O graçolas

Há quem admire o estilo da criatura ( há gente para tudo ou “há de tudo nestes supermercados de Deus” como diz uma conhecida figura de banda desenhada). Mas os seus esforços para puxar o riso e a admiração basbaque dos seus limitados adeptos estão cada vez menos credíveis. A retórica e os efeitos de estilo pindéricos de Paulo Portas descem de nível dia a dia. Já só os indefectíveis e/ou os incuráveis idiotas acham graça às piadolas do paroquial comediante. Os jornalistas de serviço – uns com visível repugnância, outros com beata admiração – acotovelam-se para ouvir as palavras do graçolas. Mas o número está cada vez mais fraquito. As variações que o homem produziu ontem sobre a questão de género do nome do Syriza nem numa cena rasca de cabaret- piolho teriam lugar. A estrebaria cheira cada vez pior.

Euro sodomia

varr00
O infatigável César das Neves anda muito preocupado com a sodomia. E tem razão. Nesta imagem podemos observar o momento pós-coito anal que Varoufakis, ministro grego, aplicou a Dijsselbloem, burocrata profissional, ainda cambaleante.

Não se faz, pelo menos em público.

Detalhes em vídeo (com imagens de sexo explícito): [Read more…]

Uma rádio portuguesa, com certeza

TSF

Segundo uma rádio portuguesa, a página do Bloco de Esquerda publicou a carta aberta escrita por Alexis Tsipras, traduzida por um “blogue português”. Ora, para quem não souber, o “blogue português” referido pela rádio portuguesa é o AVENTAR. A-V-E-N-T-A-R. Exactamente: o Aventar.

Não percebo o motivo de a rádio portuguesa não ter dito que a página de um “partido português” tinha publicado uma tradução de um “blogue português”. Ou somos todos portugueses, ou há moralidade.

Agora, vamos ao *Handesblatt.

Em primeiro lugar, não é Handesblatt, é Handelsblatt. H-A-N-D-E-L-S-B-L-A-T-T. Se, na rádio portuguesa, lerem com atenção a tradução feita pelo “blogue português”, perceberão.

Cito:

A maior parte de vós, caros leitores do Handelsblatt.

Em segundo lugar, registo o facto de a rádio portuguesa referir — sem grande êxito, como se percebeu — o nome do jornal alemão e de não mencionar o nome do “blogue português”.

Como não sou mal-educado, ficai a saber que a rádio portuguesa que não menciona o nome do “blogue português” é a TSF.

Lamentável, lamentável, lamentável.

Vergonhoso, vergonhoso, vergonhoso.

Quem lhe desse com um sétimo selo de salomão no codex…

José Silva

Eu sei que é requentado e que deve ser aplicado o desconto de estar ultra editado, mas para quem, como eu, ainda não tinha tido o privilégio de ouver com os seus próprios ouvolhos, aqui fica um momento circense de primeira água! Será que o orelhas anda a investir na criação de um novo estilo jornalístico – o mirábolo-jornalismo histérico-engajado – inspirado na sua ficção de pacotilha?! Que dados lhe permitem afirmar que a maioria dos gregos faz declarações fraudulentas de impostos? Ou que “muitos” dos cidadãos – que é como quem diz, o grego comum – que passa à frente da casa do ministro da defesa são paralíticos? E que “muitos” taxistas – que é como quem diz, o comum dos profissionais do ramo – subornaram médicos para terem subsídios de cegueira? E a tibieza jornalística da incrível história dos pinguins homicidas (os gregos) e das focas leopardo predadoras (o resto da europa)? E a rigorosíssima asserção jornalística de que aquilo que os gregos querem é viver como antes da austeridade e que a Europa lhes pague os vícios? E onde está o estado de necessidade para a segurança das pessoas e o interesse público que pudesse fundamentar deontologicamente o recurso à câmara oculta no hospital onde não foi autorizado a filmar? A Comissão da Carteira e a ERC andam a dormir? A embaixada grega nada diz?

Agendas ideológicas e mau jornalismo: José Rodrigues dos Santos exposed

Videomontagem@TV em Directo

Extremismo, piscinas, a pequena corrupção, os paralíticos que não são paralíticos, as generalizações abusivas, pinguins, focas-leopardo e um jornalista experiente que aparentemente se esqueceu do significado da palavra “isenção”. Só lhe faltaram os unicórnios. Jornalistas de referência com agendas ideológicas, financiados pelos nossos impostos, são um insulto aos valores da imprensa livre e um insulto ainda maior aos portugueses que recebem informação falseada e distorcida. O video em cima ilustra na perfeição o que acabo de escrever.

[Read more…]

Criar & Criticar

yanis_ministerCarlos Roque

A enorme diferença entre o Syriza e as oposições que se babam com a sua estrondosa vitória por esse mundo fora é um detalhe de marketing: o partido grego tem um produto – um programa criativo que fez sonhar o eleitor – e elas não têm nenhum.
Isto das eleições rege-se pelas mesmas regras do mercado: é preciso vender. E, para vender, ou temos reconhecidamente um excelente produto ou, pelo menos, temos de fazer parecer muito bom o produto que temos. E, no panorama global das oposições, o que vemos? Criticar. Dizer mal, pura e simplesmente, e só, de cada acção dos governos – o produto dos outros – e perder paulatinamente uma excelente oportunidade de, ao fazê-lo, mostrar uma alternativa aliciante, o seu bom produto, e ganhar uns pontos de simpatia e de vontade de comprar de quem vota. [Read more…]

Orthodox Connection

O Paulo Rangel, na “prova dos nove”, parecia uma personagem saída de um desses romances esotéricos que por aí andam. Nunca li mas, pelos títulos, talvez um daqueles do José Rodrigues dos Santos

Se fossem bardamerda era pouco

Vai Obama prestar vassalagem ao país que é cérebro, coração, pulmão, pernas, os braços eles pagam, do terrorismo internacional, e o problema é a esposa mostrar o cabelo.

Retrovisores analíticos

A rodada geral de debates e comentários dos programas televisivos de ontem foi bizarra. A maioria dos comentadores do auto-designado “arco da governação”, sobretudo os da direita reinante (com as duas excepções conhecidas), encheram as velas com o que pensam ser os ventos de feição e aí vai disto. Esmeraram-se nos adjectivos e atacaram forte e feio.

Notem que não duvido da complexidade da situação da Grécia, da seriedade dos problemas que ela encerra e do interesse em os discutir. Mas permito-me chamar a atenção para o que tem sido uma tónica destes ataques: tenta-se atribuir ao governo agora eleito todos os alegados vícios de que o país enferma e todos os erros cometidos nos anos anteriores como acontece nas tragédias clássicas gregas, em que os sucessores são amaldiçoados com os pecados dos antepassados, numa trama que se dirige ao fatal desenlace sem que nada o possa impedir. Ora, quem governou a Grécia nos anos anteriores foram os “partidos irmãos” dos partidos dos nossos assanhados comentadores! A Grécia afundou-se na má governação, vigarices e e expedientes dos seus partidos de direita e de centro-direita, assistidos pelo Goldman Sachs. E, frequentemente, com a tolerância silenciosa ou mesmo cumplicidade dos que agora tanto se agitam.
Passaram quatro dias sobre a eleição e já há quem pergunte se o governo delas saído já resolveu todos os problemas da Grécia.
Corja de seráficos hipócritas, galinhas que cacarejam histéricas cada vez que uma ave quer voar alto.

Privatização do José Rodrigues dos Santos, já!

Carta Aberta de Alexis Tsipras aos Leitores do Handelsblatt

Alexis_Tsipras © Libération

Mais uma vez, o Aventar na vanguarda do verdadeiro jornalismo, está a apresentar uma tradução colaborativa de um documento essencial para a análise política internacional.

A maior parte de vós, caros leitores do Handelsblatt, terá já uma ideia preconcebida acerca do tema deste artigo, mesmo antes da leitura. Rogo que não cedais a preconceitos. O preconceito nunca foi bom conselheiro, principalmente durante períodos em que uma crise económica reforça estereótipos e gera fanatismo, nacionalismos e até violência. [Read more…]

Presidente do IAVE chumba ao chumbar os professores

“Há um conjunto de professores que não reúnem condições para o ensino”. Professores reúnem. Um conjunto reúne. Vá lá, sr. Hélder de Sousa, meta as orelhas e vire-se para a parede.

A crise no Iémen

aqap

Apesar da crise permanente que o Iémen vive desde o início da “Primavera Árabe”, em 2011, a demissão do Presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, nesta 5ª-feira 22 de Janeiro, apanhou todos/as de surpresa, sobretudo após a minoria xiita houthi ter ocupado o Palácio Presidencial na 3ª-feira 20 e, de na 4ª-feira 21, ter sido assinado um acordo no qual ambas as partes se comprometiam a redigir uma nova Constituição, inclusiva e, os houthisa retirarem as suas forças que sitiavam edifícios públicos, bem como a entregarem são e salvo, o Chefe do Gabinete Presidencial, entretanto raptado.

