A obra pela obra (2)

Em estradas sem passeios, as novas passadeiras servem para atravessar de valeta a valeta. Mesmo quando os peões são poucos e os carros idem. Passando pelo concelho  de Soure, muitas são as passadeiras nestas condições.  Servem para quê? Quanto custa cada exemplar da obra pela obra?

Comments

  1. Quem não sabe fazer nada faz rotundas – agora faz passadeiras de peões que não existem – dineiro e mais dinheiro deitado ao lixo

  2. Konigvs says:

    Aqui na minha aldeia pintaram uma passadeira com riscas brancas, como devem ter achado pouco inovador, então no dia seguinte pintaram as riscas brancas de preto!! Depois temos outra inovação de ter um semáforo a cinco metros de uma rotunda. Também gosto muito de uma passadeira que fizeram exatamente em cima de uma lomba do terreno, ou seja, qualquer automóvel não consegue ver se algum peão atravessar a estrada!! Depois atropelam-se pessoas…”ah malvados desses automobilistas!” Também gosto de rotundas no meio de uma estrada que só têm uma saída, que fazem o mesmo quando não lá estavam, no fundo é uma estrada com dois sentido, mas não satisfeitos faz-se uma roda no meio que não dá para mais sítio nenhum sem ser ir em frente. Pergunto-me quem será essa gente que projeta estradas neste país. Provavelmente algum especialista na matéria e que sabe perfeitamente o que anda a fazer.

  3. Isso não é uma passadeira, o senhor dos amortecedores pediu um sítio para ensaiar os carros, mas não pagou do dinheiro dele porque era muito caro…Palhaçada.

  4. Afonso Jorge says:

    Aqui na vila do Cadaval fazem as passadeiras em pedra de calçada. É mais chique e custam mais caro.

Trackbacks

  1. […] câmara municipal com uma dívida de 11,6 milhões de euros andou a construir rotundas inúteis, passadeiras desnecessárias e a melhorar estradas que não precisavam de melhoria. Gastou dinheiro nisso em vez de pagar aos […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.