Rebentar com o partido, tal como fizeram com o país

Ou há eleições no país, ou há eleições no PSD“, terá afirmado Marco António Costa numa Comissão Política do PSD, por alturas da votação do famoso PEC IV. Como se sabe, houve eleições e levámos com a troika com a sua força máxima. Não sabemos se o PEC IV teria sido mais suave do que a troika, mas sabemos uma coisa. Atendendo às palavras do MAC, o mote para o chumbo desse Pacto de Estabilidade e Crescimento foi a pressa de chegar ao poder.

Chegado à liderança do PSD, Rui Rio logo fez saber que uns quantos dos actuais deputados não fariam parte das próximas listas, o que se traduz numa clara ameaça ao emprego dos visados. Temos observado, desde então, uma sucessão de casos que não beneficiam o PSD e que, tudo para aí aponta, têm tido divulgação activa por parte do próprio PSD. O caso do deputado ubíquo é um deles. Foi dado a conhecer com um nível de detalhe que cheira a inside job à distância. Olhando para o fastio do Presidente da AR e de outros deputados perante a fraude, este caso só não se ficou por uma simples questiúncula porque, certamente, valores mais altos se levantaram.

O que a aparência nos diz é que há quem esteja empenhado em fazer com que Rio não chegue a ter hipótese de fazer as próximas listas para as legislativas. Nem que isso rebente com o partido. Mas, lá está, poderá ser apenas uma questão de aparência e haver, de facto, uma onda de preocupação quanto à assiduidade dos deputados.

Incompetência ou fraude? Você decide.

Chegámos ao ponto de se estar perante a escolha do mal menor.

Imagem: Público

“Não só eu tenho [a password] mas eu também tenho”, disse, referindo que há “necessidade de consultar documentos da primeira comissão” de que ambos fazem parte. [P]

Será possível que, no Parlamento, é preciso entrar na conta de outra pessoa para se aceder a documentos partilhados?! É o sistema informático do Parlamento assim tão fraco? Ao menos, espero que este tenha sido barato. Deixo uma dica: Dropbox. [Read more…]