Oficialmente, o que precipitou a demissão presidencial, foi a demissão do Primeiro-Ministro Khaled Bahah, mas acontece que os houthis também deram o dito por não dito, pressionando por mais concessões não estando de acordo também, com o projecto de federalização do país em 6 Estados, querendo apenas a existência de duas regiões distintas. Ora esta posição vem reforçar, de certa forma, as exigências do Harak Janouby, a Vanguarda Separatista Sulista, liderada pelo socialista Ali Salim al-Beidh, que quer a independência do sul, num regresso à geografia política da Guerra Fria, aquando da existência do Iémen do Norte e do Iémen do Sul. Um projecto diferente das propostashouthis, sendo que nas horas seguintes à demissão do PR Hadi, 6 líderes de 6 províncias do sul, já afirmaram que não obedecerão a Sana’a, a capital, nem aos houthis. Já há registos, aliás, de ataques a postos e carros de polícia em Áden, principal cidade costeira do sul.
[Read more…]

Da Grécia com amor

A carta de Alexis Tsipras ao povo alemão. Um documento para a história.

Uma escola sem contactos

Amadora_Contatos

O Agrupamento de Escolas Pioneiros da Aviação Portuguesa, na Amadora, não tem contactos. Tem contatos. De acordo com as últimas notícias, e segundo o chamado acordo ortográfico (AO90), consoante que se pronuncia é consoante que se escreve, para pôr a coisa em termos simples, ainda que simplistas.

Partindo do princípio de que a maioria dos portugueses pronuncia o C que antecede o T, deveríamos, então, continuar a escrever “contacto”.

Antes do AO90, já éramos um país ortograficamente desleixado e/ou inseguro? Éramos. Com o AO90, os problemas aumentaram, não só por causa do dito mas também. [Read more…]

Ricardo Salgado

baralha e volta a dar.

Tão bem explicado que até eles entendem

é só para filhos de família que podem fazer mba’s muito selectivos onde se visitam os pobrezinhos nos seus habitats, aqueles pobrezinhos que só podem aspirar à mobilidade lateral que os leva a professores

Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Está bem, só uma: não (tentar) adoptar o AO90.

A Zila e a Tânia, em nome do serviço público

agora

Ontem, as vedetas da imprensa eram os professores, reprovados à volta com os “á” e os “”. E eu acrescentaria, com provas, o “mandas-te” em vez de “mandaste” e quejandos erros da matreirice de quem construiu, assim, ao longo dos séculos, esta língua complicada, diz-se. Uma coisa para iniciados, umas aves raras que no Porto, em Braga ou em Bruxelas, vão lutando pela Língua, contra tudo e contra todos, até aqueles que produzem licenciados sob o signo do erro banal. Depois, queixam-se de acordos ortográficos, nesta realidade paridos.

Hoje, foi a (inefável) Zila! Sob o olhar complacente – de cândido – da Tânia, dita Ribas, de Oliveira. Televisão de serviço público, que se preze, deve chamar à luz todas aquelas que nos libertam de temores, receios, baixa auto-estima a afins, num prestidigitar de cartas, mudando de baralho se se trata do pai, da mãe, do cão, do gato, do namorado ou do emprego. E nos explicam que a mãe, coitada, tem aerofagia; o filho vai fazer um olho negro no próximo jogo de futebol; o namorado ainda não está maduro, vai demorar, mas há-de aparecer; a gata vai procriar; o pai, esse, é bom homem, mas, de vez em quando, “explude”. Quase esquecia esta: “Lá para os 40, há rebento novo. Prepare-se! É o terceiro, que o amor para si vai, finalmente, chegar por essa altura”. Claro que o diálogo não foi bem este, há uns animais de permeio que não entraram na história. Mas o sentido está lá… E eu, que até nem sou jornalista, posso dar-me ares de criativo, com alguma ficção à mistura!

Serviço público, está bom de ver! Oram “explodam” lá de vez. E vão vender cálcio porta-a-porta. Como a outra, a da concorrência.

Ao menino e a Sérgio Sousa Pinto põe deus a mão por baixo

O dirigente do Partido Socialista (PS) nas relações internacionais, Sérgio Sousa Pinto diz, em declarações ao Diário de Notícias (DN), que esta viragem na Grécia irá fazer frente à austeridade, mas alerta que o “PS não é nem vai passar a ser o Syriza” em Portugal. Fonte.

Mercenários financeiros

declaram guerra ao governo de Tsipras.

Michelle Obama

uma infiel a pôr-se a jeito de um apedrejamento.

Figo a presidente

Como acabou a peseta e o euro corre mal, El Dolarero ou Yuanero?

A reprova

Para avaliar candidatos a professor fazem-se uns testes giros. No último incluía-se um texto de José Manuel Fernandes. Repito: o analfabeto José Manuel Fernandes, que enquanto escreveu à borla no Blasfémias provou várias vezes ter com a gramática uma relação semelhante à que eu tenho com Passos Coelho. Se, mesmo revisto como sempre sobreviveu na profissão onde entrou um homem que escreve fazido à pala de mero oportunismo político, eu encarasse um texto de José Manuel Fernandes e tivesse de a partir dele escrever alguma coisa, juro que bloqueava, ou melhor, bloceava.

Já em prova anterior José Adelino Maltez, homem culto e professor universitário, experimentou e falhou:

[Read more…]

Azar, o Zé julga que é jornalista

A vida é um palco, já dizia o Bardo, transformando-nos a todos em actores. No prolongamento desta imagem dramática, e sem ser original, é possível dizer-se que o mundo é um conjunto de palcos em que desempenhamos papéis diferentes. Não me faz, portanto, confusão que, de copo em riste, entre compinchas, possamos exercer o saudável direito ao disparate, mesmo que seja politicamente incorrecto ou só incorrecto e até desinformado, porque há sítios em que é lícito que  todas as louras sejam burras e todos os alentejanos, preguiçosos. [Read more…]

“Caprichos onanísticos”

O líder de um partido político que se refere à adopção e co-adopção por casais homossexuais como “disponibilizar crianças para satisfazer os caprichos onanísticos e preconceitos heterofóbicos dos gays e das lésbicas” deve saber que está a descer ao nível mais baixo da política, aquele em que não se hesita em aviltar um conjunto de cidadãos para marcar uma posição face a um adversário político. É isto que faz Marinho e Pinto neste artigo. Degrada e calunia tanto as famílias compostas por casais homossexuais que já existem como aquelas que poderiam vir a formar-se, reduzindo a vontade de dar um lar a uma criança a “caprichos onanísticos” e manifestação de “heterofobia”, e fá-lo porque encontrou nisso uma arma de arremesso político que ele provavelmente entende que pode valer-lhe uns votos.

Marinho e Pinto poderia esgrimir argumentos contra a adopção homossexual, ou não tivesse ele o direito a opor-se a essa possibilidade, mas não o faz, opta pela generalização ofensiva e aviltante. Poderá ser porque não sabe fazer melhor do que isso ou apenas porque é esse o caminho mais fácil. Seja como for, e para usar as palavras dele, “é bom que o país saiba o que pode esperar”, caso tenha andado distraído até aqui.

(Via Malomil)

Governar para números ou governar para pessoas?

Santana Castilho

O filósofo Slavoj ZizeK citou T. S. Elliot num comício da Syriza para dizer que “há momentos em que a única escolha é entre a heresia e a descrença”. E clarificou a ideia afirmando que “só uma nova heresia, representada hoje pela Syriza, pode salvar o que vale a pena salvar do legado europeu: democracia, confiança nas pessoas, igualdade e solidariedade”.

O estado em que a política educativa dos dois últimos governos colocou escolas e professores faz-me suspirar por um “momento Syriza” na Educação. Por uma nova heresia, que coloque cooperação onde hoje está competição. Porque a cooperação aproxima-nos e sedimenta-nos enquanto grupo e a competição, ampliando as diferenças, afasta-nos, isolados por egoísmos. Porque a cooperação serve as pessoas e harmoniza-as, tal como a competição, hoje sacralizada na nossa cultura, serve os números e os conflitos. [Read more…]

Passos Coelho, contador de histórias e de outras coisas que não existem

Ver Pedro Passos Coelho referir-se às propostas do Syriza como “contos de crianças“, independentemente de elas se virem ou não a cumprir, remete-me para os inúmeras histórias de embalar ovelhas com que este sujeitinho aldrabou o eleitorado na sua busca desenfreada pelo poder entre 2010 e 2011 e que o Ricardo Santos Pinto teve o cuidado de compilar pouco depois deste contador de histórias ter chegado ao poder.

[Read more…]

Auschwitz, agosto de 2014

Conhecia a estatística dos campos de morte. Mas não conhecia o lugar, nem o efeito que provoca nos homens.

Auschwitz2014A

Li bastante sobre as experiências atrozes do Dr. Mengele, foram leituras duras mas sem sequelas. Em Auschwitz I essa paz abandonou-me.

Auschwitz2014C

Os ciganos eram considerados seres associais pelos teóricos do nazismo. Muitos combateram com uniforme romeno na frente russa lado a lado com os soldados alemães. Quando regressaram da guerra as suas famílias tinham sido eliminadas e as suas casas destruídas pelos nazis. [Read more…]

Hélder Bataglia, presidente da ESCOM

Foi montado um esquema para fugirmos aos impostos (no negócio dos submarinos)”.

No further questions.