O louco da vila

O louco da vila, todas têm o seu, pediu que lhe tirássemos uma foto, e pôs-se muito sério, em pose de retrato. Quis vê-la e aprovou-a com um aceno de cabeça. Depois disso, começou a acompanhar-nos pelas ruas. Apontou a igreja, a torre sineira, o velho edifício da câmara, e fez-nos sinal para que os fotografássemos. Caminhava com passos largos, as mãos atrás das costas, o rosto fechado, uma preocupação muito sua, impartilhável. Mantinha-se a uma distância cautelosa de nós, não porque nos temesse mas porque não lhe apetecia entrar em confidências. [Read more…]