A força das convicções

 Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Rui de Brito Mendes

A expressão “força das convicções” ganhou um novo significado na primeira sessão da nova legislatura, resultante das eleições na Ucrânia – país onde o presidente do principal partido da oposição, o ex-primeiro-ministro Yulia Tymoshenko, está preso, condenado a uma pena de prisão de sete anos por razões políticas, segundo diz a União Europeia.

Faltam ocupar 5 dos 450 lugares do parlamento após acusações generalizadas de fraude. Em cinco distritos eleitorais haverá repetição da votação.

Por cá, o máximo que se conseguiu (e de que me recordo), em tempos recentes foram o já clássico “manso é a tua tia pá” ou os chifres daquele ministro da economia, cujo nome se esvaiu da minha memória, só restam as estórias: desde a do anúncio do fim da crise (ahhhhhhhhh… saudades dos tempos das vacas gordas aos quais, ingenuamente, chamávamos crise), até à tal (a dos chifres) no parlamento.

Comments

  1. Konigvs says:

    A memória no que se refere aos políticos é muito curta. Bem sei que por cá, e que me lembre, ainda não tivemos cenas de pugilato na assembleia mas também já tivemos alguns momentos áureos de peixeiradas tais como Nogueira Pinto deputada do PSD ter dito:
    “Não sabia que tinham contratado um palhaço”
    “Não devem existir em todos os parlamentos deputados como o senhor, um deputado inimputável”

    Por outra ocasião o deputado José Martins enquanto Afonso Candal do PS tinha a palavra berrava:
    “Vai pó caralho”.
    E mais à frente ameaça:
    “Da próxima vez que falares assim comigo falamos de outra maneira”.

    Outra cena edificante foi alguém do grupo parlamentar do PSD ter sido apanhado às 7 da manhã a pinar dentro da assembleia da república. Ora bem, eles sempre estão ali é para foder o contribuinte não é?

    • Maquiavel says:

      Näo, é para f*der o CIDADÃO! Já começa a meter NOJO essa de falarem sempre e só do contribuinte!
      Ai o contribuinte ai o contribuinte. E, por exemplo, as crianças, o que são? Montes de merda?

      • Konigvs says:

        Eu não me sinto nenhum cidadão. Sinto-me contribuinte. As crianças? Contribuintes também pois claro. Até os mortos agora vão contribuir com o dinheiro que o seu enterro uma vez que se acabaram os subsídios de funeral. Até os mortos pagam IVA!! Cidadãos? O caralhinho. Contribuintes.


    • “F*dem no parlamento de todas as maneiras… prefiro as quecas nos gabinetes do que as quecas diárias no hemiciclo.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.