Engraxadores do Porto


Foto: Maria Monteiro
(Texto de Marcos Cruz)

Não vão muitos anos, a Praça da Liberdade no Porto exibia um brilho próprio, único, e não era apenas o dos sapatos de quem não prescindia da sua engraxadela. Era o que lhe emprestavam os próprios engraxadores, tripeiros retintos, línguas soltas, peças típicas de um ‘puzzle’ hoje a desfazer-se

“Estado civil: mouro!”, antecipou, em passo apressado, um habitué da Praça da Liberdade, quando José Almeida, engraxador surdo-mudo, mostrava à reportagem do DN o seu bilhete de identidade, substituto possível da voz sumida. Em breve, não será a única. O barulho das escovas, dos panos e, sobretudo, das apimentadas cavaqueiras dos abrilhantadores de sapatos, autênticas bandeiras do mais retinto espírito tripeiro, corre sério risco – não de ir para o olho da rua, que aí já ele está há alguns anos – de desaparecer de uma vez por todas do quotidiano público do Porto. [Read more…]