Nasceu princesa, foi rameira…

Quem diria que, lá dos longínquos tempos em que escreveu, António Botto nos deixava um tão expressivo retrato de uma coisa que nunca viu, a União Europeia – sobretudo a dos últimos anos -, que, pensada como uma deusa, veio a dar no que deu. Após a negociata de ontem, adivinhem quem são os chatos coçados e os fregueses que aproveitam.
(almas mais sensíveis, abstenham-se)

Balofas carnes de
balofas tetas
caem aos montões
em duas mamas pretas
chocalhos velhos a
bater na pança
e a puta dança.

Flácidas bimbas sem
expressão nem graça
restos mortais de uma
cusada escassa
a quem do cu só lhe
ficou cagança
e a puta dança.

A ver se caça com
disfarce de um chato
coça na cona e vai
rompendo o fato
até que o chato
de morder se cansa
e a puta dança.

Os calos velhos com
sapatos novos
fazem-na andar como
quem pisa ovos
pisando o par de cada
vez que avança
e a puta dança

Julga-se virgem de
compridas tranças
mas se um cabrito
de cornadas mansas
abre a carteira e
generoso acode
a puta fode.

ANTÓNIO BOTTO

Comments

  1. Ana A. says:

    Há excepções excepcionais, mas só para quem pode! (Que maneira estranha de pronunciar os “efes”…)

  2. A.Silva says: