A vitória da tronchuda

Tronchuda

Há dias ouvia um Ancião, bem curtido pelas vicissitudes do tempo, apontar uma única crítica a Oliveira Salazar. A de não ter posto termo à injustiça que existia na relação entre o caseiro e o patrão (o proprietário). O caseiro trabalhava as terras que não eram suas e, do que colhia, entregava a maior parte ao patrão. Era frequente ter que comprar pão para lhe dar. Para si e para a sua família ficava, a maior parte das vezes, a fome e a miséria, num tempo em que se chamava “vitela” às tronchudas (couves).

[Read more…]

A parábola da Força

Bruno Santos
Ancião

© Bruno Santos

“Se dois fizerem as pazes entre si,
nesta mesma casa,
dirão à montanha:
afasta-te;
e ela afastar-se-á.”
O Evangelho segundo Tomé

As montanhas da Senhora das Três Graças, quando estão juntas, têm mais de trezentos quilómetros de periferia e dois mil metros de altitude. Diz-se, mas só o Grande Arquitecto o sabe com firmeza justa, que são como três grandes galos na cabeça da Terra, e que hão-de cantar por sete dias assim que o Filho do Homem regressar a casa, pela Aurora. Diz-se também, mas disto há muitos mortais que duvidam, que esses galos cresceram depois de o Altíssimo, sagrado seja o seu Nome, ter atirado dos céus três grandes pedregulhos de granito, quando ainda nos tempos da Lemúria andava à caça do Gambozino Montanhês.

A norte dessas grandes montanhas viveu em tempos um ancião de noventa anos, Assano Sabato de sua graça, a quem chamavam o Velho da Montanha. Era um homem muito pequeno, mas muito forte e determinado, que granjeara pelas serras fama de teimoso e pertinaz que fizera grandes amizades entre as plantas e os animais bravos. Como habitava uma velha casa sobranceira aos três montes, de cada vez que precisava de se deslocar a qualquer lado tinha que os contornar e dar uma imensa volta, o que deixava exaustas as suas duas pernas já muito antigas.

O tempo, imparável que se tornou já desde que inventado pelos homens, foi passando pelo velho e pelas montanhas, aparentemente mais por ele do que por elas, e o sacrifício de as contornar foi sendo cada vez mais pesado e mais penosa a deslocação a qualquer lugar. Eram quilómetros infindáveis por um carreiro estreito e pedregoso, riscado no chão do monte pelos passos do homem, que semana após semana, mês após mês, ano após ano, traçava a mesma linha de ida e volta e escavava na terra dura uma longuíssima sepultura de cansaço.

Um dia, decidido a mudar o que parecia um destino traçado pelas estrelas, lugar onde, dizem, vive ainda o Altíssimo, santo seja o seu Nome, o velho reuniu a sua família para que, em conjunto, reflectissem sobre tão grave assunto: [Read more…]

%d bloggers like this: