Um ladrão não deixa de ser ladrão porque em Portugal a justiça é lenta

Como a memória funciona por associação de ideias, anda muito boa gente a recordar-se  esta semana de dois fenómenos conhecidos: em Portugal a justiça é muito lenta e com figuras públicas endinheiradas prescreve, então no cada vez mais abafado caso BPN ela até parece uma equipa treinado pelo Jesus a partir da Páscoa; sabendo-se também como presidentes do Benfica são inimputáveis até passarem a  ex-presidentes.

Ora vejamos:

Na manhã de 30 de Março deste ano [2010], elementos da Polícia Judiciária e do Departamento Central de Investigação e Acção Penal fizeram buscas a duas casas do presidente do SL Benfica (uma situada em Oeiras, outra em Corroios) assim como à sede do grupo Inland/Promovalor, avança a revista Sábado.

Os investigadores realizaram também buscas no Estoril, onde está localizada a residência particular de Almerindo Duarte, sócio de Luís Filipe Vieira.

A operação judicial, coordenada pelo procurador Rosário Teixeira, insere-se em mais um dos processos que compõem a megainvestigação do caso BPN. (Fonte: Sapo Desporto)

ou disto:

Uma sociedade imobiliária detida pelo presidente do Benfica vendeu, em 2004, a participação na SLN, então dona do BPN, e lucrou um milhão. A conclusão está num relatório do Banco de Portugal.
O Banco de Portugal (BdP) chama-lhe “grupo Luís Filipe Vieira” e passou-o a pente fino na inspecção que fez ao BPN, entre Dezembro de 2004 e Março de 2005. E as conclusões mostram que o presidente do Benfica não só foi accionista da SLN como conseguiu mesmo fazer lucro com a venda das acções, em 2004.

O negócio foi feito pela Inland, sociedade imobiliária detida por Luís Filipe Vieira e a sua família. Em Março de 2004, a Inland vendeu 1,4% do capital da SLN, que tinha sido adquirido por perto de 8 milhões de euros. No relatório do BdP, o regulador conclui que “atendendo aos valores depositados na sua conta, a venda das acções gerou uma mais-valia de um milhão de euros”. (Fonte: Sapo Económico)

Eu recordaria também ao autor dos discursos que Luís Filipe Vieira tenta ler a sabedoria do velho aforismo: quem tem telhados de vidro arrisca sempre o ridículo quando atira pedras ao do vizinho.

Comments

  1. O relvas das selvas estava feliz nas selvas do relvas cunhas jámé says:

    Não deixamos de ser ladrões porque é a única profissão de livre acesso e com formação profissional gratuita.

  2. Tito Lívio Santos Mota says:

    o problema é que os dirigentes clubistas são todos mafiosos.
    Todos, todos, todos.
    Não porque se tornem mafiosos, mas porque para se dirigir um clube de futebol é condição ad-oc, ser-se mafioso.
    E não apenas na primeira liga…
    As máfias das apostas em linha interessam-se cada vez mais, e sobre tudo, aos pequenos e médios clubes das segundas ligas e das regionais.

    Este é apenas um cubo de gelo destacado do icebergue futebolístico.


  3. Com ha doc ou sine qua non a coisa é a mesma e o Zé vai pagando para tudo até para o futebol, pois é..!!!


  4. Parece lenta, porque é como o conceito de belo em Kant ou Baudrillard: depende do espetador. De qualquer maneira, algo muito pior que a lentidão é a sua falta de qualidade, por os seus “profissionais” serem simplesmente maus. good sunday

  5. Pirata Barnabé says:

    Já agora, o que é que isto tem a ver com bola ou com o contexto em questão?
    Ou será que a velha estratégia é aplicada por todo e qualquer jumento adepto daquele clube?

    Uma coisa é certa, já vi muitos a insurgirem-se contra as atitude de Carlos Lisboa, mas ainda não vi nenhum, repito nenhum, a condenar a violência a que todos assistimos.

    Andamos na era dos chicos espertos, e este jumento vai zurrando à vóz do dono e acreditando assim que está no direito de atirar pedras quando nem sequer pensa um pouco para verificar que aquilo que todos ouvimos e lemos foi ignorado à conta de convites para camarotes e por viagens para ver jogos lá fora.

    A sério, deixe de ser ridículo e dispa essa capa do virtuosismos que vocês tanto gostam de vestir. São batoteiros e no desporto um batoteito tem o seu lugar. E Já que esse lugar não é ocupado por motivos que todos conhecemos (sim, tem efectivamente a ver com o poder político) façam-nos o favor de se manterem calados.


  6. Vamos por partes: em minha casa, e você está na minha casa, não me manda calar. Eu percebo que algum chá em pequenino fez falta a muita gente mas não tenho que aturar disso.
    Em segundo lugar, o que é que isto tem a ver com a bola, pergunto eu. Que você seja adepto de um clube que foi presidido pelo Vale Azevedo e por este novo rico de fortuna no mínimo muito duvidosa, é problema seu, e se não tem vergonha na cara ao menos disfarce.
    Em terceiro lugar, a conversa da batota é desculpa de mau perdedor. Faz hoje 25 anos que o Porto fez batota contra o Bayern, não faz?

    • Amadeu Alves says:

      Você pela sua resposta que deu (João José Cardoso), vê-se logo o que pretende, especular, não vejo onde o negocio não possa ter sido legal, alem do mais como confirma a investigação, pelos vistos não deu em nada…quanto ao seu clube percebemos que é sempre melhor desviar atençoes sobre o que se passa em casa…novos ricos duvidosos… pergunte ao seu presidente como é possivel…um fulano que vem de falências atrás de falências…não procure esse caminho, porque o vosso tem sido um caminho percorrido no “Calor da Noite” durante 30 anos..-


  7. Queres ver agora ! q estes escribas daltonicos são tudo gente honesta .ou serão viscondes caloteiros ..
    mas e mais facil encontrar uma puta virgem no porto que um portista honesto ,
    o resto e porto e merda

  8. carolina says:

    UM PORCO NÃO DEIXA DE SER PORCO PORQUE VIVE A CUSTA DOS PORCOS …..
    , basta ver a banca das antas mais parece uma pocilga que propriamente um banco ..

    quanto ROUBOU o espregueira mendes em favor dos teus amiguinhos ,BCP financiou SAD do Porto Um negócio paralelo ao sistema bancário, onde se ofereciam juros altos, mas também empréstimos sem garantias ou contrapartidas. Terá sido assim no balcão das Antas do Banco Mello, entre 1998 e 2000, onde o economista Espregueira Mendes, administrador de uma empresa associada à SAD do FC Porto, era gerente. O Ministério Público descobriu uma volumosa fraude e o caso está agora em julgamento. Espregueira Mendes responde por burla qualificada no valor de dez milhões de euros, quantificado pelo banco como o total entre os juros não cobrados, os custos fiscais suportados para regularizar as aplicações ilicitamente constituídas e as perdas geradas pelo “crédito malparado”.

