Agência Lusa confunde Portugal com Espanha

15 de Novembro de 2018 | Notícia da Agência Lusa

A Agência Lusa decidiu, e muito bem, fazer notícia com a proposta do Partido Socialista para reduzir o IVA da tauromaquia, de certo sabendo que a orientação da senhora ministra da tutela era diferente, por questões civilizacionais.

[Read more…]

PSP – Precários de Segurança Pública

PSPi.jpg

Fotografia via TVI24

Num país onde todos os anos são injectadas centenas de milhões de euros em bancos falidos por criminosos em liberdade, existem cada vez mais esquadras da PSP altamente degradadas e sem o mínimo de condições para quem ali trabalha, com tectos que pingam, paredes cobertas de humidade e bolor, equipamentos insuficientes e obsoletos e agentes da autoridade em fuga, devido à falta de condições, aos baixos salários e ao congelamento de carreiras. Esquadras sem carros de patrulha e com falta de efectivos, equipas de intervenção rápida que circulam de comboio, agentes que se deslocam a pé para responder às mais variadas ocorrências e tudo isto em zonas com elevada densidade populacional, onde a criminalidade mais se faz sentir. [Read more…]

A impotência

Fonte: EDP

O senhor ministro da Transição Energética terá apelado aos cidadãos para que reduzam a potência contratada de electricidade em suas casas, de modo a poderem beneficiar da redução do IVA na energia. É a TSF que dá conta da originalidade, não é o site Bombeiros 24 – a partir de agora não há links, guardarei os printscreen para os cépticos ou litigantes.

[Read more…]

Braga e o Património

A bimilenar Bracara Augusta, popularmente conhecido como Braga e por muitos tida como “a terceira cidade de Portugal”, é um sítio que se orgulha de apagar, tanto quanto possível (e para lá do possível), quaisquer vestígios dos antanhos.

Tudo quanto não seja cimento armado ou asfalto corre risco de ser levado na enxurrada (e há, de facto, muitas enxurradas em Braga).
Foi assim no longo reinado de 37 anos de Mesquita, o Machado que tudo cortou, e continua a tradição já com o novel Ricardo Rio. Cujo mote foi “mudança”. E a cidade precisava, precisa de “mudança”.

É que nem o cheiro mudou, Ricardo.

Fabricated news

Há mais um epíteto a juntar à definição de fake news. Já aqui tinha sido referido que boatos, assassínios de carácter e campanhas negras são sinónimos de um certo tipo de peças com presença na comunicação social. São, frequentemente, ataques ad hominem, com objectivo de desacreditar alguém, matar o mensageiro ou, simplesmente, condicionar alguma acção.

A acrescentar a esta lista, a desonestidade intelectual consiste na propositada deturpação de argumentos com o objectivo de se fazer valer um ponto de vista. Chamar-lhe fake news não seria exacto, pois em causa não está uma notícia, apesar de esta expressão já ter evoluído para adjectivar tudo o que não se aprecie no mundo jornalístico. Esta forma de manipulação consiste em ignorar outros lados do tema, descontextualizar ou fabricar dados, ou não aplicar o mesmo padrão a situações comparáveis.

Atente-se, por exemplo, no editorial de Manuel Carvalho, hoje no Público.

[Read more…]

Uma imprensa livre e independente

O cidadão mais informado e menos sujeito às tão famosas “fake news”, poderá perguntar-se, olhando para a fotografia que ilustra esta página do Jornal de Notícias – edição impressa de 10 de Novembro de 2018 -, sobre o que fará o director de um jornal numa alegre confraternização com uma ministra do governo e um presidente de Câmara, gente sobre a qual ele normalmente tem que dar notícias. Ora, o que ele faz – ou, pelo menos, diz fazer -, é Filantropia.

[Read more…]

Os detalhes da notícia

Imagem recolhida a 25 de Agosto de 2018

Não é fácil perceber os motivos pelos quais um prestigiado jornal como o Expresso ilustra uma notícia de 1 de Novembro de 2018 com uma fotografia obtida há vários anos. A notícia fala da “pegada ecológica” de Vila Nova de Gaia que, segundo o jornal, representa 2,9% da “pegada” portuguesa total. Mas a imagem que acompanha o texto é de uma paisagem que já não existe há vários anos. Na verdade, as árvores que se vêem na imagem publicada pelo jornal foram entretanto abatidas e o património edificado das Caves de Vinho do Porto largamente destruído. 

