Em 30 de Março de 2009, este era o filme mais visto

via https://playback.fm/birthday-movie

Em 30 de Março de 2009, este era o livro mais lido


via https://playback.fm/birthday-movie

Em 30 de Março de 2009, esta era a música mais ouvida

via https://playback.fm/birthday-song

Ontem tivemos Cidadania

Começou ontem a disciplina de Cidadania, com a sua aula semanal de 50 minutos.
Procedemos à eleição do delegado de turma, ou seja, o representante dos alunos. Seguindo o princípio do voto secreto, ganhou o aluno que teve mais votos. A maioria, princípio basilar do sistema democrático.
No final, fizemos uma acta com o resultado e as incidências da votação.
Confirma-se. A disciplina de Cidadania é nociva para a juventude e subverte o papel dos agentes. Então não deviam ser os pais a explicar o que é uma acta e para que serve?
Atenção, muita atenção, o amish de Famalicão is watching you.
Cidadania. O drama, o horror…

Pablo Escobar, Luís Filipe Vieira e António Costa

Durante anos, Pablo Escobar foi o dono da Colômbia, ao ponto de lhe ter passado pela cabeça, um dia, vir a ser presidente.
Conseguiu-o graças a uma rede de interesses e de influências que misturava a corrupção com o terror.
Tinha na mão alguns dos mais importantes políticos colombianos, elementos da Justiça e todos os altos quadros que de alguma forma lhe garantissem uma posição privilegiada perante o Estado e as instituições.
Escobar sentia-se superior ao próprio Estado, que de resto abominava. Durante anos e anos, riu-se das leis e da Justiça. Estava protegido pela lei do dinheiro.
[Read more…]

Ninguém pode negar coerência a André Ventura

O amish de Famalicão marcha para Lisboa

Há um amish em Famalicão que, enquanto encarregado de educação, tomou uma decisão radical: não deixar os seus educandos frequentar uma disciplina OBRIGATÓRIA do ensino básico.
Acho muito bem. Tão bem que decidi seguir-lhe o exemplo. Há uns dias, apanhei uma multa por circular a 130 km/hora na auto-estrada. Não vou pagar a multa. Porque acho que 130 km/hora numa auto-estrada é perfeitamente razoável. E tal como no caso do amish de Famalicão, sou eu que faço a lei e cumpro-a se quiser.
Inicialmente, não percebi o que o incomodava na disciplina de Educação para a Cidadania: É a igualdade de género? É a interculturalidade? É a sexualidade? É a participação democrática? É o bem-estar animal e o ambiente?
Acabei por perceber quando li sobre o assunto. Afinal, este católico radical, membro da Associação Portugueses das Famílias Numerosas, já em 2009 andava a lutar contra a educação sexual nas escolas; pouco depois, andou a recolher asinaturas contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo; tem como advogado João Pacheco de Amorim, do Partido Pró-Vida (hoje integrado no Chega), cabeça de lista do Chega nas Legislativas e irmão de Diogo Pacheco de Amorim, ideólogo desse mesmo Chega; esteve recentemente a manifestar-se na Assembleia da República contra um eventual referendo à morte medicamente assistida; faz parte da Plataforma Resistência Nacional (o nome diz tudo). [Read more…]

Ao meu aluno que passou hoje

Meu querido aluno,
Sei bem o que representa o ensino básico, objectivos gerais e não sei quê, mas queria dizer-te isto porque acho que há limites…
País e professores passam o ano inteiro a dizer-te, a ti que frequentas o ensino básico, que deves estudar muito se queres passar. Se não estudares, reprovas.
Olha que não é verdade. Em termos de avaliação, todo o ano lectivo é a maior mise-en-scéne que algum dia conhecerás.
Fica a saber que, estudes muito, pouco ou nada, o resultado será o mesmo. Mais uns níveis 4 ou 5, talvez, mas se te contentares com um 3, basta fazeres figura de corpo presente. Ou nem isso…
Não é o que te dizem, claro. “Estuda, vais ter negativa. Vais reprovar”.
Tretas. Os teus pais sabem que não é verdade. A menos que sejam burros.
Sabes, querido aluno, em algumas escolas os professores têm de fazer uma justificaçāo oficial quando dão menos de 96% de positivas. Numa turma de 20 alunos… é fazer as contas. [Read more…]

Os ratos são os primeiros a abandonar o barco

Mário Centeno sai do Governo.

Eleições no FC Porto: O meu apoio a Nuno Lobo

Durante a campanha eleitoral que agora termina, Jorge Nuno Pinto da Costa fez-se de morto. É um papel que ele tem desempenhado na perfeição nos últimos 12 anos, com excelentes resultados para si próprio, embora não tão bons para o clube que lhe paga principescamente.
Um título nos últimos 7 anos…
Nada que impeça, no entanto, uma vitória confortável e mais 4 anos de mandato. Até aos 87 anos.
Para a generalidade dos portistas, o seu crédito é ilimitado. Ninguém percebeu que a célebre frase “largos dias têm 100 anos” não era uma figura de estilo. Tinha um sentido literal. 100 anos mesmo.
O que os seus apoiantes também não perceberam é que falar dele sempre no passado é muito mau para o que ele é hoje em dia: passado. Sem rasgo, sem visão, sem energia.
De que precisava o FC Porto? Precisava de um Pinto da Costa. Mas esse já morreu há muito e não volta mais.
E como quem de direito não teve tomates para se apresentar contra ele e será conivente com mais 4 anos de agonia, resta-me agradecer e apoiar quem os teve.
Neste caso, apoio Nuno Lobo, cujo portismo, conhecimentos de futebol e experiência de gestão são inquestionáveis.
Para além disso, mesmo que ele não o saiba, une-me a ele um passado em comum na mítica claque dos Dragões Azuis. Na altura em que, juntos, há mais de 30 anos, corríamos o país de lés a lés a gritar “Pinto da Costa allez allez”.

O sonho molhado dos liberais portugueses


Despedir 400 pessoas (maioritariamente pretos e mulheres) de uma só vez, em videochamada sem direito a perguntas, com recurso a uma gravação robotizada e a um botão que desligue de imediato o trabalhador.
Digam lá que não é o sonho molhado de qualquer liberal português…

Grândola

Isto é normal?


O programa da tarde da RTP, agora mesmo, a transmitir em directo de um Lar, com os idosos todos amontoados.

Ascenso Simões no Twitter

 

 

 

 

 

Ontem, no Twitter, o deputado do PS Ascenso Simões insultou todos os que lhe apareceram pela frente a propósito de uma publicação sobre a Iniciativa Liberal.

A violência da linguagem utilizada, sobretudo contra mulheres, provocou uma censura generalizada. Afinal, trata-se de um representante da Nação com responsabilidades enquanto tal.
Mas a agressividade de Ascenso Simões no Twitter não é de hoje. Ora vejamos:

 

 

 

 

A mesma conta, a mesma linguagem desabrida a chamar a atenção da Comunicação Social e até do Polígrafo.
Ontem, depois da polémica, o deputado do PS veio dizer que aquela era uma conta falsa, que não era sua, etc, etc. Eliminou a conta anterior, criou uma nova e, sem explicar por que nunca denunciou uma conta que era falsa, terminou com uma pergunta:

Quem tem estado atento às intervenções de Ascenso Simões nos últimos anos sabe bem qual é a resposta.

Oferecemos viseiras de protecção a profissionais de saúde e lares

Marcelo Rebelo de Sousa, o desertor

Qual é mesmo a pena por deserçāo?

Este Presidente da República não serve para nada

Ao contrário do habitual, a generalidade da classe política esteve bem, incluindo os partidos e o Governo, que decidiu o que tinha de decidir com maiores ou menores hesitações.
Mas no auge de uma crise social gravíssima como a que estamos a viver, onde se meteu o presidente da República?
Em casa. Fez o teste e, mesmo dando negativo, desapareceu de cena durante 15 dias. Escondendo-se do vírus. Ficando à espera que a pandemia termine. Confirmando que os ratos são sempre os primeiros a abandonar o navio.
Para andar pelo país fora a dar beijinhos; ou a atribuir mais de 300 condecorações em 4 anos; ou a telefonar à Cristina Ferreira, ao Manuel Luís Goucha ou a Araújo Pereira, não é preciso um presidente da República.
O que é preciso é um chefe de Estado que dê a cara e que se chegue à frente nos momentos da verdade. Não o fazendo, não serve rigorosamente para nada.

As pessoas deixaram de ir ao médico?


Centro de Saúde de Rio Tinto, hoje, numa sala que costuma estar a abarrotar.

Fechar ou não as escolas

O Conselho Nacional de Saúde Pública diz que fechar escolas só com a autorização das autoridades de saúde.
A Direcção-Geral de Saúde concorda com o parecer do Conselho Nacional de Saúde Pública.
O Governo fará o que o Conselho Nacional de Saúde Pública decidiu. Mas este Conselho não decidiu nada – só remeteu para a Direcção-Geral da Saúde. Que concordou. Mas concordou com o quê?
Fui só eu que não percebi nada?

E o Proença de Carvalho, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o Ricardo Costa, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o Luís Filipe Vieira, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o Luís Meneses Leitão, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

Operação Fora-de-Jogo: Vamos ao VAR

 

 

 

 

 

 

 

 

O Fisco não detectou na altura devida, mas agora chegou o VAR e vai descobrir tudo!
Ou não… Tal como no futebol em que o VAR nunca vê nada, este VAR da PGR é palha para burros. Não vai acontecer nada a ninguém. Talvez rectifiquem uma ou outra declaração ao Fisco, não mais do que isso.
Buscas com 18 magistrados e 101 inspectores tributários? Depois de se saber ao tempo que estas investigações estavam a decorrer? Depois de na véspera se ter mencionado no Facebook o que estava a ser preparado para o dia seguinte? Acham mesmo que vão encontrar alguma coisa?
Alguém acredita que um dia a Justiça terá coragem de tocar em Jorge Mendes? Caía ele, caía todo o futebol português e grande parte do futebol mundial.
Não, não vai acontecer. Daí que esta palhaçada de juízes, magistrados, inspectores e polícias todos juntos (cuidado com os ajuntamentos!) seja apenas para inglês ver. Que é como quem diz: Criticam-nos por manter preso o Rui Pinto e não investigar os verdadeiros criminosos, por isso vamos usar as informações dele para fingir que investigamos os outros e, no fim, só ele é que fica preso.
Maquiavélicos. Estes tipos são maquiavélicos!

E o Pedro Tadeu, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o António Lobo Xavier, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o José Miguel Júdice, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

E o André Ventura, não assina?

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

Pelo fim da prisão preventiva de Rui Pinto

Foto AFP/Getty Images


Rui Pinto foi detido em Budapeste a 16 de Janeiro de 2019 e encontra-se preso preventivamente em Portugal há cerca de um ano. A aplicação da prisão preventiva – com períodos de isolamento absoluto – a um cidadão português, quatro anos depois da alegada prática de um crime de extorsão na forma tentada, é inédita em Portugal e não pode deixar de ser vista como uma punição antecipada de Rui Pinto enquanto aguarda julgamento.
O facto de Rui Pinto estar na origem de revelações de inequívoco interesse público que deram origem a investigações jornalísticas conduzidas por consórcios internacionais, como o Football Leaks e o Luanda Leaks,justifica amplamente que as autoridades portuguesas, tal como já o fizeram as autoridades de outros países, reconheçam a importância da informação por si trazida a público e procurem a colaboração de Rui Pinto, assim demonstrando que Portugal está verdadeiramente empenhado em combater a corrupção, o branqueamento de capitais e outros ilícitos criminais.
A prisão de Rui Pinto é tanto mais chocante porquanto contrasta com a liberdade e impunidade de quem pratica crimes com a gravidade dos denunciados pelo mesmo. Rui Pinto deverá, naturalmente, responder pelos crimes que tenha cometido, mas os signatários entendem dever manifestar publicamente a sua discordância com a sua prolongada prisão preventiva, instando as autoridades judiciárias portuguesas a pôr termo a tal situação.

5 de Março de 2019 [Read more…]

Pelo adiamento das eleições para a Direcção do FC Porto

As eleições para a Direcção do FC Porto estão marcadas para o dia 18 de Abril. Precisamente nesse fim-de-semana, o FC Porto desloca-se a Paços de Ferreira e o Benfica à Madeira. Faltarão então 5 jornadas para o fim do Campeonato.
A questão nunca se pôs nos últimos 38 anos por razões óbvias, mas nesta época – e doravante – deixa de fazer sentido realizar eleições na fase mais crucial. Temos um título para ganhar, nunca sonhámos estar tão perto e todos somos poucos para chegar lá.
Não interessa aqui em quem votará cada um de nós (a minha opinião é conhecida).
Jorge Nuno Pinto da Costa ganhará seja contra quem for e seja qual for o resultado do Campeonato, por isso a questão é outra.
O que interessa aqui é não criar ruído à volta da equipa de futebol. Nesta época, por maioria de razão, mas também nas que se seguirão.
Deixem-nos ser campeões e depois façam as eleições. No fim de Maio. No início de Junho. Mas sempre depois dos Aliados.