Tu, Ministro da Cultura? Tem juízo, pá!

Qualquer indivíduo que tenha assistido a três festivais de verão e visitado duas exposições acha-se com uma cultura superior à média. Ouvindo e gostando dos violinos de Chopin pode ser-se secretário de estado. E se, por acaso,  se tiver folheado a Ulisseia e visto As Obras Completas de William Shakespeare em 97 minutos estáse apto para ministro da cultura.

A cultura, com a honrosa excepção de Carrilho, é uma espécie de florzinha para pôr na lapela, uma coisa onde há uns coquetéis e é agradável aparecer para ver quem está e ser visto. E os ministros, mais rissol, menos rissol, têm-na tratado assim, de acordo com este entendimento.

O resto, os sítios onde não há rosé nem canapés de camarão, é composto por hordas de tipos que protestam e gritam alto, dá-se-lhes uns subsídios para os calar, arranja-se umas bolsas, mas só aos que gritam mesmo alto. Os outros ignoram-se e pronto. De vez em quando, de preferência nas alturas em que aparecem altos dignitários estrangeiros e se faz uma cimeira, organiza-se uma inauguração de encher o olho e aí está: com este programa não se faz pior que os anteriores ministros, no mínimo faz-se igual.

Até hoje, os governos foram mantendo o ministério, apesar de subfinanciado. Era uma flor cara, mas pronto, dava para ostentar junto à gravata ou ao colar de pérolas, fazer figura de inteligente e gozar o deslumbramento do poder. Agora, Passos Coelho afirma que vai acabar com a Cultura, perdão, com o ministério e será ele próprio, além de primeiro-ministro, ministro da cultura. Não podia ser mais esclarecedor sobre a sua interpretação. Com ele, nem para flor a cultura serve.