[Read more…]

A que sector da sociedade portuguesa se destinam as fake news?

As fake news em Portugal vivem do Facebook e não de blogues. Estes, quando muito, servem apenas de muleta para a página do Face. E desculpem a crueza, nem podia ser de outra forma.
As páginas de fake news têm como alvo um sector específico da sociedade e que não é de distinção tradicional. As fake news não são nem para a classe baixa nem para a média (se é que esta ainda existe em Portugal) nem para a alta.
É para um vasto sector: os pouco informados. Que se encontram em todas as tradicionais classes. E, por isso mesmo, é o Facebook o seu pasto e não os blogues. Por isso, é um erro (na minha opinião) confundir as fake news com os “Corporações”.
O único ponto em comum é a manipulação.
Mas as páginas de fake news são para manipular através dos utilizadores de Facebook que, por opção (seja ela de que teor for) não estão informados e, como tal, acreditam em tudo o que lhes for apresentado da forma mais inverosímil. Pessoas que não consomem imprensa (escrita ou digital), que não gostam de política, que não gostam de pensar para além do natural da sua vida e do seu círculo. Essas pessoas são facilmente manipuláveis – basta apimentar a coisa da maneira mais….inacreditável.
Por exemplo: reparem no elevado número de pessoas que acreditam e partilham como verdadeiras peças de humor do “Imprensa Falsa” ou do “Inimigo Público” como se as mesmas fossem verdadeiras. Reparem no elevado número de pessoas que partilham como verdadeiras “notícias” sobre a morte de famosos. Antigamente, no tempo dos meus pais, compravam o “Incrível” pela diversão, pelo gozo. Se fosse hoje, compravam como se fosse o único jornal com notícias verdadeiras. Mais, as páginas de fake news, seja em Portugal, seja nos EUA, aproveitam este enorme mercado para transmitir a mensagem que pretendem e usam a plataforma que melhor se adapta em cada país. Nos EUA, é melhor o Twitter, como em Espanha. Já em Portugal, é o Facebook.
Ora, um jornalista que pretende fazer uma peça jornalística sobre o tema e escolhe como ponto de vista os blogues demonstra um total analfabetismo sobre o tema. Demonstra que ainda está no passado. Demonstra que não percebe nada do tema a investigar. [Read more…]

A FAPAG e o estacionamento para deficientes


A FAPAG – Federação das Associações de Pais de Gondomar – acabou de lançar uma petição pública para a existência de estacionamentos de deficientes em todas as escolas do país.
Não vale a pena. Já existem em muitas escolas e, a exemplo do que acontece por todo o lado, de hospitais a supermercados, estão quase sempre ocupados. Não por deficientes, mas por filhos da puta cidadãos cuja único problema é a nível da falta de escrúpulos, de valores de cidadania e de respeito pelo próximo.
Pois, não sei… A petição até é meritória, mas se calhar o melhor é perguntar a opinião do presidente da República.

O Aventar não é de Esquerda

Há dois dias, saiu na SIC uma peça sobre Fake News. Não nos pronunciando sobre o conteúdo da peça, algo que apenas faz sentido em publicações individuais, dada a inexistência de uma linha editorial no blog, não podemos deixar passar em branco uma imprecisão jornalística, nomeadamente a afirmação sobre o Aventar ser “um blog de esquerda“.

O Aventar é, desde o seu início, um blog pluralista, com autores de todos os quadrantes, políticos e não só. Quem lê o Aventar com continuidade, poderá constatar que assim é. Cada autor publica sobre os temas que bem entende e quando acha oportuno. Daí poderá resultar um maior número de posts considerados “de esquerda” – tanto quanto estas categorias ainda sejam referenciais válidos. Apenas artigos assinados pelo autor Aventar constituem posições colectivas de comum acordo.

O Aventar é, há 9 anos, um espaço pluralista, de controvérsia e de saudável debate. E assim continuará a ser.

Caro António Costa 

 

Desculpe a demora, mas aproveito o sossego desta fila de 3 quilómetros em hora de ponta para responder à sua carta aberta. 
Por respeito pelo pluralismo e amor à liberdade, subscrevo a frase habitualmente atribuída ao senhor Diamantino “que o grau de civilização de determinada sociedade pode ser medido pela forma como trata os seres humanos, principalmente as crianças.” 
Prefiro pensar que as civilizações também se distinguem pela forma como tratam as crianças. Como se distinguem pela forma como valorizam a dignidade do ser humano, a natureza ou se relacionam com o transcendente, por exemplo. 

