O azulejo Andalus

A arquitectura do Al-Andalus era profusamente decorada, seja em trabalhos de madeira talhada e pintada, de ferro forjado, de ornamentos em estuques ou de painéis de azulejo.

O azulejo Andalus foi a base para a azulejaria medieval e moderna, e absorveu muito dos painéis de tecelas romanos.

O seu fabrico ainda hoje subsiste em Marrocos.

A técnica utilizada é a do azulejo “alicatado”, assim chamado pelo facto de utilizar fragmentos de cerâmica vidrada, com combinações de distintas formas e cores, que posteriormente são agregados em painéis, através de uma massa à base de cal e areia fina ou gesso, processo chamado de “embrechamento”.

Esta técnica exige uma grande perícia ao nível do corte dos azulejos e mestria ao nível da disposição das peças para a composição dos painéis, já que as mesmas são dispostas com a face vidrada para baixo, não permitindo visualizar o resultado final.

O termo “azulejo” provem do Árabe “azzellij”, que significa pedra polida.

É um material muito utilizado em lambrins de paredes, tectos, pavimentos, colunas, fontes, piscinas e mesas.

O processo de fabrico de azulejo implica a utilização de uma argila homogénea, que após uma primeira cozedura é coberta com um líquido para se obter o vidrado.

As cores do vidrado obtêm-se a partir de óxidos metálicos _ o azul através do cobalto, o verde através do cobre, o castanho e o preto através do manganésio, o amarelo através do cádmio, o vermelho através do ferro, o branco através do estanho.

De seguida as peças são cozidas uma segunda vez.

Posteriormente as peças são cortadas ou “alicatadas”, um trabalho de extrema perícia, ganhando a forma necessária para serem utilizadas nas composições que constituem os painéis.

Apesar de se utilizar o termo “alicatado”, porque inicialmente as peças eram cortadas com alicate, hoje utiliza-se um martelo pesado e bem afiado chamado manqash.

Tendo em conta que os Muçulmanos não utilizam elementos figurativos, os painéis são concebidos com motivos geométricos, muitos deles de grande complexidade.

O holandês Maurits Cornelis Escher baseou muitas das suas criações de ilusões de óptica, figuras impossíveis e paradoxos na azulejaria do Alhambra de Granada.

A esta complexidade da geometria dos paineis de azulejos Andaluses não é estranho o grande contributo que os Árabes deram ao desenvolvimento da astronomia e da matemática, e que se encontra patente em muitos deles.

Após o corte das peças, as mesmas são dispostas com a face vidrada voltada para baixo, seguindo o padrão pré-definido para o painel.

Posteriormente são integradas numa argamassa à base de cal e areia fina ou gesso, a qual é derramada na sua superfície, processo esse que constitui o já referido “embrechamento”, termo proveniente da rocha clástica sedimentar chamada brecha.

A técnica do azulejo “alicatado”, muito em voga entre os séculos XII e XIV, evoluiu a partir do século XVI para a criação de peças quadradas com cerca de 14 centímetros de lado, policromadas, que utilizaram o método da “corda seca” e da “aresta”, como forma de evitar a mistura das várias cores durante a cozedura.

Posteriormente generaliza-se o azulejo monocromático, evitando este problema.

Hoje em dia o azulejo policromado é estampado.

A evolução que o azulejo Andalus sofreu quando se transformou em módulos quadrados perdeu toda a riqueza da textura que os painéis “embrechados” apresentavam.

Comments

  1. Paulo Martins says:

    Magnífico!
    رائع

  2. Armindo Silveira says:

    Obrigado por esta divulgação pois penso que a cultura árabe, especialmente a do “al andalus”, precisa de ser divulgado pois ela também é parte integrante do património da península iberica e tem sido injustamente ignorada. Um abraço


  3. Frederico, Prochainement, je ferai sur mon blog un article sur la spécificité du zelliges de Tétouan.

  4. A. Pedro says:

    Sempre a aprender. Tantos anos à volta de azulejos e afins e não sabia como se fazem os embrechados.


  5. Maravilhoso, eu amo tudo o que vocês postam… Obrigada!!!!
    Pela informação e por toda esta cultura maravilhosa árabe…. Eu amo….

  6. Luis Bairrao says:

    Obrigado, adoramos

  7. Letícia castro says:

    Maravilhoso!!! Quanta riqueza!!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.