No Norte também sabemos estourar dinheiro

Dizem-me que a transformação da linha Porto-Póvoa de Varzim de comboio para Metro foi o expediente que conseguiu que o projecto do Metro do Porto finalmente fosse concretizado.

Que se não fosse isso ainda continuaríamos a ouvir a velha desculpa que o Porto era uma cidade onde era impossível fazer túneis, mesmo esquecendo que há uns cem anos que já tínhamos por exemplo o túnel entre S. Bento e Campanhã.

A verdade é que depois desta transformação de comboio para metro, conseguimos a proeza de, 50 anos passados, o tempo que demora a fazer esse trajecto seja (mais segundo menos segundo) o mesmo.

Mas, como esta comparação vincava em demasia o ridículo que foi esta opção, a Metro do Porto decidiu comprar veículos mais rápidos que iriam (vão?) conseguir cortar uns dez minutos na viagem…

“Ontem, a inaugurar os novos veículos, Isaura e os cerca de duas dezenas de companheiros de viagem, quase todos “habituais”, esperavam chegar ao Porto 10 minutos mais cedo. Errado. Mais de 200 milhões de euros na reconversão da linha para o metro, mais composições urbanas e, agora, 115 milhões em veículos suburbanos “para quê” perguntam utentes.
“52 minutos para chegar à Trindade?”

Não, não é só o grande poder centralista de uma certa Lisboa que consegue esbanjar milhões sem resultados aparentes, nós aqui no Norte também nos vamos safando bem, obrigado.