Poemas com história: Pedreira dos Húngaros

Na sequência da Revolução de Abril, o projecto SAAL tentou resolver o problema dos bairros de lata que enxameavam as cinturas industriais de Lisboa, Porto e Setúbal, principalmente. Hoje, os bairros de lata foram em parte erradicados, mas substituídos por outra dramática tipologia – a dos bairros degradados. Há, entre uma coisa e outra, diferenças quantitativas e qualitativas. Porém, a questão central mantém-se, porque se é verdade que, tal como acontecia nos bairros de lata, os bairros degradados abrigam muita marginalidade (roubo organizado, tráfico de droga, prostituição…), paredes meias com essa marginalidade, convivem pessoas honestas, que trabalham ou estão desempregadas, e que vêem os seus filhos crescer num ambiente que pode, à partida, condicionar negativamente o trajecto das suas vidas.

 

Este poema foi inspirado no trabalho  voluntário, de levantamento, sobretudo, que, prévio ao projecto SAAL, desenvolvi em bairros da periferia da grande Lisboa – Pedreira dos Italianos, Pedreira dos Húngaros (que chegou a ter 30 mil habitantes), Fim do Mundo, Marianas… Ali arranjei grandes amigos e como feito de que me orgulho consegui, num desses bairros, no do Fim do Mundo, perto do Estoril, sentar à mesma mesa, à volta de umas cervejas e de um qualquer petisco, os líderes das comunidades cigana e cabo-verdiana (em guerra permanente). Desconfiados, preconceituosos, o convívio não começou bem, pois desataram a desfiar recriminações, mas diversas imperiais depois, já se estavam a tratar por tu e a falar normalmente.

Um dia um amigo da Pedreira dos Húngaros, onde hoje se ergue o bairro de Miraflores, um cabo-verdiano que gostava muito de ler (sobretudo boa literatura policial), levou-me à sua barraca. Chovia torrencialmente e, indiferentes à chuva, as crianças brincavam alegremente esparrinhando a água nas poças. O Miguel apresentou-me a mulher e os filhos pequenos e, depois de eu ter visto as terríveis condições em que viviam, teve este desabafo: – Estás a ver, Carlos, sou pedreiro, faço casas para os outros e moro, com a mulher e os filhos, numa barraca. De facto ele era operário da construção civil e esta frase tão simples, além de desencadear mais um dos meus poemas panfletários (escrito em 1975, inédito até hoje), valeu-me por mil lições de economia política.

Pedreira dos Húngaros

A pedreira é chaga que te arde na cintura,

cidade plantada a ocidente, em carne viva,

mar de lama, rosa de pus,  gaivota esquiva –

pedreira – adaga que apunhala a noite escura.

 

É uma face turva, a faca curva que perdura,

em ti, urbe prisioneira, da negra luz  cativa.

É  bandeira da morte que drapeja altiva

a norte da verdade, em ti, cidade-desventura.

 

Sinto vidro moído à deriva num pulmão:

num labirinto percorrido por fera à solta.

procuro em vão saída para a claridade.

 

Morde-me a memória a malsã recordação

da realidade que em ti arde á nossa volta.

Pedreira, morte em flor na cintura da cidade.

_______

 

A célebre canção do Zeca, «Os Índios da Meia Praia», baseia-se também num episódio do projecto SAAL. Vamos ouvir mais, uma vez: