Fujam, Fujam p’ra Longe


praxes-cecilia-goncalves

A geração que nos vai governar a seguir está em breve a sair das faculdades; é o caso desta estudante de Direito em Coimbra – uma talvez-futura-juíza ou mesmo presidente-da-assembleia, – Cecília Gonçalves. Ouvida pelo Público, a promissora doutora deita cá p’ra fora o que lhe vai na alma. Por exemplo…

– “(…) a praxe não é humilhação mas está presente” (está presente o quê?) (…) é normal, é aceitável, é compreensível”;
–  “ao longos das nossas vidas vamos ser humilhados das mais diversas formas”;
– “um dia, num futuro emprego, o meu patrão poderá chamar-me de incompetente e eu terei de saber aceitá-lo”;
– “os nossos professores chamam-nos ignorantes e nós temos de limitarmo-nos aos silêncio”;
– “a praxe ensina-nos (…) que na vida há uma hierarquia natural e que nós vamos ter de aceitá-la”;
– “a praxe ensina-nos (…) a igualdade para com os nossos semelhantes caloiros e a desigualdade perante o superior“;
– “Todos os anos morrem pessoas afogadas em rios (…) e até nas suas banheiras”;
– “Eles morreram na sequência de uma onda e não no ritual de praxe porque embora estivessem numa actividade praxista, podiam não o estar e morrerem na mesma”;
– “A praxe envolve humilhação, envolve gritos, envolve estar de quatro (…)”;

Posto isto, pergunto-me duas coisas: o que ensinaram a esta gente nas escolas secundárias? Há ainda gente sana e razoável no ensino superior ou são todos assim?

Comments

  1. Gottlieb says:

    Uma vocação escondida, a desta promissora futura estrela porno sado maso. Pôrra !! Vou tomar um duche frio.

    • Eduardo Silva says:

      Gostei da ultima frase …. A praxe envolve humilhação, envolve gritos,envolve estar de quatro ….. não seria melhor irem para o Motel

  2. A primeira frase é vaga e a “desigualdade perante o superior” exibe a falta de cultura!!!
    Sinceramente,não sei o que os professores andam a ensinar…este país tem uma educação muito alarmante.
    No resto até concordo mais ou menos com o que disse.

    • Ricardo says:

      “O que os professores andam a ensinar”? Então mas o carácter é ensinado na escola? Isto é falta de carácter não um problema de matemática ou um facto histórico. Pergunte-se antes como andam os pais a educar os filhos em casa.

      • Eis a verdade NUA e CRUA. O carácter começa a definir-se no berço.

      • Artur says:

        Falta de carácter é andarem aqui a acusar a rapariga de falta de carácter porque tem uma opinião diferente da vossa, aliás nem se dignam a ouvir a opinião dela. E porque é que desigualdade perante o superior exibe falta de cultura? Vocês quando obedecem ao superior hierárquico exibem falta de cultura? quando obedecem ao professor exibem falta de cultura? São os mesmos que apoiam este estado de coisas aonde os alunos insultam desrespeitam e agridem os professores que vêm aqui falar do estado alarmante da educação. Comédia de gente!

        • Ricardo says:

          Oh Artur. Está a comparar o incomparável. Não estamos a falar de um chefe de equipa, de um professor, de um médico ou de um engenheiro que tem conhecimento feito em determinada matéria e por isso devemos seguir o que dizem por serem mais sensatos e/ou experientes. A opinião desses senhores não é opinião é (em principio) competência. Por isso devem ser ouvidos (e nem esses podem ser seguidos cegamente porque também eles erram porque se tratam de seres humanos). Estamos a falar de praxe. Que é por base uma forma de interacção social baseada numa hierarquia estipulada por anos de presença em determinado estabelecimento de ensino. Eu praxei, fui praxado e gostei da praxe. Foi uma forma de interacção social fantástica e que me fez fazer amigos para a vida. Mas nunca fui cego. Eu não seguia ordens só porque quem mas dava tinhas mais cadeiras feitas do que eu (felizmente também tive pessoas de bom senso que me souberam integrar através da praxe sem qualquer tipo de humilhação ou algo do género.). Para além disso é este tipo de discurso, vazio de conteúdo e recheado com ideias que não cabem na cabeça a alguém que faça uso dos neurónios, que envergonham até quem gosta e compreende a praxe como forma de integração. É este tipo de ideias que destrói o objectivo da praxe. Como ex-aluno (adepto das praxes) sinto-me mal representado por essa rapariga. E não serei só eu a sentir isso. A praxe é e pode ser algo de positivo para os alunos. Mas não como está aí descrita. O que está descrito demonstra apenas, como disse, falta de carácter por parte de quem as professou.
          Bem dita mãezinha que me ensinaste tão bem a respeitar e a ser respeitado.

        • antª moreira says:

          Grande Artur, para além de não saber-mos se está correcta a transcrição, porque não foi postado o vídeo? Para além de, ao terem postado a foto da jovem, estarem a praticar o crime de cyberbulling. E, pelo menos assim parece, há muita boa gente que se dá mal com a diferença de opinião, partindo logo para julgamentos de caracter

          • O link do video está no post. Aquela frase a azul, é isso mesmo. Se isto é cyberbulling, o que a praxe faz, ao vivo e a cores, é bulling.

        • Paulo says:

          olha lá tu também deves ter a mania…a mania da superioridade, deves ser filho de algum (PAPÁ),daqueles que só porque tem mais posses monetárias do que a maioria das pessoas pensam que são os donos do mundo e arredores. Sinceramente tenho pena de pessoas como vocês.

        • Darku says:

          “Vocês quando obedecem ao superior hierárquico exibem falta de cultura?” Não quero chefes assim!! Mas vives supostamente num país democrático ou num país do 3º mundo? É que queres ser líder como Fidel Castro vai para cuba!! Lá não desafiavas o teu chefe!!

    • Ana Miranda says:

      Ó Isilda… onde é que andam os EDUCADORES????? No meu tempo chamavamos de PAIS!!!!

    • A EDUCAÇÃO PODERÁ SER ALARMANTE QUANDO A FALTA DELA VEM DA FAMÍLIA…
      A IGNORÂNCIA DE UMA SOCIEDADE É PROPORCIONAL AO NÚMERO DE VEZES QUE, DIARIAMENTE, TENHO QUE LER OU OUVIR QUE A ESCOLA É QUE DESEDUCA… E OS PAIS, FAZEM O QUÊ?! ENSINAM?!… PODERIAM ENSINAR, SE FOSSEM TODOS COMO OS MEUS PAIS!!!
      FRASES COM ESTAS REVELAM MUITAS COISAS… IGNORÂNCIA, INVEJA, IRRESPONSABILIDADE, FUTILIDADE, DESONESTIDADE, INTOLERÂNCIA, DESRESPEITO…
      EXPERIMENTE TROCAR O SEU LUGAR EM CASA POR UM DIA NUMA ESCOLA E IRÁ RETIRAR CONCLUSÕES SURREAIS…

    • jose diniz says:

      É extraordinário o que aqui se escreve. Não apenas o que escreveu a “artista” principal desta peça, mas também a resposta desta outra personagem chamada Isilda ou ainda os comentários de Artur.

      O que se percebe destas conversas infelizmente prováveis é que há gente submissa de forma indecorosa e outros revoltados sem causa.
      Zangam-se e não sabem porquê . Tem a resposta na ponta da língua mas desviada do objectivo. Capacidade de análise objectiva e bem focada, ausente.
      Penso que são o reflexo de uma deriva que já dura há demasiado tempo e que propicia o surgimento de Salvadores como agora já se auto proclamam alguns dos “Vende Pátrias” que colocamos no poder.

      Discernimento é preciso. Não basta falar, é preciso saber do que se fala coisa que a jovem estudante não cuidou, mas se se dedicar pelo menos nas férias a ler os clássicos com atenção e paciência quem sabe não me surpreenderá pela positiva.

      Vá futura doutora, toca a estudar muito, cada vez mais e não seja tão submissa com os brutos das praxes.
      Eles é que precisam de ser afastados porque quem governa com pau não presta.

    • antª moreira says:

      Mas algúem tem a certeza que foi mesmo isso que a jovem disse? Porque não foi postado o vídeo para cada um de nós tirar as suas próprias conclusões? Porque postaram a foto da jovem? Isso não é cyberbulling? Alguem já parou para pensar o que poderão estar a fazer a esta jovem?Alguém conhece como é esta jovem para a julgarem por um pretenso comentário? E se esta foto fosse de uma filha nossa? Que medidas tomariam na sua defesa?

  3. Ana Cristina Leonardo says:

    Isto é um programa!

  4. Marco says:

    ““a praxe ensina-nos (…) que na vida há uma hierarquia natural e que nós vamos ter de aceitá-la”.
    Assustador. A mesma mentalidade que legitimava a escravatura e que ainda permite o sistema de castas na Índia.

    • Darku says:

      é mesmo assustador!! só de pensar que é esta canalha que vai ser os líder do país até tenho medo!! esses praxistas da treta acham que obediência cega é respeito ao chefe!! Cambada de nazis.. ainda dizem que são do ensino superior!!!!!!!??????? Cambada de azeiteiros!!

  5. “na vida há uma hierarquia natural”
    esta frase legitima todas as abominações possíveis e imagináveis. “hierarquia natural” entre ricos e pobres, pretos e brancos, novos e velhos, homens e mulheres, marido e mulher, fortes e fracos, bonitos e feios.
    à estudante de direito, desejo-lhe que estabeleça uma hierarquia natural com o para-choques de um camião..

    • *pára-choques

      • A palavra “PARA” não tem nenhum acento, idiota..

        • Zé Manel says:

          pelo profundo conhecimento revelado, acerca da língua portuguesa, deves, no mínimo, ser colega “da outra”, idiota!…

        • pára para ler.. idiota.

          • loremiles says:

            http://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI127876,101048-Para+ou+Para
            http://www.portoeditora.pt/acordo-ortografico/duvidas-frequentes/duvida19

            Na verdade, já não leva acento… Muito gosta o tuga de mandar postas de pescada na net sem sequer se dar ao trabalho de uma breve pesquisa no google.

            Cumps

          • José Peralta says:

            loremiles

            O “aborto hortográphico” já foi aprovado, ou é objecto de desprezo e contestação dos dois lados do Atlântico ?

            Eu sou um atento “espetador” destes “cagados” defensores de tal aborto ! E não fôra a sua carapaça, não resistiriam a tanto espetanço !

            E se, na sua exclusiva opinião, “o tuga” gosta de mandar postas de pescada na net, pergunto-lhe o que obriga “os tugas” particulares ,individuais ou colectivos, a submeterem-se ao respeito e utilização de tal “aborto” que, não vigorando como Lei, e não se sabendo quando e se algum dia vigorará, (mau grado os milhões já desperdiçados…), só obriga os governos de “mente-catos” inúteis e desocupados que o “óbraram” e também os “diligentes eruditos” da Imprensa Nacional Casa da Moeda?

          • Artur says:

            José já alguma vez vc ou a carrada de indignados se perguntou porque é que o “aborto” existe? eu também não gosto de modificar a minha forma de escrever e na minha opinião para pior! Agora sou um ser pensante que entende a razão pela qual as linguas são harmonizadas e isto beneficia acima de tudo os portugueses que não são sequer inteligentes o suficiente para o entender, a diferenciação entre o brasileiro e o português apenas transforma Portugal cada vez mais irrelevante, e o acordo tenta resgatar a nossa lingua adaptando-se ao Brasil (e eles um pouco a nós) de forma a que a nossa lingua seja una e poderosa. Podemos seguir o nosso caminho sozinhos como o senhor e milhões de portugueses desejam mas isso significa ficarmos cada vez mais isolados e limitados a uma língua sem expressão ou relevância da qual o “brasileiro” se demarca, com a harmonização abrem-se muitas portas para os portugueses. Ser inteligente é ver os vários lados da questão não apenas chamar os outros de burros.

          • Artur,
            “ASSIM, PODE-SE DIZER QUE GRANDE PARTE DA DISCUSSÃO EM TORNO DA ORTOGRAFIA DA LINGUA PORTUGUESA (…) REDUNDA NA TENTATIVA DE AFIRMAÇÃO NACIONALISTA DE UMA VERTENTE BRASILEIRA DO IDIOMA, EM FRANCA OPOSIÇÃO À VERTENTE LUSITANA.”
            Prof. Doutor Maurício Silva, Brasil

            As questões são simples: há a vertente portuguesa-africana-asiática e da Oceânia que não tem qualquer diferença na ortografia. E há a chamada vertente brasileira.
            Isto é, o português de Portugal, tal como está, é uma língua internacional e o português brasileiro não é. É a língua de um só país, com o que isso acarreta.
            Quanto à “gestão da língua” e outras falácias de agência de publicidade, convirá dizer que o estatuto de uma língua depende do nível de literacia daqueles que a têm como língua-mãe. E o Brasil tem 75% de analfabetos.
            Antes de se preocupar com os nacionalismos e vaidades balofas de meia dúzia de funcionários, o Brasil deveria ser verdadeiramente ambicioso e tentar alcançar a taxa de alfabetização da Bolívia ou apostar em igualar o nível de alfabetização do Zimbabwé nos próximos 50 anos. É uma ambição legítima.
            O resto é delírio e corrupção.

        • Darku says:

          Olham senhor “ase”! olhem um praxista a chamar NOMES!! “idiota..” tal e qual como se ensina nas praches da treta! Com aquelas musicas de ofender! Estás muito bem ensinado!! Só te fica bem a dizer isso óh senhor do ensino superior!! Esses pracheiros é gente de baixo nível!!

      • PÁRA, do verbo parar leva acento.
        Já para não falar da muito duvidosa legitimidade de um governo de uma democracia poder andar a negociar ortografias (prática de governos ditatoriais sem exemplo em países de tradições democráticas), este acordo ortográfico não está em vigor, pelo simples motivo de não existir na ordem jurídica internacional.
        Chega de tontices: o Estado de Direito não anda a reboque de agências publicitárias.
        Recomenda-se a leitura de um artigo de dois professores catedráticos de Direito da Universidade de Coimbra – um deles o actual Provedor de Justiça, onde a coisa é desmontada: “O chamado ‘novo acordo ortográfico’: um descaso político e jurídico” http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2300823&page=-1

    • F. T. says:

      Bem, ela não diz isso, mas, sim, pode ser essa a ideia.
      A questão é que não lhe explicaram que as hierarquias existem mas justificam pouca coisa e legitimam menos ainda, sobretudo no campo da política. Todos queremos ser operados por um bom médico – e não por um mau, ou com essa reputação – e que, enquanto estivermos na mesa de operações esperamos que os enfermeiros lhe obedeçam prontamente e sem discussão, ao invés de votarem uma qualquer moção. Acontece que a hierarquia do médico é funcional e não legitima uma diferenciação de direitos políticos fora daquele tipo determinado de situações. E os respeitos e admirações que podemos ter muito legitimamente por este ou aquele não legitimam nada que se parece com o que é ali dito.
      O interessante é que diga aquilo sem medo de lhe chamarem ignorante. Falta a ciência política e a filosofia no nosso ensino. E não é por acaso, nem são os “neo-liberais” os culpados.

      • Rodrigo says:

        O seu comentário é o único que adiciona valor à reflexão.A grande maioria são ofensas ad hominem de nível inferior às afirmações feitas. Bem haja.

      • Quanto aos Neo-liberais não serem os culpados é que já temos duvidas, no entanto há que admitir que a culpa é partilhada por todos os liberais e pior ficará quando conseguirem privatizar o ensino. De resto caro F.T. completamente de acordo.

        • F. T. says:

          Muito obrigado Rodrigo, e desculpe os atropelos de sintaxe.
          São muito correntes estas confusões que demonstram as falhas de preparação o ensino secundário e universitário.

        • F. T. says:

          Caro M.C., não foram os liberais que gizaram as políticas de ensino – nem agora nem nunca, em Portugal, nem têm qualquer influência na burocracia do ministério da educação e das escolas superiores de educação.
          Sobre a privatização do ensino, creio que é uma falsa questão – e não estou a referir-me a casos que são de polícia. E dito isto, convirá assentar que em Portugal a educação oficial (que é o termo que sempre se usou) sempre teve a primazia. No ensino superior, até 1967 apenas havia ensino estatal. No séc. XX, no ensino primário e secundário, não seria tanto assim, mas em Lisboa, por exemplo, os liceus eram interclassistas de tal modo que os colégios particulares que foram aparecendo, foram, na sua grande maioria, experiências sem sucesso.
          O que há a defender, aliás, é a melhoria do ensino, que oficial ou particular não é muito bom, salvo muito raras excepções.
          A não ser que se queira defender a “escola pública” para impor a “religião laica” – como “ipsis verbis” – afirma o actual ministro da educação de França ( https://www.youtube.com/watch?v=9W09d-6lZs0 ). Se for para isso – como parece que será – então a coisa ganha outros contornos e deverão dizer, francamente, ao que vêm, para se discutir a questão aberta e democraticamente.

          • Nuno Crato não é um liberal, o laicismo é uma religião, e o moço, que hoje se assina F.T, todos os anos, na noite de 24 para 25 de Dezembro, fica à espera das prendas do Pai Natal.
            Estamos sempre a aprender coisas com quem defende os vigaristas (sobe a média que eu pago) do ensino privado.

          • F. T. says:

            João José Cardoso: 1º Nuno Crato é um ex-maoista, terá uma formação marxista-leninista, o que é um pouco diferente de uma formação liberal – que, em Portugal, aliás, nunca verdadeiramente existiu. 2º Quanto ao laicismo ser uma religião quem o afirma é um ministro da educação do governo socialista francês, Vicent Peillon. Por muito que a França possa ter decaído é, repete-se, um ministro da educação do governo francês quem o diz e mais, quem a quer impor tal religião nas escolas. A ligação à entrevista é esta http://www.youtube.com/watch?v=9W09d-6lZs0 . Com algum interesse, Peillon é dado como próximo da associação discreta a que Relvas pertence e que tão espalhada está na política portuguesa, do BE ao CDS – com excepção do PC – e com relevo na burocracia dos ministérios.
            Quanto às médias pagas, exames por fax, restantes facilidades e falcatruas, etc. : e acha que isso não era conhecido nos meios oficiais? Se a coisa era consentida para além da “função social” que consistia no arredondamento de ordenados e feira de vaidades para gente do establishment – público ou oficial (afinal, havia gente das universidades oficiais, escolas superiores e das organizações discretas que dava aulas nas “privadas”) – se tudo isso era e foi, afinal, tolerado em alguns casos até à degradação total, quem ficou a ganhar ? Diria que o mesmo “establishment” que não vigiou, como devia.
            JJ Cardoso, não acreditava nas notas das universidades públicas dadas durante o regime fascista? Embora muito novo em 1974, não dei por notícia de vendas de notas. Ora, se num regime fascista não havia abusos nas universidades – católica incluída – é uma democracia incapaz de resolver essa questão – resolvida nas outras democracias do mundo? Só se não convier a quem devia vigiar (grátis) por ser esse o seu dever.
            Nota – o moço que assina este comentário frequentou sempre escolas oficiais, do básico ao fim da licenciatura.

          • Temos um ministro da educação ML, laicismo é religião porque um ministro o disse, e quanto a falcatruas, falava das notas inflacionadas no privado, que permitem a muita desta gentinha frequentar universidades. Ah, e fujam, estamos cercados por maçons (a Opus Dei, essa filha da falange, nunca existiu).

          • “laicismo é religião porque um ministro o disse” – cada religião tem os profetas que merece. E este pertence à aristocracia político-cultural da esquerda francesa, sobrinho do Blum, filho de um banqueiro da confiança da ex-URSS de Staline. Ele mesmo é doutorado em filosofia, não é um “bocas de café” – passe o plebeísmo.
            Sobre a maçonaria – palavra sua, não minha – nota-se uma certa ironia. A maçonaria não merece tal. Afinal, é o próprio grão-mestre que disse, em entrevista ao DN (18 Fevereiro 2012) que “as principais leis” do país foram criadas por maçons. Já no governo do Dr. Salazar lá estavam no governo, alguns ministros. O Opus não é nada ao pé da maçonaria, como lhe poderia explicar, em pormenor, D. Manuel Alves Martins, bispo de Viseu, primeiro-ministro de Portugal e maçon (apesar dos papas, expressamente, e por dezenas de vezes, terem proíbido os católicos de serem maçom. Ele lhe diria o peso de uma ordem do Vaticano).
            Sobre o aumento das notas: o ministério que aja, que inspeccione. E quem tem notícia de fraudes que as denuncie. Não é preciso grandes esforços de imaginação regulatória: basta ver como fazem lá fora.

  6. Maria de Almeida says:

    Mas esta aventesma lá merece que se perca tempo com ela? se lhe dessem um rol de compras ou código das custas para ler, o efeito devia ser o mesmo. Nojo!

  7. doorstep says:

    Cecília? Nâ… Cá pra mim, além de idota, é mónica…

  8. Casual P says:

    Como estudante da mesma faculdade, peço-vos que não se inquietem pois esta moça não representa a maioria. Representa parte da população desta e doutras faculdades. Pelo que sei, a rapariga em questão não é boa aluna, nem sequer é popular entre os seus. Parece-me que o Público faz questão de escolher os ingredientes certos para criar polémica fácil. Se há algo que é óbvio,se formos sensatos, é que estas pessoas não ficam assim devido à praxe, são apenas um reflexo de um sistema de ensino fraco e centralizado e de uma cultura boçal, submissa e ignorante que reina em Portugal há séculos. Estes são os burocratas e as mulas de papel do futuro. As das gerações anteriores não são diferentes.

    • É Claro que isto não representa os estudantes. Por cada “Cecília”, há uma centena de alunos e estudantes que pensa diferentemente.

      Com tanta emigração de jovens inteligentes e cheios de capacidades, um verdadeiro “brain drain”, porque é que temos de aturar uma “brainless” destas?

      • nao quero assistir a este filme de terror.. says:

        de muitos comentarios vou sou responder a este que nao despresando os outros vai ao cerne da questao aqueles que defacto construiram caracter começando em casa obvio vao para fora trabalhar e pior viver, nao votam mais provavelmente, sendo assim vamos ter estas besta em lugares chaves no nosso Paîs pois decerta medida ja temos alguns no governo deste Calibre o pior é na proxima geraçao a balança destes vai pesar ainda mais e tudo aquilo que esta enguia morta disse vai-se realizar á pois LAMENTAVELMENTE meus SENHORES(AS)………………..do Futuro Negro

  9. Típica mentalidade subserviente e provida de uma profundidade menor que a de uma carica.

  10. Isto não representa os estudantes, julgo eu. Há muitos que recusam a praxe e as patetices associadas.

  11. Celia, you’re breaking our heart
    You’re shaking your confidence daily
    Oh, Cecilia, you’re down on your knees
    Why don’t you take a hike?

    Celia, you’re breaking our heart
    You’re shaking your confidence daily
    Oh, Cecilia, you’re down on your knees
    I’m begging you please to piss off*
    To piss off

    Celia, you’re breaking your heart
    You’re such a jerk
    Oh, Cecilia, you’re down on your knees
    Why don´t you piss off
    Piss off!

    Jubilation,
    I fall on the floor and I’m laughing
    Jubilation,
    I fall on the floor and I’m laughing

    Songwriters
    SIMON, PAUL (original version)

    (abridged and adapted)

  12. F. T. says:

    Ora vejamos, o respeitinho, com o curvar de cerviz associado foi – e pelos vistos é – um produto dessa universidade. Denunciou-o Eça, por diversas vezes, quando fala na “almazinha de bacharel” e a coisa foi-se mantendo. Há 15 anos, 20 anos, ouvi relatos de exames de direito absolutamente humilhantes, feitos por professores conhecidos (e muito admirados) naquela faculdade e que, com o seu comportamento caucionavam, afinal, a visão do mundo que esta desgraçada tem.
    Que alguém, mesmo mau aluno, frequente uma universidade de direito e faça confusões tão primárias de conceitos (hierarquia natural/obediência, etc) que, pura e simplesmente não deviam existir, é a prova dos malefícios de anquilosados estabelecimentos de ensino.

