Jardim vale o triplo do Tribunal Constitucional

O acórdão do Tribunal Constitucional valeu um aumento da despesa pública de 1.300 milhões de euros – resta saber se, em vez de aumento da despesa, não deverá considerar-se diminuição de cobrança de impostos.

A maior parte dos juízes ainda foram benevolentes com o governo, ao considerar a constitucionalidade da ‘CES – Contribuição Extraordinária de Solidariedade’. Juízes vencidos, cinco ao todo, consideraram que a medida estava ferida de ilegalidade constitucional.

Se medidos em relação aos desvarios do meteorologista Gaspar em termos de execução orçamental e de agravamento das contas públicas, os tão propalados 1.300 milhões é valor de pouca monta.

Por outro lado, se acrescentarmos aos citados desvarios a ilegalidade do governo do boçal Alberto João Jardim, avaliada pelo Tribunal de Contas em 3,85 mil milhões de euros de dívidas da RAM, os governantes ilhéus triplicaram praticamente o valor do TC.

A lamúria ininterrupta de Passos, Gaspar e Portas acerca do acórdão do TC não passa de mero instrumento de manipulação da opinião pública. É, de facto, de enorme falta de decoro enfatizar o penoso dever de pagar subsídios de 1,3 mil milhões e omitir as trapalhadas do grosseiro Jardim que lesou o governo central em 3,85 mil milhões de euros.