Clube grande, treinador médio, homem pequenino…

As derrotas costumam ter o mérito de afirmar grandes líderes. Um verdadeiro general defende os seus homens, às vezes até para lá do defensável, assumindo culpa, mesmo quando não comete ele próprio os erros.
Nunca gostei do estilo fanfarrão de Jorge Jesus. Sem lhe tirar o mérito pelas suas capacidades enquanto treinador de futebol, a verdade é que em 2013 ajoelhou no Dragão apesar de ter um plantel de qualidade superior. O ano passado “se quisesse deixava o Rui Vitória pequenino” após vencer o derby na Luz, mas as suas provocações serviram para motivar o rival que acabou por lhe servir a frio a vingança na 2ª volta em Alvalade. [Read more…]

Uma questão de princípio…

jj
Na qualidade de sportinguista, presumivelmente sócio com as quotas em dia, Jorge Jesus tem total legitimidade para integrar a comissão de honra da recandidatura de Bruno de Carvalho à Presidência do Sporting Clube de Portugal. Mas o cidadão Jorge Jesus não se pode esquecer que exerce uma actividade remunerada no clube, o que pressupõe direitos e deveres. Mesmo que possamos considerar o cenário pouco provável, em caso de derrota nas eleições de Março do candidato apoiado pelo treinador, estará Jorge Jesus preparado para colocar o lugar o lugar à disposição da eventual nova direcção do clube, caso ela venha a existir? Era bom que este ponto fosse clarificado, mas ainda não vi esta pergunta formulada pela imprensa desportiva ao treinador, agora que o black-out terminou…