  13. Noémia Pinto says:

    Está na cara que esta moça nunca nos governará. Todo o seu discurso é o de quem não vale nada e por isso, só por isso, defende as patetices que defende. Como sou mui católica (gostastes do mui católica, gostastes?), recordo aqui uma passagem da Bíblia Sagrada: «Bem-aventurados os pobres de espírito pois deles é o Reino dos Céus». Esta rapariguita já está no Reino dos Céus há muito. Não sei é quem assim a levou ao Paraíso. Certamente algum doutor…

  14. Manuel says:

    É só fazer uma viagem de comboio, para ver o que estes Srs. Doutores aprendem nas escolas.
    Mal educados, viajam com os pés nos bancos e podres de bêbados…smfrosa1972gmail.com

  15. jonas river says:

    Parece discurso de magalas,ideias resultantes de lavagem cerebral da tropa (daquela que a gente sabe)
    Coisas básicas que qualquer recruta diria há vinte anos atrás.
    Atenção , esses tal como agora eram mesmo e só números.
    Interessante será a similitude discursal ,de um hoje aluno do superior de Direito,com os maçaricos ,em maioria de 4ªclasse dos anos oitenta.
    Não sendo militarista,por vezes quando ouço comentários sobre alguns assuntos,penso que o SMO fez falta a muita gente.
    Salvo as devidas excepcões.

  16. Isabel Matos says:

    Por favor Senhor, que o ceú seja dos pobres de espírito, mas tão pobres????

    • Não me admira que seja má aluna, com um visão tão medíocre e distorcida , espero que a burrice dela seja condição sine qua non para nunca chegar a por o seu belo traseiro noutra cadeira com maior conforto a nível de poder de decisão! sério! Temível , quase cómico senão fosse tão ridículo e repugnante!

  17. Iras da Vinha says:

    Isto bateu mesmo no fundo, a deseducação praxista no seu melhor. Estes pseudo-doutores são um compêndio de tudo o que não deve ser o Ensino Superior. E nós aprendemos alguma lição com isto tudo? Não sei, vejo muito boa gente, a criticar com ferocidade esta malta das praxes, mas também a achar graça à selvajaria boçal e sexista de sites do calibre do ‘Intelectual Brejeiro'(é só um exemplo), gente que se diz ‘culta’, ‘progressista’ e ‘fracturante’, logo com mais obrigações em termos de mentalidade. Auto-Crítica precisa-se, a começar por rejeitar os modismos boçais, e o pessoal mais novo (e menos novo) perceber que a javardice não é ‘cool’, foi só uma moda inventada pelos media.
    Hora do país ver-se ao espelho como disse por aí uma blogger…

  18. Marco says:

    Fui praxado, praxei.. cheguei a Dux.. e não me identifico minimamento com esta miúda! Tenho educação, cultura,tenho uma profissão de grande responsabilidade por isso acho ridículo que coloquem o “label” em todos os que são/foram praxistas! Burros encontramos em todos os lugares e postos.. veja-se os nossos governantes, ex-governantes e classe politica no geral! veja-se o nosso “Zé Povinho” que de repente ficaram todos “experts” em Praxe! Ponham os olhos no “Dr.” Mário Soares que pisou a bandeira de Portugal e chegou a PM e PR… isso sim mete medo, as memórias curtas!!!!

    • Faz generalizações que fazem ruir ligeiramente a educação e a cultura. Mas usa o contrário em relação à sua pessoa.

      O processo Dux parece deixar marcas.

    • Marco, tens uma cultura de treta és tão idiota como esta idiota. Uma cretina como tu já foi julgada e condenada pela calúnia da bandeira. Pode ser que sejas a seguir, a ver se a profissão de grande responsabilidade te vale para alguma coisa.

      • Pandeireta Radioactiva says:

        A facilidade com que você parte para o insutlo gratuito também não demonstra educação ou cultura da sua parte.

      • Anti-cínicos says:

        Tem mesmo a certeza que é calúnia?, ainda existe gente que foi telespectadora dessas imagens através de um canal francês.

    • Também te foram ao cú de ” 4″, como á burrica!?

    • André says:

      Onde é que o Mário Soares “pisou a bandeira”? Meu caluniador de m e r d a ! Quem és tu para chamar “Zé Povinho” a todos aqueles que contribuíram para seres um dooouuuttooooor da treta?
      Agora é preciso ser “expert” em praxe para verificar que é um fenómeno imbecil?…lamento desiludir-te, cara ameba, a praxe é um fenómeno bem simples de analisar, qualquer homo sapiens sapiens é capaz de o fazer. Como ainda estás na fase do Austrolopiteco compreendo que a imbecilidade do fenómeno te seja muito complexa…mas mais 4 milhões de anos de evolução e lá chegarás.

    • ‘Label’ é categorizar, etiquetar.
      Pelos vistos falta vocabulário ao seu nível cultural de excelência, que não lhe permite discursar totalmente em português.

    • José Peralta says:

      Marco

      Tens tanta cóltura, inducação, profissão “responsável” e achas ridículo o “label” ?

      E o Zé povinho “ficaram todos “experts” ?

      Tu, marco, tens o merecido LABÉU de grande mentiroso e nojento caluniador…

      Do alto da tua fanfarronice, não passas de uma reles amostra da “cultura” cavalar, que deves ter recebido na “praxe” !

      Para “gentinha” como tu é : PALMADA NA GARUPA E CAMPO !

  19. Miguel says:

    Eu sou colega desta moça na faculdade, será que isto é contagioso?

    • é capaz de ser tarde demais até para ti Miguel… Já foste exposto!

    • Apenas+1opiniao says:

      É de loucos este discurso!!!! Fiquei perplexo!! Ri-me às gargalhadas que nem um perdido, e fiquei apreensivo.
      Ponto número 1
      Não sou professor, mas que culpa tem os professores, muitos deles apenas responsaveis por determinadas disciplinas e que estão no máximo duas horas por dia com alunos deste calibre. Alguns deles borrifando-se para a aula (s) em questão?
      Quando toda a importância e poder do professor e tirado por tudo e todos logo a partir do ensino primário (ex: o estado e o rebaixar da profissão, os pais que querem bater nos professores porque o seu menino malcriado levou um puxão de orelhas do professor)
      Ponto 2
      Culpa parcial do pais?!?
      Concordo, a base e os exemplos da família são primordiais no crescimento individual e futuramente colectivo de cada um de nós, os nossos filhos são um livro de páginas em branco em que a introdução é escrita pelos pais, logo uma boa introdução, bons exemplos, conselhos etc permitem um bom desenvolvimento da pessoa e quiçá uma conclusão feliz para todos.
      Fui estudante universitário, fui praxado durante duas semanas, no Porto, frequentei a latada, bares a noite, conheci pessoas. Algo que durante duas semanas o fiz e acabei por desistir porque tudo isso posso fazê-lo perfeitamente, sem dar importância a pessoas insignificantes, Duxes repetentes e sem objectivos escolares….(quanto maior o número de matrículas mais elevada é a tua hierarquia na associação acadêmica ou seja um estudante de com 10 matrículas no 1 ano está acima de um finalista de 5)
      Seus objectivos e foder as tontinhas bêbadas, que lhes arrumem as casas, façam os trabalhos etc.
      Indo agora de encontro ao discurso desta jovem…
      Começemos:
      – ” o conceito de praxe é muito relativo…. Mas só há um conceito…” Relativo implica várias visões opiniões de algo…. E se assim é como dizes tens de aceitar a opinião do outros mesmo que seja contra as praxes….
      – ” não é humilhação mas está presente…” Ou é ou não é… Um caloiro já o nome indica, as orelhas de burro, o nariz de porco, o estar de quatro indicam inferioridade, desigualdade, etc.
      O único sentimento que emerge daqui é humilhação… Pede aos praxistas para te ajudarem a procurar casa, a realizares trabalhos, etc
      Depois refere:
      – ” vamos se humilhados várias vezes na vida… Pelos pais, no emprego etc”
      Que eu saiba há momentos na vida em que os pais tem centrar os filhos num caminho mesmo que para estes aparentemente o caminho da direita ou da esquerda seja o melhor….
      Com esta capacidade argumentaria, com esta visão do outro, com esta noção da vida, das prioridades, do certo ou errado, não admira que futuramente sejas humilhada por qualquer futuro patrão…. Como estudante de direito, deverias saber mais do que ninguém que a liberdade, igualdade, fraternidade, foram valores que custaram a vida, a milhares de pessoas; valores estes que permitiram que estivesse hoje aqui esta menina moça de 19 anos a dar a a sua invalida opinião, e que serão os valores de luta que qualquer oprimido terá na sua vida para combater a repressão.
      Fiquei ainda atônito quando está se referiu as mortes de colegas e com o exemplo do homem aranha à qual esboçou um sorriso imagina-se….INACREDITÁVEL….
      Morrem pessoas todos os dias das mais variadas formas…. A humanidade tenta constantemente lutar contra este processo natural… Logo o argumento
      – ” morreram na consequência de uma onda….” … Não!!! Foi consequência da água, que foi trazida pela onda, e estes alunos estavam vendados amarrados por obra e graça do Espírito Santo……
      Pode -se fazer praxes sim dentro do recinto universitário, com regras previamente discutidas com a direcção do estabelecimento de forma haver culpados no caso da liberdade de uns teimarem em aniquilara a dos outros com prejuízo para quem quer que seja….
      Sim não sou contra a praxe porque não sou contra a liberdade individual de cada um, inclusive dos que querem ser praxados porque também os há… Mas há que assegurar a segurança de todos, o amor e sofrimento dos pais que muitas vezes desconhecem que o seus filhos em outras cidades passam por determinadas situações.
      E para terminar…
      ” fez-me ser mais homem o mulher”
      Ridículo!!!!! Não és homem nem mulher com essas experiências. Que são brincadeiras!!!! Muitas de mau gosto….
      O teu percurso ainda está a começar 19 anos não é nada, evoluir academicamente, profissionalmente, saber cuidar de uma casa,pagar uma casa, falta ter filhos, netos, assistir os pais doentes e velhos etc…. VOTAR….
      Na vida aprende-se continuamente até morrer…. A morte destes jovens foi algo que aconteceu, um episódio difícil de reflexão …. Convista a melhorar.

  20. Silvia Santos says:

    Gostei muito. Temos que fazer o possível para que esta inteligência não vá trabalhar para o estrangeiro e fique entre nós, com um bom emprego. Se ela aceitasse um meu conselho dir-lhe-ia para se inscrever já num partido político. Ou num clube de futebol que também dá boas carreiras aos melhores.Amem

  21. Luís Vieira Lopes says:

    Não devemos nem podemos generalizar. A mediocridade de uma árvore, não representa a floresta. Contudo não é na escola, seja em que nível for, que os princípios da coexistência em sociedade, do respeito, da ética, da moral e sobretudo da consciência individual e para com os outros, devem ser incutidos, mas sim no seio da família. Pais sem as adjectivações atrás mencionadas, não podem nem têm capacidade educativa, tão pouco podem ser considerados exemplos para uma sociedade que se quer justa e humana. São bestas que apenas produzem novas bestas. É dever de cada progenitor, pai e mãe, casados ou não, transmitirem aos seus filhos as regras básicas atrás adjectivadas e aí sim, teremos uma sociedade de valores e valias, em homens e mulheres, que objectam uma sociedade evoluída e essencialmente mais humana, onde respeito por si e pelo outro, são a ética adoptada, a moral ensinada e a consciência adquirida e assumida. TODOS SOMOS IGUAIS E TODOS DEVEMOS PROMOVER ACIMA DE TUDO, O BEM ESTAR, A SAÚDE, O CONHECIMENTO, PORQUE SÓ ASSIM, PODEREMOS SER VERDADEIRAMENTE LIVRES E JUSTOS ENTRE NÓS.

    • Artur says:

      Tu que foste inculcado nos mais nobres valores e na mais elevada moral diz-me sábio….o que é que esta miúda disse que seja considerado imoral? Palavras bonitas e vazias…como é costume neste pais de poetas.

      • Luís Vieira Lopes says:

        Dificilmente quem tudo julga saber, pode almejar a um conhecimento maior. Pois aceita como verdade absoluta, as sombras projectadas nas paredes da caverna (alegoria de Platão), enaltecendo como verdade o que na realidade, mais não é do que o seu desconhecimento sobre o que ou quem realmente as produz.
        O seu comentário, é desprovido de qualquer conteúdo digno… como é costume neste país, onde alguma gente como o senhor, infeliz e simplesmente de nada entende, muito menos de poesia.

  22. José Matos says:

    Acho piada à igual irresponsabilidade do autor do artigo! Foram os professores do secundário a fazer isto? 🙂 🙂 🙂 ingénuo…

  23. marta says:

    Deve ter recalcamentos sexuais profundos, para variar.

  24. Israfil says:

    Mas esta gaja nem ler como deve ser sabe….que raio de estudante é esta, que não questiona nada? os seus argumentos conseguem ser ainda mais falaciosos que os dos políticos que actualmente nos governam! Esta tipa é uma idiota…ou então curte a onda de ser humilhada e de “hierarquias naturais”..se é que tal coisa existe…isto é mediocridade no seu best…um belo retrato de portugal…e de coimbra, essa grande escola de mentecapt@s….

  25. nao me deixo manipular says:

    esta gente nasce sem carácter !! engolem livros de ignorância que ate nem conseguem pensar porque de sabedoria ja vi que nao tem nada no cérebro … deve haver gente boa , no mundo nem tudo e mau

  26. Florinda says:

    Viva a liberdade de expressão!!!!

  27. Sim! Deve gostar de levar de 4 ….ou mais, a um só tempo! Praxe é praxe….e, pelos vistos, é a praxe que as põe de ” 4″ …..vão trabalhar !!!

  28. Maria says:

    Espero que a mentalidade desta estudante não reflicta o da maioria senão há um grande equívoco. Respeitar não é temer, eu respeito os meus pais e as pessoas em geral não é por medo mas sim porque é o comportamento e sentimento correctos. Nos locais de trabalho é inqualificável e não devemos permitir que um nosso superior hierarquico nos humilhe ou nos insulte, isto é um comportamento inaceitável e pensar que há “treinos” para aceitar comportamentos destes é inacreditável. Como é que esta esudante pode aceitar que seja porque motivo for a humilhem, a ponham de quatro, como diz, e gritem com ela ? Esta menina devia ir a um psicólogo porque algo está muito errado com ela.

  29. Maria says:

    Mais ainda, que maneira de se exprimir tão básica e tão pobre, digna de alguém do 6º ano. ” Há pessoas que morrem afogadas em rios e até nas banheiras ” e então ? Isso dá o direito de colocar deliberadamente as pessoas em risco, por inconsciência ? Eu deixo uma criança no meio da estrada por negligência e ela é atropelada e então ? Há imensas pessoas que são atropeladas todos os dias, qual é o problema ?? Descarta-se assim qualquer problema de consciência que se possa vir a ter. Esta forma de pensar e de estar na vida deixa-me muito apreensiva sobre a parte da juventude, felizmente não é a maioria, penso !!