[Read more…]

A proibição das touradas e a civilização

Consta que esta foi uma das primeiras tentativas de proibição das touradas. Remonta ao século XVI (1567) e é da autoria de um Papa. O senhor Rei D. Sebastião não terá ficado muito agradado com a ideia. Parece que o respeito pelos animais – nossos irmãos – não terá sido inventado pela excelente civilização wireless, que janta no Panteão – pratos vegetarianos, obviamente. Pelo contrário, é algo que acompanha a humanidade desde sempre. O que tem mudado profundamente é o respeito pelos rituais.

Os trabalhadores da Câmara de Gaia

Tive que deslocar-me, hoje, aos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, a fim de tratar de assuntos pessoais inadiáveis. Não posso deixar de testemunhar publicamente a competência e a afabilidade dos trabalhadores do município, que me receberam com a mesma simpatia e amabilidade de sempre. Deixo-lhes aqui o meu reconhecimento e o testemunho da sua dedicação incondicional ao serviço público.

Viva a ministra da Cultura e morte às touradas

Para começar, o argumento de que os comedores de carne não podem criticar as touradas não pega. É totalmente diferente matar animais para a alimentação ou matar para o divertimento do ser humano.
Dizer que ninguém é obrigado a ver – «quem não gosta, não veja!» – também é descabido. Posso não ver, mas vai acontecer na mesma. É isso que está em causa – o que está a acontecer e não se eu gosto ou não, se vejo ou não.
É, pois, uma questão de civilização, como muito bem diz a ministra da Cultura. E como as touradas não são cultura nem são nada, não deviam ser taxadas a 13% mas sim à taxa máxima do IVA.
De resto, nem sequer sou a favor da proibição. As touradas vão morrer a médio prazo, sim, mas de forma natural. Sem ataques, sem proibições. Apenas porque os valores civilizacionais vão falar cada vez mais alto. [Read more…]

Remember

Enganar-se-ão os que pensem que a vertigem fascista e totalitária que vivemos se há-de manifestar através dos mesmos mecanismos que durante quase 50 anos de ditadura nos habituámos a reconhecer. Enganar-se-ão, porque aquilo que durante o Estado Novo foi uma política opressiva, censória e persecutória com origem na estrutura panóptica e fascista do poder do Estado, é nos nossos dias isso mesmo, a mesmíssima coisa, mas com origem determinável no interior do próprio indivíduo.

O totalitarismo hoje instalado em Portugal recorre aos mesmos instrumentos de opressão, censura e perseguição da ditadura salazarista, mas fá-lo com a sofisticação suficiente para que não seja já o Estado a necessitar de usá-los, projectando no próprio indivíduo, acossado pelo pavor e pela angústia, a pulsão inconsciente de se oprimir, de se censurar e de se perseguir.

Bruno Santos
5 de Novembro de 2013

Espera lá! E a direita não tem culpa?

Durante milhares de anos, poucos homens exploraram muitos sem que os explorados tivessem verdadeiramente à sua disposição instrumentos mentais, morais ou intelectuais que lhes permitissem perceber que estavam a ser escravizados, que a exploração era uma realidade. Pelo meio, claro, houve revoltas, houve Espártaco, houve jacqueries, houve Galileu e muitos outros que chegaram a mártires, mas foi preciso esperar por tempos mais recentes para que alguns filósofos, independentemente da sua condição burguesa, dessem aos explorados meios para, finalmente, pensar sobre a sua condição. Foi então que os oprimidos começaram a estrebuchar, a incomodar, a exigir, para espanto das classes altas, que, invariavelmente, reagiram com brutalidade, até que, em muitos casos, foram obrigadas, para sobreviver, a aceitar a democracia, sendo que, ainda assim, nunca deixaram nem deixarão de a minar.

O poder, ao longo de milhares de anos, encontrou sempre maneiras de se legitimar, legitimando a opressão que exercia, com a ajuda, entre outras, da religião. No caso da nossa Europa, basta lembrar que o rei era ungido (o mesmo que se disse, por exemplo, do Bolsonaro e já fora dito acerca de Salazar), o que lhe dava direito, na prática, a algo semelhante à impunidade. O equilíbrio de poderes era um equilíbrio entre poderosos (reis, papas, duques e outros) e não entre patrões e servos. [Read more…]

De como as greves da IP estranhamente não afectam a Fertagus: Ou como transformar uma greve na IP numa greve na CP

fertagus

maquinistas.org

Segundo a Instrução de Exploração Técnica n.º 6 da IP, Infraestruturas de Portugal (IET 06), a mesa inserida na área suburbana de Lisboa, debaixo do controlo do Supervisor 1, que comanda a circulação entre a Estação de Coina e Pinhal Novo e entre o Barreiro e Pinhal Novo é a mesa 1.3. Debaixo do controlo do mesmo Supervisor 1, está a mesa 1.4 que comanda a circulação de comboios entre o Pinhal Novo (exclusive) e Vale da Rosa. Isto é, tanto os comboios da Fertagus que circulam entre Coina e Setúbal, como os comboios da CP Lisboa que circulam entre Barreiro e Praias do Sado, são controlados exactamente pelas mesmas mesas de operação e respectivos operadores. [Read more…]

Tolerância Zero

A sugestão de Karl Popper, contra os tempos sombrios que se anunciam.

O fio de Ariadne

A Civilização é um termo que procura definir o modo como ao longo do tempo as comunidades humanas se organizaram e evoluíram a partir da construção de cidades – a civitas. Um dos símbolos mais antigos da cidade, que a representa não apenas como projecção do esforço humano de organização e povoamento, mas como reflexo da relação do Homem com o mistério do mundo e o mistério de si mesmo, é o Labirinto. Na tradição que nos chega dos tempos e lugares clássicos, no meio desse Labirinto vive um Touro – o Minotauro.

[Read more…]

Manicura São Bento, arranjamos unhas no Parlamento

Já acompanhei alunos em visitas à Assembleia da República. De uma maneira geral, ficam espantados com o comportamento de alguns deputados que, enquanto alguém está a discursar, passeiam pelas bancadas, lêem o jornal ou conversam em pequenos grupos de costas para o púlpito. Numa dessas ocasiões, um aluno chegou a dizer-me: “Se nós fizéssemos o mesmo, o professor marcava-nos falta disciplinar.”

Na sala de aula, já, por várias vezes, fui obrigado a censurar comportamentos, o que faz parte do ofício, como é evidente. Entre outros, dei por mim espantado com uma aluna a pôr creme nas mãos de uma colega, acto que foi interrompido prontamente, ainda que com algum espanto por parte das minhas vítimas.

Isabel Moreira foi fotografada a pintar as unhas durante o debate do Orçamento. Não me parece pior do que estar a conversar enquanto outra pessoa fala. Parece-me igualmente mau. Entretanto, alguém defendeu a deputada, afirmando que há deputados que lêem o jornal no Parlamento. O problema está, evidentemente, em ter defendido o comportamento da deputada.

É demasiado fácil dizer mal dos deputados e desprezar a importância do seu trabalho – o que os torna estranhamente próximos dos professores -, mas a verdade é que estamos a falar de pessoas que foram eleitas pelo povo e que devem encarar a sua presença no Parlamento tendo em conta que são observados e que, portanto, servem de exemplo. Se um dia alguém estiver a pintar as unhas numa aula, serei obrigado a dizer qualquer coisa como “Mas já chegámos ao Parlamento?!”

A gestão autárquica e a descentralização

Notícia JN de 30/10/2018

No passado mês de Janeiro, a gestão da STCP – Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, passou a estar a cargo de seis autarquias (Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Maia, Gondomar e Valongo) da área metropolitana do Porto, como culminar de um longo processo reivindicativo que uniu os autarcas em torno do objectivo de municipalizar a empresa, retirando-a da esfera do Estado central. Sabemos como a “descentralização” de competências e recursos é um tema caro a alguns líderes locais. Querem mandar. Em abstracto, é uma estratégia eleitoralista. Em concreto, diz que a STCP acabou de gastar uma fortuna em autocarros novos que, por serem demasiado altos, não passam debaixo de alguns viadutos.

A seiva oculta

São mentiras, senhores

Sobretudo entre jornalistas, tenho reparado na argumentação defendendo que “fake news / “notícias falsas” não deveriam ser chamadas notícias porque não são notícias. E por isso, possivelmente, tenho encontrado a expressão “informações falsas” (aqui e aqui) ao se referirem ao fenómeno.

Mas também não são informações, senhores. São mentiras e boatos. Não tem de quê.

Vamo metralhar o clima, car****!

Imagem via Change.org

E estas alterações nada vertiginosas de temperatura, que tal? Ontem estava ameno, de manhã roçou o polar, durante a tarde esteve ameno outra vez e, se tudo correr como esperado, voltará ao polar dentro de minutos.

Mas está tudo bem, não há nada de anormal. Aliás, recebi há minutos uma mensagem num grupo do Whatsapp, ao qual fui adicionado por um empresário brasileiro, onde um pastor da IURD me garantiu que as alterações climáticas não existem, e se existem a culpa é das mulheres, dos homossexuais, das feministas, dos negros e de tudo o que mexe à esquerda.

Se ao menos pudéssemos comprar armas semiautomáticas no supermercado, para enfiar dois balázios no ambiente, vocês logo viam se o planeta não arrefecia sem piar. Ai arrefecia, arrefecia.

Democracia a votos…

Quando os chamados partidos do sistema não dão respostas aos problemas e aspirações das pessoas, estas acabam nos braços da demagogia e do populismo. Jair Bolsonaro, apesar dos anos que já leva em eleições, é um fenómeno político recente, que está a aproveitar o desgaste dos principais partidos por se terem deixado cair nas teias da corrupção. Também a falta de resposta ao flagelo da criminalidade, preocupam os cidadãos que clamam por segurança. [Read more…]

Põe os olhinhos, Portugal

Fotografia: Javier Soriano/AFP@El País

Aqui ao lado, na vizinha Espanha, o antigo ministro da Economia de Jose Maria Aznar, Rodrigo Rato, foi condenado a uma pena de prisão efectiva de 4 anos e meio por corrupção, encontrando-se já encarcerado.

Por cá, corrupto que é corrupto safa-se com penas suspensas e férias em domiciliária, onde pode alegremente usufruir do fruto dos seus crimes, que em momento oportuno colocou em nome da mulher e dos filhos.

Por cá, corrupto que é corrupto raramente é incomodado pela justiça, o que motiva o sector a apostar, ano após ano, na mesma prática de sempre, com resultados comprovados. [Read more…]

O jardim dos caminhos que se bifurcam

O fim da República é um lugar ante o qual se colocam duas possibilidades.
A primeira é a da opção por regimes tradicionalistas, geralmente autoritários, de rígida hierarquização social e grande rigor punitivo sobre os desvios do dogma.

[Read more…]

Guerrilha informativa

Devido à dificuldade em se atacar alvos específicos, a guerrilha teve sucesso onde a guerra clássica falhou. Não existe um país que se ataque, por exemplo. Foi o que acabou por derrotar os EUA no Vietname e é desta forma de confrontação que vem o poder do terrorismo.

As redes sociais funcionam como as florestas vietnamitas da informação. Nelas se escondem aqueles que inventam mentiras em forma de notícia, sem se perceber qual é a origem do ataque. Não se consegue silenciar este ou aquele falsário sem se calar a generalidade dos restantes elementos.

[Read more…]

Arqueologia das “fake news”

“Como se vende um Presidente”, Joe Mac Ginniss, Editorial Futura, 1973

Técnicas de câmera: nas conferências de imprensa de LBJ [ Lyndon Baines Johnson, 36º Presidente dos Estados Unidos] quando a câmera gira para enquadrar o auditório e a equipa de televisão, etc., estamos a ver o palco, pelo menos parcialmente, como o próprio LBJ o vê; portanto, subconscientemente estamos com ele;

[Read more…]

Tancos e as críticas da “esquerda” a Marco António Costa

 

O “socialista” Vítor Rodrigues recebe o Primeiro-Ministro Passos Coelho, em sessão solene, a menos de um mês das eleições legislativas de 2015.

Conheci pessoalmente o Dr. Marco António Costa no dia 6 de Setembro de 2015, no gabinete do actual presidente da Câmara de Gaia, onde me foi apresentado. Faltava menos de um mês para as eleições legislativas de Outubro desse ano e o Dr. Passos Coelho era recebido na Câmara de Gaia, liderada por “socialistas”, com todas as honras devidas a um Primeiro-Ministro de Portugal. Enquanto se faziam discursos solenes e se trocavam abraços e garrafas de Vinho do Porto, o secretário-geral do PS, António Costa, distribuía bandeiras e canetas nas ruas do país, lutando pelo objectivo que daí a algum tempo viria, para desgosto e surpresa de muitos ditos homens de esquerda, a alcançar – ser primeiro-ministro de um governo do PS.

[Read more…]

%d bloggers like this: