Braga – Benfica: Quando ninguém tenta sequer disfarçar…


Os resultados são sempre os previstos…

A primeira medida de Mário Centeno como líder do Eurogrupo

Pedir 2 bilhetes a Nasser Al-Khelaïfi para o PSG – Dijon do dia 17 de Janeiro. Afinal, o homem vê futebol há 45 anos.

O PSD já retirou a confiança política a Sérgio Azevedo?

Sérgio Azevedo, o espião do Benfica na Assembleia da República.

O Braga – Benfica é já no Sábado

Porque o email e o telefone não são aconselháveis para estes assuntos e neste contexto, Luís Filipe Vieira decidiu tratar presencialmente «DO ASSUNTO» com o presidente do Braga.

Mário Centeno já se demitiu?

 

Ministro das Finanças pediu 2 bilhetes a Luís Filipe Vieira, para ver jogo «contra o Porto», apesar de aquele ser arguido do caso BPN por suspeita dos crimes de burla qualificada, de falsificação e branqueamento de capitais.
Recebimento indevido de vantagem dá prisão de 1 a 5 anos.
Dizem que Mário Centeno é o CR7 da política. Cá para mim, é mais o Fábio Veríssimo da política. Já se demitiu?

Os emails do Benfica e a Comunicação Social prostituída


Os últimos emails do Benfica que foram revelados mostram uma incrível promiscuidade entre o clube e a Comunicação Social. Nesses emails, podemos ver José Manuel Delgado, «jornalista» de «A Bola», a conspirar com Paulo Gonçalves contra o FC do Porto e a combinar notícias que serão publicadas nos dias seguintes. Outros «jornalistas», como Rui Pedro Braz, Nuno Farinha e tantos outros também aparecem nos emails a desempenhar exactamente o mesmo papel.
A Comunicação Social portuguesa, hoje como há muitos anos, não passa de uma prostituta ao serviço do Benfica.
Notícias sobre os emails? Zero! Zero!
Bem pode o Benfica processar todos aqueles que divulgarem os emails. Processem-me, caralho!
E bem podem clamar também pela protecção da intimidade – estamos a falar de crimes graves e isso sobrepõe-se a tudo o resto. Para quem estiver com ideias, visto que estamos a falar de padres, a confissão não entra na equação.
A quem elogiou Julian Assange, Edward Snowden e os autores dos Panama Papers, entre tantos outros, aconselho uma grande dose de coerência. É enternecedor falar sobre o conteúdo quando estão em causa os outros, mas pôr em causa a origem quando falam de nós.
Pudesse eu queixar-me à ERC!
Infelizmente, após o mandato do cangalheiro, que desempenhou a função com a eficácia própria do epíteto, a ERC está hoje entregue a uma Brigada do Reumático que, para além de ser benfiquista, percebe pouco do assunto.
Quanto ao FC do Porto, responde (em campo) da única forma que pode responder.

Padres pedidos: «Era o João Pinheiro por favor» (sim, «o João pode ser»)

Há umas semanas, Luís Filipe Vieira, coagindo os poderes instituídos (porque quem pode, pode), queixou-se de que o árbitro João Pinheiro nunca apitava o Benfica.
Hoje, Fontelas Gomes, o Presidente do Conselho de Arbitragem, fez-lhe a vontade. Foi o que se viu: 2 expulsões perdoadas a jogadores do Benfica por agressão, na primeira parte; golo do Benfica num fora-de-jogo igual ao do Benfica – Portimonense do «aguenta aguenta»; golo anulado ao Estoril por mão; penalty perdoado ao Benfica por mão de Luisão exactamente igual ao golo anulado ao Estoril  e ao do FC do Porto – Benfica.
Na BTV,  o antigo árbitro António Rola já disse: «É um árbitro promissor». Está tudo dito. João Pinheiro tem 29 anos, vão ser mais 16 disto.
E o VAR, esse ceguinho, não viu nada. Nunca vê nada. No campo, é um ser humano e o caralho, tem o direito de errar. Na televisão, é o quê? Neste caso, é Manuel Oliveira, aquele que na época passada não viu 3 penaltys a favor do FC do Porto contra o Setúbal. 7 jogos a apitar o Benfica, 6 vitórias e 1 empate, sendo que nesse empate marcou um penalty que salvou o Benfica da derrota (o resumo desse jogo é qualquer coisa) a 5 minutos do fim- aí, já viu. Também está tudo explicado.
Fontelas Gomes, o tal que ficou a saber nesta semana que o Benfica monitoriza as tatuagens da sua esposa, Dina Mimoso, deve estar a dar pulos de alegria. As suas nomeações continuam a dar os resultados pretendidos. Semana após semana.
Como dizia outro antigo árbitro, o Benfica vai ter os padres que escolheu e ordenou, nas missas que celebrou. E nem precisa de jogar bem.
Só mesmo neste charco putrefacto que se chama Portugal é que um árbitro apanhado a pedir favores ao Benfica pode apitar impunemente um jogo desse mesmo clube e passar o jogo a roubar a seu favor. É obra e mostra uma sensação de impunidade tal que, a sério!, ultrapassa a minha compreensão. Isso e um Presidente do Conselho de Arbitragem escolher para um clube o árbitro que o presidente desse clube escolheu publicamente. Sim, o João pode ser.
E para o Setúbal – FC do Porto de amanhã, sr. Fontelas Gomes, qual é o padre que nos está reservado?