  30. na volta é da JSD (ou da JS, a merda é a mesma…) e já veio formatada para ser uma ovelhinha obediente.

    de resto só posso ter pena desta coisa abjecta…

  31. valter says:

    Isto e tudo uma pouca vergonha no nosso pais a praxe ensina em que em nada.. os pais e que devem educar seus filhos de melhor maneira eles deviam era ir todos para Trás-os-Montes e alto douro para vinhas oliveiras amendoeiras cavar com força desde o fundo das ladeiras ate ao cima ai era uma praxe boa de ensino pra vida.. apanhar azeitona apanhar amêndoa e vendimar.. Quem passa por tudo isso e muito mais escolher pedra nas terras para se poderem plantar para esses meninos e meninas bonitos das cidades os poderem comer os produtos la fabricados… ai diriam a vida não e fácil agora quando se tem tudo de mão beijada facilmente porque são os meninos dos papas e tudo muito fácil quando não falta ferro no bolso para festas noitadas discotecas e etc… Aprendam com a vida dura não com as praxes meninos e meninas…

    • Avoidcontact says:

      Vírgulas e acentos não há? :O Pontuação não existe? Acho que devia haver um identificador de ip com choques elétricos para castigar os que escrevem assim o português…
      Quanto à questão principal… Considero a estudante uma influenciável, com parcas capacidades de decisão e até de observação. Foi provavelmente levada a escrever e dizer aquilo por uma outra mente capta de “nível Superior”…
      Não vejo nesta notícia, nada que mereça a nossa discussão de como vai a política, a religião ou a educação neste país! Isto não passa de um estímulo do jornal “Público” para nos estudar…

      • Paulo says:

        Olha… olha o praxista a dar uma de professor de português! Vai é por miúdas de 4 e aproveita o teu único momento de poder que tens na tua vida!

  32. Assim com o sábio com o seu amor ao Conhecimento, à Liberdade e ao Ensino é amado pela Humanidade, também o “Idiota” com os seu amor ao vazio de ideias, ao destaque, ao relevo, à opressão, à anti-criação, procura o Poder porque é aqui que se encontra o último reduto de todos os IDIOTAS!

  33. jsjsjs jsjsjs jsjsjs says:

    e é por isto que eu não pago impostos.

  34. Bernardette says:

    Deus nos livre de termos gente desta na nossa justiça. Todos os possíveis inocentes teriam de ser presos!

  35. paulo says:

    bem ja lhe ensinaram a estar de quatro ja pode ter um futuro

  36. Delfim Pereira da Silva says:

    ““a praxe ensina-nos (…) a igualdade para com os nossos semelhantes caloiros e a desigualdade perante o superior“

    Oh fofa, quantas vezes foste ao Académico ou ao Tropical, à noite, beber um copo?
    Diz-me lá, doçura, quantas horas já “desperdiçaste” da tua atraente vida académica, a discutir, numa animada Tertúlia – sabes o que é uma Tertúlia? -, sobre o presente e futuro do nosso lindo país?
    Aluna de Direito! Hummm! Já te preocupaste, ou fazes a mínima ideia, do que te espera quando entrares no mercado de trabalho?
    Parece-me que és o exemplo, perfeito, da provinciana que se deslumbra com o fato académico, com o titulo de “Dra” nos cheques que um dia vais requisitar no teu banco e com a ausência dos velhotes para te impedirem de ires à 5ª feira à VIA, perdão, ao Rock Planet!
    Um dia dirás
    “Vale mais um ano de tarimba
    do que cinco de Coimbra!”
    Oh minha linda, o que andas tu a fazer em Coimbra?

  37. Entre a falta de carácter e o fascismo há uma diferença para pior no que o pensamento deste estudante revela! O respeito pelas hierarquias naturais faz parte da boa educação e do carácter do qual faz parte a dignidade que não pode nunca ser compatível com a aceitação da humilhação! Este texto é de facto humilhante para o ensino superior! Dizer: “a praxe não é humilhação mas está presente” é uma forma muito pouco licenciada de expressar um pensamento que encobre mal a evidencia que a estudante não consegue disfarçar pois seguramente ela queria dizer: «humilhação não devia estar presente na praxe mas está»…”o que é normal, é aceitável, é compreensível”…porque “ao longos das nossas vidas vamos ser humilhados das mais diversas formas”!
    Um estudante superior que despudoradamente diz uma barbaridade destas é um futuro nazi!
    Sim, temos que preparar os nossos filhos para as adversidades da vida incluindo a humilhação injusta mas não é a humilhação praxista que vai suprir as falhas educativas dos nossos alunos do ensino superior.
    A defesa contra a humilhação só pode ser um conjunto de qualidades cívicas de que faz parte a força de carácter, a humildade e a sabedoria para saber quando se pode ou não responder à provocação violenta de que a humilhação faz parte. Nenhuma desigualdade (funcional) perante um superior pode ser humilhante ou injusta! Quando o é ela deve ser democraticamente denunciada pelas vias hierárquicas competentes mesmo com riscos da própria carreira. As praxes não podem ser sequer a aceitação acéfala do carreirismo, porque só as elites incompetentes ipso facto podem aceitam passivamente que um patrão lhes chame incompetentes…afinal com justa razão a despedimento!
    Quem entra no ensino superior sem ter as qualidades cívicas fundamentais dum líder exemplar e democrático deveria ser erradicado dele porque o carácter não se tempera com a humilhação descontrolada e ultrajante nos limites do crime de muitas praxes e nenhuma qualidade cívica pode ser cultivada por palhaçadas praxistas fúteis, agarotadas e carnavalescas.
    Se a Praxe não deixar de ser uma manifestação folclórica e simiesco de adolescência retardada e não encontrar formas adultas, racionais e cívicas de integração estudantil necessariamente estará condenada a ser socialmente rejeitada e acabar como pratica politicamente incorrectas indigna da moderna vida social!

  38. Fabio Wolf says:

    “na vida há uma hierarquia natural”
    Os argumentos desta jovem lembram-me exatamente os mesmos que A. Hitler usava nos seus discursos sobre o status “Judeus e Arianos”.
    Que mentalidade!! My Goodness, ha gente que funciona como o cérebro das ovelhas!!

  39. Patricia leite says:

    vergonhosa leitura…pois nem um discurso é. igualdade sim é bonito e respeito não se ensina assim…o respeito ganha-se…e não é fácil não senhor…mas desta forma penso que seja mais dificil obtê-lo.

  40. Zé da Conquilha says:

    Só vim pelos comentários…valeu a pena!

  41. Faisca says:

    A miúda é uma idiota, e esta tudo dito! Nem vale a pena comentar mais nada.

  42. Faisca says:

    aiii…peço perdão ” está tudo dito”…

  43. Miguel says:

    Afastar das situações que nos aproximam da dor, sofrimen
    to, humilhação, degradação e deterioração da personalida
    de, aumenta a nossa propabilidade de atingir alguma feli
    cidade na vida. ” Laplace Rodrigues “

  44. Artur says:

    “gente sana” ?? queriam dizer sã? se querem criticar a educação da miúda dominem o básico do português. A miúda tem ao menos um discurso original não se deixa levar pelos padrões que nos querem impôr como na televisão aonde a praxe vem sendo demonizada, curiosamente os mesmos do costume falam como se fosse ao contrário como se fossemos educados para pensar como esta miúda (o que não me admira). E sim existe uma hierarquia que é natural e desejável que é também dinâmica e não assenta em raças mas sim em mérito, os do costume colocam-se contra na teoria mas também eles a desejam na prática. Boa parte deles é capaz de defender o comunismo sistema aonde um grupo de iluminados (idiotas sem mérito) decide tudo acerca da vida privada dos demais. Quanto á praxe é muito simples: só entra quem quer. Mas os mesmos do costume passam por cima desta realidade como passam por cima de todas as realidades (é o costume).

    • Tinha de chegar o cretino do “comunas! comunas! comunas”. Os imbecis são muito previsíveis E vê se aprendes a escrever, ó “como na televisão aonde”.

      • Artur says:

        Aonde? ouviste alguém a defender a praxe na televisão? aonde??? hahaha…enfim! eu não vou passar imagens só te peço alguma noticia que não tenha tratado a praxe como uma coisa sinistra e algum comentador que tenha defendido a praxe, marcelo rebelo de sousa atacou, miguel sousa tavares atacou, já nem se fala dos esquerdinhas cujo principio é a demagogia. E sim eu sou o cretino do “comunas comunas comunas” porque é o discurso falacioso da “igualdade” e da vitimização que está em causa, e tu és o cretino do insulto que me passa ao lado.

        • Ó Artur Sergio Monteiro, vai catar piolhos. Não percebes, aprende a ler.

          • Artur says:

            Eu não vim aqui para comentar erros comentei o erro do texto por achar que perdem a moral para apontar o dedo á miuda quando eles nem sabem redigir uma publicação e inventam palavras. Tu só queres discutir gramatica e insultar mas isso para mim é coisa de meninos que cheiram a leite.

        • Miguel says:

          Senhor Artur! Você nem sabe defender a praxe, porque nem sabe o que é a praxe!! Você defende algo que nem sabe explicar… bla bla é para fazer as pessoas mais fortes…bla bla é para saber estar calado quando um chefe diz qualquer coisa…bla bla bla é integração…bla bla se não fosse a praxe ninguém se conhecia BLA BLA!!!

          Por exemplo, quem diz que a praxe é integração, não passa de um idiota! E espero que você como um estudante do ensino superior e não do secundário, tem poder de reflexão e espírito crítico… Logo, meu amigo, para integração você poderá fazer jogos aos caloiros como se faz nos escuteiros!! PRAXE, não é jogos de escuteiros!! PRAXE não é para as pessoas se conhecerem! PRAXE NÃO É HIERARQUIA CEGA ONDE OS DA HIERARQUIA INFERIOR CALA E CONCENTE!! Na verdade, a PRAXE são regras, protocolos! Como você pouco sabe sobre PRAXE, posso dizer-lhe que a PRAXE é para todos os estudantes, a praxe não era só para caloiros… as próprias protecções serviam para caloiros e doutores de hierarquia superior!! Porque antigamente meu caro havia regras de recolha!! um “PUTO” (pra quem não sabe é uma hierarquia de estudante) não podia estar por exemplo na rua a partir da 3h da manha! caso isso acontecesse levava nas unhas de uma trupe!! o caloiro nos anos 50 não podia andar depois da 21h na rua, se posse apanhado levava uma sanção de unhas (assim como alguém de hierarquia superior! caso ultrapassa-se o tempo permitido) o caloiro estava protegido se tivesse com algum familiar!! e essa protecção também era aplicada a um PUTO!!

          Até o DUX levava uma sanção de unhas caso tivesse passado a hora de recolha dele!! O DUX também não podia andar em determinados locais a determinadas horas!! E quanto mais alta era a hierarquia maior era a sanção de unhas!! Porque o exemplo vem de cima!!
          A praxe são REGRAS!
          Nem o DUX estava acima da PRAXE!! Ou seja a LEI ACADÉMICA!

          Você como defensor da PRAXE vá é estudar tradições académica!! Vai ver que a maior parte das coisas que são feitas hoje não passam de invenções que nada tem a ver com PRAXE! Parece mais inquisição medieval

      • Artur says:

        Ah estavas a referir-te ao erro…pois de facto colocar aonde em vez de onde é um erro gravíssimo, tão gravíssimo que eu duvido que seja erro. De qualquer maneira eu não critiquei ninguém pela educação nem publiquei um texto num blog, nem inventei palavras, e já que estamos nesta onda “E” não é com maiúscula.

        • Responde o analfabeto que começou uma frase com minúscula a criticar a escrita alheia. Entra a dar aulas de português, despeja o comunas, tenta escrever com outro pseudónimo para parecer que é duas pessoas, agora escreve á, e insiste. Há gente que não se enxerga.

          • Artur says:

            “Ó” João tu não tens o menor interesse em argumentar para que é que comentas? não tens mais que fazer? se queres insultar vai lá ter com gente da tua laia que eu já passei essa fase já passei dos 20. Eu não quis dar aulas de português a nenhum comentador só ao publicador do texto que critica o alarmante estado da educação e “inventa” palavras, agora tás armado em policia carraça, se tu tens argumentos expõe os argumentos se não tens ficas a falar sozinho porque nem te dou o privilégio de seres humilhado por mim em público.

          • Puto, tu aqui humilhaste-te a ti próprio. Não tentes agora dizer que argumentaste: chamar comunas a quase todos os que aqui comentaram não foi um argumento, mas apenas a constatação de que não tens nenhum. E agora vai-te praxar, mas não te esqueças de levar o fato de banho.

  45. Sergio Monteiro says:

    Neste pais só se pode ter uma opinião de sentido único caso contrário os pidescos caem logo em cima…

  46. Maria Fonseca says:

    Não sei qual é o horror… todos estamos a fazer o mesmo relativamente ao governo… aceitamos tudo, porque é assim e, como já se dizia antigamente somos um pais de brandos costumes.

  47. Artur says:

    E ao menos deram-se ao trabalho de ouvir o discurso todo da rapariga ou os iluminados do costume ficaram satisfeitos em ver os pedaços cirurgicamente retalhados pelo inspetor da PIDE? Lógico que ficaram satisfeitos eles só estão interessados em falar mal não em conhecer a verdade, assim foram educados.

  48. Mário da Silva says:

    O que nos devíamos perguntar é como é que os professores universitários desta gente chegaram a ser professores universitários?
    Se foram licenciados aos estilo Sócrates, Relvas e Durão Barroso, então está tudo perfeitamente explicado.

  49. Maria says:

    Gostaria de comentar o artigo supra citado referindo, antes de mais, que a educação e os valores deverão ser transmitidos em casa. O sistema escolar reforça os mesmos mas não consegue, nem tem o dever de substituir os pais.

    Em segundo lugar o discurso que a jovem apresenta, tão pouco coerente, com tantas lacunas e com um poder argumentativo está ao nível de um ensino básico. Atrevo-me a questionar como a mesma frequenta o ensino superior. Neste ponto acho que o sistema de ensino reflete a baixa exigência no percurso escolar ou o facilitismo com que por vezes se entra numa faculdade, uma vez que, como se sabe existem várias formas de o fazer e ter prioridade sobre outros.

    Efetivamente seria importante, não só para os professores, mas para diferentes carreiras profissionais a existência de um exame final a nível nacional que permitisse ver as discrepâncias entre as notas da licenciatura e as notas de exame.

  50. Arménio Sá says:

    Ninguém percebe!… essa criaturazinha que pensa que diz coisas importantes, por estudar numa universidade, tá a praxar as vossas inteligências, ela frequenta o curso superior da praxe… kkkkkk

  51. pedro says:

    Um mau exemplo é isso mesmo. Destacar maus exemplos para ter sempre razão não deixa de ser tão mau, senão pior…

  52. João says:

    Espero que o ficar calado ou “aceitar” não seja tambem evidente se alguma vez tiverem de “apenas cumprir ordens” porque no fim cada um tem de viver com o que fêz e faz. Ser-se uma pessoa “pequena” nunca foi crime, mas não pensar pela própria cabeça tambem nunca foi desculpa.

  53. é tarde demais para abortar isto 😐

  54. Sou professor e não me parece mesmo nada que seja eu ou os meus colegas quem proponha este tipo de “valores” aos estudantes, bem pelo contrário, a escola – a escola pública – trava uma luta inglória contra estes postulados que vêm de fora, da família, dos media, enfim, da sociedade merdosa em que vivemos.

  55. Esteves says:

    É o inconseguimento frustracional do soft power sagrado de certos carrascos…, tenho cá para mim.

  56. Paulo says:

    Cecilia, fala daquilo que realmente percebes: física quântica, a acidez da chuva, semântica comparada nos conflitos geracionais dentro das opções disponíveis no contexto imanente aos propósitos pressupostos. E se tiveres tempo podes ir ver se está a chover… Pintava a minha cara de merda se tivesse andado a esmifrar os meus pais para andar numa faculdade e dizer tanta coisa sem dizer nada.

  57. BURROS. como é que esta gaja…eu nem sei que dizer lol mas nao voto. nao voto simplesmente porque politica vai ser sempre a mesma MERDA e nós é que damos o poder a estes broncos. se querem mudança, temos de sair deste sistema monetário que nao está a resultar, nao é sustentavel – 1% do mundo é rico e mais de metade morrem à fome? precisamos de um sistema econónimo de recursos!!! como Jacque Fresco, desde 1992, cria o Projecto Vénus garante que temos todos os recursos tecnológicos para sermos sustentáveis de uma maneira inimaginável. só precisamos de consciência e ser inteligentes. pesquisem, vejam o zeitgeist – move forward! não se acomodem, espalhem a mensagem.

  58. O que faz a falta de sexo. Impressionante…
    Cara colega, um conselho: arranja um namorado ou à falta disso alguém que te coma. Digo-o por experiência própria como mulher que tal como tu também já fui virgem. Mesmo após ter tratado da questão da virgindade já passei alguns períodos de tempo sem sexo e sei o quanto isso nos altera.
    Força nisso e boa sorte.

  59. Essa senhora é tão retardada que nem devia sequer falar ou estar a estudar. Antigamente as mulheres apanhavam, não tinham direitos e os homens eram considerados superiores… então ela devia estar nesse tempo porque as mulheres aceitavam isso por ser uma hierarquia natural…

  60. Apenas+1opiniao says:

    É de loucos este discurso!!!! Fiquei perplexo!! Ri-me às gargalhadas que nem um perdido, e fiquei apreensivo.
    Ponto número 1
    Não sou professor, mas que culpa tem os professores, muitos deles apenas responsaveis por determinadas disciplinas e que estão no máximo duas horas por dia com alunos deste calibre. Alguns deles borrifando-se para a aula (s) em questão?
    Quando toda a importância e poder do professor e tirado por tudo e todos logo a partir do ensino primário (ex: o estado e o rebaixar da profissão, os pais que querem bater nos professores porque o seu menino malcriado levou um puxão de orelhas do professor)
    Ponto 2
    Culpa parcial do pais?!?
    Concordo, a base e os exemplos da família são primordiais no crescimento individual e futuramente colectivo de cada um de nós, os nossos filhos são um livro de páginas em branco em que a introdução é escrita pelos pais, logo uma boa introdução, bons exemplos, conselhos etc permitem um bom desenvolvimento da pessoa e quiçá uma conclusão feliz para todos.
    Fui estudante universitário, fui praxado durante duas semanas, no Porto, frequentei a latada, bares a noite, conheci pessoas. Algo que durante duas semanas o fiz e acabei por desistir porque tudo isso posso fazê-lo perfeitamente, sem dar importância a pessoas insignificantes, Duxes repetentes e sem objectivos escolares….(quanto maior o número de matrículas mais elevada é a tua hierarquia na associação acadêmica ou seja um estudante de com 10 matrículas no 1 ano está acima de um finalista de 5)
    Seus objectivos e foder as tontinhas bêbadas, que lhes arrumem as casas, façam os trabalhos etc.
    Indo agora de encontro ao discurso desta jovem…
    Começemos:
    – ” o conceito de praxe é muito relativo…. Mas só há um conceito…” Relativo implica várias visões opiniões de algo…. E se assim é como dizes tens de aceitar a opinião do outros mesmo que seja contra as praxes….
    – ” não é humilhação mas está presente…” Ou é ou não é… Um caloiro já o nome indica, as orelhas de burro, o nariz de porco, o estar de quatro indicam inferioridade, desigualdade, etc.
    O único sentimento que emerge daqui é humilhação… Pede aos praxistas para te ajudarem a procurar casa, a realizares trabalhos, etc
    Depois refere:
    – ” vamos se humilhados várias vezes na vida… Pelos pais, no emprego etc”
    Que eu saiba há momentos na vida em que os pais tem centrar os filhos num caminho mesmo que para estes aparentemente o caminho da direita ou da esquerda seja o melhor….
    Com esta capacidade argumentaria, com esta visão do outro, com esta noção da vida, das prioridades, do certo ou errado, não admira que futuramente sejas humilhada por qualquer futuro patrão…. Como estudante de direito, deverias saber mais do que ninguém que a liberdade, igualdade, fraternidade, foram valores que custaram a vida, a milhares de pessoas; valores estes que permitiram que estivesse hoje aqui esta menina moça de 19 anos a dar a a sua invalida opinião, e que serão os valores de luta que qualquer oprimido terá na sua vida para combater a repressão.
    Fiquei ainda atônito quando está se referiu as mortes de colegas e com o exemplo do homem aranha à qual esboçou um sorriso imagina-se….INACREDITÁVEL….
    Morrem pessoas todos os dias das mais variadas formas…. A humanidade tenta constantemente lutar contra este processo natural… Logo o argumento
    – ” morreram na consequência de uma onda….” … Não!!! Foi consequência da água, que foi trazida pela onda, e estes alunos estavam vendados amarrados por obra e graça do Espírito Santo……
    Pode -se fazer praxes sim dentro do recinto universitário, com regras previamente discutidas com a direcção do estabelecimento de forma haver culpados no caso da liberdade de uns teimarem em aniquilara a dos outros com prejuízo para quem quer que seja….
    Sim não sou contra a praxe porque não sou contra a liberdade individual de cada um, inclusive dos que querem ser praxados porque também os há… Mas há que assegurar a segurança de todos, o amor e sofrimento dos pais que muitas vezes desconhecem que o seus filhos em outras cidades passam por determinadas situações.
    E para terminar…
    ” fez-me ser mais homem o mulher”
    Ridículo!!!!! Não és homem nem mulher com essas experiências. Que são brincadeiras!!!! Muitas de mau gosto….
    O teu percurso ainda está a começar 19 anos não é nada, evoluir academicamente, profissionalmente, saber cuidar de uma casa,pagar uma casa, falta ter filhos, netos, assistir os pais doentes e velhos etc…. VOTAR….
    Na vida aprende-se continuamente até morrer…. A morte destes jovens foi algo que aconteceu, um episódio difícil de reflexão …. Convista a melhorar.

  61. CORVOS VIRÃO says:

    Odeio verdadeiramente essa desgraçada dessa miúda e toda a gente que concorda com ela em 1% que seja. Vocês são miseráveis. Aprender a subjugar-me, humilhar-me? Porque não ensinam as pessoas também a passar fome, a viver sem casa e sem roupa, sem medicamentos e educação… Aquilo a que chamas naturalmente de hierarquia é uma construção social para legitimar esse estado de subjugação, que faz com que as elites, as classes dominantes, continuem a sua dominação alegremente e a propagar o terror da máquina capitalista. É pena, normalmente são os que menos merecem que acabam por sofrer com as consequências destes mongolóide, cheios de diplomas mas sem o mínimo de consciência e inteligência. Não se preocupem se esta desgraçadinha for o futuro do País, ela só é o espelho da cultura em que foi criada, ou seja, já estamos a ser governados por imbecis. E ainda falam em crise económica, como se fosse possível o mercado crescer incessantemente….Poupem-me…. A única crise que aqui existe é de valores, de inteligência e de consciência política e social.
    Tu e os que assim pensam tornam este mundo inabitável para pessoas com o mínimo de sanidade mental e consciência social.

  62. Um excelente comentário…

  63. Pedro Filipe says:

    Já existem juízas mal formadas… não é novidade nenhuma. Isto é o espelho da sociedade portuguesa. Ninguém mude tudo, não…

  64. Manuel Joaquim Craveiro says:

    Caríssimos. Já repararam o que a opinião de uma jovem originou ?! Insultos, mau português, erros gravíssimos, intolerância, calúnias, faltas de respeito e por aí fora … ! Foi a opinião da menina, qual o problema ? Daqui a alguns anos, quando for mais madura, talvez consiga perceber que não foi bem aquilo que deveria ter dito. Ela própria o reconhecerá. Sei que andamos TODOS com os nervos à flor da pele, mas, por favor, moderem-se e tolerem-se. Abraço.

  65. confesso que a banheira me fez rir… 😀

Trackbacks

  1. […] Queima das Fitas, a encerrarem um ano lectivo onde já morreram uns tantos estudantes em praxes, ouvem-se estudantes a justificarem orgulhosamente um ritual humilhante e degradante como sendo uma boa preparação […]

  2. […] Depois disto, isto. Geração Desenrascada! […]

  3. […] Fujam, Fujam p’ra Longe – 32K+ visitas WordPress / 9K+ partilhas FB […]

  4. […] havia dúvidas? Desfile do Enterro da Gata em Braga, 17 de Maio de 2017. © FB Alex […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s