E para a ESEP não há nada, nada, nada?

Tudo! Finalmente, há estudantes universitários com tomates para se demarcar assumidamente de práticas de tortura. Esta geração pode estar à rasca, mas a AEESEP mostrou ser tudo menos rasca. Estendo-lhes a minha capa.

Comments


  1. Já lá vão mais de 30 anos desde que por aí passei e me recusei, todos os anos, a assistir a qualquer das garraiadas: já nessa altura era tarde. Pena-me que se tenha demorado assim tanto tempo a contemplar a crueldade e o absurdo de uma tal tradição, assim como a necessidade de se lhe por finalmente termo… Por isso: bendita coragem, que nunca os ditos faltem a uma tal nova geração!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.