    O Ministério Público arrolou como testemunhas os clientes a quem foram prometidos juros altos a troco de depósitos à ordem, ficando de “fora”, os empresários com ligações ao FC Porto a quem foram concedidos empréstimos, “quase financiamentos”, a troco de cheques pré-datados. Na acusação pública, que o CM consultou, pode então ver-se que estaria em causa um esquema bastante elaborado. Enquanto gerente do balcão, que se destinava apenas a clientes VIP, Nuno Espregueira Mendes criou contas paralelas, onde os clientes tinham como domicílio o próprio banco, o que lhe permitia fazer aplicações em bolsa do dinheiro que não lhe pertencia. Ao mesmo tempo, concedia também empréstimos em condições que ele próprio definia e que escapavam em absoluto ao controlo bancário. Quando a situação foi descoberta, muitas das acções tinham valores inferiores aos inicialmente transaccionados, o que levou o banco a obter elevados prejuízos. Para além disso, o Banco Mello, agora BCP, foi obrigado a pagar aos clientes os juros que aqueles tinham contratualizado com Espregueira Mendes, mesmo tratando-se de valores mais elevados do que os habitualmente praticados pelo balcão. Ainda segundo o Ministério Público, para além dos clientes particulares foram também emprestadas elevadas verbas à SAD portista. Nos documentos consultados pelo CM há pelo menos referência a treze depósitos nas contas do clube. O valor total rondou os três milhões de euros e os depósitos foram feitos entre Agosto de 1998 e Dezembro de 1999. Recorde-se, ainda, que após uma auditoria, Espregueira Mendes, à data administrador da SAD do Porto, foi suspenso de funções. PERGUNTAS & RESPOSTAS – O que é que o arguido oferecia aos clientes em troca dos depósitos? – Segundo o Ministério Público, Nuno Espregueira Mendes oferecia juros mais elevados que a generalidade dos bancos. Os clientes eram empresários com alto poder de compra e a sua ligação ao FC Porto atraiu ao balcão diversos jogadores. Em troca, o banco pagava a alguns clientes juros ao mês, que podiam atingir os 10 por cento. – Onde era investido o dinheiro dos clientes? – A acusação refere que Nuno Espregueira Mendes abria contas paralelas sem o conhecimento dos clientes e fazia investimentos através de uma sociedade financeira de corretagem – Mello Valores. Negociava então títulos mobiliários no mercado de capitais, numa altura em que a bolsa estava numa fase de crescimento sem paralelo. Os lucros eram elevados. – A quem concedia empréstimos e quais as contrapartidas? – A investigação apurou que foram concedidos diversos empréstimos a empresários com ligações ao FC Porto. Os empréstimos eram feitos tendo apenas como garantia cheques pré-datados e não havia qualquer análise à capacidade de endividamento dos clientes. O banco alega que foi muito prejudicado nos juros não recebidos, para além dos créditos que não foram pagos. AUDITORES ANALISAM DOCUMENTOS Ontem, em mais uma sessão de julgamento, uma das 18 auditoras que passaram a pente fino as contas do balcão das Antas do Banco Mello, foi explicar ao tribunal os documentos que suportam as conclusões do Ministério Público. Por se tratar da análise detalhada de documentos, a audiência acabou por acontecer numa mesa redonda, onde os juízes, a procuradora e os advogados tentavam descodificar a documentação. Entretanto, o BCP, que se constituiu assistente no processo, fez também juntar ao processo novos documentos, que consistem nos extractos das contas reais tituladas pelos clientes com aplicações financeiras, bem como os extratos das contas paralelas, tituladas pelos mesmos clientes. Durante o dia e por diversas vezes, os juízes tentaram perceber como foi possível aos auditores estabelecerem a relação entre determinadas saídas de dinheiro e as entradas das mesmas quantias nas contas de Maria João Espregueira Mendes ou pessoas que lhe eram próximas. A auditora explicou que foi com recurso ao sistema informático que foi possível fazer a ligação das verbas, já que nem sempre as transferências eram feitas directamente, de forma a não deixar rasto. Na sessão de ontem, apenas foram analisados os depósitos feitos na conta da mulher do único arguido. Gil Moreira dos Santos, advogado de Espregueira Mendes, requereu também ao tribunal que lhe fosse concedido um prazo mínimo de dez dias, para poder analisar os sete volumes de documentos que o BCP acabara de juntar como prova. Aquele prazo foi-lhe concedido. EMPRÉSTIMOS VOLUMOSOS SEM JUROS JOAQUIM OLIVEIRA: 10,5 MILHÕES O patrão da Globalnotícias, um dos maiores impérios de comunicação social, fez três empréstimos, num total de 10,5 milhões de euros. O primeiro foi contraído em 1998. JOÃO ESPREGUEIRA MENDES: 300 MIL EUROS Irmão de Nuno Espregueira Mendes, João Espregueira Mendes viu ser depositado na sua conta uma verba de 300 mil euros. O depósito, que o MP apelida de financiamento, foi feito em Junho de 1998. A acusação sustenta que o banco não tinha qualquer garantia do pagamento por parte do cliente. ADELINO CALDEIRA: 2 MILHÕES Adelino Caldeira, administrador da SAD portista, fez dois empréstimos ao Banco Mello. No total foram depositados na sua conta cerca de dois milhões de euros. M. JOÃO ESPREGUEIRA MENDES: 7,5 MILHÕES Maria João Espregueira Mendes é casada com o administrador da Portocomercial, arguido no processo. Na sua conta foram feitos mais de duas dezenas de depósitos que ultrapassam os 7,5 milhões de euros. Cerca de um milhão terá passado pela sua conta, antes de entrar na de terceiros. ANTÓNIO OLIVEIRA: 1,5 MILHÕES António Oliveira, ex-treinador do Porto e um dos maiores accionistas da SAD, contraiu dois empréstimos com o Mello. As transferências totalizaram 1,5 milhões de euros. EMPRÉSTIMO EM TEMPOS DE EUFORIA Os anos de 1998 e 1999, quando Joaquim Oliveira conseguiu o empréstimo sem juros, foram de euforia na Bolsa e os investidores que aproveitaram os ciclos favoráveis conseguiram acumular fortunas em mais-valias. A valorização do principal índice em 1998 foi de 25%, mas a amplitude entre o ponto máximo e o mínimo chegou a 90,16%. Ao ficar isento do pagamento dos juros, Joaquim de Oliveira poupou muitos milhares de contos. Nesse ano, a taxa média praticada no crédito à habitação, mais favorável que a usada para aplicações de risco, era em média de 8,2% ao ano. Em 1999 os juros tiveram tendência de descida, mas mesmo que só tivesse de pagar 5% , os mais de dois milhões de contos exigiam um esforço de juros de pelo menos 100 mil contos. O investimento mais conhecido de Joaquim Oliveira na Bolsa é a PT Multimédia, a empresa que é sua parceira na Sportv. INTERVENIENTES RUI MOREIRA Rui Moreira, que é familiar de Espregueira Mendes, depositou no banco quase dois milhões e meio de euros. Interrogado, disse que não se lembrava. JAIME MAGALHÃES Jaime Magalhães, jogador do FC Porto até 1994, depositou 600 mil euros, a troco de 2600 euros de juros ao mês. “Depositei tudo o que tinha”, afirmou. ANTÓNIO FOLHA António Folha, que durante muitos anos representou o FC Porto (e que acabou a jogar no Penafiel), fez também avultados depósitos no Banco Mello.

    isto sim foi daqui que deu A VIDA AO TEU ORGULHO …

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.