Homenagem a Nuno Alpiarça

[Carlos Lopes]

Os que me conhecem melhor, sabem que não sou um adepto das redes sociais, mas hoje sinto que preciso escrever, sinto que quero partilhar com todos os que lerem estas linhas a minha sincera e sofrida homenagem ao Nuno Alpiarça.

Ao meu Amigo Nuno,
Conhecemo-nos no já longínquo ano de 1993, numa altura em que eu já treinava e competia mas em que não tinha um atleta-guia que pudesse verdadeiramente acompanhar-me nos treinos mais exigentes e nas competições.
Sem nunca teres lidado de perto com uma pessoa com deficiência visual, foste, desde sempre, empático, disponível, atento e solidário. Nunca deixaste que o facto de eu não ver fosse sinónimo de uma outra qualquer incapacidade, valorizaste sempre e sentiste orgulho pelos meus feitos, estiveste ao meu lado quando necessitava de um apoio ou de uma solução alternativa para realizar uma dada tarefa ou para ultrapassar determinado obstáculo.
Nunca te atrapalhou a minha deficiência visual, aceitaste-a com naturalidade, sem preconceitos e de mente e coração abertos. Recordas-te das pessoas que ficavam a olhar para nós porque caminhávamos lado a lado na rua e tu, muitas vezes, com a mão no meu braço, sem que as pessoas percebessem que eu era cego? Riamos e seguíamos em frente!
Recordas-te daquelas noites, em Paris, num bairro sem trânsito, em que tu e eu andámos de bicicleta, não numa bicicleta tandem, mas tu numa bicicleta e eu em outra! Falavas, tocavas a campainha e eu, pelo som, lá ia seguindo a trás de ti! [Read more…]