Do meu linguista favorito

(…) pensam que hoje se escreve como no século XIX, que nesse se escrevia como no XVI e que, nos tempos de Machado, todos escreviam como ele e falavam como ele escrevia.”

Sirio Possenti