Trezentos e Sessenta e Três Mil Euros

adro-igreja-ruilheÉ quanto disseram na última Assembleia de Freguesia de Ruílhe (Braga) que iria custar a renovação do adro da igreja;
a obra, laica, ficará concluída em 2013, poucas semanas antes das próximas eleições autárquicas. No entanto, a ponte para Arentim, sobre o rio Este, “ficou ainda mais frágil com as cheias do passado dia 26 de Outubro“, está já sem tráfego automóvel há alguns meses mas, dizem, “a passagem a peões mantém-se..” (sic, com reticências e tudo).
Interrogo-me como foi possível – e ainda bem que foi! – encontrar esta Junta de Freguesia 363.000 euros numa época tão austera e severa. Sentido de humor ou apenas má despesa pública?

Comments

  1. Konigvs says:

    É a fé que nos salva e o que é preciso é levantar as mãos para o céu e pedir que deus nosso senhor nos ajude e ilumine estes santos políticos sempre tão amigos da santa madre igreja católica, e todos os dinheiros gastos com deus é para nos conduzir à vida eterna!!
    Eu moro numa aldeia em que damos dois passos e tropeçamos numa santinha, elas começaram a proliferar mais rápido que os cogumelos depois de uns dias de chuva!! Para gastar dinheiro em bonecadas de gosto muito duvidoso – que ironicamente a bíblia proíbe! – as pessoas estão sempre prontas, para ajudar algumas pessoas da aldeia que todos sabemos que vivem miseravelmente a esses ninguém ajuda. Mas depois vão todos aliviar as suas consciências nos supermercados e encher os cofres da santa da Isabel Xoné. Puta de religião.
    Mas já agora, que tem a ver a igreja com a freguesia? Não deveriam ser exclusivamente os católicos a pagar do bolso deles as obras? É que a meu ver há um claro constrangimento de incompatibilidades entre religião e os interesses laicos da freguesia.

    • xico says:

      Trata-se da reabilitação de um largo da terra para parqueamento e jardim. Calha ser em frente da igreja e do cemitério, e é certamente onde o povo faz a sua festa. Nada tem a ver com a Igreja. Convinha saires um pouco do teu mundo suburbano e subir às serras do país.

      • Carlos de Sá says:

        O adro é, frequentemente, propriedade da Igreja romana, através de uma das inúmeras figuras jurídicas que a Concordata consagra; o mais comum é ser gerido pela Comissão da Fábrica da Igreja (assim mesmo). Se é o caso de Ruílhe – a mim, parece-me – a Junta esteve a meter o bico onde não era chamada. Talvez uma denúncia ao Tribunal de Contas esclareça a coisa…

        • xico says:

          O adro é espaço público com acesso automóvel, e acesso a propriedades privadas, como até se pode ver pela foto.


  2. Konigus, a obra não é na igreja, é no Largo da igreja. Não é bem a mesma coisa embora possa parecer.


  3. Se forem fazer uma pesquisa pelos ajustes diretos http://www.base.gov.pt/base2/html/pesquisas/contratos.shtml?tipo=1 até se vão assustar com os rios de dinheiro mal gasto!
    A primeira coisa que o Passos Coelho devia fazer, era criar equipas de fiscais para verificarem 1 a 1 cada um desses contratos…. e quem tivesse feito ou procedido de mal com os dinheiros públicos deveria ser presa!
    O país saía logo da bancarota!


  4. http://www.base.gov.pt/base2/html/pesquisas/contratos.shtml?tipo=1
    podem consultar a vergonha que vai nesse país….

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.