A força das convicções

 Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Rui de Brito Mendes

A expressão “força das convicções” ganhou um novo significado na primeira sessão da nova legislatura, resultante das eleições na Ucrânia – país onde o presidente do principal partido da oposição, o ex-primeiro-ministro Yulia Tymoshenko, está preso, condenado a uma pena de prisão de sete anos por razões políticas, segundo diz a União Europeia.

Faltam ocupar 5 dos 450 lugares do parlamento após acusações generalizadas de fraude. Em cinco distritos eleitorais haverá repetição da votação.

Por cá, o máximo que se conseguiu (e de que me recordo), em tempos recentes foram o já clássico “manso é a tua tia pá” ou os chifres daquele ministro da economia, cujo nome se esvaiu da minha memória, só restam as estórias: desde a do anúncio do fim da crise (ahhhhhhhhh… saudades dos tempos das vacas gordas aos quais, ingenuamente, chamávamos crise), até à tal (a dos chifres) no parlamento.

Comments

  1. Konigvs says:

    A memória no que se refere aos políticos é muito curta. Bem sei que por cá, e que me lembre, ainda não tivemos cenas de pugilato na assembleia mas também já tivemos alguns momentos áureos de peixeiradas tais como Nogueira Pinto deputada do PSD ter dito:
    “Não sabia que tinham contratado um palhaço”
    “Não devem existir em todos os parlamentos deputados como o senhor, um deputado inimputável”

    Por outra ocasião o deputado José Martins enquanto Afonso Candal do PS tinha a palavra berrava:
    “Vai pó caralho”.
    E mais à frente ameaça:
    “Da próxima vez que falares assim comigo falamos de outra maneira”.

    Outra cena edificante foi alguém do grupo parlamentar do PSD ter sido apanhado às 7 da manhã a pinar dentro da assembleia da república. Ora bem, eles sempre estão ali é para foder o contribuinte não é?

    • Maquiavel says:

      Näo, é para f*der o CIDADÃO! Já começa a meter NOJO essa de falarem sempre e só do contribuinte!
      Ai o contribuinte ai o contribuinte. E, por exemplo, as crianças, o que são? Montes de merda?

      • Konigvs says:

        Eu não me sinto nenhum cidadão. Sinto-me contribuinte. As crianças? Contribuintes também pois claro. Até os mortos agora vão contribuir com o dinheiro que o seu enterro uma vez que se acabaram os subsídios de funeral. Até os mortos pagam IVA!! Cidadãos? O caralhinho. Contribuintes.


    • “F*dem no parlamento de todas as maneiras… prefiro as quecas nos gabinetes do que as quecas diárias no hemiciclo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.