A injustiça

Não reuniram “prova suficiente, suscetível de ser confirmada em sede de julgamento“. Como se sabe, com polvo e champô é mais fácil.

Logo no dia a seguir às eleições legislativas

Em 2015, logo no dia a seguir às eleições legislativas, o Estado vendeu o Banco Efisa, do universo BPN, à Pivot SGPS, aceitando a exigência de ficar com possíveis futuros encargos de dois processos judiciais então em curso.

Disseram-lhe para ele ir estudar e ele foi. Estudou um bom esquema. Ide ler o artigo da Visão mas atenção às dores de estômago. Ler aquilo resulta em valentes murros. 

Os livros que Cavaco deixou por escrever

Mais importantes para o público em geral do que a sonolência que se abatia sobre Cavaco quando conversava com Soares no Palácio de Belém ou a falta de cavaco passado a José Sócrates para revelar, sem escrúpulos, sem um único pingo de vergonha, sem perder aquele ar de presidente-de-facção-pai-do-passos, com uma ordinarice tamanha e com uma falta (até hoje, infelizmente) de sentido de Estado e de modo de estar na vida, conversas que jamais deveriam ser reveladas com o propósito expresso e declarado de ajustar contas com o primeiro-ministro com o qual nunca conseguiu trabalhar, foram os livros que Cavaco deixou por escrever.

[Read more…]

Miró por um canudo

 

Juan Miró, Logótipo do Turismo de Espanha

Juan Miró, Logótipo do Turismo de Espanha

 

O bilhete mais barato para ver “os Miró” custa 11 Euros.
Ao utente será inútil argumentar que pagou a colecção do seu próprio bolso, a peso de ouro.

Porque era governado por um bando de mentecaptos analfabetos

“Mas porquê?! Por que é que Portugal quereria deixar escapar esta colecção?”

A reeucaliptização da banca

reucaliptização

Existem enormes paralelismos entre um eucaliptal e a banca. Desde logo, ambos secam tudo à sua volta, a água no primeiro caso, o dinheiro dos portugueses no segundo. Registam o pico de ocorrências no calor da época veraneante de Agosto, como se constata com o incêndio do BES, a 3 de Agosto de 2014, e com as labaredas à vista na CGD, a 25 de Agosto de 2016. E é quando tudo arde, na floresta e na banca, que se ouve o chamamento pelo salvamento público e se descobrem miríades de peritos com diagnósticos e soluções que, quando apenas sobram cinzas, logo caem em esquecimento. É ainda neste período de desgraça que se constata que aqueles com a responsabilidade para prevenirem a catástrofe não o fizeram, apesar dos sucessivos sinais de perigo. 
[Read more…]

Começam hoje as alegações finais do caso BPN

quanto apostam que os criminosos laranjas se safam todos?

O crime compensa

PSD

Eram 10, agora já só são 6. Mais dia menos dia, estás cá fora como se nada tivesse acontecido. Valeu a pena Duarte, pena não teres tido igual sorte à dos teus amigos. É que estas coisas requerem engenho percebes?

 

Dilma tinha que nascer duas vezes para perceber tanto destes esquemas como Cavaco

CSDL

Anda por aí muito moralista de direita nacional indignado com o esquema engendrado por Dilma Roussef para proteger Lula da Silva da justiça brasileira. Questiono-me sobre onde estavam eles em 2008, quando o caso BPN rebentou e Dias Loureiro, antigo ministro de Cavaco Silva e referência de Pedro Passos Coelho, gozava da imunidade de conselheiro de Estado que o manteve protegido da investigação em curso durante mais de um ano. Apesar dos factos e do escândalo, Cavaco recusou-se a destituí-lo do cargo e deu ao seu amigo 15 meses para se preparar para o que aí vinha. Claro que, como estamos em Portugal, a culpa morreu solteira. Portanto se alguém achava que Dilma foi particularmente original com a nomeação de Lula da Silva para a sua Casa Civil, Cavaco está cá para provar à lusofonia que usar o poder para proteger amigos da justiça não é novidade nenhuma. Dilma tinha que nascer duas vezes para perceber tanto destes esquemas como Cavaco.

Banco Efisa, Miguel Relvas e os “nossos” 90 milhões de euros

MRDL

O JPFigueiredo deu ontem conta do assunto mas o negócio opaco da venda do Banco Efisa já vem de trás. No final de Julho passado, com a campanha para as Legislativas a ocupar todo o espaço mediático, o Diário Económico dava conta da venda do Banco Efisa à Pivot SGPS, mas pouco ou nada se falou sobre o tema. Os momentos pré-eleitorais são sempre ideais para abafar este tipo de esquemas.

Agora as novidades: em primeiro lugar, ficamos a saber que o Estado português injectou cerca de 90 milhões de euros num banco que vendeu por 38 milhões. Dinheiro para aumentar o salário mínimo tem o condão de chocar a nossa moralíssima direita mas quando chega a hora de despejar 90 milhões de euros num descendente do BPN não se passa nada. Em segundo lugar Miguel Relvas, sempre no sítio certo, à hora certa. O ex-ministro e homem forte de Pedro Passos Coelho integra a Pivot SGPS e, coincidência das coincidências, o governo do qual fez parte não só lhe vendeu o Efisa por meia dúzia de tostões como ainda lá injectou mais do dobro daquilo que recebeu por ele. Um caso em que, bem vistas as coisas, acabamos por pagar 52 milhões de euros à Pivot SGPS para ficar com o banco, livre de encargos adicionais. Como é belo o liberalismo privatizador da direita nacional.

Foto: António Cotrim/Lusa@Esquerda.net

O Pivot

miguel_relvas-_assuntos_parlamentares14823fe2_400x225

Passos Coelho vende BPN ao BIC por 40 M€. Estado aumenta o capital do Efisa, banco de investimento do universo SLN/BPN, em 90M€. Efisa é vendido por 38,5 M€ à Pivot SGPS, uma sociedade de capitais portugueses e angolanos da qual faz parte o ex-ministro do PSD Miguel Relvas.

Prepare a carteira senhor contribuinte: o buraco do BPN vai aumentar

BPN

De mansinho e sem se dar muito por ele, o buraco do BPN prepara-se para crescer 1320 milhões de euros, com o alto patrocínio do sempre prestável contribuinte português. Segundo o Diário de Notícias, se o Processo Especial de Revitalização (PER) do grupo Galilei não for aprovado pelos seus credores, onde se destaca a Parvalorem, veículo criado pelo Estado português para gerir os activos resultantes da privatização do BPN que detém 80% da dívida da sucessora da SLN, os cofres públicos encaixarão novas perdas, elevando a factura do banco do cavaquismo para um valor superior a 6300 milhões de euros. Resta saber se os milhões de euros em investimentos variados detidos pela Galilei, que tem Oliveira e Costa como segundo maior accionista e o grão-mestre do Grande Oriente Lusitano, Fernando Lima, como presidente, serão usados para abater parte da dívida ou se nos caberá a nós continuar a assumir a factura na sua totalidade. Preparem as carteiras, o assalto segue dentro de momentos.

Da intocável elite caloteira

BPN

Escreve Nicolau Santos, no Expresso Diário de 28 de Dezembro:

Perguntam os meus colegas: «Sabe quem é Emídio Catum? É um desses empresários da construção, que estava na lista de créditos do BES com empresas que entretanto faliram. Curiosamente, Catum estava também na lista dos maiores devedores ao BPN, com empresas de construção e imobiliário que também faliram». E como atuava Catum? «O padrão é o mesmo: empresas pedem crédito, não o pagam, vão à falência, têm administradores judiciais, não pagam nem têm mais ativos para pagar, o prejuízo fica no banco, o banco é intervencionado, o prejuízo passa para o Estado». Simples, não é, caro leitor?

A pergunta que se segue é: e o tal de Catum está preso? Não, claro que não. E assim, de Catum em Catum, ficámos nós que pagamos impostos com uma enorme dívida para pagar que um dia destes vai levar o Governo a aumentar de novo os impostos ou a cortar salários ou a baixar prestações sociais. Mas se fosse só o Catum… Infelizmente, não. Até as empresas de Luís Filipe Vieira deixaram uma dívida de 17 milhões do BPN à Parvalorem, do Estado, e tinham ainda por pagar 600 milhões de crédito do BES. O ex-líder da bancada parlamentar do PSD, Duarte Lima, deixou perdas tanto no Novo Banco como no BPN. Arlindo Carvalho, ex-ministro cavaquista, também está acusado por ilícitos relacionados com crédito concedido pelo BPN para compra de terrenos. E um dos homens fortes do cavaquismo, Dias Loureiro é arguido desde 2009 por compras de empresas em Porto Rico e Marrocos, suspeita de crimes fiscais e burlas. Mas seis anos depois, o Ministério Público ainda não acusou Dias Loureiro, nem o processo foi arquivado.

[Read more…]

PSD: o denominador comum da fraude bancária em Portugal

banksters

Existe uma relação de promiscuidade entre parte significativa da nata do PSD e a banca falida. Uma relação tão íntima que permite que alguns dos mais altos quadros do partido estejam em todos os actos de criminalidade legal que envolva bancos, paraísos fiscais e dinheiro dos contribuintes. Muito dinheiro dos contribuintes.

A regra é serem todos imunes à justiça. Como se esta não existisse. Por vezes, quando a ira temporária dos plebeus assume uma dimensão passível de incomodar de forma leve a elite que nos comanda, simulam-se processos que, no limite, levam a prisões domiciliárias temporárias de muito curto prazo. Anunciam-se comissões de inquérito inconsequentes. Permite-se que uns quantos comentadores trucidem uns quantos gangsters da alta finança na praça pública. Males menores. No final do dia, o pior que pode acontecer é ter que pagar uma fiança. Os bens, esses, há muito que foram passando para o nome da esposa, do marido, do filho ou do primo. Parece fácil e na verdade é mesmo. [Read more…]

O dinheiro não se evaporou

13 mil milhões estourados na banca não se hão-de ter sumido no nada. Onde estão? Ou melhor perguntando, o que está o MP a fazer para os encontrar?

O denominador comum

Bancos

Para sermos mais honestos que ele teríamos que nascer duas vezes. Isso e condecorar Alberto João Jardim no dia em que o país acordou em sobressalto com mais um assalto bancário ao bolso do contribuinte, cortesia do banco que financiou o regime que enterrou a Madeira em dívida, sob a batuta daquele a quem Cavaco entregou hoje uma comenda e apelidou de patriota.

Sempre que nos deparamos com estes actos de terrorismo financeiro, que pelas contas do Diário de Notícias já custou aos contribuintes cerca de 13 mil milhões de euros desde 2007 – 7,3% do PIB, quase um ano de colecta de IVA – surge o denominador comum: Cavaco Silva. Foram os seus rapazes que arruinaram o BPN, foram vários os financiamentos de campanha que lhe chegaram do BES, o tal banco no qual os portugueses podiam confiar, e agora sabemos também que foi cúmplice no encobrir de uma fraude com a chancela de altas individualidades do seu partido. Cavaco, sempre Cavaco. Será que ainda vamos a tempo de o ver assim?

Fotomontagem via Os Truques da Imprensa Portuguesa

Banif: o resgate que se segue

Uma pastilha elástica Happydent custa, no café da minha rua, 10 cêntimos. Com o mesmo valor, podia na Segunda-feira ter comprado 166 acções do Banif (0,0006€/unidade) e ainda levava para casa algumas fracções de cêntimo. A queda vertiginosa aconteceu no dia em que a TVI anunciou o encerramento do banco que durante anos financiou o megalómano regime jardinista.

O banco reagiu, desmentindo categoricamente qualquer possibilidade de perdas para depositantes e accionistas, com o CEO Jorge Tomé a vir a terreiro para informar as massas de que o banco se encontra numa situação de “liquidez confortável” (para mais tarde recordar), mas a verdade é que a desvalorização bolsista do Banif é um sinal preocupante que não surgiu agora. Se ontem podíamos adquirir 166 acções pelo preço de uma pastilha elástica, poucas semanas após as Legislativas já era possível trocar um café por 250 (0,0026€/unidade) acções do Banif. [Read more…]

Foi disto que nos livramos. Uma lista para a posteridade

XX GOV

Ainda o novo governo não tinha sido empossado e já alguns representantes da ala ressabiada à direita nas redes sociais disparavam contra os escolhidos por António Costa, essencialmente por existirem, e iniciavam um processo de difamação dos mesmos, ao bom velho estilo Maria Luz. Apeados do poder e privados do monopólio do tacho, elites, colaboracionistas e respectivo rebanho da ressabia estão e fúria e o espectáculo está a ser bonito de ser ver. É sempre interessante ver o que está por trás da máscara dos falsos democratas.

Os melhores argumentos até ao momento são que um é filho do Mário Soares, outro é advogado do Sócrates, uma não sabe escrever e um outro foi mesmo ministro do infame nº44.  [Read more…]

A aldeia BPN

Aldeia BPN

Onde a justiça fica sempre à porta.

via Os truques da imprensa portuguesa, uma página no Facebook que vale mesmo a pena visitar!

Estratégias para conseguir votar no PS:

dias_loureirp

pensar no Dias Loureiro.

Última hora: contas de 2012 foram aldrabadas

O governo deu indicações para esconder prejuízos do antigo BPN com o objectivo de não agravar as contas do défice de 2012.

É uma investigação da Antena 1. A empresa pública Parvalorem que ficou com os ativos tóxicos do banco ocultou uma parte das perdas registadas com o crédito mal parado a pedido da actual ministra das Finanças.

Enquanto Secretária do tesouro Maria Luís Albuquerque sabe que a Parvalorem ia ter perdas de 577 milhoes de euros em créditos em risco de incumprimento.
A atual ministra pede para mexer nas contas e exprimir as contas melhores possíveis.

Parvalorem faz uma operação contabilística e o impacto foi adiado para exercícios futuros.

Para responder positivamente a Parvalorem muda as contas auditadas

Uma fonte a que a Antena 1 teve acesso diz que: “foi uma martelada que demos nas contas as ordens vinham de cima, atuamos dentro da margem que tínhamos”. [Antena 1, Frederico Pinheiro, 29/9/2915]

Independentemente das intenções, e das boas está o inferno cheio, o governo teve uma intervenção directa para que as contas públicas não reflectissem a realidade.

Fica claro que é real a possibilidade do governo martelar as contas.

A questão que se coloca é em que outras contas públicas houve ordens de cima para as alterar ? Já sabemos das alterações quanto ao números do desemprego. E o que é que há quanto ao défice? E quanto à dívida pública? E quanto aos cofres cheios? E quanto às exportações? Se algo tão central no que foi a acção do governo houve martelanço, não há garantia de que o mesmo não tenha sido feito transversalmente em toda a governação.

Este caso indicia que, tal como nessa Grécia da qual somos diferentes, os problemas foram varridos para baixo do tapete.

Maria-Luís-Albuquerque-2

Passos Coelho indignado por provar o seu próprio veneno

Peter

Como Pedro, o apóstolo, Pedro, o abridor de portas, renegou hoje o seu amigo, companheiro, conselheiro e referência (espiritual?) Dias Loureiro. Para trás ficam os tempos em que o primeiro-ministro tecia rasgados elogios ao exigente, metódico, viajado – pelo menos no que a Cabo Verde diz respeito – e empresário exemplar que, coitado, tem sido vítima de uma cabala e arrastado injustamente para o caso BPN, cujas consequências, como sabemos, são responsabilidade da tralha socialista. Disse o abridor de portas:

Aqueles que nos criticam hoje foram os mesmos que nacionalizaram o BPN. Não me venham falar de Dias Loureiro, não fui eu neste Governo nem o dr. Paulo Portas que nacionalizámos o BPN e que tornámos os portugueses, todos eles, lesados do BPN.

[Read more…]

Tal como o BPN, também o BES foi nacionalizado

fundo de resolucao

Como já referiu o João Mendes, o fundo de resolução do NOVO BANCO contou com 4900 milhões de euros, dos quais 1000 milhões vieram da banca, CGD incluída, e 3900 milhões vieram directamente do Estado.

Isto é importante por dois motivos. Em primeiro lugar, ao contrário do que o governo PSD/CDS afirma, o BES foi nacionalizado. O processo apenas teve um nome diferente. E em segundo lugar, significa que os prejuízos não serão consequência de termos um banco público, tal como afirmou a ministra das finanças, mas sim do Estado ter entrado com a fatia de leão.

Vamos por partes. [Read more…]

Os estranhos negócios do Estado.

 

logonovobanco

Esta é a nossa triste sina. Foi o ruinoso negócio do Banco Português de Negócios. Foi a ruinosa venda da maioria do capital da TAP. Foi o mau negócio da concessão da Carris e do Metro de Lisboa. É o duvidoso processo de concessão do Metro do Porto e dos STCP. Agora estamos a caminhar a passos largos para um novo ruinoso negócio com a venda do Novo Banco.

logotipo_tap03-905x500

É assim tão difícil para os governantes perceberem que cada dia que passa as empresas de capitais públicos que estão em processos de concessão, privatização ou venda inevitavelmente acumulam prejuízos contínuos desvalorizando-se como flechas.

365-banca-bpn-6b54

Por isso, se é mesmo para privatizar, quanto mais rapidamente forem concretizados os negócios menores serão sempre os prejuízos para o Estado.

A quem interessa a desvalorização rápida destas empresas públicas ? Com toda a certeza que não é aos portugueses.

E quem vai pagar os prejuízos dos consecutivos negócios ruinosos feitos pelos nossos governantes?

Dias Loureiro precisa de atenção

Dias Loureiro

A meritocracia já viveu melhores dias neste país onde boys abanadores de bandeiras, mal preparados e incompetentes infestam a Administração Pública enquanto milhares de jovens altamente qualificados se vêm todos os dias obrigados a abandonar o país para conseguirem um emprego. Felizmente existem aqueles que resistem, gente exigente e metódica como Dias Loureiro, esse empresário bem sucedido a quem aparentemente apenas Pedro Passos Coelho reconhece valor.

A ingratidão dos povo português é imensa. Dias Loureiro era um dos homens fortes da maior fraude financeira da história do país e nem por isso recebe metade da atenção que aprendizes como José Sócrates recebem. Uma injustiça. Este Sócrates não se cansa de roubar todo o protagonismo para si. Mas não o deixemos levar novamente a melhor: nas Legislativas que se aproximam, vamos dar as mãos para impedir que Dias Loureiro caia no esquecimento. Se Sócrates que não vai a votos é tema, ele também merece a nossa atenção. Alguém lhe faça um hino por favor!

Erguer a cabeça e seguir em frente, por Cavaco Silva

Sócrates 4ever

Ao chegar a Lamego, supostamente pela estrada que comitiva presidencial percorreu na sua deslocação para as comemorações do 10 de Junho, Cavaco Silva deparou-se com o simpático cartaz que podem ver em cima, dos irredutíveis apoiantes desse estratega que é José Sócrates, que conseguiu recusar a prisão domiciliária antes mesmo do juiz Carlos Alexandre recusar a sugestão do Ministério Público para a conceder. O ex-primeiro-ministro continua assim atrás das grades do Estabelecimento Prisional de Évora, sem que se conheça qualquer acusação, enquanto o homem do dinheiro se encontra no conforto do lar. Ainda não foi este ano que Sócrates deixou de ser o único primeiro-ministro a não receber qualquer condecoração no 10 de Junho.

Na sessão solene de boas vindas da passada Terça-feira na Câmara Municipal de Lamego, Cavaco Silva chamou a atenção dos portugueses para a necessidade de “erguer a cabeça e de seguir em frente”, arte que o presidente tão bem domina. Quando no final de 2008 o governo do agora recluso José Sócrates anunciou a nacionalização do banco da rapaziada amiga, Cavaco já lá estava, de cabeça erguida e a seguir em frente quando se viu associado a vendas de acções e permutas de moradias no mínimo suspeitas que mereciam investigação policial. Durante algum tempo até foi mantendo alguns destes amigalhaços debaixo da sua asa. Com os holofotes quase todos em Oliveira e Costa, o empreendedor do século segundo Pedro Passos Coelho ainda se passeava pelo Conselho de Estado e alguns ex-quadros de topo da maior fraude bancária da história de Portugal surgiam na Comissão de Honra da sua recandidatura em 2011. Cavaco seguia em frente de cabeça erguida.

[Read more…]

Cavaco condecora Teixeira dos Santos

No 10 de Junho é assim: o regime condecora o regime e Cavaco bem pode agradecer a Teixeira dos Santos pelo resgate do banco trafulha dos seus amigos trafulhas.

Desvendado o mistério da “longevidade” de Dias Loureiro

DL

Creio ter desvendado o mistério da longevidade de Dias Loureiro. Não me refiro, claro, aos 63 anos bem vividos, parte deles a mamar na teta do Estado, outra parte no banco fraudulento do cavaquismo. Refiro-me a forma com vem fintando a “extinção”. Até porque trafulhas políticos é o que não falta neste país. Dias Loureiros são mais raros. E o segredo parece estar nos amigos e aconselhados. E nessa massa una que é o bloco central.

[Read more…]

A imunidade de Dias Loureiro

CA PPC

Imagem@Do Portugal Profundo

Segundo o DN, a Polícia Judiciária poderá ter sido impedida de investigar Dias Loureiro no âmbito do caso BPN onde é arguido, apesar do seu processo estar parado há já alguns anos, sendo que a antiga directora do DCIAP, Cândida Almeida, terá prometido em 2009 enviar o processo para a PJ, algo que até ao momento ainda não aconteceu.

O DN cita o Correio da Manhã para esclarecer que o motivo para o atraso na promessa de Cândida Almeida se prende com o pedido de reforço da equipa da PJ que investiga crimes económicos, que apesar de ter sido efectivamente reforçada, continua a receber apenas processos de outros arguidos, menos mediáticos e eventualmente menos poderosos também. O CM questionou a antiga chefe do DCIAP sobre o porquê desta aparente imunidade de Dias Loureiro mas Cândida Almeida terá afirmado não poder revelar o motivo pelo qual o processo do comparsa de Oliveira e Costa continua imune à investigação em torno da maior fraude financeira da história do país. Portanto a senhora até tem boa vontade e tal mas existe ali uma incógnita que a impediu de fazer este processo andar. Anda para outros mas Dias Loureiro está mais ocupado a espalhar charme em inaugurações de queijarias onde é elogiado pelo discípulo Pedro. Era o que mais faltava estar a perder tempo com tribunais, isso é coisa de plebe.

[Read more…]

Preocupação adicional para a época de cheias

Arquivo dos processos BPN, Operação Furacão e Operação Marquês armazenados numa garagem do piso -4 do DCIAP.