A editora Publicações Europa-América bateu no fundo

É com extremo pesar que escrevo estas palavras. Mas alguém tem que fazer algo! Pela memória de Francisco Lyon de Castro, faço-o eu. Para os mais leigos, ele foi o fundador da maior editora portuguesa do seu tempo. Para aqueles que não saibam, a editora era a menina dos olhos de Francisco Lyon de Castro. Tudo fez para divulgar a cultura. Quem de vós não se lembra, principalmente os mais vividos como eu, de ter um livro da Europa-América? E que deleite! Esse momento decorreu no tempo em que ele se preocupava. Foi até à sua morte. Foi um vínculo marcante para a cultura portuguesa.

Foi, já há algum tempo que deixou de o ser. Já há algum tempo que é só marca de “deixar andar”. Sem revisão, sem cuidado! E como se não bastasse, preços inaceitáveis! Perdoem-me as exclamações mas é para demonstrar as emoções que fluem em mim. Os editores sabem muito bem que assim o é, e os leitores dos livros da Europa-América também o sabem. Sem revisão e caros… perdoem-me o vernáculo, mas “venha o Diabo e escolha”. [Read more…]