o Dr. Bruno de Carvalho da presidência do Sporting.

Agora é um “irresponsável” que “coloca em causa a segurança dos cidadãos” e até cometeu pecados como presidente de câmara. Só falta chamar-lhe incendiário.

%d bloggers like this: