E para a ESEP não há nada, nada, nada?

Tudo! Finalmente, há estudantes universitários com tomates para se demarcar assumidamente de práticas de tortura. Esta geração pode estar à rasca, mas a AEESEP mostrou ser tudo menos rasca. Estendo-lhes a minha capa.