Rendas EDP/CMEC: Manuel Pinho constituído arguido

Enquanto se multiplicam os pedidos de demissão de alguns ministros deste governo, recordamos hoje um ministro que incorreu na palermice ilustrada pela foto em cima, acabando no olho da rua, despedido pelo messias do século XXI, José Sócrates. Depois de ter voltado à ribalta mediática nos últimos dias, Manuel Pinho volta a fazer manchetes, uma vez mais pelos piores motivos, ao ter sido constituído arguido no processo que investiga as rendas da EDP e a aprovação do regime remuneratório dos CMEC. [Read more…]

O “Alzheimer” não perdoa

Após ter perdido o rasto a 5,7 mil milhões de Euros, o administrador do BES África e antigo ministro do governo PS, Manuel Pinho, provavelmente esquecido do cargo que ocupava, pois invoca apenas 10 anos em que ocupou o cargo de administrador executivo do BES, coloca agora um acção judicial para ser pago pelo contribuinte ser indemnizado pelo Novo Banco. E de preferência pagos numa única tranche em vez da reforma que tinha negociado com Ricardo Salgado. Não vá esta ser colocada no Banco mau…

A força das convicções

 Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Note-se a posição correcta do corpo, optimizada com vista a atingir a máxima eficiência. Delicioso o pormenor do deputado pugilista ter o cuidado de ter, anteriormente, tirado a gravata, de forma a conseguir maior alcance, precisão e força

Rui de Brito Mendes

A expressão “força das convicções” ganhou um novo significado na primeira sessão da nova legislatura, resultante das eleições na Ucrânia – país onde o presidente do principal partido da oposição, o ex-primeiro-ministro Yulia Tymoshenko, está preso, condenado a uma pena de prisão de sete anos por razões políticas, segundo diz a União Europeia.

Faltam ocupar 5 dos 450 lugares do parlamento após acusações generalizadas de fraude. Em cinco distritos eleitorais haverá repetição da votação.

Por cá, o máximo que se conseguiu (e de que me recordo), em tempos recentes foram o já clássico “manso é a tua tia pá” ou os chifres daquele ministro da economia, cujo nome se esvaiu da minha memória, só restam as estórias: desde a do anúncio do fim da crise (ahhhhhhhhh… saudades dos tempos das vacas gordas aos quais, ingenuamente, chamávamos crise), até à tal (a dos chifres) no parlamento.

Que partido estava no governo…

… quando Manuel Pinho foi à China vender a ideia da mão de obra barata?

Relvas está para Pinho


Como o PSD está para o PS

Manuel Pinho sugere novo Bloco Central

RobalosDepois de ter saído do BES para ser ministro e de ter saído de ministro para ir dar umas aulas nos states, pagas pela EDP, Manuel Pinho sugere que ele merece continuar a ter emprego. Depois há quem se irrite por causa de certos desagrados.

E armado em Frei Tomás, Pinho falou numa “crise moral muitíssimo maior do que a crise económica.” Não faço ideia do que é que ele estará a falar.  É que não estou mesmo a ver.

Mas estou com ele quando brama que “agora parece que o governo fez tudo mal, parece que o PS fez tudo mal”. É um exagero. Tirando aquela coisa da banca rota, dos ajustes directos, das PPP, das SCUT, da desavaliação docente, do fecho de centros de saúde, dos cortes das pensões e dos subsídios de emprego, do desemprego record e da fachada Novas Oportunidades, nada há a pontar a este brilhante governante que, pelas próprias palavras, afirmou ainda estar para nascer um primeiro-ministro que mais tenha feito pelo défice.

Más notícias para o BES (ou não)

Depois da lata de baixar o IVA do golfe (o desporto; não estamos a falar do carro) para 6% e das facilidades concedidas à Herdade da Comporta, duas benesses ao banco do ministro BES, hoje recebeu o Grupo Espírito Santo uma má notícia: «Portugal perde organização da Ryder Cup 2018 para a França».

É a vida. Mas o Estado continua a ser bom encosto: «BES pede financiamento de 1,25 mil milhões com garantia do Estado».

Não deixa de ser curioso como a aproximação de eleições acabou por recentrar o BES na agenda económica, algo bem patente com a repetida aparição pública de Manuel Pinho na última semana em diversos órgãos de comunicação social (RTP, TSF, Expresso). Coincidências? Sim, seguramente. Sem dúvida. Obviamente.

O orçamento Manuel Pinho

Ao minuto 1:30.

Somos uma país competitivo em termos de custos, nomeadamente os custos salariais são mais baixos do que na média da União Europeia

O resto também tem piada.

Ex-ministro, a melhor profissão em Portugal

Manuel Pinho vai ensinar energias renováveis para uma universidade americana. E agora descobre-se que a cadeira é paga pela EDP (3 milhões, ao que consta).

Deve ser a isto que eles chamam um investimento estratégico.

Manuel Pinho na Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva

Segundo o noticiado por órgãos de comunicação social, Jornal Digital por exemplo, Manuel Pinho foi nomeado Presidente do Conselho de Administração da Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, por decisão da Ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas. Substitui, no cargo, António Vitorino.

Manuel Pinho é descrito como coleccionador de arte e além disto, acrescente-se, um homem deveras exigente em matéria de decoração das paredes do gabinete de trabalho. Mas, desta feita, no que respeita à selecção da fotografia mais apropriada, a tarefa ficou muito facilitada. Optou-se naturalmente pela imagem do gesto tão taurino quanto magistral e solene que imortalizou a última presença de Pinho na AR, como ministro da economia.

Encimar este ‘post’ com a imagem em causa é a nossa singela homenagem a Manuel Pinho.