Pós troika, vida velha…

«Há, na parte mais ocidental da Ibéria, um povo muito estranho: não se governa nem se deixa governar!»

-Em vésperas da saída da troika, Portugal prepara o regresso aos velhos e maus hábitos, sinal que nada mudou, apenas as circunstâncias obrigaram os poíticos a tomar medidas. O PSD, pensando já em eleições, admite voltar a abrir a torneira a Alberto João. Por sua vez o PS não deixa margem para dúvidas, entre reduzir despesa ou aumentar impostos opta pela última. Não surpreendem.

8 comentários em “Pós troika, vida velha…”

    1. Certo!

      “Há, na parte mais ocidental da Ibéria, um povo muito estranho: não se governa nem se deixa governar!”

      Esta frase não passa de repressão psicológica a juntar a tantas outras ditas frases verdadeiras!

      Se há coisa que a maioria da população tem feito é se deixar governar, ao ponto de permitir esse grande crime que é o BPN passar sem consequências negativas para os seus intervenientes!

  1. Como se houvesse diferença económica entre aumentar impostos ou reduzir a despesa, neste momento são os dois suicídio.

  2. Não há qualquer saída da troika, a austeridade vai continuar.
    A troika entrou em todas as economias ditas industrializadas a partir do momento que a banca privada quase colapsou em 2007/ 2008, estando agora a ser sustentada pela massiva transferência de riqueza da classe média e os abaixo dela para a über-classe.

    A soberania não vai voltar, ela já não existia quando a grande encenação nacional-internacional chamada “Troika” começou.

    Não há recuperação económica, há uma acomodação da população ao novo normal, ou seja, desemprego estrutural, desvalorização do valor do trabalho, resgates à banca permanentes, serviços públicos tendencialmente maus, destruição do mercado interno a favor de um modelo de exportações baseado em mão-de-obra barata tendencialmente escrava (há ofertas de “emprego” sem nada em troca a não ser experiência…).

    A austeridade é um colossal embuste que estava fadado a um colossal falhanço, é um esquema da aristocracia financeira de forma a roubar todos os que não fazem parte dela.

    Não!
    Portugal não é um “caso de sucesso”, é um caso feudalização crescente!
    A Irlanda não é um “caso de sucesso” é uma economia arrasada por enorme corrupção financeira com a cumplicidade dos políticos que estão e estavam no poleiro!
    A Espanha, com 26% de desemprego, não é um caso de sucesso é uma tragédia! Espanha enfrenta a sua grande depressão com números que ultrapassam a grande depressão 1929, embora, o tecnocrata Olli Rehn afirma que é mais um “caso de sucesso” a juntar aos outros “casos de sucesso”!
    A Grécia é um caso de sucesso tão grande que até já tem nazis no parlamento!

    Considero esta discussão do PSD vs PS uma completa perda de tempo, ambos são fantoches da actual elite degenerada financeira, não passa de oposição controlada, ambos nunca empreenderão reformas verdadeiramente estruturais, e sim caro António de Almeida, isto significa também REDISTRIBUIÇÃO DA RIQUEZA (que foi concentrada ilegitimamente) pois ela está a ficar de tal forma concertada que ameaça a própria paz social! Não é nenhuma utopia de esquerda, é apenas uma consequência que tem que acontecer de vez em quando de forma a varrer os sociopatas do poder, e reaver algum equilíbrio de forma a que a espécie humana continue a existir!

    1. Antes fosse para manter as pessoas pobres, mas a troika vai continuar para empobrecer muito mais ainda, pelo menos enquanto a democracia aguentar.
      De resto, é preciso não confundir sociopatas com psicopatas, há psicopatas que são boas pessoas.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.