Vale tudo

É espantosa a bonomia com que se aceita que um “banco bom” dê, num ano, mil milhões de prejuízo.