«Não descurou o trabalho e não descurou a casa»

Imagem blog simplificando ideiasAo ler, hoje, este magnífico elogio de Assunção Cristas e da maioria das mulheres portuguesas, feito pelo monárquico Gonçalo da Câmara Pereira, já hoje aqui citado pelo meu colega João Mendes, não pude evitar que cenas da imaginada vida familiar e doméstica de Cristas me assolassem a mente.

Imaginei a Exma. Senhora Cristas a chegar a casa estourada, desfeita de um dia de trabalho intenso (talvez num bairro social, até) o corpo estafado a clamar por um banho relaxante, mas  a consciência a chamá-la aos seus deveres de mulher que não descura a casa nem a família. Adiando o merecido descanso, Cristas baixa a crista e muda de roupa, para não engordurar a farpela com algum salpico do jantar. Veste uma roupinha de andar por casa, uns jeans Salsa, uma t-shirt, pode ser Salsa também, e uns sapatinhos Josefinas – tudo marcas nacionais! e lá vai ela mourejar para a cozinha. Prepara a sopa e o jantar. Enquanto o estufado apura, [Read more…]

Coisas que não se dizem

Foto retirada do Expresso, um dos jornais de que J. V. foi Director.

Foto retirada do Expresso, um dos jornais de que J. V. foi Director.

É verdade, Sr. Joaquim Vieira, não se pode dizer ou escrever aquilo que o senhor escreveu na sua página do Facebook. Fica-lhe mal. Quer publicidade? Venda-se de forma honesta, não precisa de insultar ninguém para lograr os seus intentos. Lamentável!

Para quem não sabe do que se trata, deixo aqui o que Joaquim Vieira escreveu sobre os Jogos Paralímpicos. Propositadamente, não coloco link da página, para não lhe dar a publicidade de que o homem parece precisar tão desesperadamente. Ora aqui vai: [Read more…]

A Trampa que o Trump diz

donald-trump-hair-4O Sr. Trump já nos habituou – felizmente, mais aos americanos do que a nós – à porcaria que aquela lixeira em forma de boca vomita. Ultimamente, não raras vezes com a posterior justificação de que estava a brincar, tem atacado de forma violenta Hillary Clinton. Se na semana passada, já os limites do razoável foram mais uma vez atingidos com a sugestão de que a Rússia deveria espiar a conta de email da adversária, ontem, 3ª feira, dia 9/8/2016, a coisa foi muito para além do aceitável. Este nojo com duas patas, este ser do mais podre que há, apelou a que, se Hillary ganhasse as eleições, os defensores da 2ª emenda a abatessem. Esta coisa devia ser impedida de continuar a concorrer à presidência dos EUA.

Que nojo!

A foto do dia

FB_IMG_1470764978327Roubada no Facebook de alguém. Desconheço o autor. Se alguém souber quem é, por favor avise. Merece ser conhecido.

A menina-heroína da Equipa Olímpica de Refugiados

Foto retirada da Sala de Imprensa do Comité Olímpico Internacional

Foto retirada da Sala de Imprensa do Comité Olímpico Internacional

Yusra Mardini é uma miúda. Nasceu a 5 de Março de 1998. Em 2015, ela e a sua irmã Sarah fugiram do seu país, a Síria. Chegaram ao Líbano e posteriormente à Turquia de onde conseguiram fugir clandestinamente rumo à Grécia. As duas raparigas ocuparam o seu lugar entre os outros 18 refugiados num barco com capacidade para 6 ou 7 pessoas. Quando o motor do barco parou e este começou a meter água, 30 minutos depois de terem saído da Turquia, só havia uma solução: saltar para a água e puxá-lo até terra. Foi o que fizeram as únicas 4 pessoas que sabiam nadar: Yusra e a irmã e outros dois passageiros. Nadaram durante cerca de 3 horas e meia até finalmente chegarem à ilha de Lesbos, salvando-se a si e a todas as pessoas a bordo, muitas delas crianças.

Podem ver aqui (em Inglês) uma das reportagens sobre a história desta atleta olímpica.

EOR – Equipa Olímpica de Refugiados

A grande novidade dos Jogos Olímpicos Rio 2016 foi a EOR. Para mim, enquanto defensora dos mesmos direitos para todos, este é sem dúvida um grande feito. Irá ajudar a que o mundo veja os refugiados com outros olhos? Contribuirá para que sejam aceites pelas sociedades onde acabaram por ficar? Não o creio, mas não posso deixar de me congratular com este acto de selecção de uma equipa de atletas que luta não por uma bandeira, mas por todos os que perderam a sua bandeira, tal como se diz no filme lá em cima. Este foi o filme que a ONU produziu para apoiar a Equipa Olímpica de Refugiados (Refugee Olympic Team- ROT). Nele se diz que contra todas as probabilidades estes atletas chegaram aos Olímpicos do Rio de Janeiro. Que representam os mais de 65 milhões de refugiados.  [Read more…]

C&A despede efectivos

…e contrata eternos Contratados, pois claro!
IMG_20160705_140636
É mais uma triste história a contribuir para o aumento das listas de desempregados. Talvez nem isso. É que ao despedir uma efectiva com horário a tempo inteiro, algumas regalias e salário mais ou menos condigno, a C&A (Canda ou C-and-A) contrata três ou quatro funcionárias a termo certo, sem quaisquer direitos que não sejam o “come e cala”.

Vamos lá relatar melhor o que se passa. [Read more…]

A um João furacão

Não vou falar de ti na terceira pessoa. Não me mereces isso. Estás e estarás aqui, connosco neste mundo cibernético que tem sido parte da tua vida. É a ti que me dirijo e a ninguém mais.

Raramente conversámos os dois. Para mim, foste sempre uma mente superior. Inibia-me perante ti. Não sabia o que dizer ou escrever. Parecia que, fosse o que fosse que tivesse para dizer, tudo seria demasiado estúpido e fútil comparado com o que te ia na alma.

Comecemos pelo princípio: não gostei de ti antes de te conhecer e não gostei de ti depois de te conhecer. Quer dizer, da primeira vez em que estive contigo, nem deu para te conhecer ou para ter uma opinião sobre ti. Até, se bem me lembro, foste um gajo porreiro. Não nos dava jeito ir a um almoço do Aventar em Coimbra, pelos gastos todos que isso implicaria, e tu ofereceste-te para adiantar o dinheiro do almoço, que te seria restituído logo que possível. Não me senti bem. Nem sequer te conhecia, mas o Ricardo lá me convenceu. Ele, sim, conhecia-te bem. Nesse almoço, eu, ocupada com uma filha pequenina, que até creio ter estado também no teu colo, não conheci praticamente ninguém. Não deu para falar com ninguém. E poucas recordações tenho desse dia. Mas quando tive mais contacto contigo, numa noite em Coimbra, embora tenha gostado da conversa, não gostei de ti. [Read more…]

Algo de bom na negra noite eleitoral do Dia do Animal

jorge_falcatoPara além da grande surpresa do PAN (literalmente a comemorar o Dia do Animal), como referiram o João Mendes e o Jorge, há outra boa notícia, talvez aquela que vi com mais alegria: a eleição pela primeira vez de um deputado – Jorge Falcato – que se desloca em cadeira de rodas. Pelo Bloco de Esquerda, claro!

De repente, ao saber desta notícia, que ainda não li em lado nenhum, foi como se a escuridão da noite e do futuro que se anuncia para o país fosse um pouco menos pesada. Naquele momento, pareceu-me ver um pequeno orifício de luz nesta espiral medonha que nos assombra. E isso deu-me alento. Hoje estou no rescaldo das eleições e continuo a não acreditar na escolha do povo soberano. Não vejo o futuro com bons olhos. Aliás, a minha alma está como o dia: cinzenta, carregada de tristeza e de ventanias de desolação. Hoje chove na minha alma, a chuva escorre em mim e não me deixa secar. E por isso tenho que me agarrar a esta nesga de luz. A este Homem que, juntamente com alguns outros Homens e Mulheres excepcionais, me mostram o caminho a seguir nos maus momentos.
[Read more…]

Portugal no seu Pior

Portugal à Frente

JN de 04/10/2015

Amanhã vou fazer um telefonema…
Mas não vai ser para pedir trabalho, vai ser para os mandar à merda e com todas as letras. Em maiúsculas!

Imagem roubada da página de Facebook de Miguel Januário.

Raif Badawi

images

Teve o azar de nascer na Arábia Saudita.

Teve o azar de ser um homem de liberdade num país onde esse direito não existe.

Teve o azar de encontrar no seu caminho já espinhoso um juíz que, não se sabe por que motivo, o deve odiar e insiste em querer condená-lo à morte.

Teve a sorte de num primeiro julgamento o juíz não o poder julgar e condenar por apostasia (afastamento da religião, punível na Arábia Saudita com a morte por decapitação), mas entretanto teve o azar de os poderes dos tribunais terem sido alargados e esse mesmo juíz poder agora julgá-lo por esse crime tão hediondo.

Raif Badawi foi primeiramente condenado a 10 anos de prisão e a receber 1000 (mil) chicotadas, à ordem de 50 por semana. Recebeu apenas a primeira flagelação. O seu corpo não aguentou. Ficou doente. Desde então, não voltou a ser torturado com as chicotadas, e com tanta pressão internacional, havia a esperança de que ele pudesse ser libertado. Mas agora chegou a pior de todas as notícias: suspeita-se que Raif Badawi, um nosso colega, blogger como todos nesta casa, defensor das liberdades como todos nesta casa, vá ser julgado por apostasia.

A pressão de todos, o barulho, a luta, podem ser, neste caso, vitais para salvar a vida deste homem cuja família o espera no Canadá.

Portanto, meus caros leitores, peço que cada um faça a sua parte. Assinem a petição aqui e gritem no twitter e no Facebook (não se esqueçam de usar a etiqueta #FreeRaif) que querem este homem libertado.

Se é necessário que o mundo seja vigilante, é nestas coisas que tem que o ser. A liberdade de expressão é um direito de TODOS os povos.

Borram-se de medo, é o que é!

Ou será que são pura e simplesmente uns cagões?

Agora a vida vale menos de 21 euros

transferir

Pelo menos, assim parece.

Na semana passada assistimos a um doente implorar pela sua vida porque não lhe compravam um tratamento de cerca de quarenta mil euros. Depois desta triste cena (não critico, obviamente, o senhor nem o seu desespero, acho a cena triste porque ninguém devia ter que implorar assim pela sua vida perante ninguém, muito menos perante gente que mais não é do que verme), lá se arranjou o medicamento, porque, embora o Estado deva fazer tudo para salvar vidas, mas não a todo o custo, depois do escândalo que aconteceu, seria muito mau que mais pessoas morressem sem tratamentos. Nessa altura, o valor da vida estava em menos de 42 mil euros, com oferta de um tratamento por cada paciente que não melhorasse com o referido medicamento.

Esta semana, contudo,  a bolsa de valores vitais sofreu uma reviravolta e cada cabeça passa a valer menos de 21 euros. Mas não quero ser má para este governo tão simpático e cumpridor que até vai antecipar o pagamento da dívida. À custa de muita miséria e morte, mas que é isso comparado com a honradez? No caso dos doentes psiquiátricos até se percebe, afinal não são muito bons da cabeça, logo, o valor por cabeça de certeza será menor. Para além disso, poder-se-à dizer que não há um risco directo de perda de vida. Mas tratando-se de um medicamento que é administrado em situações de urgência a doentes esquizofrénicos e bipolares, não haverá realmente risco de vida do próprio e de terceiros? Ah e tal, argumenta o Infarmed, não há injectável, mas há comprimido. Ah, então pronto! E quem é que vai enfiar o comprimido na boca de um paciente descompensado em situação de urgência? Nanja eu! Pois… É impossível. Só mesmo por via intramuscular.

O que vai ser preciso para que estas pessoas tenham de novo acesso ao medicamento? Que terá um doente de fazer para fazer aumentar o valor da sua vida? Apontar uma arma ao ministro?

 No meio disto tudo, o que dizer dos laboratórios? Evidentemente que eles (neste caso a Lilly) não estão isentos de culpa e deveriam ser penalizados pelo aproveitamento que fazem. É inadmissível que um medicamento aumente de 5 euros para mais de 21. As suas garras estão tão sujas de sangue quanto as dos governantes que taxam o valor da vida conforme lhes dá jeito.

Benetton, paga o que deves

benetton

Soube recentemente, através da Avaaz, que, quase dois anos depois da tragédia de Rana Plaza, no Bangladesh, a Benetton continua sem dar um chavo de compensação às vítimas, duplamente vítimas, destes carrascos. Algumas empresas deram um contributo quase insignificante, ao que pude averiguar. Vergonhoso perante o que todos lucram, mas alguma coisa deram. A Benetton nem isso.

Como se não bastasse a exploração a que estes operários são sempre sujeitos para que empresas sem escrúpulos tenham cada vez maiores lucros, ainda lhes é negada uma soma compensatória e mais que devida, para que possam fazer face aos problemas de saúde com que ficaram ou à perda de salários.

Está agora a ser feita uma campanha, mais uma, para pressionar aquela empresa multimilionária a pagar o que é devido aos sobreviventes daquele malfadado dia.

A ideia é que se assine esta petição. Fica aqui o link, para quem quiser dar um empurrãozinho.

Eu, para além de ter assinado a petição, há muito que não entro em nenhuma loja desses exploradores sem consciência. Continuo na minha sempre que posso, o que é nacional é bom e ajuda a nossa economia. Evito dar a ganhar a ladrões, exploradores, assassinos.

Num altura em que em Portugal tanto se discute – e bem – o valor da vida, convém não esquecer aqueles cuja vida não tem qualquer valor para os empregadores, para o seu governo e para quem veste a moda que eles produzem sem querer saber de onde é que aquilo vem. É que o que está longe da vista não nos afecta…

Dedinho maroto!

 

f

Vamos lá desopilar um pouco, que isto são muitas notícias revoltantes e negativas.

Então não é que um estudo cujos resultados foram divulgados no dia 4 deste mês na publicação Biology Letters indica que, afinal, o tamanho conta? Em concreto, o tamanho dos dedos.

Pois é, esses dedinhos dizem muito mais das vossas tendências sexuais do que se pensava… Segundo os estudiosos, a diferença de tamanhos entre o dedo anelar e o dedo indicador pode apontar a nossa tendência para sermos fiéis ou infiéis. E não, não falo de religiões (aqui é aquela parte em que vos pisco o olho com ar matreiro). Falo de sexo puro e duro, mesmo.

Resumindo, tudo indica que quem tem o dedo anelar maior do que o dedo indicador tem maior tendência para a promiscuidade. E quanto maior for a diferença de tamanhos, maior é probabilidade de estarmos perante um traidor à santa instituição do matrimónio ou da vida conjugal. E agora permitam-me um aparte: ainda bem que os jihadistas não perdem tempo a ler as obras destes ímpios, caso contrário, decepariam (no mínimo) todas as mulheres cujos dedinhos fossem suspeitos. Já se se tratasse dos homens, certamente não teria mal.

Agora, perante este estudo, e tendo analisado cuidadosamente as minhas mãos, noto que numa mão tenho o anelar mais pequeno do que o indicador, mas na outra acontece o contrário. Esta descoberta deixou-me preocupada e apreensiva. O que quererá isto dizer da minha fidelidade? Tenho maior tendência para ser fiel ou infiel? Sou ou não de confiança? Ai, credo, tantas questões em torno de dois dedos!

E, já agora, como raio é que ocorrem este temas para estudo a estes académicos? Não é por nada, mas a pensar em temas destes, devem ser uns tipos bem divertidos, bons para dois dedos de conversa. Ou mais… (olha eu a piscar-vos o olho outra vez).

 

Havia necessidade? Governo de cobardes!

Bastou o homem apontar-lhe o dedo e dizer que o ia encontrar. O medicamento já está a caminho. Shame, shame, everybody knows your name!

Sem Palavras

Exigir o que, comentar o quê, se é o próprio Primeiro-Ministro que põe preço na vida das pessoas? Sim, todos não passamos de um número.

Algo de diferente para 14 de Fevereiro

10645136_1606672956227932_4128906617539533491_n

Para comemorar o dia dos afectos, ou do amor, ou do que lhe quiserem chamar, o Sim, Nós Fodemos vai organizar precisamente no dia 14 de Fevereiro a sua Primeira Conferência. Com o tema geral «Sexualidade e Deficiência», este evento ocorrerá no Porto, no Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, na Rua Passos Manuel 178, 4º andar (frente ao Coliseu). Não sei se concordam comigo, mas eu acho de um enorme sentido de humor que algo que pretende incutir tão bons hábitos tenha lugar no Maus Hábitos (que é um nome irónico, dado o que por ali se faz).

A interessantíssima agenda é a que se segue:

[Read more…]

Uma Família Humana, Comida Para Todos

Resume-se a isto. Comida para todos, saúde para todos, abrigo para todos, paz para todos.

Se nos limitarmos a pensar apenas em nós, em nos alimentarmos a nós, todos passamos mal, mas se nos ajudarmos uns aos outros, todos podemos estar alimentados. Uma pequena alegoria que vale para tanta coisa na vida.

 

Vamos ajudar o Igor a ir ter com o Pai?

aqui  e aqui vos falei do Igor e da sua família.

Vou acompanhando o caso dele conforme posso, muito raramente lá comunico com a mãe-coragem deste menino e infelizmente não posso ajudar esta família como gostaria de o fazer.

O que me leva a escrever este post é o facto desta família estar separada há muito tempo – demasiado tempo – e as crianças, sobretudo o Igor, sentirem muito a falta do pai.

Alguém imagina o que é viver com uma criança que constantemente chama pelo pai, quer o pai e não compreende que o pai não está ali, não pode estar ali porque tem que trabalhar noutro país para garantir ao seu filho alguns dos apoios que o Estado deveria por obrigação dar-lhe? Eu não imagino. Tenho duas filhas felizmente saudáveis, e não imagino como seria sermos uma família separada. Se a mim me custa tanto só pensar nessa possibilidade, nem imagino aquilo por que a mãe do Igor e da irmã passa.

[Read more…]

Memórias de um Tempo Passado

Há dias recordei-me desta canção dos Corações de Atum, de quem o grande Manuel João Vieira é vocalista, e de imediato fiquei com vontade de escrever alguma coisa sobre o desaparecimento dos urinóis.

Verdade que nunca entrei num desses locais. Verdade que tresandavam e eu detestava passar por perto, mas muitos deles eram obras-primas da arquitectura urbana. Infra-estruturas úteis a quem as frequentava e que, como tão bem canta MJV, livravam postes e árvores de muitas micções dos aflitos-de-última-hora.

Haveria realmente necessidade de substituir tão belos e emblemáticos locais pelas assépticas casinhas com lavagem automática que funcionam à força de moeda, pois claro? Penso que não. Bastaria uma manutenção do local e alguns cuidados na sua higiene e manter-se-ia algo que contribuiria para a limpeza das ruas (hoje quem não tem moedinha e está longe de um centro comercial, bem volta a marcar território em torno de árvores e postes) e para o deleite de turistas.

Durante muito tempo evitei entrar nesses casinhotos desinfectados porque, por um lado, sou contra pagar para fazer o que a natureza me ordena que faça (para isso, pago e vou a um café de onde trago alguma coisita no bucho) e, por outro lado tinha pavor desses sítios tão fechados e correctamente desinfectados. Muito francamente, ainda hoje só entro para ir com alguma das minhas filhas à casa-de-banho e deixo sempre a porta aberta, tamanho é o receio que tenho de levar um banho desinfectante enquanto lá estou dentro.

É verdade, é possível ter-se saudades daquilo que nunca se usou, mas sempre se apreciou, sabendo que, se algum dia precisássemos, lá estaria para nos acolher de portas abertas.

 

Desta vez, tenho que dar razão a Isabel Moreira

isabel moreira1

Só acrescentaria: e, para já, parece tê-los no sítio!

Como diz que disse?

Manuel Lemos, Presidente da União das Misericórdias é quase a Choné de calças, mas percebe-se, vai lucrar com tudo isto.

Reflexões Em Torno De Um Aniversário de Casamento

 

transferirDecorrem hoje 19 anos desde o dia do meu casamento. Foi um casamento sem pompa nem circunstância.

Casámos no Registo Civil. Só não fomos simplesmente viver juntos, porque a menção desse desejo provocava graves problemas familiares numa das famílias e nenhum de nós queria começar uma vida em conjunto sabendo que os nossos pais estavam de algum modo zangados connosco. O enlace no Registo Civil lá foi aceite porque anos antes alguém da família tinha desafiado as tradições e tinha – ó vergonha! – renunciado a casar pela Igreja.

Depois de quase três anos de namoro, a vida em conjunto pareceu-nos o caminho lógico a seguir. Aquilo era o que ambos queríamos. Era, no fundo, um percurso natural. Tomámos a decisão de forma tranquila. Embora eu achasse que aquilo era coisa para durar poucos anos. Talvez essa ideia tenha pairado como um fantasma e tenha contribuído para isto quase dar em separação.

E decidimos dar seguimento ao ditado «Ano Novo, Vida Nova». Sendo sempre ou quase sempre «do contra», tínhamos que ter casado num mês que noivos nenhuns escolhem. Não foi um dia para fotografias lindas, não foi dia para se atirar arroz aos noivos (e mesmo assim, apanhámos com tanto!), não foi dia para sair do Registo Civil e ir tranquilamente até ao carro. Foi, antes, dia de fugir da chuva e do frio.

Ainda assim, foi um dia bem passado com amigos e família. Muitos daqueles amigos eram muito mais do que família. Uma parte de uma das famílias foi, como em quase todos os casamentos, convidada por obrigação. Parecia mal convidar amigos e não convidar familiares. Mesmo assim, por motivos orçamentais, alguns familiares tiveram que ficar de fora. A polémica que isso gerou, céus! Como as pessoas adoram meter-se nas decisões dos outros e como se sentem zangadas e acham saber tudo, quando, na realidade, e na maior parte dos casos, nada sabem!

Fica bem, sei que fica bem, dizer que têm sido 19 anos de pura felicidade, de um amor sem fim e etc. Pois isso não é verdade! [Read more…]

Europa Querida Europa

Estás cada vez mais à beira do abismo. Em França, mais uma vez.

 

 

Da Importância do TER

Se já durante o ano de vez em quando vamos recebendo mensagens que nos recordam quão bom é ser em vez de ter, na época natalícia estas mensagens multiplicam-se ad nauseam. Toda a gente lá vem com o discurso de que o importante é ser e não ter. Já não há pachorra para os aturar! Eu vou pôr-me a Aventar.

Em primeiro lugar, gostava muito, mas muito mesmo, de ver essas pessoas que tanto apregoam a moderação de consumo e exacerbam as qualidades de se ser parco usar essa regras consigo próprias. Normalmente, limitam-se a falar, mas agir, isso é que era bom!

Pois eu, como sou do contra, discordo.

[Read more…]

Quando boas pessoas se juntam…

gratidão

…Coisas boas acontecem.

Sem dúvida!

Foi exactamente isso que aconteceu neste fim-de-semana. Na impossibilidade de estar presente na Festa de Natal de uma instituição que vou apoiando com trabalho voluntário sempre que posso, decidi convidar algumas pessoas que mal conheço mas que me pareciam gente de qualidade e solidária, para dar uma ajuda. Essas pessoas, revelando o que de melhor os seres humanos trazem dentro de si, convidaram outras pessoas para ajudar e todos juntos foram, segundo soube mais tarde, uma ajuda preciosa para o sucesso da festa que pretendia animar crianças com problemas sérios de saúde e respectivos cuidadores. É isso que acontece quando as pessoas decidem unir as suas forças e boas-vontades e fazer algo para melhorar um pouco o que as rodeia. Pode a estas pessoas ter parecido que não fizeram grande coisa, mas na verdade, contribuíram para por um dia melhorar um pouquinho a qualidade de vida de pessoas que poucas alegrias costumam ter. Quase de certeza que esses voluntários não serão tão cedo esquecidos por aqueles que ajudaram.

[Read more…]

Raised by Wolves, dos U2

Pode ser visto exclusivamente durante umas horas no site Nowness. Este video tem a particularidade de ter sido realizado em Lisboa por um dos nossos excelentes artistas dessa arte ainda vista como menor, a street art. O realizador é o lisboeta Vhils, que faz estes trabalhos fabulosos:

Dedicada aos biltres da governação actual e passada

Quando eu morrer

images

Hoje, já dia 2 de Novembro, mas ainda dia 1, celebrou-se mais um Dia de Todos os Santos. Dia de ida ao cemitério. Dia que se justificava ser feriado, já que as famílias aproveitam para se encontrar. Velar os mortos é apenas um pretexto e em muitos casos reúnem-se dezenas de pessoas em torno de um jazigo. É uma forma de recordar quem partiu e de estar com quem ainda por cá anda. Morte e vida são celebradas de mãos dadas. Mas claro que a nossa Igreja, ao ser confrontada com a necessidade de reduzir feriados religiosos, escolheu eliminar este. Um dos poucos feriados que realmente juntavam as famílias. Tem muito de pagão, é verdade, mas foi a própria ICAR que tentou abafar uma celebração bem mais ancestral…

Hoje celebra-se a vida através da recordação dos mortos e dos seus feitos. A mim continua-me a fazer espécie aproximar-me de um buraco no chão coberto por lápides de mármore, sabendo que o corpo inerte do meu pai está algures ali por baixo desfazendo-se lentamente. Raramente visito o cemitério. Não suporto a ideia de o saber ali. Detesto ver a fotografia dele numa placa de mármore. Abomino sabê-lo ali. Sempre acreditei e defendi que a melhor homenagem que podemos fazer aos nossos mortos é tê-los tratado bem em vida. Que adianta ir regularmente ao cemitério, limpar campas, comprar flores, acender círios, se não os tivermos tratado bem em vida? Não foi exactamente o meu caso. Sempre «choquei» com o meu pai. Feitios demasiado semelhantes. Demasiadas diferenças de opinião. No entanto, já doente, visitei-o sempre que podia. Por vezes sabia que iria ser mal recebida, que iria ser maltratada, mas aparecia. O fim de vida dele não foi digno. Um homem enérgico preso a uma cama, a usar fraldas, dependente de terceiros para a higiene e alimentação, frequentemente com alucinações… Não foi bonito.

Sei que não estive presente tanto quanto devia. Sei que não dou o apoio que devia à minha mãe. Sei que não a vejo tanto como gostaria e isso vai radicalmente contra a minha teoria de tratar bem em vida porque o que importa e o que conta é a sua presença vivos. É isso que nos permitirá recordá-los depois de os perdermos. [Read more…]