“Se Portugal não negociar agora irá fazê-lo daqui a seis meses de joelhos”

A frase não é de nenhum dirigente do BE ou do PCP. É o título de uma entrevista publicada hoje no Expresso, e o seu autor é Artur Baptista da Silva, coordenador do Observatório Económico e Social da ONU para a Europa; ONU que propõe uma uma renegociação da dívida portuguesa em três pontos, que me parecem bem razoáveis e sensatos.

Claro que estes que nos governam, apoiados por um terço dos portugueses que dizem votar, não estão para aqui virados. A crise é uma oportunidade para negócios e vinganças. Acabar com os direitos conquistados,  transformar Portugal numa estância turística com empregados dóceis, e distribuir ao Domingo distribuir esmolas pelos pobrezinhos. O sonho de uma vida, desde os bancos da jota. Clique na continuação deste artigo (e eventualmente nas imagens) para ler os textos publicados no Expresso:

expresso 12

Untitled-3

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Portugal nunca andou de joelhos mas APENAS alguns ministros – ainda há pouco, no Parlamento europeu, GASPAR se ajoelhou e se mostrou e eu vi
    Portugal não se verga . nunca vergou – levou 70 anos para pôr daqui para fora os castellanos – e não sei quantos anos para expulksar os invasores franceses no séc XVIII por 3 vezes
    Ficou de rasta na II Guerra mundial em que foi obrigado a parricipar – ficou de rastos na II mesmo sem ter de entrar na guerra – aguentou uma ditadura 40 anos
    Reconstruiu com os mais humildes alemanha e frança que provocaram a I e II Guerras – construiram a casa dos inimigos que aqui ainda hoje veem sacar o que há e produzir o que já não querem produzir na terra deles

    Não de joelhos nunca
    E se está assim não é sequer por causa da europa mas por caudas destes de agora que esses sim “andam de joelhos a pedir esmolas” (para eles apenas)


  2. A posição até é boa… Pois normalmente a resposta é sim!

  3. joao santos says:

    Portugal nao precisa de pedir nada de joelhos, precisa sim de fazer uma limpeza, comecando no nosso querido primeiro ministro, seguido do nosso presidente da republica.

  4. Luís says:

    Fiquei ontem a perceber, ao fim de muitos meses, porque é que Portugal não é a Grécia – é que os gregos têm um poder de compra maior que os portugueses!!!
    Isto para não falar dos irlandeses que já estão acima da média europeia.


  5. Eu concordo plenamente com a ideia e com a mensagem, mas “funciona” ? Entao na abstencao superou os 50% nas ultimas presidenciais, logo “a maioria” absteve-se, mas o resultado foi o que se viu, os “pupilos” “ex-jotinhas” e “jotonas”, em apoteose a comemorar a eleicao do presidente como sendo “legitimamente eleito”… E este povo burro “calou-se”… Eu ja nao voto desde a segunda eleicao do “socretino” e vou continuar com esta luta, que por enquanto vejo so como decisao pessoal… A ver vamos se toma contornos Nacionais…!!! A ideia de “propagandear a abstencao” e muito interessante…


  6. Ó! de joelhos, prazer infinito. bom domingo

  7. Luís says:

    Não acredito que o sistema mude usando as regras do próprio sistema, no entanto eu penso que a abstenção dará sempre aos políticos várias “interpretações” desse facto – “preferiram ir para a praia em vez de votar”, “infelizmente o povo português tem pouco espírito cívico”, “parabéns aqueles que sacrificando um dia de descanso foram votar”, etc.
    Eu por mim já há vários anos que voto em branco – aí as saídas dos “donos do sistema” já são mais curtas em termos de dialética, apesar de saber que num voto em branco se pode por uma cruz em qualquer lado aquando da contagem.
    Se calhar o voto nulo responde às duas questões mas pode sempre surgir a desculpa que as “pessoas enganaram-se a por a cruz”.
    No entanto Sérgio António Medeiros apoio a sua intervenção que mostra que ainda há gente que mexe neste país contra os traidores que nos governam e se governam a si próprios e aos capangas!


    • O que essa campanha objectivamente faz é perpetuar esta gente no poder.
      E não tenho a mínima dúvida de que com alguns ingénuos à mistura a ideia é muito simples: impedir um governo de esquerda em Portugal.
      Porque já agora, faz o Sérgio o favor de me explicar, que responsabilidades têm BE e PCP no estado a que chegámos?

  8. luis says:

    Auditoria à dívida já! Não pagamos divída ilegítima, odiosa nem juros agiotas!!!!

  9. nightwishpt says:

    Querem agora descobrir a roda. Há milénios que se sabe que a democracia directa só aumenta o populismo e reduz ainda mais os controlos sobre os eleitos.
    Há reformas grandes a fazer, mas essa não é uma delas.
    O que é que a vossa grande vitoria nas eleições trouxe de novo?


  10. “Querem agora descobrir a roda. Há milénios que se sabe que a democracia directa só aumenta o populismo e reduz ainda mais os controlos sobre os eleitos.” … prova para tais afirmações , a mim ninguém me representa , não voto !!! agora fico preocupado por ver malta a desinformar !! existem democracias bem mais evoluídas que a nossa e que não são meramente representativas , ok ? deixe-se de certezas , este sistema representativo já vimos que não funciona. alguém tem dúvidas ? as provas são diárias … só não vê , quem anda desinformado , ou tem cartão de partido ! para que não me chamem de radical , consultem como funciona a democracia semi-directa na Suiça !! claro que quem quiser a manutenção deste estado de FRAUDE democrática arranjará sempre 1001 desculpas . enfim , para quando uma mudança de mentalidades ?

  11. afonsoperes says:

    pois é , recolhem-se 75 000 para a convocação de um referendo … são 75 000 eleitores portugueses … porém o referendo só irá avante depois de submetido a aprovação na AR … ou seja , 230 iluminados (!!!) têm mais força que 75 000 cidadãos !!! eh eh eh , que rica democracia a nossa !! está boa , continuem a pôr lá a cruzinha … o sistema agradece !!


  12. Limpeza de spam: vai vender o teu grupinho fascitóide para outro lado. Formatei-te, ó abstencionista.

    • Sérgio Medeiros says:

      Ditador és tu, está visto, fascista és tu, és um daqueles ditadores de esquerda que ainda pensam que aqueles que se abstêm se o não fizessem votavam no teu partido…
      ÉS um ditador e anormal, como só podias ser.
      Infelizmente, como tu existem muitos à esquerda e à direita, embora para tristeza minha, eles são mais à esquerda, muitos mais, não têm é tanta força, por diversos motivos, sendo o principal o popular, o povo já tem uma bíblia, não precisa de outra.
      Existe entre nós uma grande diferença, eu procuro mais democracia, democracia directa, tu, queres uma ditadura de esquerda, se assim não fosse não tinhas apagado os meus comentários, assustas-te, és mais um do lado do sistema, não queres que o povo abra os olhos…..
      OU ÉS UM PARASITA DO SISTEMA OU UM PROFUNDO IGNORANTE.


      • Sérgio, sem spam podes insultar à vontade. E vai lá abster-te, quando te cair uma Pide em cima ainda tens uns minutos para o arrependimento final.

      • Sabes quem says:

        És um Merdas Sérgio Medeiros, eliminaste uma publicação no facebook pois não tinhas léxico para dar continuidade à conversa de uma pessoa que queria aderir à tua causa e só queria perceber se estavas à altura, aqui vai a resposta: Vamos cingir-nos a factos. Burro és tu amigo ! Um verdadeiro “puro-sangue-asno”, que não percebe que eu defendo o voto em BRANCO, e que votei em BRANCO porque não quis nenhum dos partidos que estavam a concorrer. Eu percebo o que escreves, eu não concordo é com a parte de “não votar”. Eu não tenho uma ervilha na cabeça, a teu cérebro é que é do tamanho de uma ervilha, pois não percebe a diferença entre aliado e inimigo, é um problema de “junta”…o resto já sabes. E sim vou “chatear outro”, porque de falsas opções estou farto, para ti vai o meu voto em BRANCO também.

        Ass:
        Aquele que não tiveste “estaleca” para acompanhar numa conversa normal e preferiste eliminar a publicação

  13. Sérgio Medeiros says:

    NÃO CANCELES OS TEUS SONHOS, Não faças do ano novo velho, não votes mais neles.

    […]

    Spam eliminado

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.