Convinha avisar …

… quem tem por hábito brincar às petições, que existe legislação para ler antes de lançar um manifesto e pô-lo a circular pelas redes sociais para que o maior número de incautos, inflamados pelo ódio do momento, o assinem. Que eu saiba, embora já exista a modalidade de assinatura digital, os vulgares sítios para petições não a contemplam e são vulneráveis a que qualquer um forje uma identidade e a multiplique por centenas ou milhares de formulários pelo que nada, repito, NADA, valem , em termos legais, estas petições em-linha . De resto o senso comum deveria já ter alertado para a ineficácia e até para a patetice deste método. Ao lado de assuntos minimamente sérios, como a destituição do Presidente da República portuguesa, há quem queira salvar as zebras albinas da Etiópia ou impedir a saída de um concorrente da Casa dos Segredos.

Em matéria de petições, o que conta é a assinatura legal de quem quer fazer ouvir a sua voz e não meia dúzia de cliques executados do sofá da sala, enquanto se partilha uma piadola no mural do feicebuque ou se atira duas atoardas aos artigos de opinião do Público ou do Correio da Manhã. De resto, o sítio da Assembleia da República é bem explícito quanto ao regulamento peticionário:

“A petição, a representação, a reclamação e a queixa devem, porém, ser reduzidas a escrito, podendo ser em linguagem braille, e devidamente assinadas pelos titulares, ou por outrem a seu rogo, se aqueles não souberem ou não puderem assinar”. Mais informações aqui.

Quem mandar o senhor Silva embora? Têm duas soluções. Ou esperam que o mandato acabe e nunca mais votam no senhor, nem para cantoneiro da freguesia de Boliqueime, ou organizam uma petição como deve ser: com assinaturas reconhecidas em folhas de papel. Mas como eu sei que a segunda hipótese é trabalhosa e a geração de indignados é mais laptops e ipads, bem podemos continuar a contar com o senhor Silva  a fazer o que ele sempre fez melhor. Nada.