Maria Eugénia González Castillo

Faz um ano escrevia este texto, com outro título. Mas, por causa da indignação familiar e porque o tempo passa num pestanejar, enquanto acontecem vários outros factos, vou reproduzir o texto em honra de uma grande amiga que na madrugada do 7 de Dezembro, ainda nãoFaz um ano, recebia o seu último suspiro. Apesar de eu não ser homem de fé, deve saber, ao pé dos seus pais, que este Dezembro de 2009, um ano depois da sua entrada na eternidade, uma nova sobrinha neta deve nascer em breve. Tenho a premonição, minha querida Amiga, que deve ser a 26 de Dezembro.Lembras quando falaste com a nossa filha Camila no dia do seu matrimónio, em Setembro do ano passado, esse dia que eu levava a filha ao altar, onde esperava Felix Ilsley, excelente genro, congratulaste-a e desejaste para eles muitos descendentes? Bom, essa  tua, como gosto dizer, neta secundária – nunca tiveste filhos, como narro mais em frente, é resultado dos teus bons desejos. Parece-me que o nome será Elisa, apesar dos pais preferirem o nome Rebeca. Maria Eugénia, é a filha deles, apenas temos que aceitar tu, Amanda a tua mãe e o teu pai Raúl, todos vocês juntos nessa eternidade sem tempo, sem portas nem tecto, minutos ou dias, imaterial, onde descansas de tanta agonia. A tua irmã Gloria, mandou celebrar uma missa em Cambridge, a tua sobrinha Paula na Holanda, uma terceira em Portugal, mandada por mim. As tuas amigas e primas em Santiago do Chile, comemoraram com outra celebração de altar e flores na tua campa: como sabes melhor do que eu, o Chile está em Primavera e as flores duma formosura e odor que até da alegria saber desta homenagem. [Read more…]