Postcards from the Balkans #15

Das cores de Zagreb, dos homens bonitos de pedra ou bronze e de como, ainda assim, tenho saudades de Sarajevo.

15213_10204810445287234_5428553844662894752_n

Zagreb é uma cidade calma. Como já disse há poucos turistas e, sendo agosto, mesmo que os locais sejam em maior número que os forasteiros, a cidade está relativamente despejada de gente. Que contraste (magnífico) com Split cheia de italianos e americanos. Que contraste com a BiH, a terra onde o este encontra o oeste, a terra das mil casas de deus. Zagreb é, assim, uma cidade calma onde domina a casa do deus dos católicos. Tal como os outros países da antiga Jugoslávia também a Croácia foi palco de conflitos nos anos 90 que destruiram alguns monumentos e causaram mortos e feridos. Porém as consequências não foram tão desastrosas como na BiH, nem material nem culturalmente. Ao contrário da BiH, não encontramos aqui ruínas nem destroços da guerra. Tudo está arranjado, limpo e ordenado. [Read more...]

Ligue Já 760 10 20 30!


“(…) desde que o seu dealer tenha um terminal multibanco, pode comprar droga!
Já viu… se não é uma coisa maravilhosa?
Esses mil euros vão-lhe dar muito jeito, de certeza, ao fim do dia”.
É p’ra loucura…

19 Agosto – Dia Mundial da Fotografia

Paulo Abrantes
Bayard

Se pudesse contar a história com palavras, não precisava de arrastar comigo uma máquina fotográfica.

Lewis Hine

A fotografia foi inventada para servir as artes e a ciência como um Janus de duas caras; marcada pela ambiguidade, nasceu como ciência e cresceu como arte. Talbot tinha uma frustrante negação para o desenho, e por isso se entregou devotadamente à pesquisa de um processo fotogénico permanente; a luz, esse «lápis da natureza», seria o substituto da sua mão desajeitada. Mas uma vez inventada, a fotografia foi logo posta por Talbot ao serviço das causas técnicas, por exemplo auxiliar na decifração de textos cuneiformes do British Museum, em que estava envolvido.
[Read more...]

Dia Mundial da Fotografia

emilio_biel_foz_tua_douro
É hoje. Honra aos pioneiros da imagem fotográfica como Emílio Biel, sem cujo trabalho seria difícil, por exemplo, imaginar o vale do Douro e a foz do Tua em finais do séc. XIX.

Postcards from the Balkans #14

Broken hearts/ Cuori infranti / Coeurs brisés

10590539_10204802689653348_1206511185700679415_n
Um dos símbolos de Zagreb é um bolo em forma de coração, de erva doce. Há uns anos, na Roménia, comprei um coração desses – também populares lá – para levar a alguém em Portugal. Há um postal sobre isso. Acompanhava o coração de erva doce uma frase que vi escrita algures na bela cidade de Sighisoara: ‘you have to break your heart until it opens’. O coração acabou por ser comido fora do prazo, o de erva doce, quero dizer. O outro creio que nunca se abriu por mais que se tenha já partido. E não é do meu que falo.
Saio do hotel de manhã, na direção da cidade alta. Aí se encontra, entre muitas outras coisas admiráveis, um museu muito particular: ‘the museum of broken relationships’. Já lá iremos a esta mostra, entre o triste e o divertido, o desesperado e o esperançoso, o belo e o terrível, de despojos de relações interrompidas. Do hotel caminho pela rua Vlaska até à praça Josipa Jelacica. Há pouca gente, é agosto em Zagreb como em toda a parte, ainda que aqui quase não haja turistas, pelo menos à hora em que entro na praça e a atravesso devagar. É uma praça grande, com também grandes esplanadas, a estàtua de Josipa Jelacica no meio e elétricos. Há também uma fonte – Mandusevac – construída sobre uma nascente que, até ao século XIX abastecia Zagreb de àgua. As crianças chapinham por ali, com os cães. Tudo é calmo. [Read more...]

Cantinho do governo

cantinho do governo

Fotografia de Américo Mascarenhas.

Fidúcia

“É normal e totalmente seguro ter créditos sem garantias”

Sim, é muito normal os bancos emprestarem sem garantias.
Que o digam os empresários portugueses, sempre que pedem financiamento bancário: quais avais, hipotecas ou fianças?…

Não Seja Violada!

