O terceiro quadro de 2010

 

(adão cruz)

Não há um verdadeiro realista, a não ser que não consiga, minimamente, manifestar a sua própria existência, assim como não há um verdadeiro abstraccionista capaz de unir o absoluto ao absurdo.