Eis a portugalidade. Um quadro idílico, um retrato de Portugal

Chega a grande velocidade.
Em plena malha urbana, um Audi preto – matrícula antiga a fingir que é nova – detém-se em cima do passeio. Não uma nem duas, mas as quatro rodas, mais de dois metros para o interior do espaço reservado aos peões. Com muitos lugares vagos nas proximidades.
De lá de dentro, sai um homem. Cerca de 40 anos, barriga proeminente, fato de treino cinzento. Dirige-se para o café que fica mesmo ao lado enquanto vai tirando umas coisas de dentro do nariz.
Regressa 15 minutos depois. Caminha com um maço de cigarros na mão. Enquanto abre a embalagem, deita a película de celofane para o chão. Antes de entrar para o carro, escarra no passeio.
Parte a grande velocidade.