Feche as cortinas e compre um apito! – diz o governo espanhol

Tributo a Dóris Graça-Dias

doris

 

Está ainda por fazer, creio, uma Taxonomia das categorias de “Amigo” pós-facebook. A vox populi, no que concerne a este tema, não contempla, de forma assertiva, universal e comummente aceite, as novas “espécies” emergentes do conhecimento virtual e das tipologias de “afecto” do “encontro” e relacionamento por meios digitais.

A realidade re(conhecida) pela maioria não fugirá muito das categorias hierarquizadas abaixo, da mais intensa e relevante para a menos intensa e relevante:

Melhor Amigo

Amigo de Criação (dominado pela coincidência geográfica)

Amigo de “situações limite” – militares, bombeiros, etc.

Amigo de Infância, do Secundário, da Faculdade, do Trabalho

Amigos “coloridos”

Amigos “grosso modo”

Amigos “dos copos”

Conhecidos (com empatia)

Conhecidos (com antipatia)

Hostis (por razões várias)

Indiferentes (os restantes)

Esta é uma taxonomia possível, com a paralaxe inerente às condições de género (masculino, no caso), de idade, de “origem” e “integração social” do seu criador. Não esgota, nem o ambiciona, o tema. Muito menos ser exaustiva ou “a certa”. É uma, apenas, e tem um propósito meramente instrumental: é necessária. Serve tão bem, ou tão mal, como qualquer outra, como todas as outras.

A generalização do uso do FB, e das redes sociais, originou novos tipos de relações, interacções, afectos e desafectos, que, se por um lado podem subsumir-se, por analogia, numa das categorias acima, por outro assentam e desencadeiam interacções que, pela própria natureza do meio, não “cabem” nas fronteiras de nenhum dos tipos elencados, em alguns casos por excesso, noutros por defeito, com muitas zonas “cinzentas” que por vezes se sobrepõem, outras se repelem. São múltiplas as possibilidades:

Amigos do FB que conhecemos da “vida real”

Amigos do FB (aqui conhecidos)

- com quem temos grande empatia

- com quem partilhamos a Ideologia, a Cultura ou algum período da nossa Vida. Também as simpatias futebolísticas, religiosas, políticas e outros interesses afins. Isto ou o seu contrário aproximam ou afastam as pessoas, geram animosidades e criam proximidades, conduzem ao “bloqueio” ou “a seguir” (de) indivíduos. Há frequentemente emoções envolvidas, da repulsa à admiração.

E onde param os afectos no meio de tudo isto? A amizade tem muito que ver com a Confiança e os “conhecimentos” virtuais não resolvem esta questão de forma satisfatória. É certo ser possível admirar sem gostar. Ou a inversa. É igualmente fácil gostar dos que frequentemente concordam connosco e vice-versa. Mas esse será sempre um gostar amputado “do Tempo” e, por essa razão, da Confiança.

Eu conheci a invulgar Dóris Graça-Dias no Facebook. Ficámos amigos. Partilhávamos um enorme leque de ideias e divergíamos em algumas outras. Ela expunha sempre o seu pensamento com enorme frontalidade. Eu retribuía-lhe na mesma moeda. Tivemos, por isso, debates acesos, vivos, umas vezes do mesmo lado, outras em trincheiras opostas.

Ela chegou a perguntar-me se porventura iria mantê-la como “amiga”, ao que respondi que muito dificilmente alguma vez viéssemos a deixar de ser amigos. E respondi com grande sentido de responsabilidade e depois de reflectir profundamente sobre o assunto.

Nunca conheci a Dóris fora do FB, o que tem pouca importância. Comecei por admirá-la de forma singular. Depois passei a respeitá-la, mesmo quando discordava. Por fim, passei a sentir-me como se nos conhecêssemos desde sempre e a gostar dela como se esse conhecimento se fundasse em experiências, momentos e confiança do mundo real.

Perdi uma “amiga”, no sentido mais rigoroso do termo: estou de luto. O jornalismo perdeu um indefectível da Deontologia e da Escrita. A Língua Portuguesa perdeu uma das que mais, e melhor, a cultivava. A civitas perdeu uma grande mulher.

Precisava de escrever este texto para me despedir de alguém que ficará sempre comigo de certa forma, dar publicamente conta dos sentimentos e emoções que a Dóris me inspirava e seguir em frente!

Não se trata de um Adeus mas sim de um Até à Vista, Camarada!

Postcards from the Balkans #13

Lei è italiana? o un viaggio sul treno tra Spalato e Zagabria

10565119_10204795282948185_66118139906038333_n

Raras vezes me senti tão contente em abandonar um sítio, como hoje, ao sair de Split (Spalato em italiano). Contente como em feliz. Nem a mala que arrastei até à estação me pesou, nem o sol me queimou. Leveza, alívio, contentamento profundo, foi tudo o que senti. Ainda sinto, agora que estou já em Zagreb (Zagabria, em italiano), cidade que em duas ou três horas apenas me parece encantadora, humana e acolhedora. O hotel é maravilhoso (Art Hotel Like). O quarto onde estou tem uma pequena mezzanine e uma decoração muito bonita. Tem uma janela enorme que dá para o cruzamento entre a rua Vlaska e a rua Draskovica. O centro é logo ali e reina a calma. A cama é fofa e branca e, portanto, estou nas nuvens. Até ver. É certo que depois de Split qualquer sítio me pareceria o céu. [Read more...]

Hipocondria em Agosto

Não sei como é convosco, mas eu, se tenho uma dor de cabeça, penso logo que é um tumor. Isto tem razões biográficas, ou pelo menos eu gosto de justificar-me assim, cresci numa casa onde a doença andava sempre a rondar, e aos oito anos já devorava a Enciclopédia Médica do Reader’s Digest com o mesmo interesse que dedicava ao Tio Patinhas.

Gosto desse jogo que consiste em levar a vida saltitando entre a alegria quase infantil e a angústia existencial, e só não sou, se é que não sou, uma hipocondríaca insuportável porque tenho gente de quem me ocupar, o que é, de resto, o melhor que pode acontecer a um hipocondríaco.

Há dias fui ao médico por uma razão tão absurda que até tenho vergonha de contá-la. Claro que, racionalmente, eu tinha motivos para estar preocupada, há sempre motivos para uma pessoa se preocupar, que diabo. A minha maleita seria, no pior dos casos, algo que poderia matar-me, e no melhor uma coisita de nada. Os sintomas agravavam-se enquanto um funcionário ensonado teimava em escrever mal o meu nome. Eu aqui a morrer e ele a trocar letras, pensava, hão-de encontrar-me caída na sala de espera, e as minhas última palavras serão “não é com O, é com U”. [Read more...]

Sentimento de injustiça

image

Sentimento de injustiça é vermos alguém ir a tribunal por roubar um pacote de polvo no supermercado, isto sem ser anedota, e assistirmos a uma mega fraude económica, com repercussão em todos nós, sem ninguém atrás das grades.

O Credit Suisse ajudou a vender milhares de milhões de dólares de títulos das sociedades veículo offshore, compostos maioritariamente por dívida do Grupo Espírito Santo, a clientes do Banco Espírito Santo, noticiou ontem o “The Wall Street Journal”. O jornal avança que o grupo bancário suíço terá ajudado a desenhar os títulos destas sociedades veículo, do GES, que foram posteriormente vendidas a clientes do BES.Citando documentos oficiais e fontes próximas do processo, o jornal diz que muitos dos clientes desconheciam que esses veículos tinham como activos a dívida das várias entidades que compunham o Grupo Espírito Santo e que, aparentemente, serviam de mecanismo de financiamento do império da família. A informação surgiu depois de, na apresentação dos resultados do segundo trimestre, o banco ter dado conta de quatro veículos de investimento que estavam fora das contas do banco e que tiveram de ser consolidados nas contas e obrigaram à constituição de provisões consideráveis. [i online]

Música da semana – V

A Escandinávia parece ser um inesgotável filão de excelente música…

 

Quem percebe de Educação? Os gestores, claro! (2)

Carlos Guimarães Pinto (CGP) teve a amabilidade de comentar o texto “Quem percebe de Educação? Os gestores, claro!”. Transcrevo o seu comentário, para, de seguida, responder.

 

Caro António Nabais, obrigado pela referência ao livro.

É indesmentível que os professores sabem bastante mais de educação e pedagogia do que que qualquer gestor-economista-empreendedor-consultor. Há no entanto dois motivos para ter alguma precaução quanto a deixar os professores, sozinhos, decidir toda a política de educação.

O primeiro é serem parte interessada. A esmagadora parte dos custos com a educação vai para salários de professores. Estes, como os profissionais de qualquer outra profissão, querem maximizar o seu rendimento, minimizando o esforço. É normal e natural. De forma consciente, ou subconsciente, tentam sempre encontrar racionalizações para provar que ganham pouco para o trabalho que fazem. É assim com todas as profissões. Seria impossível conter os custos da educação se fossem os beneficiários da maior componente desses custos a geri-la. Este primeiro motivo é bastante evidente na sua referência à falta de necessidade de ajustar o número de professores à redução do número de alunos, via queda da natalidade. A tal “reorganização para benefício dos alunos” mais não é qdo que uma racionalização para defender os seus interesses como professor. É natural que o faça, não digo o oposto, mas é um bom motivo pelo qual não vale a pena ter professores o sistema educativo.

O segundo é que alguns raciocínios subjacentes à gestão do sector da educação não dependem tanto assim do conhecimento da área (ou melhor, esse conhecimento é uma mais-valia, mas não a componente mais importante). Da mesma forma que você, apesar de saber muito mais de educação do que qualquer engenheiro civil, dificilmente seria capaz de desenhar a melhor estrutura do edifício duma escola, também pode não ser o melhor a fazer as opções de gestão.

Estes dois motivos tornam-se muito claros neste texto e noutros que vão aparecendo neste blogue sobre o tema da educação. É evidente que é sempre possível melhorar a qualidade do ensino e da vida dos professores, aumentando o seu número, dando mais estabilidade de emprego, maiores salários, salas maiores com melhor material, mais ajuda de outros profissionais, etc. Mais há opções e restrições económicas que os professores não entendem (nem têm de entender). Cabe aos professores utilizarem a sua capacidade pedagógica para fazer o melhor ensino possível dentro das restrições económicas (ou outras) que existem. Cabe aos “gestor-economista-empreendedor-consultor” entender que restrições são essas.
É por vezes injusto? Pode ser. Mas por nenhuma das razões que aponta. Há de facto demasiados professores? Fazem outras funções. Sem dúvida, assim como nos outros países. Fazem funções para as quais noutros países existem outros profissionais como terapeutas e psicólogos? Mostre-me esses números.

Ninguém tem absolutamente nada contra os professores, antes pelo contrário. Até me parece que os professores que se formaram nos últimos 10 anos foram enganados, atraídos para uma profissão que prometia ser estável, de emprego certo e salário razoável e que provavelmente não o é. Esses profissionais abdicaram de carreiras alternativas e agora viram frustradas essas expectativas. Mas o problema esteve, em parte, na formação dessas expectativas e, hoje, na grande divisão que existe em professores em fim de carreira e em princípio de carreira. Aqueles em princípio de carreiras com grande carga horário olham com natural insatisfação para estas análises que dizem que professores dão poucas horas de aulas. Têm razão.

Cumprimentos,

Carlos Guimarães Pinto

[Read more...]

Postcards from the Balkans #12

‘They live to make babies. They live just 24 hours. They sing and make babies. Then they just explode’

Ou Split: Sea, Sun, Shopping… Shit.

10257141_10204786960980141_8486265695515167263_n
Os livros que me trouxeram hoje os simpáticos rapazes do bar Marvlvs, com as contas, uma do café que bebi ao fim da tarde, outra da cerveja (Pan, uma cerveja croata) que estou a beber agora foram, respetivamente Life of Pi e Biosupruga, este último de um escritor Croata de quem nunca ouvi falar (Michal Viewegh) e que parece que significa ‘mulher natural’. Bem, continuo sem perceber se há um critério para os livros que trazem aos clientes… de qualquer maneira, sei já que não têm livros portugueses, pelo que, quando chegar a Portugal vou mandar um livro português aos rapazes do Marvlvs que são a simpatia em pessoa. E a música, senhores, é perfeita. Gostei do gesto do me trazerem um livro croata, como que a dizerem que me sinta em casa. E sinto. [Read more...]

Homem com O grande

A transformação da ortografia em transcrição fonética pode estar mais próxima do que se pensa. Já se sabia que, no Brasil, havia quem defendesse o aprofundamento daquilo a que alguns chamam “simplificação ortográfica”, tendo como base a mirífica ideia de que devemos escrever como falamos.

A Comissão de Educação do Senado Brasileiro prepara-se para apresentar a todos os países lusófonos um projecto cujas bases podem ser lidas na página Simplificando a ortografia, na esteira do movimento Acordar Melhor. Há, pelo menos, um defensor do chamado acordo ortográfico que se opõe a essa ideia. Na minha opinião, acordar melhor é estar a dormir.

