De Visigordo para Magrebino

O facebook é mesmo assim. Um visigordo anda distraído a ler o que lhe aparece no mural e dá de caras com coisas destas de um magrebino.

 

Que não se pense que o autor da prosa se enganou quando escreveu “hospitaleira gente do Porto”. Não, muitos deles pensam mesmo isto. Mesmo. Consideram a malta do Porto (e do Norte, não se iludam) um bando de arruaças, de pacóvios, saloios e provincianos. Acham, acham.
Obviamente, esquecem o autocarro de adeptos incendiado, o assassinato de um adepto numa triste final da Taça de Portugal, as agressões no seu pavilhão. Esquecem. Eles são uns meninos de coro e para eles somos todos donos do “Calor da Noite”. Pois é.

 

Porém, as senhoras do “Calor da Noite” são bem mais sérias que autores deste tipo de prosa.

Apenas factos…

Mapa_Regiao_Norte_Portugal

A Região Norte é a mais pobre de Portugal e uma das mais pobres da Europa. O seu PIB “per capita” situa-se nos 80% da média nacional e nos 60% da média europeia. Sendo, reparem, a mais especializada na produção de bens e serviços transacionáveis e a de maior orientação exportadora a nível nacional. Algo verdadeiramente espantoso.

Além disso, para piorar o cenário e contrariar algumas ideias erradas, é a região mais penalizada pela aplicação dos fundos estruturais. Agora reparem: a Região Norte apresenta persistentes excedentes da sua balança de bens e serviços (e esses excedentes são os maiores, em termos absolutos: 5 milhões de euros em 2012). Factos.

Por fim, a Região Norte continua a aguardar que o governo nomeie um presidente para a CCDRN (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte). É verdade. O anterior presidente faleceu a 14 de fevereiro.

Factos. Apenas factos…

O Norte do antes quebrar que torcer já lá vai

Sabem aquele ditado “os cães ladram e a caravana passa”? Sinto o mesmo em relação à relação dos diversos ‘governos da República’ e o Norte. Não há governo que não seja acusado de macrocefalia lisboeta, de esquecer o Norte, e todos eles são apontados como os piores nesse departamento. Com naturalidade este é agora o pior de todos, o mais macrocéfalo lisboeta de todos os macrocéfalos lisboetas.

Porque cortou no apoio à Casa da Música. Porque esqueceu as particularidades do Aeroporto do Porto na privatização da ANA. Porque vai passar a produzir em Lisboa o programa Praça da Alegria. Porque foi a Bruxelas buscar dinheiro para aplicar na Madeira e em Lisboa, a regiões do país mais ricas, dizem os números.
Vimara Peres

[Read more…]

A Praça do Norte saiu à rua

Foi assim que se continuou a vigília de ontem.

Confesso que já tenho alguma dificuldade em explicar o que me leva a sair à rua, numa noite de inverno, mas vou tentar mais uma vez.

No último ano (se calhar nos últimos!) não vi uma única vez o Programa Praça da Alegria. Estou longe de ser o fã número um do Jorge Gabriel ou da Sónia Araújo.

Não consigo também dizer apenas coisas boas sobre o nosso serviço público de televisão. A RTP tem muito a melhorar? Claro que sim.

Mas a minha participação, tão activa quanto possível, nesta LUTA não se prende com nenhum dos pontos acima referidos.

O que está aqui em causa é uma tentativa do “poder” (governo? administração? outros operadores?) em iniciar a destruição do parte da nossa identidade! Nossa, do Norte! [Read more…]

RTP

A comunicação social em crise aproveita tudo o que mexe para se safar – no jornal I  fala-se da RTP Porto e de como esta é um problema, segundo eles, o maior dos problemas.

Há coisas que não são para explicar – a RTP tem que existir a Norte e não apenas no formato delegação. E tem que existir porque sim. A dimensão noticiosa de um país civilizado exige a presença do serviço público de informação (televisão e rádio, neste caso) de proximidade.

O jornalismo está longe de ser uma ciência exacta e por isso as vivências dos jornalistas, a sua existência enquanto pessoas junto da população é fundamental para perceber o pulsar do país e, com base nisso, construir informação de valor acrescentado. Reduzir a RTP a Lisboa ou, pior, reduzir a RTP à SIC e à TVI é um mau caminho que prejudica o país.

Quero que parte dos meus impostos continue a ser utilizado na RTP, no serviço público de informação e, claro, na sua produção no Porto e nas restantes delegações a norte.

