Vai, corre, não olhes para trás

Enquanto tentava acompanhar a conversa à minha mesa de café, o que se contava na mesa do lado interessava-me cada vez mais. Com inclassificável falta de vergonha, fui-me inclinando para o lado para apanhar o que podia.

– A funcionária da repartição … quarenta e pico… filhos na universidade… deixou tudo… fugiu para parte incerta… com um músico de rua… mais novo do que ela.

Oh, a emoção da vida dos outros, quão palpitantes podem ser as desventuras dos anónimos da mesa do lado.

Distraio-me por completo da conversa à minha mesa e sigo, com o coração aos pulos, a aventura da mulher de meia-idade, funcionária entediada de uma repartição, que mandou tudo às urtigas e fugiu com o baladeiro. Imagino as noites de insónia, as incertezas, e depois a mala feita à pressa, a carta aos filhos, o comboio apanhado de manhã cedo, à hora a que a devia estar a sair para o serviço. As mãos dela à volta da cintura dele, a guitarra ao ombro. E quando dou por mim, estou capaz de levantar-me da mesa e gritar-lhe: “Vai, não olhes para trás, corre!” [Read more…]