O que dizer deste livro?

Para comemorar os cem anos da Revolução Russa, decidi-me a ler um livro que, segundo um amigo marxista, era o preferido da CIA. A responsabilidade desta leitura não deve ser atribuída apenas à Revolução, mas também a George Steiner que me despertou a curiosidade pela figura de Pasternak quando nos conta a história que relato neste texto que escrevi, após um simpático convite do Pedro Correia.

Yuri Andreevitch Jivago é nos apresentado em criança a chorar a morte da mãe. Abandonado pelo pai, o rapaz é entregue a um tio e a amigos que o sustentam e educam. A facilidade com que ele escapa à pobreza contrasta com a vida difícil de Larissa após a morte do pai. Apesar dos avisos sobre a quantidade de personagens que romances russos contêm, Doutor Jivago centra-se sobretudo nestas duas personagens. Ligados, desde a juventude, por uma série de coincidências lamentáveis, Larissa e Yuri vivem paralelamente numa Rússia dividida por extremas desigualdades sociais, até que se encontram na Primeira Guerra Mundial, onde a igualdade da situação – a morte num campo de batalha é para todos – os une.

[Read more…]

Girl with a ballon e uma guilhotina

Há um cume de ironia quando uma obra recusada pelo poder estabelecido se auto-destrói depois de vendida num leilão. Consigo imaginar a eventual enorme risada do autor perante as caras de pânico no final do vídeo.

“There is always hope” Fonte: Dominic Robinson, CC BY-SA 2.0, via Flickr

La folie

Gustavo Peixoto*

R. Mapplethorpe (apócrifo), “La Folie”

*Curador

Charles Aznavour (1924-2018)

Cumpridos noventa e quatro anos de vida, setenta de carreira e compostas mais de mil canções, Charles Aznavour – nascido Shahnour Vaghinag Aznavourian – partiu desta vida não descontente. É o último grande da “chanson francaise”. Compositor, cantor, cidadão social e politicamente empenhado, deixa uma imensa obra musical, seguida e amada em todo o mundo.

Não lhe faltaram reconhecimento, honrarias, homenagens. Mas fica, sobretudo, a admiração do seu público, o respeito dos seus pares, o impacto da sua intervenção cultural, a memória da sua voz inconfundível.

Coisas da Cultura

Gustavo Peixoto*

Testemunhei hoje uma cena absolutamente hilariante no Museu de Serralves, onde está patente a exposição de Robert Mapplethorpe, tão falada nos últimos dias.

Observando atentamente, numa sala especial da exposição, uma das fotografias mais polémicas do fotógrafo, onde têm especial destaque um dos orifícios excretores do corpo humano e a parte do braço que vai do punho ao cotovelo, estavam dois indivíduos adultos, caucasianos, de estatura média, sendo que um era um homem que aparentava ter trinta e poucos anos, e o outro uma mulher na casa dos quarenta.

A dada altura, o indivíduo do sexo masculino interrompeu a observação silenciosa e atenta do truque contorcionista retratado na fotografia do artista e dirigiu-se, nos seguintes termos, ao indivíduo do sexo feminino que estava ao seu lado, absorto também na profunda maravilha da imagem:

“- Fazia-te umas cuecas de cuspo.”

A senhora chamou a polícia e fez queixa do ordinário, evocando o Artigo 170º do Código Penal, cuja recente alteração veio criminalizar o piropo.

*Curador

A náusea

Antes que do cadáver social em que se transformou Portugal se volte a fazer qualquer coisa parecida com um país, muitos anos e até gerações hão-de passar. Embora seja sem surpresa – para alguns – que se alcançou este estado, a visão da decrepitude cívica, social e política, o aroma do medo, da ignorância que cresce como uma conspiração, e do desprezo pelos mais básicos valores de uma civilização digna desse nome, não deixa de comover quem um dia tenha ganho consciência de que um país não pode ser uma latrina, uma sociedade um saco de bufos, ou uma República um covil de ladrões. Ladrões que o que mais roubam nem é o metal que compra o luxo ou o privilégio injusto, mas a singela esperança de um dia podermos vir a ser, enquanto comunidade, algo mais que uma espelunca moral.

Robert Mapplethorpe: É isto que choca os puritanos de Serralves?*


Ou isto?

[Read more…]

Os U2 e a alfaiataria nacional

You may know I’m guest-hosting tonight because Dave’s got a little eye problem. He’s having trouble seeing. Now that’s the bad news. The good news is he now qualifies to be an umpire on the tennis tour.
John Mc Enroe

the /t/ is often elided

Ida Brunsvik Eriksen

The… what do they call them? The emoticons. At first, I really thought they were dumb, and I didn’t use them, but (by God!) I use them. No. I only use one… two types… well maybe even more…

Douglas Hofstadter

***

Vale a pena ler alguns dos comentários a este descuido dos U2.

Infelizmente, muitos dos comentadores não conhecerão a ortografia praticada no sítio do costume.

É pena.

A propósito, daqui a cerca de um mês, vou a Cracóvia falar sobre Lisboa. Lisboa fonológica. Enquanto preparo os últimos pormenores da comunicação, aproveito para vos deixar descansar, repor baterias. Daqui a pouco menos de um mês, acreditai em mim, tudo estará exactamente na mesma. Quando? Daqui a umas semanas. Onde? No sítio do costume.

Efectivamente.

Até meados de Outubro.

***

Gaia, o roubo do Património

Fábrica de Cerâmica das Devesas:

Vila Nova de Gaia. Painel de Azulejos da Fábrica de Cerâmica das Devesas. 2013-2018.

1900

Longe de ser consensual, é verdade – por razões evidentes – o épico de Bertolucci é um filme arrebatador. Cortado e remontado por muitos e púdicos sensores, a versão do realizador é a indispensável.

Anselmo Vintém

Ao contrário do que afirma (quase) toda a historiografia positiva, Anselmo Vintém nunca existiu. Diz-se que Eusébio pronunciou o seu nome antes do Adeus dúctil que lhe ofereceu Constantino, mas nada disso foi documentado. E mesmo que tivesse sido, já tinha ardido tudo.

Espalhafatos e coisinhas assim

Lear. Get thee glasse-eyes, and like a scuruy Politician, seeme to see the things thou dost not.

— Shakespeare, “King Lear” (Folio I, 1623)

A TextGrid is a collection of tiers (this rhymes with cheers, not with liars).

— Paul Boersma (p. 350)

… ’tás sempre a falar coisinhas assim.

— Rodolfo Reis, 2/9/2018

***

Mais imagens esclarecedoras.

A propósito, convém sempre regressar a este belíssimo texto de Donald Davidson, cujo trecho mais célebre é o seguinte (p. 47):

A picture is not worth a thousand words, or any other number. Words are the wrong currency to exchange for a picture.

oito anos, dois meses e dez dias, o Expresso anunciou a adopção do AO90. Eis um dos resultados tangíveis das grafias utilizadas por quem actualmente adopta esse modelo ortográfico [Read more…]

The Queen is dead, long live the Queen: Aretha Franklin (1942-2018)

Politicamente correcto, os talibãs do sec. XXI…

Agora que se aproxima o fim do mundial da Rússia, decidiu a FIFA ceder à insidiosa agenda do politicamente correcto e proibir grandes planos de miúdas giras. Muito provavelmente agora só teremos direito a ver nas transmissões gajos de copo na mão e claques de apoio mais ou menos carnavalescas.
A FIFA vai por mau caminho, se quer promover o respeito pelas mulheres poderia começar por obrigar a que todas as federações filiadas permitam a entrada de mulheres nos estádios e promovam a prática de futebol feminino sem uso obrigatório de véu ou burka… Quanto a questões de género, que filmem tudo e cada um coma o que gosta. Já não há mais paciência para proibições, restrições ou recomendações desta gente…

Stanley Kubrick dá inesperada explicação para o final de “2001: Odisseia no Espaço”

Via Esquire:

Quando foi originalmente lançado em 1968, o público não fazia ideia do que pensar de “2001: Odisseia no Espaço”. Com efeito, 250 críticos de cinema saíram da estreia, em Nova York, literalmente perguntando em voz alta: “Que porcaria é esta?”

Ao ver este filme pela primeira vez, era eu adolescente nessa altura, senti a falta das estrondosas explosões de Galáctica e de Star Wars. E, também eu, achei que aquele final seria um delírio psicotrópico induzido por algum LSD espaço-temporal.

Eu tentei evitar fazer isto desde que o filme estreou. Quando se verbalizam as ideias, elas parecem tolas, enquanto que, se dramatizadas, sentimos-las, mas vou tentar.

[Read more…]

A Raiz

Há folhas, mesmo nos ramos mais altos, que teimam em beber da raiz. Demora mais, mas é a verdade.

A queda da Casa Golden

 

Sagas familiares são um tema comum na literatura. O declínio de uma família que acompanha o declínio de uma sociedade também não constitui novidade. Dos Maias aos Buddenbrook passando pelos Karamazov, cada geração tem a família que merece – e o respectivo declínio. A nossa, aparentemente, merece os Golden e felizmente fez algo de bom para merecer Salman Rushdie como cronista.

A Casa Golden (The Golden House em inglês) parte da narrativa de um aspirante a cineasta nova iorquino, nascido numa família de humanistas que simbolizam tudo aquilo que de bom havia no mundo pré 11 de Setembro. A tolerância, a fraternidade, o secularismo, a crença no progresso, valores que Rushdie considera basilares e universais. Sendo universais, todavia, são também – e especialmente – americanos. Foi nos Estados Unidos que Rushdie encontrou o apoio necessário na sua batalha contra o fanatismo e o ódio. Como gesto de agradecimento, tornou-se cidadão americano.

[Read more…]

K

No longínquo século XV, uma armada de eunucos liderada por Zhen He abriu caminho pelos vastos oceanos ao que pouco tempo depois viria a ser conhecido como Epopeia dos Descobrimentos. A razão por que era de eunucos essa armada*, sendo o próprio Zhen He um eminente castrati, prende-se com estranhas interpretações que os chineses desse tempo faziam sobre a influência hormonal na submissão das pessoas ao poder hierárquico. Presume-se que ao oferecerem a um homem a rara possibilidade de contemplar os seus próprios testículos numa pequena caixa de jade, os chineses se convenceram que o tornariam não apenas mais dócil, como mais inteligente e disciplinado.

[Read more…]

A Senhora Árvore

arvores_inglaterraTenho a religião desta árvore.

Greve dos ferroviários para 90% dos comboios?

As Gut (2009: 253) notes, even though they are much more objective, “analyses of acoustic correlates of foreign accents are still rare.”

Agnieszka Bryła-Cruz

***

Greve dos ferroviários para 90% dos comboios? Não! Greve dos ferroviários pára 90% dos comboios!

Como «Bloqueio nos fundos da UE pára projecto de milhões na área do regadio» ou «greve na CP pára comboios em todo o país» (efectivamente). É o acordo ortográfico à moda do Expresso.

No sítio do costume, tudo bem?

Tudo bem.

We’re alright.

Quanto a este «infeção por lentes de contato é algo possível de acontecer», devo admitir que a autora do texto, efectiva e auto-referencialmente, tem razão: «infeção por lentes de contato», de facto, aconteceu.

Exactamente, convém evitar os aspetos. No Brasil, por exemplo, não adoptam.

***

A Viagem

Parece que o presidente da Câmara Municipal de Lisboa decidiu mudar o nome ao futuro “Museu dos Descobrimentos”, rebaptizando-o como “A Viagem”. Diz-se – mas nada que tu digas acredito – que esta mudança se deve a um conjunto de pressões por parte de um grupo de iluminados que considera que as expressões “Descobertas” ou “Descobrimentos” são obsoletas, incorrectas e carregadas de sentidos equívocos.

[Read more…]

Relatório de organismo da UNESCO arrasa câmaras de Gaia e Porto por causa do Centro Histórico/Património Mundial

Demolições em massa no Centro Histórico de Gaia

 

O ICOMOS (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios), uma organização não governamental global associada à UNESCO, acaba de publicar um Relatório Técnico de Avaliação sobre o Estado de Conservação do Bem inscrito na Lista do Património Mundial: Centro Histórico do Porto, Ponte de D. Luíz I e Serra do Pilar.

Este documento, que cita três artigos* sobre as Caves de Vinho do Porto oportunamente publicados aqui, no Aventar, tece gravíssimas considerações sobre a actuação das autoridades públicas portuguesas, no que respeita à defesa da integridade do Património do Centro Histórico de Gaia e Porto.

*Artigos citados pelo relatório do organismo da UNESCO:

A ler:

Clique para aceder

Rosas do abismo

“Calmo na falsa morte”, Lima de Freitas, Acrílico sobre tela, 1985

Parece que a nova moda entre uma certa inteligência nacional é espalhar a ideia, não só de que Portugal é um país racista, mas também que toda a sua História é uma expressão antiga, intemporal, desse racismo.

Este ataque ao carácter da Nação e ao seu legado é uma forma de revisionismo, de falsificação histórica e ocultação, que pretende apagar da memória colectiva, principalmente da que servirá as novas gerações, o verdadeiro sentido do projecto Português no mundo e os pilares da sua identidade. Pretende, no fundo, armadilhar o futuro, esvaziando o céu de uma terra que há muito perdeu o chão.

[Read more…]

A Livraria Moreira da Costa, no Porto

Há quem queira fechar a Livraria Moreira da Costa, no Porto, por ser “inflamável”. Passei lá hoje e confirma-se que a chama permanece acesa. Votos que seja eterna!

Imagem daqui.

France: douze points

A história é simples, a de um bebé chamado Mercy que nasce numa embarcação de refugiados a caminho da Europa. Depois troca-se por ali as voltas ao significado de Mercy em inglês e de Merci em francês. A música é bem esgalhada e com potencial para irritar os governos húngaro, polaco, britânico e todo o refugo xenófobo de Le Pen a Beppe Grillo. Só por isso, mereceria logo à cabeça douze points. Entre as minhas favoritas estão também a da Irlanda e da Albânia.

As várias mensagens políticas da Eurovisão ao longo das décadas são muito bem abordadas num documentário do canal ARTE, intitulado “Eurovisions” (não disponível), onde se refere a canção de Paulo Carvalho que serviu de senha do 25 de Abril, as vitórias de Dana International e Conchita Würst ou a canção anti-Putin de Verka Serduchka.

Pode-se pensar o que se quiser deste que é o espetáculo televisivo mais popular da Europa, mas comparado com o conservadorismo do Super Bowl americano onde uma simples maminha causou escândalo nacional, prefiro a Eurovisão onde as avozinhas e as netas dão a vitória a um grupo de Heavy Metal finlandês, a um travesti israelita ou a uma mulher de barba austríaca.

Rock in Rio, a Maria Leal dos festivais de Verão

O Rock in Rio não é um festival de Verão como os restantes. No início tentou ser, e ainda fazia jus ao nome, com dois dias de rock mais ou menos pesado, mas hoje não passa de um parque de diversões, atropelado por uma avalanche de publicidade, com um cartaz que, no essencial, é feito de nomes de música pop, quanto mais mainstream, melhor, preços altamente sobrevalorizados e cartazes cada vez piores e com menos diversidade. Claro que isto é apenas a minha opinião. E haverá por aí muito boa gente a defender a necessidade de existir um festival de música pop pastilha elástica com estas características. Mas hoje descobri que a Lili Caneças está no alinhamento de um dos palcos e tudo fez mais sentido. O Rock in Rio é a Maria Leal dos festivais de Verão: até pode ter alguma piada (os Muse vão lá), mas no geral é uma pimbalhada em avançado estado de parolização.

9 anos de Aventar

Em Março passado, no dia 9, o Aventar fez 9 anos. O blog deve estar a chegar àquela idade em que não se fala de aniversários, já que a data não passou de uma brisa, que se sente, mas sem merecer grande reparo. Talvez voltemos a falar no assunto quando chegar a data redonda, quiçá cunhada no livro de que falamos há anos.

Por hoje, fica este apontamento e uma nota sobre o dia 4 de Abril de 2014 onde, num único dia, o Aventar foi lido por mais de 133 mil visitantes. Aproveitando para para partilhar mais um pouco sobre a vida interna do blog, desde que estamos nesta plataforma, há 7 anos, foram publicados 32 mil posts, que trouxeram 16.6 milhões de visitas por parte de 6.4 milhões de visitantes.

Obrigado a todos os que fazem diariamente este espaço, leitores e autores.

És tu

Este é o primeiro vídeo do projecto musical que tenho em mãos.

Trata-se de uma mudança algo radical do que costuma (ou costumava) ser o âmbito das minhas publicações, mas, sinceramente, já estou cansado das agendas mediáticas e das conjunturas.

Feliz Dia da Mãe.

Shakespeare sem Acordo Ortográfico de 1990

Hamlet e Macbeth. Efectivamente, há esperança.

O Museu e as Descobertas

A polémica (aqui, ali e acolá) e um contributo de 1989: «Desde as Descobertas temos o vício de implantar/Dúvidas abertas».

%d bloggers like this: