Jesus?!

Eu tenho Deus!

Memória descritiva: a Cartilha Maternal

Aprendi a ler com quatro anos. A minha mãe encarregou-se de me resolver esse problema, utilizando um método que, na altura já tinha muitas dezenas de anos, mas então (como agora) continua a funcionar – o método de João de Deus e da sua «Cartilha Maternal». Dizia ela, que aprendera a ler vinte anos antes pela «Cartilha», que não havia melhor sistema. Não sei se havia ou não, mas os meus dois filhos frequentaram desde os três anos um Jardim-Escola João de Deus e aprenderam a ler, também muito cedo, pelo mesmo método pelo qual a minha mãe e eu aprendêramos.

A «Cartilha», segue um processo semelhante ao que, 25 anos antes, outro poeta, António Feliciano de Castilho lançara. Além das aquisições do «método Castilho», integrava outras experiências, tais como os trabalhos dos pedagogos Johann Heinrich Pestalozzi e Friedrich Wilhelm August Fröbel. Na versão de João de Deus, o método é mais abrangente, pois, ao contrário daqueles especificamente direccionados para o ensino de crianças, provou-se ser eficaz para todas as idades. João de Deus complementou o seu método publicando uma tradução adaptada da obra de Theodore-Henri Barraus, «Des devoirs des enfants envers leurs parents». Uma série de instruções práticas para os professores poderem tirar o máximo proveito do novo sistema pedagógico, foi também publicada pelo autor de «Campo de Flores». [Read more…]