A solução para o país não passa por fechar a paisagem e levar tudo para Lisboa.

—-

Actualização via face: Encontrei este texto da Jornalista Magda Rocha que não resisto a publicar: [Read more…]

Estamos à Vossa espera:

Nesta altura o Norte de Portugal prepara o verão. As festas populares são o pontapé de saída. Por isso, aqui fica o convite através de um vídeo que procura mostrar uma parte do Norte de Portugal em apenas cinco minutos. Foi o vídeo de apresentação da primeira Loja Interactiva de Turismo da Europa inaugurada ontem no Aeroporto Internacional do Porto – Francisco Sá Carneiro:

 

O Norte e os chulos

Para acabar de vez com a chulice

O Norte.

 

Por estranho que possa parecer, concordo com boa parte da opinião de Alberto Gonçalves (disponível na edição em papel) na Sábado de hoje, “O Norte Imaginário”. Mais, é um texto de leitura obrigatória para todos aqueles, como eu, que defendem a Regionalização. Porquê?

 

Simples, as críticas duras que aponta aos defensores da Regionalização, pelo menos a boa parte deles, é justa. O autor da prosa começou por expor o centralismo de forma correcta. Destaco: “O centralismo, velho de séculos e nas recentes décadas insultuoso, nota-se”.

 

Contudo, Alberto Gonçalves sublinha um ponto fundamental: “Graças à apropriação de uma desmesurada parcela das maiores fontes nacionais de riqueza, leia-se os impostos e os fundos europeus, Lisboa tornou-se comparativamente próspera face ao Porto e crescentemente indiferente face às lamúrias do Porto. O engraçado, para quem se diverte com o infortúnio alheio, é a ocorrência de um processo simultâneo e similar entre o Porto e o Norte de facto”. Esta afirmação final é, por muito que custe, profundamente verdadeira e explica o motivo pelo qual boa parte dos responsáveis políticos nacionais nascidos nesse “Norte de facto” a que se refere, chegados a Lisboa e alçados ao poder são os mais centralistas dos centralistas.

 

A mudança só serve se for para melhor. Para quem, como eu, acredita que a Regionalização é um caminho de mudança, mais, é “o caminho” e sendo eu nado e criado no Porto, não posso deixar de defender que a Regionalização, no que toca ao Norte, só pode ser realizada se, e só se, o Porto não representar para a Região o que Lisboa representa para o país. Trocando por miúdos: o Porto não pode nem deve ser a capital da Região.

[Read more…]

A Pronúncia do Norte

Ontem, pouco passava das oito da manhã e estava nas instalações da RTP Porto à conversa com o Presidente de Braga 2012 e um colaborador da RTP a discutir a velha questão do Norte e os media nacionais. Obviamente, a questão da privatização da RTP e, sobretudo, o futuro da RTP Porto eram tema de acalorado debate matinal entre cigarros consumidos no exterior do edifício.

Hoje, numa das páginas de facebook mais seguidas e activas do Norte (ESTA) um seguidor da mesma escreveu: O Jornal de Notícias foi o único jornal de expressão nacional a levar para a sua capa a abertura da Capital Europeia da Juventude em Braga. Os outros jornais optaram pelas habituais notícias de desgraça, intriga e futebol nas suas já tradicionais capas. Será que um evento que pretende ser um dinamizador de economia local, regional e até nacional não merece maior valorização, apoio e mediatismo por parte de quem pode e deve fazê-lo? (Miguel Oliveira).

[Read more…]

O Futuro da CCDRN:

Confesso o pecado: hoje tirei semelhante folga que só comprei o jornal quando fui jantar. Por isso não sabia que o vídeo colocado mais abaixo tinha sido tema no Jornal de Notícias e, para surpresa minha, a CCDRN (Comissão Coordenadora e de Desenvolvimento Regional do Norte) tinha sido tema de capa.

Segundo uma fonte do Jornal de Notícias, o Eng. Carlos Duarte é o próximo presidente da CCDRN. Uma excelente notícia. Porém, ao ler a peça de fio a pavio (duas vezes) dei por mim a pensar que cheira a queimadela. Da grossa. Os anos que levo a “virar frangos” a tal me obrigam. Mesmo olhando para o cabeçalho e verificando que a peça foi feita por um dos melhores jornalistas nacionais.

O Eng. Carlos Duarte aparece como o preferido dos autarcas do Norte. Só meia verdade. Ora vamos lá ver: o Eng. Carlos Duarte é o preferido da esmagadora maioria dos autarcas do PS e do PSD do Norte? É a mais pura verdade. Como o é, de igual forma, o facto de ser o preferido da esmagadora maioria dos múltiplos técnicos da área, dos diferentes dirigentes das inúmeras instituições públicas e privadas da Região Norte.

Porquê? [Read more…]

Regionalização e Euromilhões…

Será mais fácil a qualquer um de nós ganhar o próximo jackpot do euromilhões do que Portugal avançar para o processo de Regionalização.

A CP acabou com a linha Porto-Vigo. O motivo parece óbvio e simples: só tinha, em média, 12 passageiros. Como alguém escreveu, surpreendente é ter tantos passageiros dispostos a demorar mais de três horas para fazer pouco mais de uma centena de quilómetros. Num país decente, estes gestores de brincar da CP terminavam na cadeia pela forma como geriram a empresa ao longo destes anos.

Então, nos tempos que correm, demorava três horas de comboio uma viagem destas? Solução: em vez de criar condições para que a viagem decorra no tempo normal (uma hora), não. Toca a fechar a linha e desprezar o potencial da mesma. Talvez os senhores da CP não saibam que a Galiza (e Vigo em especial) é o principal emissor de turistas do Grande Porto e Norte de Portugal e um dos principais eixos de negócios. Talvez não saibam que uma linha ligando o Porto à Corunha teria um enorme potencial. Para isso seria necessário saberem e conhecerem a realidade desta Região e das suas principais “ligações” económicas. [Read more…]

Distrital do Porto do PSD a votos:

Esta primeira declaração foi um aviso à navegação. Os corporativos fartaram-se de escrever sobre “o pote” e procuraram passar uma ideia simples: se o PSD vencer vai “atacar” os lugares. Tal como foi feito na anterior legislatura pelo governo cessante. A primeira marca de diferença, de mudança, já está a ser colocada em prática e foi isso que Marco António quis deixar bem claro aos militantes do Porto.

 

Ler o resto AQUI

O Norte precisa de uma bússola

“No 3º trimestre de 2010, voltou a atenuar-se a tendência negativa do emprego na Região do Norte. Face ao trimestre homólogo do ano anterior, o número de empregados residentes na Região do Norte registou uma queda de 0,4% (equivalente a menos sete mil indivíduos empregados). No trimestre anterior, a variação homóloga  tinha sido de – 0,9%. A taxa de emprego (dos 15 aos 64 anos) atingiu novo mínimo histórico, fixando-se em 63,0%”.

Destaque para “novo mínimo histórico”.

Está no relatório de conjuntura divulgado esta terça-feira pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte.

2711

Eles fazem a festa e eu invadi a sala…

Quem não berra não come

Os fundos comunitários desviados das regiões mais pobres para Lisboa já ultrapassam 154 milhões de euros, o suficiente para construir três centros materno-infantis no Porto. Foi um aumento de seis milhões em meio ano, tendo o ritmo de aprovações abrandado.

In Jornal de Notícias

A isto não se chama desvio, concentração, opções políticas ou estratégicas. Nem sequer se chama ‘país a duas velocidades’. Chama-se uma vergonha!

Cada vez me convenço que, no seu jeito truculento, Alberto João Jardim tem razão. Quem não grita, quem não berra ou ameaça não come.

As SCUTS do SCROTES

Afinal o PSD não negociou nada com o PS quanto às SCUTS. O PS do Sócrates sempre que pode mente com os “chips” todos! Perante uma trapalhada das antigas, com o Norte em peso a “levantar-se”, o PS já está a sacudir a água do capote e a atirar as culpas para o parceiro que, estúpido, se vai deixando enredar na governação que não lhe pertence.

O Relvas, porta-voz, já veio dizer que o vice-presidente, Marco António (que raio de nome) não negociou nada quanto às SCUTS, pelo que se trata de uma estratégia do PS esta de meter o PSD ao barulho. Mas o PSD não sabe que o Sócrates sempre assim fez e sempre assim fará?

E, então, vamos ter SCUTS no país todo ou pura e simplesmente vamos continuar a pagar fazendo de conta que ninguem paga e é tudo à borla? Utilizador/pagador ou utilizador/contribuinte?

E quanto aos “chips? Vamos ter alternativa ou vamos todos ser perseguidos pelo “grande irmão”? Ainda por cima temos que o comprar o que não deixa de ser irónico, é o que se chama juntar lenha para nos queimarmos.

O pior é se o PS recua e já não temos uma manifestação grandiosa com o Norte na rua. Sócrates , valente, aguenta-te, que não seja por isto que fiques conhecido pelo “Sócrates das scuts”!

Temos Líder, Carago!

Até que enfim, Dr Rui Rio, até que enfim que o ouço a defender a sério as gentes do Norte.

Ao ouvi-lo, fiquei com a impressão de que o nosso líder chegou por fim.

Só espero vê-lo na linha da frente da defesa dos nossos direitos e à nossa frente, comandando-nos, na nossa anunciada revolta, mesmo que o seu partido se entenda com o ainda nosso Primeiro e acabe por não votar favoravelmente a revogação da Lei dos Chips.

Não perder o Norte

A forma como Rui Rio soube juntar a sua voz aos autarcas da região e em especial ao Presidente da CMMaia, permite antever um verão quente. Aliás, não posso deixar de sublinhar a lucidez do líder da Junta Metropolitana.

Entretanto, não esquecendo ESTE aviso à navegação, vamos esperar para ver o comportamento dos deputados, em especial os eleitos pela região (independentemente da sua cor partidária) na votação dos chips. Será um sinal, um importante sinal.

Norte é N.

O Norte bem precisa!

Solidariedade Territorial

Ontem o primeiro-ministro referiu que uma das linhas orientadoras do plano para combater o défice foi distribuir o esforço por todos de uma forma equitativa referindo que não queriam por em causa a saúde, a educação e as pensões nem por só os funcionários públicos a pagar a crise.

Parece-me mais ou  menos bem… só mais ou menos porque não sei até que ponto assumir que não se pode mexer sobre 67% da despesa é um luxo que podemos correr,  mas até concedo isso.

O que já não percebo é a insistência na falta de solidariedade territorial que se tem verificado e não, não estou a falar das SCUT.
Estou mesmo a referir às noticias de hoje que mostram mais uma vez que uns são filhos e outros enteados

Para um investimento que vai beneficiar principalmente a região mais rica do país  (pib = 120% media europeia) temos “260 milhões de euros para linha temporária do TGV” para a região mais pobre do pais, sim atrás dos Açores, Alentejo e Centro e também de todas as outras regiões europeias excepto Guiana Francesa e uma outra da Grécia, (pib = 80% da média europeia) “Governo vai reavaliar verbas para a segunda fase do metro do Porto

Campanha Para Uma Vida Melhor

Tempos atrás, iniciei uma campanha no “meu” sítio no sentido de, sempre que possível, consumir-mos productos da nossa região. Fui criticado de todas as maneiras e feitios, e apelidado de separatista, independentista e reaccionário.

Voltando ao assunto, podemos mudar o rumo da história que se segue, que no fundo não passa de uma caricatura, começando por, cada Português, passar a consumir mais 200 euros por ano em productos da sua região, do que hoje consome, em vez de comprar productos similares estrangeiros.

“O ZÉ, depois de dormir numa almofada de algodão (Made in Egipt), começou o dia bem cedo, pelas 6h45 da manhã, acordado pelo seu despertador (Made in Japan). [Read more…]

Do que falamos, quando falamos do Norte? (Memória descritiva)

Esta bonita canção interpretada pelo Rui Reininho, Isabel Silvestre e os GNR, peca, quanto a mim, por um defeito – é falaciosa. É que buscando na informação da qual sobre o tema disponho, não existe uma pronúncia do Norte – são várias as formas dialectais que coexistem no espaço que, de forma vaga, podemos considerar o Norte.

Socorrendo-me do saber de Lindley Cintra e Celso Furtado, diria que na área geralmente considerada «Norte» há, além do galego ocidental e do galego oriental, a norte do rio Minho os seguintes dialectos: transmontano, alto-minhoto, baixo-minhoto, duriense e beirão. Em conceitos de «Norte» mais ambiciosos, que incluem as regiões de Aveiro, Viseu, Coimbra e Guarda, a coisa complica-se ainda mais. Pronúncias ou acentos, muito diferentes uns dos outros. Por isso digo que a canção do Reininho é falaciosa – veicula uma ambição expansionista e política em detrimento da verdade científica. Mas não nos importemos com isso, vamos lá tentar analisar no que consiste o Norte. [Read more…]

Estranhas manobras

O surrealismo lusitano, canta e ri, corre e dança, inebriante, vicioso, contagiante. Num carrossel contínuo que mal permite repor o fôlego. Tudo é informação, tudo é actualidade, e no entanto nada parece verosímil.

Dois episódios de ontem, deste carrossel:

1 – A escova de Francisco Louçã sobre os ombros de José Sócrates, no plenário parlamentar, em híbrido gesto de solidariedade para com o Primeiro-Ministro, acerca das escutas.

Não bate certo, algo está por trás disso. Talvez as presidenciais. Talvez.

2 – O estranho avanço de Paulo Rangel, numa sôfrega candidatura à presidência do PSD, a dividir um eleitorado com Aguiar-Branco, e a solidificar um outro eleitorado, o de Pedro Passos Coelho.

É uma candidatura tardia, incoerente e desleal. Imprópria para quem assumiu o compromisso de que ficaria no Parlamento Europeu, e que as excepcionais razões do actual momento político por ele invocadas, só servem de injusto atestado de incompetência a Aguiar-Branco.

Parece que o Norte continua a assustar as ditas elites do PSD, desde os tempos de Francisco Sá Carneiro.

Pedro Passos Coelho agradece.

Num inebriante começo de mês, estas são apenas duas voltas de um carrossel de estranhas manobras. Tudo à roda, sem tino ou razão.

No Norte também sabemos estourar dinheiro

Dizem-me que a transformação da linha Porto-Póvoa de Varzim de comboio para Metro foi o expediente que conseguiu que o projecto do Metro do Porto finalmente fosse concretizado.

Que se não fosse isso ainda continuaríamos a ouvir a velha desculpa que o Porto era uma cidade onde era impossível fazer túneis, mesmo esquecendo que há uns cem anos que já tínhamos por exemplo o túnel entre S. Bento e Campanhã.

A verdade é que depois desta transformação de comboio para metro, conseguimos a proeza de, 50 anos passados, o tempo que demora a fazer esse trajecto seja (mais segundo menos segundo) o mesmo.

Mas, como esta comparação vincava em demasia o ridículo que foi esta opção, a Metro do Porto decidiu comprar veículos mais rápidos que iriam (vão?) conseguir cortar uns dez minutos na viagem…

“Ontem, a inaugurar os novos veículos, Isaura e os cerca de duas dezenas de companheiros de viagem, quase todos “habituais”, esperavam chegar ao Porto 10 minutos mais cedo. Errado. Mais de 200 milhões de euros na reconversão da linha para o metro, mais composições urbanas e, agora, 115 milhões em veículos suburbanos “para quê” perguntam utentes.
“52 minutos para chegar à Trindade?”

Não, não é só o grande poder centralista de uma certa Lisboa que consegue esbanjar milhões sem resultados aparentes, nós aqui no Norte também nos vamos safando bem, obrigado.

JOSÉ MARIA PEDROTO, ou "O MESTRE"

Ao cair do pano, uma referência que se impunha, pelo menos para mim enquanto portista. Os demais com outras sensibilidades que me desculpem, mas não podia deixar de o fazer.
Não tive oportunidade de conhecer o Mestre Pedroto pessoalmente. Era amigo do meu avô materno, mas a ocasião nunca surgiu, nunca se concretizou. E faz hoje 25 anos que essa oportunidade se esgotou.
Lembro-me bem do estilo, e estou grato pelo que fez não só pelo FCP como também pela cidade do Porto e pela região do Norte.
Foi ele, através do futebol, que iniciou um árduo trabalho de equilibrar os pratos da balança, e de devolver à cidade o seu orgulho tantas vezes ferido, numa época em que a homens assim se apelidava de “bairristas”.
Obrigado, Mestre.

Happy New Year, Feliz Ano Novo, 2010!

O ano está a terminar. Um ano e uma década que ficam para trás. Para mim foi um ano cheio e uma década activa.

Nasceu o Aventar e com ele regressei aos blogues colectivos, conheci outras pessoas e aprofundei a amizade com um dos seus mentores. Ao mesmo tempo, congelei o meu doutoramento e disse “adeus”, por uns tempos, ao jornalismo. Profissionalmente foi um ano intenso, inacreditavelmente enérgico. Um ano com três eleições, imensas inaugurações e outras tantas iniciativas de todo o género. O país, a Europa e o Mundo, sobretudo estes dois últimos, viveram uma das piores crises económicas da história e a pior para a minha geração. Quer dizer, Portugal em crise? Bem, nesta década foi sempre assim, de mal a pior. A minha região continua a bater recordes negativos para desespero de todos. O Douro continua a ser a excepção, crescendo a todos os níveis: económicos, turísticos e culturais. O Douro e o F.C. Porto, o grande vencedor da década (Taça UEFA, Champions League, Ligas, Taças de Portugal, Supertaças, Campeão do Mundo de Clubes, etc.). Nesta década nasceu a minha filha e neste ano começou, a sério, a sua vida escolar. Em termos musicais foi a década dos Sigur Rós; em termos culturais destaco o renascer do movimento cultural portuense cujo expoente máximo é, sem dúvida, a Miguel Bombarda e toda a zona envolvente. [Read more…]

Norte: A realidade nua e crua dos números

Acabei agora mesmo de receber o relatório do 3º trimestre de 2009 “Norte Conjuntura” produzido pela CCDR-N (ver AQUI). A vossa atenção para este dado:

No 3º trimestre de 2009, a taxa de desemprego da Região do Norte sofreu novo agravamento, tendo atingido o nível de 11,6% (bem acima dos 10,5% do trimestre anterior e dos 9,1% registados no trimestre homólogo do ano passado). A nível nacional, a taxa de desemprego fixou-se em 9,8% no terceiro trimestre (contra 9,1% no trimestre precedente e 7,7% há um ano).

Deste modo, o nível de desemprego da Região do Norte distancia-se cada vez mais da média nacional. Face ao trimestre anterior, destaca-se, na Região do Norte, o forte agravamento da taxa de desemprego feminina (de 11,3% para 13,4%), enquanto a taxa de desemprego masculina sofreu apenas um ligeiro acréscimo (de 9,9% para 10,0%). A taxa de desemprego de jovens (dos 15 aos 24 anos) voltou a subir (de 19,7% para 21,5%), anulando parte da diminuição que havia registado no segundo trimestre.

CAMPANHA Para Uma Vida Melhor, No Norte

.
APOIE E DIVULGUE, QUE NÃO CUSTA NADA E DÁ UM GOZO TREMENDO
.
Para mim, o Norte só acaba lá para as bandas do Mondego. Acaba o Norte onde o Sul começa. Já o disse antes nestas páginas, que a região norte deveria abarcar não só o Minho, Douro e Trás os Montes, mas também as Beiras, litoral e interior. É a minha ideia, devendo no entanto estar sozinho nesse pensamento.
Não é, no entanto, isso que aqui me traz hoje. Mais cedo ou mais tarde, por certo mais tarde que mais cedo, a regionalização virá, seja com uma região, como agora, seja com três, cinco, quatorze ou trinta e sete. Tantas quantas os mandantes deste nosso País, entenderem.
O que hoje me leva a escrever, é outra coisa. Para já, entendo eu, que a mais importante. Restituir ao Norte a sua real importância.
É por demais sabido que o Norte perdeu força, perdeu influência e até terá perdido o respeito de todo o restante País. Nós, os trabalhadores por excelência, o ganha pão de um País inteiro, somos hoje a zona mais pobre de Portugal, e uma das mais pobres da Europa. O respeito que antes tinham por nós, esfumou-se, e fazem da nossa região, gato-sapato. Basta ver o que os da capital nos tiram ou tiraram, sem se preocuparem connosco, sem se importarem com os prejuízos económicos que daí advieram. estou a falar, como é evidente, dos acontecimentos mais relevantes, como sejam o salão automóvel, o salão de moda e «aquelabebida air race», que do Porto, onde tinham um sucesso estrondoso, rumaram a Lisboa.
É preciso que as gentes portuguesas, mormente as gentes governamentais, saibam que estamos aqui, e que sabemos fazer valer os nossos direitos.
Para tal, é preciso afirmação e trabalho na defesa do que é nosso.
E no fundo, o que é que é nosso?
Nosso, são as nossas fábricas, os nossos produtos, as nossas casas, as nossas gentes, o nosso dinheiro.
E como poderemos nós, defender as nossas coisas? Consumindo-as, usando-as, incentivando os outros a fazerem o mesmo.
E é fácil, e não custa mais caro, e pode dar um gozo danado fazer as coisas do modo que eu faço.
Por isso, lanço esta campanha, para uma vida melhor, a Norte.
Como todos temos de comer e vestir e fazer férias e viver, sempre que possível faço da maneira que vos proponho. São oito medidas simples e fáceis de tomar.
. [Read more…]