Por outro lado, graças a pessoas como a Maria João Marques, já tivemos tempo para aprender que “os portugueses, nisto da língua, devem sujeitar-se à maioria brasileira, porque é do lado de lá do Atlântico que está o “poderio económico e populacional””, o que quer dizer que o Brasil dita e Portugal escreve, que é assim que os países pequenos devem fazer. Com a ajuda Presidente da República e com a a preciosa colaboração da maioria dos alegres deputados de São Bento, já não deve faltar muito para que se possa enviar uma mensagem ao objecto da paixão com a frase “És o omem da minha vida”. Ou “És o omem da minha bida“, se for do Puarto. Ainda poderão escrever “Éj o omem da minha bida.” ou “Éj o ome da minha bida”. É conforme, portantos.

Um retrato nem oficial nem abonatório de Maria Luís Albuquerque

maria-luis-albuquerque-288192456_400x225
num resumo de Estrela Serrano. Útil para os que não têm dinheiro para comprar o Expresso e ler o perfil preparado e escrito pela jornalista Christiana Martins.

Maria Luís Albuquerque

Resumo de um retrato, ou a espia de Passos Coelho.

Oração bancária

novo banco

Farto de filhos de chernes que sabem nadar

Tacho Laranja

Quando estudava na universidade e ainda cultivava algumas utopias, sonhava vir um dia seria embaixador. Ou qualquer coisa numa embaixada. Um sonho como outro qualquer e, convenhamos, bem mais realista que ser astronauta, chef no Noma ou Jorge Mendes. Porém, sempre que abriam concursos para recém-licenciados estagiarem em embaixadas, uma curiosa coincidência estava presente na esmagadora maioria dos perfis dos felizes contemplados: o seu apelido coincidia com o apelido do embaixador, ou do cônsul ou de outro qualquer alto funcionário da embaixada. Como o meu pai era agente da BT e a minha mãe assistente técnica dos Serviços Administrativos no liceu cá da terra, rapidamente percebi que o meu apelido não era elegível para tão distinto – e bem remunerado – cargo.

[Read more...]

Tenho para mim que jogaram aos dados e calhou ao Salgado. O Rei morreu. Viva o Rei!

http://www.mixcloud.com/fernandosantos79274/ad%C3%A3o-e-eva-a-cesta-das-ma%C3%A7%C3%A3s-e-as-tr%C3%AAs-lagartas-21/

adao_e_eva_g_guimaraes_cronica_radio_logo

Ouçam

Dar alta a mortos

protocolo_de_manchester_hospital_vita

 

 

O Correio da Manhã inclui na categoria “Insólito” a seguinte notícia:

 

No Hospital de Aveiro, os mortos entram pela Urgência, são sujeitos a triagem e depois de admitidos “têm alta”.

Em primeiro lugar, os mortos são pessoas com direitos, incluindo o de se abster nas eleições. Que os mortos entrem pela Urgência parece-me óbvio, uma vez que é do interesse de todos que não se fique à espera que entrem em decomposição. Parece-me uma medida ainda mais virtuosa do que aquela que elogiei há dois anos. [Read more...]

Como vai a Caixa pagar o BES

Se a venda do Novo Banco for feita com prejuízo e a banca for chamada a pagá-lo, cada banco pagará de acordo com a sua quota de mercado. A quota de mercado da Caixa Geral de Depósitos é de cerca de 32%. Se retirarmos o BES, a Caixa fica com uma quota de 40%.

Luís Aguiar-Conraria

Postcards from the Balkans #11

‘One hundred years of solitude’

10574326_10204780334694488_2487814716348072975_n

Este postal vai começar ao contrário, porém as fotografias estão na ordem certa. Ao contrário do postal e dos meus sentimentos. Tenho as emoções completamente abaladas e acreditem que as cervejas que já bebi hoje (vá foram só algumas, não exageremos) nada têm a ver com isso.

Esta foi a segunda vez que pus os pés na Croácia. A primeira foi há exatamente 11 dias, em Zagreb, de passagem para Ljubljana. Depois de amanhã – quem me dera que fosse já hoje, agora mesmo – voltarei por uns dias a Zagreb antes de voltar a Lisboa, recuperar as chaves de casa e retomar a minha vida. Bem sei que esta é também a minha vida, mas as férias são sempre um intervalo, uma pausa. O tempo em que a minha vida se assemelha mais à literatura. Estou-me a plagiar. Já o disse o ano passado. Isto mesmo, muito embora por razões absolutamente diferentes. [Read more...]

Rita Hayworth em Moçambique em 1950 (ou o nascimento de um fotógrafo)

Rita_Hayworth_1950_Lumbo_Mozambique_copyright_Jean_Charles_Pinheira_no_commercial_use_allowed
© Jean-Charles Pinheira

Em 1950, quando Jean-Charles Pinheira (n. 1932) trabalhava na alfândega do Lumbo, em Nampula, o príncipe Aly Khan visitou a região na companhia da sua mulher, Rita Hayworth, tendo o casal ficado hospedado no Grande Hotel do Lumbo. Foi nesse momento que Jean-Charles Pinheira meteu na cabeça que haveria de fotografar Rita Hayworth sem os óculos com que habitualmente se escudava. Pediu emprestada uma Kodak 6X9, e sentou-se numa cadeira junto à suite de Rita Hayworth à espera da hora H. [Read more...]

Ciclos económicos…

Houve um tempo em que existiu oferta, procura, criação de riqueza. Depois vieram governos, políticos e Bancos centrais. Este exemplo pode servir também para ajudar a explicar acontecimentos recentes…

Mais um milagre do Espírito Santo

A história de como o BdP liderado pelo formidável Carlos Costa, que tem feito uma excelente regulação e nos salvou do quase caos onde já estávamos, autorizou um empréstimo de 3,5 mil milhões de euros ao BES, com garantia do Estado (nãããão, o esquema do Novo Banco não tem risco para os contribuintes) apenas dois dias antes de o liquidar administrativamente, através de uma medida aprovada pelo Governo e promulgada pelo PR em tempo record. Alguém ouviu Carlos Costa falar deste empréstimo na Assembleia da República? Quem tinha dinheiro no BES (quem tem muuuuito dinheiro não conta) não ouviu, seguramente.

Dando um tremendo bigode a todos os jornalistas deste País, o advogado Miguel Reis de quem ontem falei mostrou que, quando se quer saber alguma coisa, se deve ir à procura dela em vez de ficar, no conforto dos gabinetes, à espera que a informação entre na caixa do correio.
[Read more...]

A burguesia portuguesa num parágrafo

Cristina Espírito Santo

Eles não têm culpa. Foram criados assim. O circuito é apertadinho. A prima não sei quê, a tia não sei quantos: chazinhos, passeatas, garraiadas, às vezes ópera para ostentar vestuário e jóias. De resto, educação nicles. Dizem ‘piqueno’ e tratam grosseiramente as pessoas por você. Deplorável miséria mental. Talvez precisassem de umas expropriaçõezinhas para aprender alguma coisa.

Mário de Carvalho.

Quem percebe de Educação? Os gestores, claro!

empreendedorNo actual paradigma empresarialês, a única opinião legítima é a do gestor-economista-empreendedor-consultor, porque, já se sabe, não há nenhuma actividade que possa ser analisada sem o recurso a instrumentos e conceitos da Economia, da Gestão ou da Contabilidade.

É certo que há elementos de outras profissões que também têm direito a emitir opiniões, desde que recorram unicamente aos instrumentos e conceitos utilizados pelos gestores-economistas-empreendedores-consultores. É por isso que os profissionais de qualquer ofício não podem exprimir-se, pelo menos em público, sem falar em “contenção de custos”, “empreendedorismo”, “competitividade” ou timing.

É claro que a Educação não poderia ficar imune a este movimento. Aliás, a Educação, à semelhança do futebol, sempre foi um tema sobre o qual todos discorrem com grande segurança e à-vontade.

Carlos Guimarães Pinto é um dos autores do livro “O Economista Insurgente” e resolveu brindar-nos com a introdução do capítulo dedicado à Educação, tendo escolhido para título do seu texto “Porque é que os professores estão sempre a protestar?”. Ricardo Gonçalves Francisco e Miguel Botelho Moniz são os outros autores. Se consultarem as hiperligações, descobrirão que estamos na presença de lídimos representantes da classe do gestor-economista-empreendedor-consultor, ou seja, do especialista em tudo, de uma maneira geral, e em Educação, mais especificamente. [Read more...]

Bem Vindos a Pyongyang

Enter Pyongyang from JT Singh on Vimeo.

%d bloggers like this: