Prevenção, Preparação e Resposta

Realizado um estudo das condições locais em termos de probabilidades de ocorrência de um sismo, será possível equacionar e programar uma séria de medidas e acções, agrupadas em três categorias.

PREVENÇÃO

Nesta categoria incluem-se acções que contribuam para que os efeitos de um sismo sejam minorados através de um ordenamento do território/planeamento urbano que tenha em conta as áreas detectadas como de risco acrescido, que localize de forma estratégica os equipamentos e infra-estruturas com um papel decisivo na resposta ao sismo, ou que contribuam para a introdução de reforços estruturais nos edifícios existentes e assegurem um comportamento eficaz daqueles a construir de novo.

São no fundo acções de planeamento e de adequação dos regulamentos á possibilidade de ocorrência de um sismo.

No caso do tsunami, passa pela criação de sistema de detecção, colocado no mar, com o correspondente sistema de alerta em terra.

No caso da costa Algarvia este aspecto assume uma importância fundamental, já que se um tsunami se formar no seguimento de um sismo, haverá um período de cerca de 15 minutos entre a sua detecção e chegada das ondas às praias. O sistema de detecção e alerta poderá salvar milhares de vidas.

PREPARAÇÃO

A preparação prende-se com o apetrechamento de meios de resposta por parte das entidades integradas na protecção civil, como máquinas de desobstrução, hospitais de campanha, sistemas de comunicações, e outros, e com a organização e definição de procedimentos, como os planos de emergência, definição de locais de concentração, a realização de exercícios e simulacros, ou a informação e sensibilização da população para a forma como deverá reagir ao acontecimento.

RESPOSTA

A capacidade de resposta ao sismo por parte das estruturas de protecção civil dependerá fundamentalmente da sua intensidade, ou seja, quanto mais intenso for o sismo, mais elevado será o nível da estrutura capaz de lhe responder, desde municipal, distrital, nacional ou internacional.

Perguntei um dia ao coordenador da protecção civil do Algarve _ quem é afinal a protecção civil? A reposta foi _ somos todos nós.

É nesta perspectiva de que a resposta ao sismo começa no indivíduo, na sua capacidade de viver com o risco, de conhecer os meios e formas mais correctas de reagir, e de se organizar socialmente para lhe fazer face, que os efeitos de um acontecimento dessa natureza podem ser minimizados.

Ver mais artigos sobre este assunto em Sismos, discussão no Aventar.

Trackbacks


  1. […] em curso a segunda fase dos estudos, que integra o Plano de Emergência para o Centro Histórico, a implementação de Medidas […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.