PlayBoy manhoso…

O Ricardo Santos Pinto colocou um poste sobre a capa da revista Playboy que mostra uma figura (Jesus) debruçando-se sobre uma mulher desnuda. À volta uns títulos anunciando a morte e a obra de Saramago. A casa mãe da revista não gostou e Ricardo vê nisso alguma serôdia hipocrisia.

Não leio a questão assim, talvez devido à minha profissão, acho que tudo se resume ao negócio. E qual é o negócio da Playboy? É uma revista com uma bela aparência, com belas fotos de mulheres nuas, lindas de morrer, e com umas entrevistas às próprias que não aquecem nem arrefecem. É assim há 50 anos, e quem compra a revista sabe ao que vai, as mulheres que são fotografadas também e quem a edita, ganha milhões. Tudo transparente!

O Tuga, manhoso, não está com meias medidas, coloca Cristo e Saramago na capa  e, a partir daí, faz de conta que vai analizar a polémica que sempre envolveu Saramago e a Bíblia.  Quer dizer, está a vender gato por lebre, porque quem compra a PlayBoy sabe que o que encontra na revista são fotos de mulheres nuas, é esse o negócio!

Nos EU, bem ao mal (não é o que está em discussão) há negócios que ganham dinheiro a médio/longo prazo, cá no burgo a visão é a do curto prazo, sacar depressa e depois logo se vê, destrói-se um negócio num ápice, assim acabe o negócio e o empresário fique com os bolsos cheios de massa. Clientes, trabalhadores, fornecedores, para não falar de ética nos negócios, é coisa que não existe.

É por haver este respeito pelo negócio, pelos princípios que são aceites por todos, que as empresas onde há mercados competitivos, duram dezenas de anos, mudando sempre que necessário, mas sem truques manhosos que tiram credibilidade e confiança ao negócio.

Se eu fosse o gestor do negócio, o inventor desta capa “já tinha ido de patins”!