O mal amado?

[Rui Naldinho]

Para um leigo que olha para o panorama político português através dos vários meios de comunicação social e das redes sociais, constato, dessa leitura, que a imagem de autarca modelo de Rui Moreira, não é assim tão consistente como parecia ser, apesar de muita propaganda em torno das suas acções. Também verifico que a sua margem de manobra como vencedor incontestável nas próximas eleições autárquicas, no Porto, parece não ser tão confortável.

Eu não estou a criticar a sua gestão no município. Longe disso. Mas, face aos últimos acontecimentos políticos, apenas me revejo naquele ditado popular:

“Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades!”

Manuel Pizarro e Rui Moreira

Manuel Pizarro e Rui Moreira

[Read more…]

Psttttt….

“Precisas de uma ajudinha para arrancar isso da lapela?”

Jornalismo precário e dependente

O Primeiro-Ministro António Costa, na comunicação de Natal destacou duas dimensões da nossa vida comum: a precariedade laboral e a educação. Ontem a Comunicação Social fez o favor de mostrar a importância de ambas – o não-caso de Vila Nova de Gaia e a escuta a Santos Silva mostram como o jornalismo português está demasiado dependente de interesses, eventualmente diversos e onde a boa-educação está, há muito, à margem da profissão.

Em Gaia, à falta de melhor, uma jornalista resolveu escrever um conjunto de falsidades e, sabendo eu, que a jornalista teve acesso documental à informação verdadeira, pergunto:

-em que momento a senhora se esqueceu da sua carteira profissional? No momento em que talvez se fosse vingar de algum acontecimento passado? Ou no momento em que talvez estivesse a ajudar alguém?

Aliás, também Os truques da imprensa questiona a jornalista:

“1. Ou Margarida Gomes não sabia do arquivamento, o que é pouco verosímil, tendo em conta que a jornalista terá contactado o DIAP para confirmar a existência da queixa e, se sabia da queixa, sabia necessariamente também do seu arquivamento.

2. Ou Margarida Gomes preferiu nunca mencionar de forma explícita o arquivamento da queixa, optando por deixar no ar uma eventual investigação em curso, favorecendo a sua narrativa e o enviesamento do caso e utilizando para isso uma redacção ardilosa ou mesmo manhosa (o que significa uma queixa “estar” no DIAP? Pode incluir “estar” (arquivada) no DIAP? Num caixote do lixo? Numa gaveta? Ou em fase de inquérito?”

Uma coisa dou como certa, Jornalismo, não é de certeza e a ética não se faz assim.

Percebo a banhada autárquica que se aproxima do PSD e até imagino como gostariam de recuperar Gaia, mas não creio que seja a sul do Porto que a cavalgada de Rui Rio para a liderança laranja vai ser questionada. A derrota do PSD e de Passos Coelho vai mesmo acontecer e Rui Rio vai chegar lá, mas não creio que esse seja um problema de Gaia. Logo, não creio que este tipo de notícias tenha uma génese partidária. Nacional, claro. [Read more…]

Pobre Passos, nada lhe corre bem

ppcrr

Segundo o Público, que para o caso deve ser considerado uma fonte relevante, não fosse David Dinis o seu director, o candidato do PSD para a Câmara Municipal do Porto está escolhido. Trata-se de Álvaro Almeida, professor e antigo presidente da Entidade Reguladora da Saúde. Um independente.

p

A confirmar-se a informação presente nesta notícia, ficamos a saber duas coisas. A primeira é que o PSD não conseguiu, entre dezenas de milhares de militantes, encontrar um candidato válido, capaz de se bater com Rui Moreira. A segunda, apesar de não ser tão afirmativa, mas antes algo que o Público “apurou”, é que Rui Rio será convidado para mandatário da campanha, naquilo que seria considerado, segundo as informações do jornal, um sinal de compromisso do potencial substituto de Passos Coelho com o partido. No improvável cenário do PSD ganhar a eleição no Porto, a vitória poderia transformar-se num quebra-cabeças para Passos: no município para o qual não conseguia um candidato do aparelho, seria um independente a resolver o problema. Com a bênção do seu mais recente pesadelo. Como se o impasse em Lisboa não fosse já mau demais. Pobre Passos, nada lhe corre bem.

Foto: Luís Barra/Expresso

A alergia da direita aos direitos

73938-capitalismoDeus não está muito bem, graças a si mesmo, Marx sobrevive com dificuldades, a Esquerda vai andando e a direita está catatónica, pelo menos em Portugal.

Catatónica, mas à espreita e nunca silenciosa, que isto aqui, felizmente, é uma democracia. Nos últimos dias, dois representantes dessa amável facção falaram sobre direitos, termo que obriga os seus utilizadores à toma de doses maciças de anti-histamínicos.

Rui Rio, candidato a líder da direita, depois de ter despovoado culturalmente o Porto, vai já prevenindo que os governos deram às pessoas direitos insustentáveis, como se os direitos fossem ofertas governamentais e não consequência da justiça e da evolução da humanidade ou como se os direitos necessários fossem dispensáveis. A desonestidade intelectual da grande maioria que vem do CDS até aos órfãos da direita do PS (que é muito grande) insiste, há anos, na ideia de que o problema de Portugal está nos gastos com o Estado Social e não nos desvios de dinheiro pertencente ao Estado Social, para salvar bancos e para pagar as dívidas públicas insustentáveis e nunca sujeitas a auditorias. Rui Rio, tal como Sócrates e Passos Coelho, é apenas um empregado bancário e presidente pouco clandestino das grandes empresas que gostam de lucros elevados alimentados por salários baixos. Para Rio, o país fica no interior das salas em que se reúnem os conselhos de administração. Lá fora, estão as pessoas, espécie cujo único direito é trabalhar por pouco dinheiro e respirar baixinho, como diria Luís Montenegro. [Read more…]

Rui Rio a querer levar a água ao seu moinho

Apontou a segurança social como exemplo de direito não sustentável. Se é um direito, pode ser recusado? E o buraco da banca, foi um direito? Quanta insustentabilidade não se resume a pagar a factura do BPN, do BES e do BANIF?

Se esta sopa requentada, impregnada de discurso sobre viver acima das possibilidades, é a alternativa a Passos Coelho, então muito obrigado, mas já tivemos que chegue para uma congestão.

Rui Rio, supõe-se, não é parvo, pelo que estará consciente das críticas que afirmações destas lhe trazem. Sobra, portanto, a intencionalidade das palavras, uma espécie de declaração dirigida, não aos eleitores, mas sim àqueles que podem mexer os cordões para o fazer chegar ao poder. Esses mesmos que ganharam com a política pafiosa de empobrecimento do país. Uma proclamação simples, na qual se lê nas entrelinhas “o Passos está em queda, mas podem apoiar-me sem risco, que eu continuarei a obra.” O discurso para os eleitores virá depois, devidamente polido, como no lobo vestido de cordeiro.

O nervosismo de Carlos Carreiras

cc

Carlos Carreiras, um dos mais fiéis súbitos da corte passista, reagiu com incómodo à entrevista de Rui Rio, sugerindo que o ex-autarca do Porto se candidate às Autárquicas. Seria um alívio, para Carreiras, se Rio seguisse esse curso. Afinal de contas, o coordenador autárquico do PSD está a demonstrar uma absoluta falta de competência para encontrar alternativas para os dois grandes centros urbanos, e, desta forma, matava dois coelhos com uma só cajadada: mantinha o ventilador do passismo ligado, adiando a anunciada morte política do chefe, e enviava Rio para o matadouro, onde o outro Rui, o Moreira, com uma alargada base de apoio popular e partidária, o retalharia alegremente, enfraquecendo a posição do mais recente pesadelo de Passos Coelho.

Compreende-se o nervosismo de Carreiras. O fim político de Passos Coelho poderá retirá-lo da ribalta laranja e remetê-lo para o exílio político em Cascais, que não sendo propriamente o inferno na terra, não tem paralelo com o poder de ser um dos homens fortes do líder do maior partido da oposição. Os poleiros, grandes ou pequenos, deixam sempre saudades a quem vive para eles.

Foto@Jornal de Negócios

Rui Rio chega-se (mesmo) à frente

rrppc

Luís Montenegro deu o mote, Rui Rio chegou-se à frente. Em entrevista ao DN, com perguntas previamente enviadas ao ex-presidente da CM do Porto, Rio afirmou aquilo que já todos sabíamos: que “poderá” ser a alternativa a Passos Coelho se o PSD “não descolar“. Se assim é, o anúncio oficial deve estar para breve. O PSD não só não descola como se afunda, sondagem após sondagem, atingindo níveis historicamente baixos, com a mais recente sondagem da Aximage a empurrar o PSD para uns modestos 28,7% de intenção de voto dos portugueses, quase 10 pontos percentuais atrás do PS (38,3%). Os dias passam, e cada vez menos portugueses estão interessados em ouvir a repetitiva cassete da moribunda Pàf. [Read more…]

O fim da Geringonça

O fim político de Passos Coelho aconteceu no dia em que foi criada a Geringonça. Mas o início da Geringonça marca igualmente o começo do seu fim. É da natureza das coisas.
É essa a missão do próximo líder do PSD: acabar com as veleidades da Esquerda.

MAC & Rio, juntos para destruir Menezes

macÀ volta da possibilidade dos provincianos virem a ter acesso à cultura, a opinião publicada dos últimos dias tem vindo a mostrar a profunda ignorância de boa parte da nossa elite. Temos, também por isso, muito orgulho no Aventar e na forma como este espaço se tornou uma montra das realidades, tão diversas, do nosso país.

Ao longo dos anos tenho vindo a escrever sobre Vila Nova de Gaia e, nunca o escondi, sempre senti algum incómodo (palavra simpática) pela presença de Marco António na terra que escolhi para educar os meus filhos.

Acompanhei atentamente alguns dos posts que nos últimos tempos foram publicados no Aventar e que, de algum modo, questionaram a decisão municipal de atribuir uma medalha ao antigo vice-presidente da autarquia.

E, queria voltar ao tema porque, imaginem só, tive um sonho. Estranho, mas um sonho. Será que o posso convidar, caro leitor, a acompanhar a descrição do meu sonho?

Imagine que houve, em tempos, um Presidente da Câmara do Porto, de seu nome Rui Rio. Na mesma época, do lado de cá, a autarquia era liderada por Luís Filipe Menezes e Marco António Costa. Todos do PSD. O dicionário não dispunha de muitas palavras capazes de fazer justiça ao sentimento sentido de ambos os lados: ódio? Os laranjinhas Rio e Menezes seriam, nesse sonho, inimigos. [Read more…]

A Quadratura do Círculo reuniu-se no Dragão Caixa

Ah! Afinal foi na Alfândega da minha cidade. Seja como for, tenho óptimas recordações do Dragão Caixa.

Uma atitude que não dignifica o F C do Porto

REPUDIO
O Dragão-Caixa tinha sido reservado há meses para a realização da grande conferência anual da SIC Notícias e da Caixa Geral de Depósitos.

Hoje a Porto Comercial SAD, segundo uma noticia, do Jornal de Noticias proibiram a realização de uma conferência no pavilhão Dragão-Caixa, pavilhão desportivo do Futebol Clube do Porto, marcada para amanhã, quando souberam que um dos convidados era o ex-presidente da Câmara do Porto, Rui Rio.

Na qualidade de adepto do Futebol Clube do Porto repudio esta decisão da Porto Comercial SAD. Sempre entendi que o ex-presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, actuou mal, durante os seus mandatos, em relação à maior e mais importante instituição da cidade, o Futebol Clube do Porto, mas também entendo que não é desta forma que o Futebol Clube do Porto deve reagir perante uma iniciativa da SIC Notícias e da Caixa Geral de Depósitos que estava programada para o Dragão-Caixa há meses e que em muito dignifica a cidade do Porto.

Ferreira Leite ou Rui Rio: um dos dois poderá vir a ser o próximo primeiro-ministro

Estou a escrever este texto no momento em que o Presidente da República está a dar posse ao governo de Passos Coelho. Um governo que, dada a actual conjuntura política, terá um prazo de validade muito curto. Aliás ainda ontem Fernando Negrão afirmou que este governo não aceitará ficar em gestão. Estas declarações surgem no seguimento do que eu pensava sobre Pedro Passos Coelho. Eu sempre considerei que Passos Coelho não aceitaria liderar um governo de gestão.

Por outro lado é mais que conhecida a opinião de Cavaco Silva sobre um governo liderado por António Costa com o apoio parlamentar do Bloco de Esquerda e do PCP. Aliás, ainda, esta semana, o Presidente da rui_rioRepública reafirmou que não se arrependeu de nada do que disse no dia 22 de Outubro.

Neste seguimento acredito cada vez mais que teremos um novo governo de iniciativa presidencial, 35 anos depois do último de iniciativa do Presidente, Ramalho Eanes, liderado por Maria de Lourdes Pintassilgo.

Por isso, e em coerência com as opiniões que são públicas de Cavaco Silva, os nomes de Manuela Ferreira Leite e Rui Rio surgem como os mais prováveis para liderarem um governo de iniciativa do actual Presidente da República.manuela_ferreira_leite

Estes dois nomes, para além de agradarem a Cavaco Silva, não terão com certeza a oposição do PSD e António Costa não terá grande margem de manobra para contornar a nomeação de qualquer um destes nomes. É conhecida a boa relação pessoal entre Rui Rio e António Costa, bem como foi público durante a última campanha eleitoral a aproximação do líder do PS às ideias defendidas por Manuela Ferreira Leite.

Esta solução de um governo de iniciativa presidencial poderá ser fatal para Pedro Passos Coelho, sendo que entendo que a solução de Rui Rio poderá ser mesmo a morte do “ Passismo “.

Rui Rio e Passos perderam

novoaAs presidenciais estão aí, apesar do dossier legislativas continuar mais que aberto. O Professor Sampaio da Nóvoa veio a público afirmar a sua presença nesta luta, apesar do comportamento dos três partidos à esquerda que, na prática, estão a contribuir para o aumento de dificuldades do candidato. O PS de António Costa, depois de se comprometer a apoiar a candidatura, acabou por dar liberdade de voto aos militantes que terão Maria de Belém como segunda escolha.

Estando a decorrer as negociações entre os partidos, estranho o timing que o PC seguiu para apresentar o seu candidato. Tenho dificuldades em perceber o momento escolhido para apresentar um candidato que poderia aparecer num outro qualquer momento porque o “seu destino” é apenas um: marcar o voto dos adeptos comunistas. O BE continua em silêncio, mas ficarei muito surpreendido se não apoiar Sampaio da Nóvoa.

Do outro lado da barricada o sempre candidato Marcelo avançou e seguiu uma estratégia tão própria que já conseguiu, com uma única jogada, derrotar duas pessoas: Pedro Passos Coelho e Rui Rio. [Read more…]

Com a chancela do Clube Bilderberg

Balsemão pressiona Rio Rio a avançar para Belém.

Rio corre

rui rio
A campanha “volta Rio” ou “chega-te à frente Rio” prossegue a bom ritmo. Mais uma entrevista “de fundo”, desta vez a Maria Flor Pedroso. “Fundo” é, aliás, uma palavra que não vem muito a propósito nas elucubrações de Rui Rio, já que a superficialidade é por demais evidente. Evasivo, enunciando as generalidades básicas habituais sobre as grandes mudanças que, segundo ele, é urgente fazer, mudanças cuja dimensão não ultrapassa o esbracejar do entrevistado, já que, se não são vazias de intenção, são vazias de conteúdo. Rui Rio quer mudar o regime, mas não sabe o que fazer. Logo, repete-se em vulgaridades até à náusea e foge à reflexão sobre questões concretas como as crianças apanhadas com a mão no doce. Tenta agitar aquilo a que esta malta chama grandes ideias as quais, pela sua grandeza, parecem não ser passíveis de ser enunciadas de modo a que os simples mortais as alcancem. Mas, se confiarmos neles, garantem, logo veremos, extasiados, o maná que aí vem. Rui Rio prepara-se para cumprir o papel que lhe foi atribuído: ser o putativo líder do PSD que possa ser aceite no seio de um bloco central em caso de necessidade. Até lá, procura, por todos os meios, divulgar aquilo que ele julga ser uma visão do país e dos seus problemas. Mobilizei a minha coragem e a minha paciência e, com a ajuda de uma Água das Pedras, aguentei toda a entrevista. E o que penso do pensamento de Rui Rio? Não penso grande coisa: não tenho objecto.

O bloco central ao virar da esquina

Com Rui Rio a fazer o peditório e o amigo Costa à frente do PS, é uma questão de meses até que o “entendimento de regime se consume.

A ler…

Palavras de Rui Rio. Onde se fala de Justiça e Orçamento. Discordo na parte das primárias. É uma decisão dos militantes de cada partido. Os eleitores avaliam depois, nas eleições…

Verdade, essa vingativa

Perdoem-me que regresse a temas locais.

O Porto tem um belíssimo teatro municipal, o Rivoli, um edifício de inícios do século XX, e que após um período de remodelação reabriu, em 1997, como um dos principais equipamentos culturais da cidade. Durante os mandatos do executivo liderado por Rui Rio, e no âmbito da sua política de “contenção de despesas”, o teatro foi entregue a uma empresa privada, a do encenador Filipe La Féria.

O actual executivo de Rui Moreira herdou um teatro entretanto vazio (La Feria saiu há anos) e abriu um concurso público para a escolha de um director artístico do Rivoli e do Teatro Campo Alegre. O escolhido foi Tiago Guedes, que, na sua primeira entrevista nessa qualidade, afirmou que encontrou um teatro que havia sido deixado “em muito mau estado pelo Filipe La Féria”, afirmação que parece ter enfurecido Álvaro Castello-Branco, líder da distrital do CDS-Porto, e que foi também vice-presidente durante os mandatos de Rio, e que para além de acusar Guedes de “ignorância e arrogância”, se declarou “preocupado porque pelos vistos há um avençado da Câmara Municipal do Porto que quer ter opinião política”. [Read more…]

O “garden-party”

Costumo evitar o JN ao pequeno-almoço, tanto crime é-me indigesto, mas hoje valeu a pena ler a página 18 e descobrir como foi o “garden-party” de entrega das medalhas de mérito concedidas pela Câmara Municipal do Porto.

Assim fiquei a saber que Rui Moreira entregou a medalha municipal de mais alto grau ao seu antecessor e dele disse que representava o Porto “tolerante, liberal e apaixonado pela liberdade”.

Que esplêndida forma de começar o dia, à gargalhada. Bem hajam!

Foto: Público

A culpa da crise?

É dos políticos. Cuida-te Passos, ele vem atrás de ti…

“Não executivo” é turista?

working week

Depois de ter lido que Rui Rio “assumirá funções não executivas no BCP”, resolvi recuperar este meu projecto que ainda não obteve resposta positiva de nenhum banqueiro. Espero que, desta vez, algum deles se chegue à frente, carago! Será que nestas actividades os lugares são assim tipo companhia aérea? Ora, se o Rio foi nomeado para um lugar “não executivo”, vai para a classe turística, não é assim? E agora o meu projecto:

Decidi ser empreendedor. Então, dirigi-me ao banco mais próximo e apresentei a minha proposta: pretendo comprar 5% da Galp e, para isso, preciso de um empréstimo bancário. Como se compreende, é um empréstimo avultado, mas o meu projecto tem garantia de sucesso. [Read more…]

O Porto das boas contas…

Quem costuma ler os meus artigos sabe que não sou socialista, não sou de esquerda nem sou apoiante do PS. Com a mesma liberdade, não posso deixar de partilhar o artigo de Fernando Gomes, antigo presidente da Câmara Municipal do Porto.

Porque se é para discutir as “contas à moda do Porto” então o melhor é conhecer toda a verdade. A verdade nua e crua dos números. Como alguns gostam de fazer. E terminar com certos “mitos”…

Consultado o Relatório de Atividades e da Conta de Gerência da CMP e dos SMAS referente a 1999, último ano da minha gestão, verifica-se que a dívida total consolidada do município era de 76 523 140 euros (apresentada em escudos e agora convertida em euros). Verificado o Relatório de Gestão de 2012, o último publicado referente à atividade da equipa que agora cessou funções, constata-se que a dívida do município atinge 111 193 330 euros. Um agravamento considerável, convenhamos. Mas se tivermos em conta a dívida total consolidada (que integra as empresas e fundações em que a CMP participa), então já se chega aos 128 831 880 euros.

PSD, Purgas e Caça às Bruxas

Sou formal e explicitamente contra a qualquer espécie de punição sobre militantes que não foram seguidistas quanto às escolhas para estas Autárquicas 2013. Rui Rio pode ter muitos defeitos, inclusive a falta de agilidade e visão integrada para potenciar os milhões de turistas que a Ryanair deposita no Porto, mês após mês, mas jamais deverá ser sancionado, irradiado, punido pelas posições que assumiu. Nem ele, nem Pacheco Pereira, nem Capucho, nem ninguém. Ninguém de valor, no PSD, se é que o PSD merece regenerar-se, aprender e progredir, pode ser punido apenas por conceber um PSD diferente deste apascentado por Passos, por discordar frontalmente desta liderança e criticá-la, pondo em causa o chamado PSD Sistémico. Criticar é ajudar. Dou graças a Deus pelos que me criticam, mesmo quando se apressam nos seus julgamentos aos meus posts. Com isso, tal como com a indiferença, só me impulsionam para diante.

Pessoalmente, nem sempre gosto de Pacheco, nem sempre suporto Rio, mas estou muito longe de deixar de reconhecer a um e a outro, por exemplo, qualidades úteis ao PSD, necessárias ao País, bem como ideias incómodas sempre urgentes ao debate de ideias. Há muitos caminhos para se alcançar um País mais arejado de vícios políticos e mais regenerado de hábitos caducos. Goste-se ou não, quer Rio, quer Pacheco têm ajudado a essa missa. Já no que toca a Capucho tenho dificuldade em vislumbrar algo mais fecundo que um mero ressabiamento prebendista, ou não tivesse falhado clamorosamente o seu tirocínio à presidência do Parlamento. Ele e o Criador lá saberão.

Futurologia

Daqui a muitos anos, um concidadão meu lá do futuro (há palavra para tal?) há-de desencantar, de algum arquivo, as actas da reunião de ontem da Assembleia Municipal do Porto, e descobrir, porventura com um esgarzinho irónico do canto do lábio, que no ano de 2013 havia, nesta nossa comum cidade, um autarca de nome Rui Rio (quem?) que, na despedida, informou a cidade, o país, quiçá a galáxia, ser “possível pôr as contas em ordem e ao mesmo tempo fazer obra”.

Mas se este meu concidadão for um amante da cidade e conhecedor da sua história, há-de soltar uma risada e comentar, só para consigo, com esse distanciamento que só se pode ter com as coisas do passado:  “Olha que pena não teres feito nem uma coisa nem outra”.

Efectivamente, sem Hostilizar

O que jaz e subjaz denunciado neste texto faz estarrecer. Na sua globalidade, o autor parece suficientemente demolidor da sacra, seráfica e mui respeitável figura rui-rioniana para principiantes, bem-intencionados e para os outros. Chega-se ao fim e pensa-se no sepulcredo caiado da manufactura política e sobretudo no cinismo de certos ataques e acusações aos adversários ou rivais. A verdade não perdoa. A verdade nunca hostiliza. É a verdade. Mesmo nos interstícios da mentira há verdade. Mesmo no âmago do erróneo e no núcleo duro do errático há verdade. Mesmo num post imperfeito e sofista há verdade. Efectivamente.

Atira-se Vladimiro à Jugular de Menezes

Não gostei nada do tom com que o vice-presidente da Câmara do Porto, Vladimiro Feliz, vitupera o meu candidato Luís Filipe Menezes num certo comunicado ungulado. Mau sinal. Não gostei, mas parece natural e na esteira de quem inaugurou um tom negativista, pessoalista, destrutivo em relação a outra candidatura, Rio, como se a sua pessoalíssima consciência omnisciente acerca de Menezes, o seu resumo de Menezes, determinassem a missão divina de profetizar contra ele, não olhando nem à linguagem nem aos respectivos limites. Dado que Rio gastou as munições de maledicência na célebre entrevista-fuzilamento de carácter à RTP, dado que se expôs de mais e apanhou universalmente, é a vez de Vladimiro Feliz, o vice, prosseguir e aperfeiçoar as hostilidades.

E começa mal ao garantir que Menezes não conhece limites para o despudor, a mentira e a falta de vergonha. Porquê? Porque o meu candidato propôs-se a objectivos novos, a ensaiar processos diferentes, numa etapa de maturidade sua e numa cidade diferente, aproveitando a vasta experiência acumulada?! Vladimiro, Vladimiro, isso é que é entrar a perder numa refrega de ideias que resvala para o agarrar cego de uns colarinhos adversários. Em matéria de verborreia, meu caro Miro, de excesso de informação e contradição informativa, os conceitos de despudor ou mentira ou falta de vergonha são parentes e não se usam gratuitamente apenas porque um candidato apresenta propostas que escandalizam todas as virgens e todos os guardiães do templo da decência. [Read more…]

Aplausos para Rui Rio

Por uma vez na vida, tenho de dar os parabéns a Rui Rio. Chamou os bois pelos nomes (aqui chegado, resisto à piada fácil) e disse aquilo que é evidente para todos a não ser para os ingénuos: que Maria Luís Albuquerque mentiu de forma descarada no Parlamento e que, por isso, não tem condições para ser Ministra das Finanças.
«Não disse a verdade toda» foi a frase utilizada por Rui Rio. Vai dar ao mesmo. Mentirosa, impostora, trapaceira, trampolineira, enganadora. É tudo a mesma coisa. Numa única frase, mentiu com quantos dentes tem na boca.
Não era necessário vir Rui Rio dizê-lo. Todos ouvimos a Srª Swap no Parlamento. Dizendo que não sabia de nada e que nada lhe fora transmitido. Não sabia de nada? O próprio Vítor Gaspar o disse ontem, ela sobre o assunto em causa sabe mais do que a Lúcia. É a experiência em pessoa, visto que ela próprio assinou vários contratos do género, ruinosos para as contas públicas.
E aqui estamos, nós os contribuintes portugueses, para pagar os desmandos da Srª Swap. Que no afã de meter 200 milhões de contos no cu de Ricardo Salgado e afins, nem cuidou de ver quais eram os contratos que urgia extinguir e quais eram aqueles, como os do STCP, que neste momento até estavam a dar lucro.
Vai de férias, a Srª Swap, tranquila porque está a cumprir a sua missão. Todos sabem qual é.

Um Conas Chamado Rio

CunnusO País e o Porto têm tido em Rui Rio um austero e severo líder autárquico. Trata-se de um homem sério? Sem dúvida. De um político pelo qual podemos pôr as mãos no fogo? Sim, quase em absoluto. E no entanto, é um conas. Um elitista. Alguém que corta relações com parte da alma portuense, o FC Porto, e acha que é assim que se amputa a passada promiscuidade clube-autarquia. Não esteve mal na requalificação dos bairros da cidade, na remoção do Bairro de São João de Deus, mas não teve nada para oferecer às camadas mais pobres da população, um dinamismo novo por mais emprego, um projecto de vida. Rui mostrou-se muito preso de movimentos e imaginação para combater o desemprego da cidade, coisa a que um autarca menos merceeiro poderia obstar com mais cultura, novo petróleo do empreendimento jovem. Gritou na questão SRU, é certo, mas do enfraquecimento da liderança do Norte e do Porto falam anos de silêncio em torno dos dossiês da ANA, da RTP-Porto, do Porto de Leixões, da Casa da Música, do túnel do Marão, do comboio Porto-Vigo, dos voos para Bragança e Vila Real. Nisto foi conas. Passado é passado, embora isto nos esteja atravessado.

Agora lembrou-se de dar alvitres e judicar acerca da democracia adulta em que ainda não vivemos a propósito das declarações erráticas da Ministra Albuquerque no Parlamento. Rio tem um punhal bastante comprido, na hora de dar facadas morais e desleais aos seus oponentes e adversários internos, sendo que, tanto quanto me dei conta, os principais adversários e oponentes de Rio encontram-se precisamente no próprio partido, talvez em exclusivo, o que o irmana com Pacheco Pereira, outro que é basicamente um espírito de contradição e de uma fertilidade intelectual estéril simplesmente atroz. Outro conas. Mas adiante. Certo é que Rio diz mais, na sua entrevista conas à RTP, cuja superioridade moral é todo um tratado absolutista do à-vontade para julgar do alto da burra. Ignorando deliberadamente a complexidade do caso e o peso político da contenda PS-PSD subjacente aos swap, Rio simplifica o seu ataque dizendo que a Ministra não diz a verdade, o que faz pressupor como inteiramente honestos e assertivos os testemunhos de Teixeira dos Santos, Carlos Costa Pina e Pedro Felício. Nada mais parcial.  [Read more…]

Ou seja, mente com quantos dentes tem na boca

Rui Rio: Se vivessemos numa democracia adulta, uma pessoa que chega ao Parlamento e não diz a verdade a toda não tinha condições para desempenhar o cargo de ministra das Finanças»

%d bloggers like this: