Ainda o “corrupio” (lendo António Nabais)

 Armindo de Vasconcelos

imagem-revisao

Sobre o tema aqui versado pelo António Fernando Nabais e comentado pelo João Esteves de forma superlativa, exemplarmente quando refere o “luxo” de contratar “revisores competentes” vs “ditames do lucro financeiro”, atrevo-me a chamar à conversa o extracto duma entrevista concedida por José Mário Costa, jornalista responsável pelo projecto Ciberdúvidas, à revista “Os meus livros”, em Fevereiro de 2012.

Sobre o panorama da tradução e revisão dos livros, referiu: “Como tudo o que nos cerca, nomeadamente nos tempos que correm, há do bom, mesmo do muito bom, e do pior. É um problema geral do País: a qualidade e a competência cada vez menos estimuladas”.

E, generalizando o horizonte da sua perspectiva, acrescentou: “Passa tudo pelo ensino do português desde a escola primária. Se até há cursos (universitários!) de jornalismo sem qualquer disciplina da área-ferramenta de trabalho nuclear da profissão, qual a surpresa da proliferação do mau uso do idioma nacional generalizado, hoje, tanto nos jornais como na rádio e na televisão?”. [Read more…]

Carta à editora Quidnovi

Caríssimas/os senhoras/es:

No dia 22 de Setembro de 2011, após ter enviado uma candidatura espontânea para a vossa editora em que me propunha para trabalhos de revisão e de tradução, fui contactada para fazer uma revisão literária. O que me foi dito foi o seguinte: “Tenho 350 euros de orçamento para esta revisão e será paga 30 dias após a entrega da mesma.” No dia 29 de Setembro, enviei a revisão feita, acreditando, ingenuamente, que o pagamento me seria feito até ao dia 29 de Outubro do mesmo ano. Até agora, nada. Depois de eu ter passado recibo, nada.

Foi-me também dito que a Quidnovi honra os compromissos que faz. Porém, honrar os compromissos significaria, da parte da Quidnovi, pagar-me dentro do prazo acordado. Pagamentos indesculpavelmente tardios não são compromissos honrados. A única pessoa a honrar compromissos nesta história, a cumprir prazos, a ser profissional e a demonstrar respeito fui eu. [Read more…]